fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Andre Silva, ATP, Londres Copa Davis" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Andre Silva, ATP, Londres Copa Davis" lang="pt-BR" xml:lang="pt-BR" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
Andre Silva, ATP, Londres tênis" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2012/outros_assuntos/andre_silva_delpotro_finals_int.jpg" /> fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2012/outros_assuntos/andre_silva_delpotro_finals_int.jpg" />
Notícias | Dia a dia
Rio ainda pode ter o Finals, diz diretor da ATP
08/11/2012 às 17h12
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d
2012/outros_assuntos/andre_silva_delpotro_finals_int.jpg" title="Campineiro comanda torneio pela primeira vez" />

Campineiro comanda torneio pela primeira vez

Foto: Arquivo
Sheila Vieira
de Londres, especial para Tenisbrasil
fiogf49gjkf0d
fiogf49gjkf0d

Uma das pessoas mais requisitadas na Arena O2 durante o ATP Finals nasceu em Campinas e fala bom português. André Silva, que completa 40 anos neste mês, estreou nesta semana como diretor do ATP Finals de Londres. Mesmo com a renovação do torneio com a capital inglesa até 2015, Silva acredita que o Brasil pode continuar sonhando com o evento.

"Para alguém que saiu do Brasil quando ainda não havia Guga, é algo muito legal ser parte disso e saber da possibilidade de se levar o evento para o Rio. Acho que o Brasil está bem posicionado e vai demonstrar em breve que pode fazer uma Copa do Mundo e uma Olimpíada. Ou seja, pode ter um torneio desse nível (como o Finals)", afirma o diretor.

Por enquanto, Silva trabalha na Arena O2 circulando por todos os espaços e conferindo se algo precisa ser melhorado. "Consegui ver só um pouco dos jogos. A rotina é checar se está tudo funcionando. Há também outros eventos simultâneos com patrocinadores e ex-jogadores. Além disso, conferir se os tenistas estão satisfeitos", explica.

Silva é funcionário da ATP há mais de uma década, mas sua história no tênis começou aos 12 anos de idade, no Clube Internacional em Santos. "Meu estilo era passador de bola. Corria muito! Era jogador de saibro", lembra. No final da adolescência, o campineiro se mudou para os EUA para trabalhar na famosa academia de Nick Bollettieri, na Flórida.

"Dava aula à tarde e treinava de manhã. Fiquei lá por três anos e consegui uma bolsa para jogar pela Universidade de Anderson, na Carolina do Sul", disse Silva. Com o término do curso e um noivado com uma norte-americana, o paulista contou com os amigos jogadores, como André Sá e Tommy Haas, para ajudá-lo em sua carreira na ATP.

Doze anos depois, Silva é o comandante do maior torneio organizado pela ATP (os Slam são regidos pela ITF), mas ainda sente falta de muitas coisas de sua vida no Brasil, como seus amigos e uma bebida específica. "Guaraná!" é a primeira palavra que Silva diz ao ser perguntado do que tem mais saudades de seu país natal.

Com o final da temporada no tênis masculino na próxima segunda, Silva teria bastante tempo para descansar. No entanto, o dirigente tem um outro compromisso importante marcado para 2012. "Eu e minha esposa vamos ter nosso primeiro filho agora em dezembro", revela. "Ainda não escolhemos o nome... isso está dando uma briga", brinca Silva, enquanto se dirige para mais uma reunião na Arena O2.

Últimas notícias
Comentários
Loja - camisetas
Suzana Silva
ProSpin