TenisBrasil - Tenis.Com Chiquinho
Um feijão para encher os olhos
Por Chiquinho Leite Moreira
março 8, 2015 às 9:37 pm

O brasileiro ganhou mais um tenista para torcer. É legal estar na emoção do jogo do Feijão, o João Souza da equipe brasileira da Copa Davis. É de encher os olhos assistir e vibrar com um jogador como ele. Salvar dez match points em mais de seis horas de jogo não é para qualquer um. É sim para o carismático Feijão, que desde os tempos de juvenil já espalhava seu espírito e simpatia.

É claro que o Brasil ganhou um jogador de Copa Davis. Já falamos disso antes por aqui. Mas outra virtude apresentada no jogo contra Leo Mayer foi sua personalidade nos momentos mais difíceis e de maior emoção. Não dá para se jogar tênis sem coragem. E o brasileiro não teve medo nas horas em que mais precisava demonstrar competência.

Preciso deixar claro que acredito que a confiança vem com o melhor desempenho técnico. Sair de situações difíceis exige maior versatilidade e um arsenal de golpes completo. Neste aspecto volto a lembrar da importante participação do Pardal, o Ricardo Acioly. No início da carreira deste tenista de Mogi das Cruzes, ele acreditou que poderia transformá-lo num grande jogador. Na época, os comentários eram de que Feijão não tinha uma boa esquerda, nem mesmo devolvia bem os saques. Ora, nem é preciso comentar mais sobre este assunto.

Para muitos é uma pena que Feijão tenha entrado para a história da Copa Davis com uma derrota. Seu jogo foi o mais longo até hoje na competição, mas tenho certeza de que todos devem estar orgulhosos do que se viu neste domingo no desafio de João Souza com Leonardo Mayer.

 


Comentários
  1. Helder Zacharias

    Chiquinho leio seus artigos na imprensa a muitos anos, e assisto seus comentários no programa ACE da BandeSports. Você e um dos poucos jornalistas brasileiros que realmente entendem de tênis. Com relação ao jogo do feijão foi inesquecível, eu e minha família ficamos presos na televisão das 11h da manhã até o termino do jogo. Fiquei impressionado à atitude e a raça de Feijão a uma montanha tão grande a ser escalada. Tenho certeza que todos nós que apreciamos e acompanhamos o tenis a muito anos estamos orgulhosos e impressionados com Feijão mesmo com sua derrota. Tenho certeza q ao longo do ano, Joao progredirá muito e terminará o ano entre o top 50. Valeu Feijão!

    Responder
  2. alexpicelli

    Ola, fico triste pela equipe brasileira,mas uma coisa deve-se salientar, ambos estavam cansados,mas o mayer arriscou mais nos saques do feijao e por isso venceu, acho que o jogo do mayer foi melhor que o do feijao, sei la,tipo mais objetivo,tanto que arriscava mais no saque do feijao.
    pena pois nao acredito no belucci!!!

    Responder
    1. Chiquinho Leite Moreira

      Alex acho q o mayer arriscou pq nao tinha mais pernas. Feijao ficou em quadra por mais de 11 Hs e tb sentiu. Mas acho q foram momentos inesqueciveis para ele

      Responder
  3. Fernando Costa

    Chiquinho, sem dúvida um Feijão pra encher os olhos e encher de orgulho o torcedor brasileiro. Quanto ao quinto jogo, espero queimar a língua, mas não acredito que o Bellucci irá sequer oferecer resistência ao Delbonis. E se isso se confirmar, francamente, penso que o Bellucci deveria cancelar sua participação nos Masters de Indian Wells e Miami e ir para os challengers em Março. Talvez você e os leitores deste espaço não concordem, por isso apresento dois argumentos: (1) O Thomaz precisa urgentemente recuperar a confiança e o prazer de estar em quadra competindo, e isso não se consegue só conversando com sua equipe de apoio ou treinando com empenho, coisa que eu tenho certeza que ele está fazendo. Um esportista, em qualquer esporte, só ganha confiança com as vitórias. Ir aos EUA neste momento, para dois torneios fortíssimos, só se for prá sofrer duas eliminações de primeira rodada. E aí? o que virá depois? A curta e intensa temporada de saibro europeia, onde, em teoria, o Thomaz poderia somar pontos preciosos e obter boas premiações, mas prá isso é preciso ritmo e confiança. Jogando Challengers agora, ela poderia obter isso, Poderia se permitir desfrutar da descarga hormonal que uma, duas ou três vitórias seguidas numa semana, propiciam ao competidor; (2) O nível técnico de tênis que o Bellucci está jogando neste início de 2015 é compatível com os torneios da série Challenger. Até os ATP250 estão duros prá ele. Se você tem dúvida, é só ver contra quem ele jogou este ano até aqui, e conferir de quem ganhou e de quem perdeu. Ás vezes é necessário dar uma passo atrás para dar dois na frente, logo em seguida.
    Abraços,
    Fernando.

    Responder
    1. Chiquinho Leite Moreira

      Fernando acho coerentes suas argumentacoes, mas nao acredito q Bellucci com seu potencial e ranking possa mudar o calendario. Acho sim q ele tem chances de vencer o Delbonis, q estreia na Davis com toda uma nacao aas suas costas. Mas para isso o Bellucci terah de jogar tudo o q sabe. abs

      Responder
  4. Jairo

    Aê Chiquinho, a pergunta que não quer calar, tecnicamente quem você acha mais tenista, Bellucci ou Feijão? qual dos 2 você acha que tem mais recursos e potencial?

    Responder
    1. Chiquinho Leite Moreira

      Jairo …. difícil esta hein… Acho que o Bellucci tem golpes, mas precisaria saber usá-los melhor. Hj seu backhand falhou. Enquanto o Feijão está melhorando cada fundamento.

      Responder
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Comentário

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>