TenisBrasil - Tenis.Com Chiquinho
Nadal: “nada é eterno”
Por Chiquinho Leite Moreira
abril 21, 2014 às 8:52 pm

Rafael Nadal chegou a Barcelona para o tradicional torneio Conde de Godó com uma certeza. A de que nenhum reino dura para sempre. E assim como na história da humanidade também no tênis “nada é eterno”.

Este clima filosófico envolveu a entrevista de Rafael Nadal, a primeira em seu país, depois de perder nas quartas de final do Masters de Monte Carlo. Chegou em casa com um sentimento estranho. Teve de falar de derrota num período do ano que festejava títulos e excelentes campanhas. Afinal, nos últimos anos reinou no Principado de Monaco ao participar das últimas nove finais, com oito troféus.

Este Nadal de hoje mantém o seu discurso comedido, mas não esconde as rugas na testa. Ao meu colega Angel Riguera fez boas argumentações. Disse que qualquer um pode perder para David Ferrer, um excelente jogador, mas não entregou todos os créditos ao compatriota. Afirmou que não jogou bem. E o pior está precisando reencontrar um caminho. “Está me faltando um extra de competitividade ‘, afirmou. “Desde a decisão do Aberto da Austrália estou sem confiança nos momentos importantes. Ganhei o Rio, fiz a final de Miami, mas quero encontrar novamente o meu caminho”.

Declarações importantes para um momento em que o tênis do espanhol tende a brilhar intensamente. O rei do saibro sempre sentiu-se cômodo na temporada europeia de torneios que antecedem a Roland Garros. E, sem falar de lesões, como será sua chegada a Paris?

Monte Carlo mostrou ingredientes novos para esta temporada de saibro. Nadal fora da final. Novak Djokovic com lesão e ainda em busca de seu primeiro título de Roland Garros, o único Slam que não conquistou;. Roger Federer ganhou um lugar na decisãol. Ganhou um set, mas viu Stanislas Wawrinka selar sua entrada entre os cachorros grandes.

Este atual cenário, também com a chegada de novas caras, como Grigor Dimitrov, Key Nishikori, a possível volta de Andy Murray, dá nova perspectiva para a temporada europeia. Difícil acreditar em surpresas. Mas pelo primeiro passo, em Monte Carlo, os torneios de Madri e Roma criarão espaços enormes para especulações.

Como disse Nadal “nada é eterno” e o reino do saibro está em jogo.


Comentários
      1. joao sawao ando

        e ainda tem o dominic thiem da austria ,não sei se e bem por fora assim, depois que o berlocq ganhou do berdichy

        Responder
  1. Marquinhos

    Nada é eterno e, ainda bem, para o bem do tênis, Nadal não é eterno. Eu não gosto do esportista Nadal e nem do seu estilo de jogo, mas , com certeza, no final de sua carreira ele estará entre os quinze(talvez dez) maiores tenistas da História.

    Responder
      1. Carlos Martinez

        Se Eu entendi bem acho que o Marquinhos quis dizer que não gosta do estilo de jogo do Nadal. Eu particularmente não gosta da correria o tempo todo e aquelas bolas altas o tempo todo. Tudo dentro da regra, faz parte do jogo, mas não me agrada

        Responder
    1. Marcelo Monteiro

      Também não gosto do jogo dele, mas admiro muito a sua tenacidade e Nadal já é um dos cinco maiores de todos os tempos na minha humilde opinião.

      Responder
  2. Ana Mattar

    Nada é eterno…concordo…mas Rafael Nadal ficará para sempre na historia do tenis! Sua força…garra e postura são incriveis e tornaram dele um exemplo para quem pretende um dia chegar lá. Nadal é incrível como atleta…como pessoa! VAMOS Sempre

    Responder
  3. Einstein Bohr

    Acompanho Nadal faz muitos anos, e o vi enfrentar e superar grandes momentos de dificuldades. Mas nunca como nesta temporada. Seu nível de jogo está medíocre (o que não é surpresa) e ele não tem conseguido superá-lo com aplicação tática (o que é uma surpresa). Por tudo que vi, acho que ele vai ter um ano horrível, e dado a sua idade, talvez seja o último.

    Responder
    1. Andrei

      Não entendi a idade dele,o Ferrer corria como louco até os 31 anos,hoje não é mais o mesmo,mais o Ferrer prova que um jogador que depende do físico pode jogar até os 31 em bom nível,acho que o Nadal joga mais uns 2 anos disputando grandes títulos,não sou fã do Nadal,mais acho que ele ainda joga mais uns anos.

      Responder
  4. Mário Fagundes

    Não sou especialista, mas acompanho o esporte há bastante tempo. Tenho dito aqui e em outros espaços que, pelo estilo de jogo de Nadal, estava claro que um dia a conta chegaria para ele. E o preço é alto, muito alto para um tenista precoce que, ao longo da carreira, sempre teve que contar com 100% do físico para vencer. Sim, Nadal é sinônimo de aplicação tática, força mental, competitividade e garra, mas nada disso funciona quando seu físico não corresponde. Foram muitas lesões e inúmeras infiltrações (e tenho minhas dúvidas sobre algo a mais) em todos esses anos. Não há corpo que aguente, mesmo sendo de um “animal” feito o Nadal. Para a grande maioria dos atletas que chegam aos 28 anos, naturalmente, ocorre o declínio físico. E Nadal, por sua precocidade, deve ter uns 31 ou 32 anos como atleta. Acredito que mesmo sem contusões e saudável, ele perderá intensidade, explosão e agilidade em sua movimentação naquela fração de segundo necessária para devolver a bolinha para o outro lado com tamanha precisão e potência. Os ENF´s, sempre tão pequenos em seus jogos, tendem a aumentar daqui em diante. Mas Nadal é um guerreiro e sempre encontrou soluções para melhorar seu jogo. E para quem precisa demais do físico fica bem mais complicado. Certamente o espanhol ainda entrará como favorito em quase todos os torneios que disputar, porém já não assusta como antes. Os adversários estão mais confiantes e já sabem como podem vencê-lo. Para quem conquistou muito “com tão pouco”, como certa vez bem disse um blogueiro, não há dúvidas de que o “touro” ainda vai conquistar mais. Só que a partir de agora, chegando aos 28 anos, tem de descer a montanha. Sim, Nadal, nada é eterno.

    Responder
  5. Hélio Samary

    Com certeza irá ganhar ainda muitos torneios grandes, ao contrário do que desejam alguns invejosos sem memória, e definitivamente tem um ótimo estilo de jogo, isto é óbvio para os imparciais, ainda mais se o viram treinando e ou jogando de perto.

    Responder
  6. Mary

    Não é eterno mas que dure por muito tempo… sou fã dele… da pessoa que demonstra ser.. da garra… perseverança e afins… estilo dele é tão bom que ele ta aí nessa posição nada fácil: Nº 1!!!! Torcendo para próximo grand slam… pra continuar com seus recordes!! Força Nadal!!!

    Responder
  7. fernanda Melo

    Observação pessoal Chiquinho… eu sinto que o Rafa está com problemas emocionais.Não é porque ele é tudo que é, que pode às vezes bater uma depressão, ou problemas de Panico… ele é humano e também não CONTROLA essas coisas…

    Responder
  8. welington

    Sou muito fan do djoko mas espera um pouco né chiquinho tá de brincadeira, stan ganha o torneio de forma belíssima contra federer e vc manda um post desse falando do nadal faça-me o favor né.
    Já tinha sido assim em miami quando o nadal levou uma surra do nole e vc escreveu “federer e nadal 10 anos”
    Escreva sobre quem ganhou o torneio não quem perdeu

    Responder
  9. lina

    Roger Federer e Rafael Nadal, são sinônimos de Tênis. O Circuito sem eles não tem a menor graça. Fica faltando algo quando um ou outro não está jogando determinado torneio; Tenho algumas preferências a outros tenistas, mas esses dois são impagáveis, esses com certeza serão eternos,cada um no seu estilo é claro!

    Responder
  10. Leonardo Verhalen

    Bom primeiramente jamais enterrem um grande campeão antes da hora. Bom, sou fã de Federer e Djoko, mas não podemos negar que nadal tbém joga muito tennis. Ele não tem a mesma facilidade de bater na bolinha como os outros dois, pelo seguinte motivo: é destro de nascença e jogar como canhoto (para azar de Federer)…mas ele impressiona com seu tremendo topspin, velocidade e a maior força mental já vista no mundo do tennis. Ele ainda vai ganhar alguns slams, ….

    Responder
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Comentário

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>