TenisBrasil - Tenis.Com Chiquinho
Djokovic é 10; não vilão
Por Chiquinho Leite Moreira
setembro 14, 2015 às 1:31 pm

djokovic

Novak Djokovic conquistou o 10. troféu de Grand Slam com honra e mérito. Seu tênis foi tão convincente nesta final do US Open que sequer pode merecer o título de vilão, por ter eliminado o preferido da torcida, Roger Federer. Não só na Arthur Ashe, mas acredito que em todos os cantos do planeta, a maioria torcia pelo 18. do tenista suíço. Mas também creio que houve um total reconhecimento ao jogo do sérvio.

Com dois gigantes em quadra, a decisão do título em Nova York correspondeu às expectativas de um belo espetáculo. Assim, não só Djokovic ganhou, mas também o tênis. Afinal, se o tenista sérvio mostrou competência, Roger Federer encantou a todos com sua espetacular técnica, suas inovações e incontestável beleza.

O próprio Novak Djokovic admitiu que vê como normal a preferência por Roger Federer. Disse também que algum dia espera merecer este apoio do público. Vejo que o sérvio também tem seu carisma, mas, é claro, é preciso entender o momento do tenista suíço e a preferência da torcida, seja lá onde ele jogue.

Os 28 anos, Novak Djokovic confirma uma das mais impressionantes temporadas de sua carreira. Conquistou três Slams e apenas deixou escapar a Copa dos Mosqueteiros para um outro suíço, Stan Wawrinka. Perto dos 30 de idade, o sérvio pode, sem dúvida, alcançar vários recordes. O segredo para isso, ele revelou na entrevista coletiva após o jogo: o fato de cuidar do corpo, respeitar seus limites e a enorme dedicação.

Além da final masculina, este US Open reservou outros momentos inesquecíveis, como a derrota de Serena Williams para Roberta Vinci. E, é claro, a emocionante decisão contra Flavia Penetta e, de quebra, mais um título de Martina Hingis. Por isso, o último Grand Slam de 2015 não tem vilões, apenas novos e antigos ídolos.


Comentários
  1. Pedro

    Acho que ninguém acredita que o Novak seja vilão. O problema é que é impossível concorrer com o carisma do Federer. Uma pena que o suiço tenha entrado no jogo deste domingo tremendo de medo, como de costume em finais de Grand Slam. É o problema psicológico da importância e da dificuldade de se ganhar um Slam, somado a idade cada vez mais avançada. Para mim, ele jogou o torneio inteiro melhor que todos os outros, mas na hora de decisão perdeu para ele mesmo. Se tivesse mantido o sangue frio das outras rodadas teria despachado o Novak em sets diretos.

    Responder
    1. Chiquinho Leite Moreira

      Pedro respeito sua opinião, mas não acho que o Federer tenha se abatido. O problema é que todas as bolas voltam e quase sempre muito perigosas. Observei na final de domingo que em todas as vezes que o Djokovic devolvia uma bola um pouquinho mais tranquila, o suíço pegava forte e ia para o winner.

      Responder
      1. marcelo

        Acho que o Pedro se refere ao índice de acerto do primeiro saque do suíço no primeiro set, abaixo dos outros sets e principalmente, do que ele vinha alcançando no torneio.

        Responder
        1. Pedro

          Você também observou que ele entrou tenso no jogo, e depois melhorou, mas mesmo assim, estava muito mais ansioso do que de costume. Algumas pessoas conseguem ver isso e outras não.

          Responder
      2. Pedro

        Boa tarde Chiquinho,

        Obrigado por ter respondido ao meu comentário. Sou apenas uma pessoa comum, que joga tênis de maneira amadora, mas que gosta do esporte e que é bastante observador. Se você puder ver a entrevista do Federer antes de entrar na quadra poderá observar o que eu disse. Ele fala de uma maneria que é como se ele já tivesse perdido, pois ele mesmo diz que foi bom ter chegado onde chegou (na final). Para mim isso não é discurso de alguém confiante. Parece mais uma desculpa de alguém que acha que vai perder. Em relação às bolas voltarem perigosas. Com certeza. Aliás, eu acho, que o Novak é o melhor devolvedor de saque do circuito ( O Fininho fala que é o Murray), mas também acho que o Federer vacilou (que também não é de agora) nos break points, convertendo apenas 4 de 23, o que para mim mostra de novo “falta de confiança”.

        Responder
        1. Chiquinho Leite Moreira

          Pedro hah varios amantes do tenis como nos que compartilham a sua opiniao. Mas discurso antes de jogo nem sempre eh sincero e serve muitas vezes para tirar a mochila da pressao . Enfim, se tantos estao achando q o Federer entrou derrotado pode ser isso mesmo. Mas eu , particularmente, nao penso assim. Ele sabia q o favoritismo era mesmo do Djoko… abs e fique a vontade para discordar.

          Responder
          1. Pedro

            Gostaria de fazer mais uma pergunta: por que o Federer ganhou do Novak em Cincinatti, se o saque, a devolução, a esquerda, a movimentação e a cabeça do Novak são melhores do que do Roger? Eu analisei o jogo do Novak e não há buracos. Ele é melhor que o Federer nos quesitos ditos acima, então como é possível o Federer ganhar de vez em quando? Quadra rápida? Jogo sem pressão? O mais impressionante é que a movimentação do Novak com toda aquele deslizamento em quadra e ainda com a esquerda que parece uma direita, e mesmo assim de vez em quando ele perde, como? Obrigado por contribuir.

          2. Chiquinho Leite Moreira

            Bem… naquele jogo de Cincinnati fiquei com a impressão de que o Djokovic meio que deixou pra lá ao perder um set. Disse no Ace que ele preferiu investir num outro grande momento que foi o US Open. Não sei se vc tb teve a mesma impressão…

          3. Pedro

            É difícil fazer estas análises Chiquinho. Ele pode sim ter largado a partida ou pode também ter se desmotivado, apenas não sei a razão pois Cincinnati é o único Masters 1000 que ele não possui. O que eu vejo é que mesmo o Novak, tem seus altos e baixos. Mesmo nesta partida do US 2015, ele oscilou. Por muitas vezes o Federer teve chances, só que não teve tranquilidade para fazer as escolhas certas na hora certa. Era como se a cabeça do suiço estivesse transtornada nesta final do US 2015 e ele quisesse ganhar na marra. Tênis com ansiedade não combina, principalmente se tem um cara do outro lado que parece um paredão. Sinceramente eu acho que o Federer ganhar um Grand Slam é viável, porém, ou ele vai ter que domar esta ansiedade ou vai ter que jogar com um cara que também caia de nível na final. Bom poder conversar com quem conhece o esporte e tem acesso a estes grandes torneios.

      1. Luiz Fabriciano

        Engraçado né Edson, Federer ganha de tudo mundo e quando perde de Djokovic, perde para ele mesmo.
        Foi assim em todas as finais que disputaram. Interessante isso!

        Responder
      2. Solange

        Não acho de forma nenhuma que Federer perdeu para ele mesmo. O fato é que até a final ele não teve nenhum adversário competente que lhe fizesse frente. Na final, quem estava do outro lado da rede era simplesmente o número 1 do mundo, finalista em todos os SLAMs de 2015, com 7000 pontos acima do numero 2 que é o Federer. Ele não está ali por acaso. Venceu com autoridade e competência mostrando aos que tem olhos para ver quem é o melhor jogador da atualidade, simples assim.

        Responder
        1. Smiles

          Realmente Solange o Djokovic está jogando muito, desfila na quadra como se fosse uma mesa de ping pong, é impressionante.
          Parabéns pelo comentário.

          Responder
    2. luis moniz

      o federer quando ganhar ao nole em torneios de grand slams em sets diretos vai ser um milagre no ténis«o nole já não e aquele puto que na final do us open de 2007 podia ter ganho os dois primeiros sets e perdeu pk deixou-se ir na emoção«

      Responder
  2. Altaisio Paim

    Boa tarde!
    Chiquinho, e se o Federer tivessse vencido? Seria merecido? O suíço jogou um bolão, teve chances, ousou e mostrou a arte de sempre em alguns momentos da partida.
    Abraço.

    Responder
    1. Chiquinho Leite Moreira

      Tb acho que seria justo se o RF tivesse vencido. Afinal, ele vem se reinventando, mostrando novos golpes e dando bons espetáculos. E, como já disse acima, quem chega a decisão de um Slam pode levar o título… por que não?

      Responder
  3. André Lima

    Grande Chiquinho!

    Belo texto, como sempre.

    Bem como falou… “Sem vilões”.

    Acho que a “revolta” do Djoko faz um pouco de sentido, de parecer que ele não merece como o Federer, as tenho certeza que ele sabe o que acontece na cabeça da massa e seguramente voltará mais ídolo do que é ano que vem…

    Responder
    1. Chiquinho Leite Moreira

      Djokovic é tb muito carismático e logo logo ganhará todo o público. Há dois ingredientes que, às vezes, o levam a ficar em minoria. A primeira, no caso dessa final, é o sentimento de muitos pelos 34 anos do genial RF. Além disso, em uma opinião bastante particular, os torcedores sérvios nos torneios são normalmente muito provocativos. Se incentivam seu tenista, por outro lado, causam irritação de outros torcedores, praticamente os levando a incentivar os adversários.

      Responder
  4. Ligia

    Chiquinho, Djokovic mostrou competência e muito talento. Basta lembrar das inúmeras passadas que ele deu, os golpes de direita e aqueles incríveis lobs.
    É comum os comentaristas ressaltarem a força física e mental do Djokovic como determinante para suas vitórias, é como se seu tênis fosse apenas esforço. Acho que vocês precisam começar a reconhecer o enorme talento do tenista sérvio. Ele merece.

    Responder
    1. Chiquinho Leite Moreira

      Sem dúvida Ligia que reconheço. Ele é um jogador completo e que vem sempre melhorando em todos os fundamentos. Tb é um gênio, ou um craque de bola… por que não?

      Responder
      1. Marcelo

        Verdade, Chiquinho. Os dois, Djoko e Federer, são tão fabulosos que fica até difícil torcer. Durante a partida, minha mulher até estranhou que eu comemorasse as jogadas brilhantes dos dois. Pergunta: “Mas,afinal, para quem você está torcendo?”. Minha resposta: “Tenho uma ligeira preferência pelo Djoko, mas é difícil não admirar o tênis genial do Federer” Em resumo, jogo dos dois é briga de cachorro grande, com jogadas fantásticas, que vale a pena ver, torcendo para que durem bastante. Abraços a todos aqueles que torcem pelo bom tênis!

        Responder
  5. Francisco

    Boa tarde xará

    A pergunta que se faz hoje já tem se tornado um cliché. Roger Federer ainda vencerá outro Slam? O que você acha? Eu particularmente acredito que sim, mas como fã incontestável do suíço baseio meu otimismo em pura emoção. Não tenho a mínima noção do caminho que ele deveria trilhar para chegar à cobiçada décima-oitava taça de GS. E você Chiquinho? O que pensa sobre o assunto.
    Com relação a Novak, a ele todos os elogios possíveis. Um notável e irretocável campeão que soube se safar inúmeras vezes ontem diante daquele que, inclusive o próprio Novak, considera como, quiçá, o melhor de todos os tempos. Parabéns às italianas, à surpreendente Penetta e à guerreira Vinci, esta que livrou a muitos dos chiliques histérico-melodramáticos de Serena Williams, outra inconteste campeã, mas que, a meu ver, falta-lhe classe e “sportsmanship” – salienta-se “durante as partidas”. E a grande Hingis – antiga heroína helvética que segue cunhando seu nome na história deste esporte magnífico.
    Grande abraço xará e até a próxima!

    Responder
    1. Chiquinho Leite Moreira

      Xará não há dúvidas de que RF pode ganhar mais um Slam, se chegou a final dos últimos dois. Sempre uso o exemplo de Arantxa Sanchez nestas situações. Quando ela chegou a decisão de RG contra a grande Steffi Graf até mesmo os espanhóis estavam receosos de um vexame, de um duplo 60. Mas, ao fim do jogo, a então espanholinha levou o troféu de campeã. Ou seja, se está na final tem chance… ora.

      Responder
    2. Eduardo

      Claro que pode!! É só combinar com a organização do torneio pra desclassificar o Djoko ou então combinar diretamente com o sérvio para que ele caia fora antes de jogar com o suíço.

      Responder
  6. andre

    acho que essa final marcou a vitória da eficiência sobre a arte. Assim como aconteceu no futebol, penso que uma era de ouro do tênis acabou. As escolinhas vão privilegiar essa absurda constância do Sérvio.

    Responder
  7. Marcelo Franco

    Chiquinho, sem dúvidas um grande jogo. Dois gigantes. Torcia por Federer, como 90% do globo e acho que ele merece o 18 pela sua história. Continua se renovando e desafiando. Mas também concordo que já não possui um mental tão poderoso. Impossível depois de perder tantas finais como perdeu nos últimos anos para os mesmos adversários (Nadal e Djoko) que a cabeça não sinta. Basta ver a quantidade de erros não forçados e a queda do saque no 1 set. Quando melhorou no segundo, foi bem até o final. Para cair novamente e perder pontos preciosos com erros não forçados. Sei que não é o estilo dele, mas falta colocar a garra para fora, estufar o peito e dizer, eu sou o melhor. Não me agrada o estilo do Nadale do Djoko, mas eles transpiram sangue em quadra. E aso aconteceu literalmente ontem. Abs.

    Responder
    1. Chiquinho Leite Moreira

      Concordo… o Federer errou muito mais. Mas não sei se faltou garra. Acho que o Djoko foi sim superior. Antes mesmo do jogo, acredite se quiser, numa mesa de amigos um ex-tenista colocou 3 a 0 para Djokovic e todos se surpreenderam. E com o apoio de um ex-tenista coloquei 3 a 1 para o sérvio e tb fui repreendido. Enfim, acredito em título de Slam para Federer, mas do jeito que o Djokovic jogou ficou justo.

      Responder
  8. Tarcisio Colares

    Apesar de existir uma preferência historica pelo Federer e de haver uma torcida pelo 18o slam da carreira dele, ainda assim achei muito estranho o clima na quadra. Isso não ocorreu com a Roberta Vinci que chamou a torcida e bateu no peito pedindo aplausos quando fez grandes pontos. Isso até justifica a “brincadeira” do Djokovic. This is Sparta foi mais uma cutucada de quem se sentiu isolado em meio ao “exército” de 20000 torcedores contrários a ele. Fiquei com sérias dúvidas se aquele clima de Davis no Arthur Ashe ocorreria se fosse o Nadal na quadra.

    Responder
  9. Jonas Neves

    Chiquinho,Nadal tem 29 anos e anda visivelmente abaixo de seu nível,sendo que pra mim o jogo dele é bem mais físico do que o Djokovic,que também usa bastante a parte física,porém, nunca foi muito de se lesionar e parece cuidar extremamente bem de seu corpo,li alguns federistas dizendo que daqui a pouco começa sua decadencia ,diante disso eu olho para o Djokovic e o vejo com seus 28 anos dominando amplamente o tenis e sem se lesionar,jogando sempre em alto nível,eu pelo menos o vejo dominando o tenis pelo menos até os 32 anos,pode parecer exagero,seu jogo é muito fisico,mas voce acredita que isso seja possivel?Djokovic com um jogo tao fisico como esse,chegar a esta idade ou mais velho ainda continuar dominando o tenis?Abs.

    Responder
    1. Chiquinho Leite Moreira

      Bem o Djoko fala q o segredo eh cuidar do corpo. Mas acho muito dificil ele nao sofrer lesoes, desgaste etc e tal por um longo periodo.

      Responder
  10. Roberto Ferreira Costa

    Bem, sou fa do Djoko pela simpatia e pela forma de lidar com o publico, seus adversarios e com o pessoal que trabalha nos torneios. Lembro que no ATP 1000 de Miami de 2012, apos um treino, ele atendeu varios fas com autografos e fotos. Assisti varios videos que o pessoal da equipe dele fez. Ele e esforcado e batalhador, uma pessoa objetiva, mas nao deixa de lado a alegria. Sempre que possivel ele gosta de entreter o publico. Eu sou fa incontestavel do Djoko. Gosto do Federer por tudo que ele fez. Dificilmente alguem vai bater os seus recordes, mas se o jogo for entre eles, nao tem jeito, sou Djoko.
    Um abraco, simpatico Chiquinho!!!

    Responder
  11. eu

    bom, o que eu tenho a dizer sobre o jogo é os seguinte…falta colhões para o Federer em finais de GS. Não existe outra explicação o cara não perdia um set sequer desde a final de wimbledom e assim como ali esse us open ele simplesmente atropelou todo mundo enquanto djokovic sofria pra passar por adversários medianos.. ontem a partir do primeiro game eu já notei que Federer entrou travado na quadra, no segundo set ele se soltou e jogou bem até a metade do terceiro agressivo indo a rede com frequência…depois a partir da metade do terceiro set…voltou a ficar conservador e incrivelmente desanimou…ele simplesmente desanima e a impressão que dá é que perde o interesse pelo jogo…eu sou um admirador do suíço mas essas oportunidades que ele perde são muito frustrantes

    Responder
      1. eu

        em determinadas situações com certos oponentes estou seguro que não..Federer é fantástico mas quase sempre fraqueja quando tem que realmente “sofrer” pra ganhar uma partida com exceção da final de wimbledon 2007 não me lembro de Federer ganhar uma final de GS em uma partida que podemos chamar de épica… todas as vezes ele sucumbiu..como disse ele é um gênio mas me passa a impressão que não está disposto a dar tudo em quadra por um título diferente de nadal e djokovic que estão dispostos a dar o sangue se for preciso

        Responder
  12. Mauricio Jr

    A maioria assistiu o jogo, simplesmente, torcendo para Federer ou Djokovic, e acabaram não analisando com imparcialidade a partida. Para mim, o sérvio tem a bola mais veloz e mais angulada que o Federer e ele, para se manter competitivo, jogou no seu limite o tempo todo. Tanto isso é real, que Federer buscou e conseguiu muitos winners. Porém, também comenteu quase o dobro de erros não forçados. Já no início do 4o. set o suíço buscou elevar o nível do seu jogo, porém Djokovic foi além. Impôs um ritmo bem acima e abriu duas quebras de vantagem. Sofreu para fechar o jogo porque é natural, ainda mais na final de Slam. Não duvido de duas coisas: que Federer ganhe mais um Gran Slam e, muito menos que Novak venha a ser o maior vencedor de todos os tempo!

    Responder
    1. Marcelo

      Onde eu assino, Mauricio Jr.? Comentário perfeito! Quem gosta de tênis só tem a ganhar assistindo a esses dois monstros em quadra. Tenho leve preferência pelo Djoko (acho que mais por ver seu esforço dos últimos anos e saber que tem menos títulos que o Federer), mas o suíço é gênio, boa gente (como o Nole), também merece ficar muito tempo nos dando alegrias. Abs.

      Responder
    2. Pedro

      Minha análise é que o sérvio possui a bola de esqierda mais veloz, mas a direita do Federer é inbatível. Acho que o Federer jogou no limite pela falta de esquerda, mas não esse o problema dos erros, e sim a cabeça dele, que estava muito ansiosa, querendo terminar de maneira aloprada os pontos. Sofrer para fechar um jogo é natural, por que? Pode ser comum, mas não é natural. Não via o Michael Jordan ficar com medo na hora de arremessar uma bola faltando 2 segundos para acabar um jogo de basquete. Federer ganhar novo Slam? Só se mudar a cabeça ou se pegar um cara que caia de nível na final. Novak maior vencedor? Pode ser, mas aposto muito mais em uma contusão devido a este abuso do físico. Te lembra que o Nadal não tinha problemas no início? Vê agora.

      Responder
  13. Bruno Castro

    É duro admitir mas RF é fraco mentalmente e não tem a raça, a gana do Djoko. Acredito que o Djoko vai derrubar a maioria senão todos os recordes do Federer.

    Responder
    1. MARCELO DIAS

      O maior vencedor de todos os tempos. 17 GS. Como um cara desses é fraco? Quantos fizeram duas finais de GS aos 34 anos? Sei não, acho que perder ou ganhar numa final pode ter determinantes diversas. O RF jogou muito. O Djokovic mais um pouco. Se o placar fosse invertido, i.e., 3×1 para o RF não seria nada demais. Aqui no Brasil, tudo se resume, na cabeça dos torcedores, a raça. Raça, o que é raça?

      Responder
      1. Marcelo

        Verdade, xará. Concordo plenamente. Aliás, se o Federer vencesse o quarto set (não ficou tão longe assim), alguém duvidaria de que ele conseguiria vencer também o quinto e o campeonato? Abs.

        Responder
  14. Márcio

    Olha entendo que o vencedor teve todos os méritos, a final foi entre os melhores.
    Mas o Tenis não venceu.
    Pelo contrário, perdeu.
    Hj a atual geraçao não consegue sequer vencer um master 1000.
    FEDERER tirou de novo Wawrinka da final, como no FINALS ano passado, pra perder pro Djoko na final.
    Está ficando é chato, isso sim, pois um veterano tem que tentar fazer frente ao único bom jogador da atualidade.
    Ou por outro lado, o veterano tira a oportunidade de outros terem o devido e desejado crescimento, AÌ sim para o bem do TENIS como um todo.

    Responder
    1. Luiz Fabriciano

      O veterano tira a oportunidade? E existe isso?
      Quando Federer era bem novo e começou a ganhar tudo, ele “tirou” a oportunidade de quem?
      Isso é esporte meu caro. Vence o melhor. Quem se empenha mais, quem quer mais e se possível, quem tem uma dose a mais de habilidade.

      Responder
  15. Maria José nun-es

    Sinceramente vi o jogo sem paixão por RF ou Djoko.O que gosto são lances precisos,jogadas bonitas ,regularidade o lado físico e mental.Nisso o Djoko deu de dez,caiu teve escoriações no cotovelo,joelho e na lateral da perna. Não teatralizou isso e foram escoriações bem grandes,pediu médico que limpou jogou um pó e pronto,lá se foi Djoko jogar em carne viva venceu e convenceu como tem feito todos esses anos de número um.Minha análise sobre Federer é que anda chegando modificou seu jeito de jogar mas tem dado sorte com chaves menos difíceis só Murray dessa vez.Essa história de maior de todos os tempos depende de que época as pessoas são e quem viu jogar.Felizmente peguei a época de ouro do tênis Ivan Lendel,Björn Borg ,Agassi,Pete Sampras,Jonny mac Enroy etc.Para mim o melhor de todos os tempos foi Björn Borg,perfeito,agressivo e clássico,parou aos 27 anos se tivesse continuado….O tênis sempre foi esporte de elite mas hoje está como futebol torcida por A,B ou C chegam a essa chatice de melhor que …Como foi comentado acima Federer amarela em certas decisões e ontem para quem estava jogando bem teve o jogo nas mãos e não fechou tem que repensar.Ora,a idade pesa para todos nós imagina para atletas.Mentalmente Federer é muito fraco basta ver a supremacia do Nadal sobre ele.Fiquei sim chateada da Serena Willians não conseguir a carrier,pois ela sim treinada com vídeos no quintal da casa pelo pai é detentora se 21 Grand Slans ficou um ano sem jogar pela pneumonia intersticial que mata.E,para não sair da mesmice,é a melhor tanto do feminino quanto do masculino.Não vejo nela obsessão de atingir metas claro deve tê-las mas comedidamente.Entra em quadra para arrasar mas pegou uma Vinci com muita garra e determinação e foi justamente eliminada.Portanto ,o bonito do tênis é isso,garra e determinação não faltou isso ontem mas o abatimento do Federer era visível com seus 34 anos ,ele entra com o semblante leve depois aparecem o tal bigode chinês quando começa a perder.Uma pena que o tênis esteja perdendo seu charme para virar um esporte tipo futebol,espero não ver cantorias,jargões ou que tais.Roland Garros e Wimbledon não permitem esse tipo de comportamento.Ao Djoko muitas vitórias e ao Federer e aos demais foco e força mental sem ela não há físico que resista.Federer melhor sair de cena por cima pense nisso se não veio o 18 deixe sua história e vá curtir a Dolci far niente.Desculpe por ter sido prolixa Sr.Chiquinho.

    Responder
    1. Marcelo

      Verdade, Maria José. Tivemos outros monstros incríveis no tênis. Eu me lembro de uma madrugada que passei assistindo a um jogo pelo aberto da Austrália, em 1988, acho, entre Boris Becker e Ivan Lendl. Que partida inesquecível! Abs.

      Responder
  16. Marco A.

    Muito boa análise. Eu, diferente da maioria, estava torcendo totalmente para o sérvio, até por ser torcedor e fã absoluto do Nole.

    O jogo foi excelente, embora não tenha sido o máximo que poderiam ter apresentado.

    1 – Acho que muitos torcedores do Federer se perdem nisso de perder para si mesmo, creio que o que ocorre é que o estilo de jogo do Djokovic impõe ao Federer a fuga de sua zona de conforto… Onde normalmente o Federer saca e consegue ace, contra o Djoko ela volta queimando no pé e em seu backhand; onde o Federer mata a bola na segunda bola contra qualquer um, até mesmo contra o Murray, a bola volta em um contra-ataque, passada ou lob… enfim, isso vai entrando na cabeça do jogador, mesmo sendo o segundo maior jogador de todos os tempos (considero o grande Laver o maior)…. Em suma, não é que ele perdeu para si mesmo e sim que o Djokovic limita o Federer, pressiona ele de tal forma que o mesmo tem de jogar no limite e por isso acaba cometendo erros não forçados ou tendo menos porcentagem de saque que em rodadas anteriores, a final, não adianta o saque ir na linha contra o Nole, ele tem que ir na parte externa da linha e olhe lá, estamos falando de talvez o maior devolvedor da história.

    2 – Quantos anos mais vc visualiza o sérvio dominando o mundo do tênis??? Ao meu ver ele tem totais condições de permanecer pelo menos uns três anos como dominante, inúmeros são os casos de tenistas com 30 anos ou mais no auge da forma, por exemplo o Wawrinka (30 anos e no auge) ou o Ferrer (que alcançou o auge depois dos 30 e nem se cuida como o Djoko faz… Não acha que comparações com o Nadal são meio errôneas? O espanhol é mais precoce que o sérvio, seu estilo de jogo é mt comprometedor para o físico, prova são suas inúmeras lesões mesmo anos antes, o mesmo não tem tantos golpes como o Nole e, talvez, nem seja realmente o físico que decaiu tanto no Nadal e sim uma questão de estilo de jogo batido e falta de confiança.

    Responder
    1. Chiquinho Leite Moreira

      Marco vejo sim muitas chances de o Djokovic seguir seu dominio por muito tempo. Mas o circuito hj eh muito exigente. Todoa os pros esbanjam forma fisica e apurada tecnica. Os equipamentos tb refletem jogos cada vez mais disputados e longos com bolas pesadas – machucam -. Embora Nole cuide de seu corpo acho muito dificil manter-se livre de contusoes eternamente. Para isso vai ter de selecionar as competicoes aproveitando-se da larga vantagem de pontos no ranking.

      Responder
      1. Marco A.

        Não acha que ele já faz isso?
        O número de torneio que ele joga é praticamente o mesmo número que o Federer faz. A título de curiosidade, o ranking da ATP consta 18 torneios jogados pelo Djoko e 18 pelo Federer. Murray, por exemplo, tem 23.

        Responder
        1. Chiquinho Leite Moreira

          O Murray, como ele mesmo alertou durante uma entrevista, foi o tenista que mais jogou até agora em 2015. Por isso, falou em Nova York que iria rever seu calendário e selecionar os torneios. Acho que não deve estar em toda temporada dos indoors. O Federer, por exemplo, não jogou no Canadá. Enfim, jogadores que chegam a este nível não pensam apenas nos prêmios em dólares, mesmo pq nem precisam tanto. Pensam sim nos grandes momentos e selecionam as competições

          Responder
  17. Marcos Aurélio

    Fala-se muito em erros e mental de Federer, cada um presta mais atenção naquele tenista que prefere, mas numa final de GS duvido que qualquer que seja não sinta pressão. Djokovic sentiu muito a pressão (mas lidou com ela muito bem), daí a quantidade de breakpoints contra, teve dificuldade em fechar vários games de saque e mesmo que não saque tão bem quanto Federer, 3 aces é muito pouco em 4 sets. E se Federer errou tanto foi porque teve que buscar os limites da quadra quase o tempo todo contra a consistência do sérvio, é absolutamente normal qualquer tenista do circuito errar muito mais em jogos contra ele.

    Responder
  18. Márcio SSA BA

    Parabéns ao Djokovic que, sem sombra de dúvidas, será o Substituto de Federer … Pra mim Federer é um Gênio do Esporte … Como Michel Jordan, Pelé, Tom Brady, Bolt … O Talento dele supera qualquer lógica … mesmo assim não acho que ele tenha perdido pra ele somente … Do outro lado tinha Djokovic, que estava muito cofiante e jogando muito
    Pra mim a Nota triste foi de saber que os dois tenistas tem uma relação abalada fora das quadras … São dois Campeões, dois Exemplos … deveriam se unir também fora das quadras ! Pelo Bem do Esporte e pelo Bem da Humanidade !!

    Responder
  19. Carlos

    Chiquinho, acompanho praticamento todos os torneios e jogos. Realmente é difícil dizer que um jogador como o Federer sinta pressão ou sinta falta de confiança, mas é inegável dizer que ele se incomoda em finais contra o Djoko e Nadal. Em Slans, história tem se repetido e ele tem perdido muitas finais para o Djoko. Isso mexe com a cabeça de qualquer um. Outra coisa que me parece nítido é o ao Federe, não falta garra e vontade de vencer, mas falta paciência e quando a proposta de jogo dele não funciona, realmente parece que ele “desiste” do jogo. Quando ele perdeu o 3SET, entrou no 4 já derrotado e acho que só voltou devido ao apoio acima do normal da torcida.Converter 4 de 23 chances de quebra, mostra algum problema mental, de confiança. Em alguns breaks, palmas para o Djoko, nada a fazer, mas na maioria o Federer poderia ter feito algo bem melhor do que fez. Em Winblendon a história foi a mesma, perdeu o 3set e no quarto, a vitoria do Djoko foi bem fácil.

    Responder
    1. Chiquinho Leite Moreira

      Carlos, desculpe a ironia, mas eu tb me incomodaria ao enfrentar Djoko ou Nadal numa final… preferiria ter o Alvaro Lopes San Martin, que é o número mil do ranking…
      abs

      Responder
  20. Fernando

    Jogo é jogo…

    E nessa final, qualquer um dos dois merecia vencer. Federer jogou muito, jogou pra vencer, sem medo de nada, aliás, como de costume o faz sempre.
    Djoco, por sua vez, não titubeou, mas lembro, quase, quase,perde o 4o. set, quando tinha 2 quebras a favor. E aí? ele também tava com medo? Creio que não. É do jogo. e ali, estavam os 2 melhores do mundo.
    Djoco ganhou no detalhe, parabéns pra ele!!!

    O que devemos lamentar, não é fato de Doco ter vencido, mas sim o de Federer ter perdido. O que ele vem demonstrando ao longo dos anos, sua maestria, sua plasticidade, seu carisma, sua genialidade, sus força de vontade (lembro, o homem já está com 34 anos), sua coragem (comparem os winners de um e de outro) e pela enorme quantidade de fãs que ele tem por aí, ele merecia, muito mais do que qualquer um, vencer esse troneio.

    O jogo dele é absurdamente genial. Jamais vi tenista nenhum jogar como ele.

    E vamos a luta que o homem não parou e em Janeiro tem o Austrália Open……

    Responder
  21. Luciano

    Vilão no tenis? Só se for o Kyrgios…
    O desempenho dos veteranos no verão de NY foi surpreendentemente positivo. RF, Martina, as italianas, todos deram um show em final de temporada.
    Tenis é eficiência, arte, técnica, condicionamento físico, e mental. O equilíbrio como o que se encontra no duelo desses monstros é enorme, e geralmente um detalhe faz a diferença.
    Pra mim Federer perdeu por uma bola, um break que ele não aproveitou, uma bola fácil que ele pegou numa subida e mandou um pouco depois da linha do fundo.
    Eu não diria que ele perdeu pra si mesmo, mas que, nesse momento, ele se perdeu. Um desafiante não pode perder a chance de nocautear o campeão, e Djoko não o perdoou.

    Responder
  22. welington

    chiquinho vc disse que é impossível ganhar o grand slam. E particularmente não acho que seja impossível o novak ganhar só faltou 1 e convenhamos que o stan na final de roland garros jogou um tenis de sonho vc não acha?
    Você acha que ano que vem o novak pode ganhar os 4 GS?

    Responder
    1. Chiquinho Leite Moreira

      Não lembro de ter dito isso. Ora, se chegou a final dos quatro pode sim ganhar os quatro. Ano que vem é outra história. Particularmente acho muito difícil passar duas temporadas intensas sem problemas físicos. Apesar de o Djokovic cuidar muito de seu corpo e respeitá-lo. Pois aprendi nos treinos para a maratona que descansar tb é treino.

      Responder
      1. Roberto

        Djokovic carismático??? voces estão de brincadeira pergunfem pro Feijão depois da primeira rodada oque o Djokovic fez com ele nos vestiários o ar de soberba e de deboche..esse servio androide nunca me enganou quer forçar uma coisa que ele nunca vai ter CARISMA ..o Federer é carismático por si só e joga muito mais tenis que esse servio de araque ..odeio o jogo dele é um rebatedor de bola e pra minha exigencia de tenis quando o Federer parar ADEUS tenis arte e com habiilidade e viva a correria

        Abraços Chqiunho

        Responder
        1. Solange

          Roberto, isto já foi desmentido pelo Feijão e sua equipe, foi dito no Ace da Bandsports.
          Pesquise sobre isto para não tirar conclusões apressadas.

          Responder
  23. Rafael Medeiros

    Nenhum dos dois jogou tudo que sabe na final. Parece que quando eles se encontram rola uma tensão extra (talvez porque ele se odeiem rs), o que impede um jogo absolutamente fluido.

    Mas dizer que Federer perdeu pra ele mesmo é meio ridículo. Olha a quantidade de break points ao final da partida.

    Federer perdeu porque: 1) a devolução de Djoko é monstruosa e perturbou incansavelmente o saque do suíço; 2) o backhand do sérvio, na paralela e na cruzada, também vem se mostrando altamente destruidor, e Federer foi graças a isso deslocado o tempo inteiro de um lado pro outro da quadra; 3) alguns aninhos entre os dois faz a diferença numa partida de mais de 2 horas.

    Responder
  24. Arthur

    Chiquinho,

    Na sua opinião, quais são as reais chances de o Federer voltar a ganhar um Slam?
    Dá pra realmente acreditar, isto é, nas últimas três finais o título só não veio por obra do acaso, ou só dá pra sonhar com o 18º em caso de uma “conjunção astral” extremamente favorável no dia do jogo (Federer iluminado, adversário contundido, etc.)?

    Um abraço.

    Responder
    1. Chiquinho Leite Moreira

      Quem chega a tantas finais como Federer tem muitas chances de voltar a ganhar um Slam. Por maior que seja o favoritismo do adversário tudo pode acontecer. Lembro sempre do caso da Arantxa Sanchez contra a Steffi Graf. Até mesmo os espanhóis estavam temerosos de um vexame. Mas, ao final, a espanholinha venceu contra todos os prognósticos.

      Responder
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Comentário

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>