TenisBrasil - Tenis.Com Chiquinho
Daddy e Baby Federer + Brasil Open
Por Chiquinho Leite Moreira
março 2, 2014 às 9:39 pm

Enquanto Rafael Nadal pratica mergulho em Cozumel, Roger Federer e Grigor Dimitrov, conhecido como Baby Federer, brilharam nos dois principais torneios da semana. No blog do tênis, o José Nilton já analisou os resultados e seus significados. mas gostaria de destacar algumas coincidências.

Federer, o Roger, enfatizou a adaptação à nova raquete. Fez final em Brisbane, semifinal no Aberto da Austrália e agora o troféu em Dubai. Li e concordo que houve uma boa influência do novo treinador Stefan Edberg.

Grigor Dimitrov, apelidado de Baby Federer pela semelhança de estilo com o suíço, também está com novo técnico, o australiano Roger Rasheed. Usa também a esquerda com uma mão e ambos campeões passaram por adversários muito fortes de backhand de duas mãos. Coincidência interessante no meu ponto de vista.

Também de técnico novo, Thomaz Bellucci fez as pazes com o Brasil Open. Perdeu um jogo equilibrado diante de Federico Delbonis, salvou um segundo set de forma brilhante e poderia ter vencido. Mas, não resta dúvidas, de que deixa São Paulo com um bom saldo. A melhor é a de que nesta segunda feira irá aparecer novamente entre os cem primeiros do ranking mundial.

O torneio Brasil Open, apesar das reclamações quanto aos ingressos, também sai com um bom saldo. Em virtude da minha ligação não vou me estender no comentário, mas a transmissão das finais de duplas e simples na Band aberta leva-me a repetir uma frase do técnico João Zwetsch “o nosso esporte agradece”.

Este deve ser também um bom argumento para a decisão que a ATP irá anunciar nos próximos dias: a data do Brasil Open em 2015. A organizadora do evento, a Koch Tavares fez as melhorias necessárias no complexo do Ginásio do Ibirapuera. A empresa já trouxe nomes como Nadal, Federer, Tsonga, Serena, Maria Sharapova entre tantas outras estrelas, mas precisa de uma semana melhor para atender as expectativas do público.

Na quadra, mais um argentino de grande potencial acabou ficando com o título. Na final derrotou o surpreendente italiano Paolo Lorenzi. Uma decisão que mesmo sem tenistas da casa contou com um bom público.


Comentários
  1. carlos

    Chiquinho
    Com certeza muitas melhorias foram feitas esse ano o que deve ser mudado para o ano que vem eh trocar a empresa que vende os ingressos . O atendimento foi pessimo. Como pode vender ingresso numerado mas vc nao pode escolher o lugar?

    Responder
  2. ANDREI Felipe Camargo

    Chiquinho,acho um exagero essa coisa de Baby Federer,ele tem 22 anos e nem é top 10 é,o Del Potro por exemplo com 20 anos já era top 10 se não me engano,nem vou falar de Nadal.

    Responder
  3. Eddy Beutter

    Grande Mestre Chiquinho
    Eu assiti (sim, siim) e não tenho ligações com a organização. Koch Tavares fez as melhorias necessárias, ha, ha, ha. Onde? No piso que precisava reparo tempo todo? No atendimento que era lamentável. Comida incomestivel. Preços absurdos e fila enormes. Ondé éstá a melhoria? Na temperatura interna……por causa do tempo de fora, sim!!
    Por favor não precisa de sonhar, o Roger não vai vir no Brasil Open, nem em 2015, bem em 2016

    Responder
  4. Marcus Vinicius Penna

    O Brasil Open (ATP 250) tem mesmo que mudar de data, pois verdade seja dita, o Rio Open (ATP 500) sendo realizado uma semana antes e num local muito melhor, matou-o e vai continuar matando-o a raquetadas.

    Responder
  5. Lucas

    Trocando de raquete ou não, o maior desafio de Federer continua sendo a bola de Nadal. Torço p/ q o suícço enquadre o jogo do espanhol, seu maior desafio — mais até mesmo q um Grand Slan.
    Dimitrov tem potencial p/ disputar a ponta do ranking daqui 2 ou 3 anos, falta-lhe um pouco p/ alcançar os grandes.
    Bellcci tem tudo pra melhorar seu jogo e ficar entre os 40 primeiros, mas acho fdifícil q consiga se livrar da inconstância, a característica do seu jogo.
    De resto espero q o Tênis cresça no país, o público mostrou q gosta.

    Responder
  6. Henrique Farinha

    Olá Chiquinho, a Band está de parabéns pelas transmissões! O fato de também fazê-lo em canal aberto é muito importante para a promoção do evento e do esporte. Quanto aos ingressos, a questão está na mensuração do retorno de mídia para os patrocinadores. Como esse trabalho é incipiente no Brasil, além de pouco se fazer ao longo do ano, deixando-se praticamente tudo a cargo da assessoria de comunicação às vésperas do evento, o retorno oferecido aos patrocinadores está geralmente abaixo dos valores pedidos pelas cotas. Assim sendo, qual é a moeda de troca oferecida? Ingressos, em cotas bem maiores do que as desejáveis. Como o que é de graça é pouco valorizado, a maioria dos convidados pelos patrocinadores simplesmente não vai, tampouco repassa os convites. Isso leva a não ter ingressos para vender nas bilheterias ou na internet e aos clarões vistos no Anel Inferior. Quanto ao Anel Superior, no qual a distribuição de convites era menor, esteve quase completamente vazio durante todo o torneio, mas, nesse caso, penso que a falta de mais jogadores de expressão e os erros do ano passado pesaram mais. Abs!

    Responder
    1. Chiquinho Leite Moreira

      Henrique confesso que não me aprofundei no assunto ingressos. Mas, na minha opinião, algo tem de ser feito. Tanto no Rio como em São Paulo houve o mesmo problema. Seja lá qual for o motivo, acredito que é preciso melhorar esta situação.
      abs

      Responder
      1. Henrique Farinha

        Chiquinho, basta comparar o valor da cota principal de patrocínio com o valor estimado de retorno de mídia. Pode contar que o único jeito de fechar a conta foi com as cotas de ingressos. Isso ocorre em quase todos os eventos esportivos por aqui. É batata! Enquanto não houver um planejamento de marketing mais abrangente, que leve a um planejamento de mídia mais eficiente e eficaz, diminuindo a dependência do trabalho das assessorais de comunicação, isso não mudará. Reclamaremos do mesmo problema em 2015. Abs!

        Responder
  7. Reis74

    Ola Chiquinho,

    Desculpe fazer esse comentario, mas nao resisti! Alguns posts atras, muitos leitores falavam da sua preferencia/torcida por Nadal, e me alertaram sobre isso qdo deixei um comentario.. Bom, nao quis acreditar, quer dizer, nao coloquei muito credito, pois geralmente jornalista he imparcial, ne?
    Mas, quando o titulo do seu post chama a minha atencao pelo fato de vc mencionar o nome ‘Federer’, ai pensei, po, vamos ver o q ele vai dizer sobre o melhor de todos os tempos.. E para minha surpresa, vc comeca o texto falando do Nadal????????????? Ta de brincadeira, Chiquinho! Entao os leitores estavam certos! Heheheeheheh
    Abs

    Responder
    1. Flávio Branco

      Concordo integralmente com você, Reis74. Eu já percebi a imparcialidade do Chiquinho há tempos por aqui. Nada a ver começar o texto citando o Nadal que sequer jogou nesta semana. O ápice para mim foi no título do post do Chiquinho quando ele escreveu claramente que o Wawrinka venceu AO2014 pois o Nadal não estava bem, em vez de dar créditos a (bela) campanha do vencedor. Achei lamentável, como eu escrevi naquela oportunidade.

      Responder
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Comentário

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>