TenisBrasil - Tenis.Com Chiquinho
Federer vs Nadal só um duelo, não uma guerra
Por Chiquinho Leite Moreira
janeiro 23, 2014 às 3:56 pm

A manchete de página do UOL colocou “Federer voando bate Murray, mas agora vem o mais difícil”. É significativa e reflete com exatidão a perspectiva do mais esperado duelo deste Aberto da Austrália. O suíço vem bem no torneio, mas o espanhol é implacável.

O resultado destas duas características, tão bem demonstradas na manchete, colocam claramente o que se deve esperar deste encontro: um grande jogo de tênis. É um desafio que chama a atenção não só os apaixonados pelo esporte, como curiosos, interessados e faz com que os americanos chamam de blockbuster. Isso é legal. Ver, torcer (por que não?) e aplaudir.

Jogos como este fazem crescer o interesse pelo esporte. Existe uma enorme geração de adeptos da modalidade que nasceram na era Guga e permanecem em razão de jogadores como Federer e Nadal.

É plausível entender a ansiedade do torcedor, especialmente na época em que Guga estava em ação. Este sentimento ganhou vida nova com os atuais astros internacionais do tênis. Mas esta rivalidade no Brasil está se transformando em ‘briga de torcida’. Ora, poderíamos deixar isso para o futebol e fazer de tudo para suma também dos gramados.

O tênis tem uma larga tradição de etiqueta e regras. São detalhes que fazem com que este esporte seja tão apaixonante. Nos bons tempos, jamais aplaudia-se uma dupla falta. Vejo isso como gritar, comemorar um gol contra. O regulamento em quadra busca ser o mais justo possível e não deixar que um golpe de sorte apenas defina o vencedor. Por isso, sou daqueles que apreciam a vantagem no 40 a 40, para se confirmar o game.

Esperamos que seja um grande jogo. Apreciar a arte destes gênios da raquete é um privilégio. E por que não seguir o exemplo de Federer e Nadal? Afinal, quando perdem reconhecem o valor do adversário. Lutam em quadra, justificam o valor do ingresso, o espetáculo na televisão e toda a torcida. Mas jamais houve um episódio de agressão mútua, de xingamentos, recalques. São inteligentes e sabem tirar o melhor de cada coisa.


Comentários
    1. RODRIGO

      É UMA PENA QUE PESSOAS COMO ESTA SE INTERESSEM POR TENIS.

      JOÃO AGUIAR, ESTE DEFINITIVAMENTE NÃO É O SEU ESPORTE.

      TENTE RODEIO…

      Responder
      1. Carlos

        Tem gente que não sabe ler ou só lê o título da matéria. Infelizmente esse tipo de ser está se alastrando que nem vírus pela internet.

        Responder
  1. Sonia Carvalho

    Chiquinho, concordo com você. Eu tenho lado, torço sempre pelo Nadal. Não que o Federer não possua as qualidades que vou descrever abaixo, mas pelo carisma, simplicidade, um respeito incomum por tudo e por todos, jamais se envolvendo em polêmicas, ambiente familiar harmonioso e nas quadras, a determinação, a garra que a maioria (sinto muito) não tem. Dá para sentir que, para o Nadal, não é só dinheiro, fama; é PAIXÃO e AMOR ao esporte que pratica! É sempre uma grande jogo!

    Responder
  2. Cleuton

    Chiquinho,

    Parabéns pelo post! Concordo com tudo!

    O tênis é um esporte educado e isso deveria se refletir nos torcedores brasileiros também! É uma cultura diferente da do futebol!

    Valeu pelo post!

    Responder
  3. Paulo

    Parabéns Chiquinho, muito sensato. Estão achando que tênis é futebol, lamentável. Essa semifinal será apenas mais um jogo entre esses dois tenistas, com total favoritismo (90%) para o espanhol, pois é mais jovem, está no melhor momento da carreira, tem um H2H super favorável e é o atual número 01 do circuito. Na Espanha, revistas sensacionalistas já estão “explorando” a tal da bolha do espanhol. O interessante, é o desejo mundial (exceto a Espanha kkkkk, talvez a Catalunha kkkkkkk), de uma vitória do suíço. Imagino que para o esporte tênis, seria melhor também, pois já deu essa de futebol no tênis.

    Responder
    1. Leonardo Lacerda

      O mundo clama pela sobrevivência do clássico Fedal por mais alguns anos. A Lenda contra o Mito. Me preocupa o que será depois que esses dois pendurarem as raquetes. Definitivamente não temos ninguém a altura. Muito provável que teremos o domínio por anos do sérvio e seu jogo pragmático baseado numa boa defesa.

      Responder
      1. Darvin33

        Com todo o respeito, de onde foi que você tirou essa informação ?? Sou torcedor declarado de Roger Federer, porém, qualquer pessoa que entenda o mínimo de tennis sabe reconhecer o valor do sérvio e, acima de tudo, que ele hoje é o jogador mais completo e sem fraquezas do circuito. Djokovic focado e jogando 100% de sua capacidade é praticamente imbatível, com exceção do saibro onde o espanhol é obviamente dominante…
        No mais, considero o jogo de Rafael Nadal o mais pragmático dentre os 4 tops, sendo que nos últimos anos ele se tornou mais agressivo e sendo assim também mais versátil. Mas convenhamos, em termos de técnica ele não se equipara aos outros. Sua força física, mental e desempenho tático que o levaram a ser o grande campeão que é, e eu o admiro muito por isso…

        Responder
        1. Darvin33

          Pelo amor de Deus !!!! Sugiro então que leia a autobiografia do espanhol, ele mesmo admite a superioridade técnica do sérvio, é incrível como vocês não conseguem assumir uma posição imparcial…
          Depois dessa deixa quieto… rsrs

          Responder
  4. oswaldo e. aranha

    Estarei fora do tenis por um período, decepcionado e inconformado com as derrotas do Djokovich e Ana Ivanovich. A vocês que continuam torcendo desejo felicidades.

    Responder
  5. Oziel Aguiar

    Sou torcedor de Roger Federer e Maria Sharapova, mas acima de tudo do jogo bem jogado. Espero que seja um grande jogo entre o Nadal e Federer, claro com vitória do suíço.

    Responder
  6. Cléber

    Chiquinho, foi lendo seus posts e comentários por aqui que observei que eu comemorava erros e duplas faltas. Tenho repensado isso. Vi que Federer ganhou de Tsonga e mal comemorou, andou para a rede para cumprimentar o amigo.
    Valeu pela aula. Tem sido muito bom aprender por aqui. Tênis é diferenciado mesmo e exige de nós um comportamento adequado.

    Responder
    1. Chiquinho Leite Moreira

      Cleber obrigado pelo seu e mail. Longe de querer dar aulas, apenas busco passar minha experiência. O assunto é monótono, mas tudo no tênis tem um motivo. Por exemplo, existe uma corrente querendo acabar com o net no saque. Seria legal, ficaria mesmo mais dinâmico. Mas a argumentação dos conservadores dirigentes da ITF é que se trata de um cavalheirismo voltar o serviço por causa da interferência da rede. Por isso, é comum os tenistas desculparem-se quando ganham um ponto com a bola batendo na rede, mesmo que por dentro estejam comemorando. É claro que sempre existe jogadores mal intencionados, os ‘garfadores’, ou mesmo mal orientados – especialmente juvenis – pelos seus treinadores. Mas, lembrem-se da época do Guga. Ele era um verdadeiro cavalheiro e quando via uma bola boa, dava ao adversário, mesmo que o juiz tivesse dado como fora. Nem por isso deixou de ser um grande campeão. Há muitos exemplos de jogadores assim. E não por acaso são os melhores do mundo. Mas, é claro, que outros tipos de tenistas sobrevivem.
      abs
      Chiquinho

      Responder
      1. Thiago Fonte Boa

        Chiquinho, concordo totalmente com tudo que você escreveu. Parabéns pelos textos. Assistirei ao jogo torcendo por uma apresentação fantástica desses dois gênios do esporte. Achei ótima a informação a respeito do cavalheirismo de quando a bola atinge a rede. Muito obrigado por toda a sua dedicação.

        Responder
      2. Luiz Fabriciano

        Chiquinho, aproveitando o gancho, também sou contra retirar o “net” do saque, porque além da tradição conservadora da ITF que concordo, imagine um sacador fazendo ace com ajuda da rede, ou seja, essa praticamente zeraria a velocidade da bola fazendo ela cair logo em seguida dentro da área de saque. Seria desastroso para o jogo. Quanto a briga de torcida que você mencionou no início do post, também concordo, mas poderíamos apenas apreciar os belos momentos que o esporte nos proporciona, e os feios, simplesmente ignorarmos e não deixarmos isso para o futebol, senão esses não irão sumir dos gramados, como sugeriu. O que achas? Grande abraço.

        Responder
        1. Chiquinho Leite Moreira

          Boa Luiz… vc tem razão. Para se tirar o net seria necessário padronizar a tensão das redes. Observe que nos Estados Unidos a bolinha bate e sobe, na Europa e América do Sul, com tensão no cabo de aço mais fraca, a bola tende a amortecer…

          Responder
  7. Mari Araújo

    É impressionante como as pessoas são iludidas e oportunistas.Até poucos dias atrás quando Novak era considerado o grande favorito ao título o tratamento com relação a ele era mais respeitoso,e agora querem o rebaixar a nada.Entendam que se por um detalhe Novak não. tivesse sido eliminado precocemente do torneio ele poderia vencer tanto o Nadal quanto o Federer na final. Agora fica fácil chama-lo de jogador pragmático. O ano está apenas começando.OK!!!!!

    Responder
  8. Henrique Farinha

    Chiquinho, tomara que os membros das torcidas desorganizadas e recalcadas do tênis leiam esse seu post e, mais do que isso, assimilem, pois, sinceramente, está cada vez mais difícil interagir com blogueiros como vc, o Dalcim, a Sheiloka, o Cossenza… Não por vcs, é claro, mas porque a troca de agressões ou mesmo está cada vez mais intensa e o melhor costuma ser ficar na sua, sem opinar, pois ter uma opinião independente ou divergir vira crime. Ou vc torce para um e espinafra os outros, ou nada. Essa visão monofásica do esporte é muito chata. E o pior é a pessoa achar que, porque acompanha seu tenista favorito como fã e à beira da obsessão, sabe tudo sobre tudo e pode desancar quem pensa diferente como um supremo ignorante por ousar discordar de tamanha “sapiência”. É dose!! Abs!

    Responder
      1. Henrique Farinha

        Fernando, o pior é que não há somente um fanático… Há vários que, além de torcerem por um, desrespeitam todos os demais jogadores e quem tem opinião diferente da deles. Se fosse apenas um, estaria ótimo!! Abs!

        Responder
  9. Marcos Vinicius

    Excelente post Chiquinho! Acertou em numero, gênero e grau, sou fã do Rafa, muito mesmo, admiro demais o espanhol, respeito Roger, acho ele genial, essa rivalidade só aumenta o meu amor pelo tênis, mas sem essa besteira de brigas tolas entre fãs, já basta o futebol, gosto de tênis, torço para o Nadal, mas me sinto um felizardo em poder assistir os outros tenistas, e de poder acompanhar o circuito. Go Roger! Vamos Rapha! Ole, Ole Ole, Nole, Nole! Come on Andy!

    Responder
  10. lucas

    P/ mim FEDERER é o melhor de todos os tempos, apesar de seu retrospecto negativo diante do espanhol.
    E não há qqr contradição nisso, ois o confronto direto é apenas um dos vários critérios q devem ser analisados na escolha do MELHOR. O jogo de FEDERER se encaixa ao do espanhol, algo q pode ser superado c/ muita determinação.
    A idade e o casamento atrapalham, mesmo assim nada é impossível p/ o suiço.

    Responder
  11. Isaque Carlos Clemente

    A questão é que todos que entedem de Tênis sabe que o Federer é o maior de todos os tempos.Fico pensando se o Nadal passar o Federer em grand slam o que vão falar.Imagina uma criança que ainda não nasceu,vc vai mostrar para ela o tenista que mais ganhou grand slam,(no caso hipotético do Nadal),a criança verá um cara dando balãozinho para cima e correndo muito pela quadra,só isso.Tenho a impressão que qualquer um pode jogar o que o Nadal joga,pois ninguém vê um talento nele,só muito treino e dedicação,isso qualquer um pode fazer sem necessitar de qualquer talento.

    Responder
    1. Renato

      Bom, concordo que o Federer é o maior gênio da história do tênis…mas isso não me impede de torcer pelo Nadal, por seu carisma…e óbvio que ele é também fantástico e que não é qualquer um que pode chegar onde ele chegou, ao contrário do que vc afirma…nem onde Djoko e Murray tb chegaram!!
      Quem joga admira o comportamento desses caras…adoro Tsonga, Haas, não curto muito o jogo do Ferrer mas admiro sua vontade, ou seja….ADORO TÊNIS. Gosto até do Belluci.
      Quem joga tênis (bem, não só quem joga) sabe muito o bem a beleza de valorizar a vitória de seu adversário, sem inventar desculpar ou desancar o jogo alheio…aliás, Federer, Djoko, Nadal e Murray perderam no AO e comportaram-se como homens, certo?!
      Agora, Isaque, me diga…o perfil de torcedor que o Chiquinho critica no post, se aproxima do meu ou do seu perfil?
      Com todo respeito, será que a sua praia não é outra?

      Responder
  12. Mauricio

    Os torcedores de Nadal precisam entender uma coisa: Roger é o goat, joga bonito e dá espetáculo. Nadal joga feio, é limitado e não está sequer entre os 6 maiores da História.

    Responder
  13. Duca SCS

    É uma tremenda estupidez querer comparar dois gênios como se um fosse o “mestre” e outro uma “anta”. Não dá pra comparar a habilidade, destreza e plasticidade de um com a força mental, física e eficiência do outro. Os dois são ídolos, os dois são, talvez, os maiores da história (só poderemos afirmar quando ambos pararem) e construíram uma rivalidade com muito respeito e admiração mútua. Não dá pra entender como há pessoas tão ignorantes ao ponto de não assimilar estes valores que seus próprios ídolos nos ensinam ao final de cada vitória e cada derrota. Concordo com o Henrique Farinha, tem dias em que ler os comentários dos posts é uma tamanha perda de tempo, pois têm pessoas que são piores que jumentos, empacam num discurso pra se sentirem superiores através dos seus ídolos, mas esquecem que seus próprios ídolos estão nos ensinando o oposto.

    Agora, sobre o futuro, ainda temos um Stan, um Dimitrov, um Tsonga, um Berdich, pra tentar salvar o tênis de se tornar um esporte extremamente chato, monótono, onde o vencedor será sempre o com melhor preparo físico e regularidade, não o com mais talento e habilidade. Espero que novos jogadores apareçam não só querendo se manter na quadra esperando o outro errar, mas que busquem a vitória correndo o risco necessário, tentando jogadas igualmente difíceis e espetaculares, inspirando novas gerações como a há anos temos visto.

    Um grande abraço a todos os amantes do tênis. E para os fracos que querem se segurar em algo pra se sentirem superiores, vá pra página de futebol. (só deixando claro que era sou um grande torcedor de futebol, apesar de estar desanimado depois da sujeitada do STJD).

    Responder
  14. Fernando Brack

    Chiquinho,
    Pois eu já acho que tudo depende da forma como encaramos as rivalidades esportivas. O negócio é estar de bem com a vida e levar as provocações de um lado e outro com mais humor do que bronca.
    Honestamente, eu acho a rivalidade entre as torcidas de Federer e Nadal um grande barato. Me divirto demais com ela. Sentirei uma falta danada quando um dos dois deixar o circuito, o Federer certamente antes.
    Querer que o comportamento social de brasileiros mude só porque o tênis é (ou foi um dia) um esporte de damas e cavalheiros, com regras e um código de conduta mais sóbrio e respeitoso, é uma ilusão.
    O Brasil é o país do futebol, em que 99% torce para algum time, e também um país latino, portanto habitado, como dizem, por gente que tem sangue quente e é mais emocional do que racional.
    É um sonho e um delírio inútil querer que um dia sejamos como torcedores de outros países, especialmente europeus. É como querer que deixemos de ser nós mesmos.
    Que fique claro, não estou defendendo o desrespeito aberto e rasgado, que tantas vezes descamba para a violência, como ocorre no futebol, mas não acho razoável desejar uma mudança de comportamento que de certo exigiria uma mudança da nossa índole e da nossa identidade, ainda que muitas vezes pareça claro que essas características de nosso povo precisem evoluir.
    Vamos curtir com todas as nossas emoções mais este confronto entre os dois maiores tenistas de nossa época. Sabe lá quantas vezes mais teremos essa oportunidade.
    Abraço e boa sorte ao seu preferido (você tem um, né? – mas não precisa dizer quem. Rsrs!!)

    Responder
    1. Carlos

      Você fala de identidade nacional. Fala de paixão de emoçao e que continuemos os mesmos. Penso que um pouco de cavalheirismo é bom pra nossa índole. E é isso que o Chiquinho fala no post. Do excesso, da vulgaridade, justamente dessa indole futebolística que você defende. Não devemos mudar? Então vamos continuar com esse papo de futebol pra tudo? Por que eu vejo na TV é discussao sobre o tapetão do Brasileriro. Onde está o futebol nessa discussao? E é isso que permeia os comentários sobre Federer/Nadal. Se um gosta de mulher se outro é bombado. Não se fala do tênis em si. Mas da discussão futebolistica inútil de roda de barzinho.Se nossa indole latina fosse direcionada pra algo construtivo concordaria com você. Mas acho que essa indole deve ser mudada por que todos nós devemos evoluir pra algo melhor. Não acha? PS: não precisa responder. Não quero discussão futebolística.

      Responder
      1. Fernando Brack

        Carlos, onde você me viu defender excessos e vulgaridade?
        Você parece não ter entendido nada. Tudo bem, eu aceito.
        A discussão poderia se prolongar, mas eu não tô a fim dela.
        Abs

        Responder
  15. lina

    Sou fã do Federer, vou torcer para uma final Suiça. Mas gosto muito do assistir o Rafa jogar, guerreiro, ágil, intenso, infelizmente tenho de escolher o Federer se vencer o 18 Slam será praticamente imbatível.
    A única coisa que não concordo nas mensagens que leio, é a comparação Federer X Nadal. É injusta a comparação, a começar pelo estilo de jogo e principalmente pela idade. O certo seria comparações entre Nadal, Djokovic, Murray, pois eles tem idades semelhantes. O Federer, está à longa distância, de estilo único e idade. Vamos torcer com consciência e respeito aos outros tenistas que eles também merecem.

    Responder
  16. Fernando Brack

    Chiquinho, complementando…
    Creio que o que faz a rivalidade entre esse dois gênios do esporte, e por tabela a rivalidade de suas torcidas, ser tão interessante é o fato de eles possuirem virtudes tão diferentes, quase opostas. Muitas vezes consideramos um o anti do outro, embora a relação entre eles ser bastante amigável.
    Federer é técnico, o supra sumo da plasticidade e fluidez tenística, elegante, fino, extremamente bem articulado poliglota e tal, enquanto Nadal representa a força, a energia, a solidez mental, a imensa vontade de vencer e uma certa ingenuidade social. Talvez a única coisa que os une é o fato de ambos serem donos de enorme carisma junto ao público.
    A escolha de um ou outro como ídolo certamente tem muito a ver com as características pessoais do torcedor e do que este valoriza na vida. Quem adotou um deles não o larga de jeito nenhum e o antagonismo de seus estilos e personalidades faz com que quem aprecie um queira sempre reduzir (muitas vezes detonar) o outro.
    Enfim, eu penso que esses aspectos todos acabam dando um charme muito especial à rivalidade tanto deles como de suas torcidas.
    Abs

    Responder
  17. Isaac

    Brilhante! Curtir o jogo de dois fenômenos e aplaudir suas brilhantes jogadas não implica em não ter preferência por um deles, mas a capacidade de ir além e curtir o esporte mais do que a guerra.

    Responder
  18. Phlavious

    Sou admirador de vários esportes e o tênis é um deles.
    Em todos eles, digo por mim, me identifico com determinado atleta, clube, país, etc.
    Então é natural que torçamos por ele.
    E se gostamos muito apoiamos muito. E isso não quer dizer torcer pro outro errar.
    Sou fã de carteirinha do Federer mas, se ele vier jogar Taça Davis contra o Brasil, vou vibrar na dupla falta como um gol.
    Porque na Davis pode e no circuito não?

    Responder
  19. Rodrigo Fernandez

    Sou fa do Federer e torco sempre por ele. Acho o Nadal uma pessoa incrivel fora da quadra, e eh obvio que eh um fenomeno no esporte tem muita garra e tambem eh inteligente, porem eh questao de gosto, nao aprecio o jogo do Nadal, nao acho bonito nem genial. O Roger Federer eh genial, tem lances imprevisiveis, plasticos uma destreza impresionante, parece que eh tudo muito natural, o que faz com que seus jogos sejam muito mais apreciados, e alem disso um cavaleiro, opiniao minha.
    Nao acredito que teremos uma rivalidade de tao alto nivel neste esporte nas proximas geracoes. Bom pra quem pode estar vivendo esta epoca e ser apaixonado por tenis.

    Responder
  20. Reis74

    Adoro assistir aos jogos do Federer, acho um privilegio termos sua maestria ainda nos seus trintoes. Jogo meu tenis amador de fim de semana, acompanho o esporte e de todos q ja vi jogar, acho sim, q o Federer he o melhor de todos os tempos. Sem mencionar o talento nato, os numeros falam por si. Peco desculpas aos fas do Nadal, mas acho seu estilo de jogo irritante. Falo sobre seu jogo de tenis e nao suas “manias” em quadra. Em uma entrevista q vi do Goran Ivanisevic, o mesmo define muito bem como o Nadal vence seus jogos. “Ele he atleta, faz o oponente cansar ate se irritar e comecar a errar, ele te destroe fisicamente, he assim q vence os jogos”. A estrategia de jogar bolas altas nos backhands adversarios vem funcionando… Merito dele de usar essa estrategia e faze-la funcionar, mas he muito feio p/ o esporte tenis, ne? Reconheco uma coisa, tiro o chapeu para sua vontade de ganhar sempre, determinacao, raca, mentalmente isso he notavel. Porem, nao sei como ele consegue correr tanto em quadra, a ponto de cansar o adversario, genetica privilegiada? Treino privilegiado? Algo a mais…?
    Em fim, em minha opiniao, Nadal he atleta! Federer… Federer he jogador de tenis!

    Abracos

    Responder
    1. Walter Cordeiro

      Federer é jogador de tênis e Nadal tenista, rs rs. Brincadeira. Ambos são fabulosos. Mas não o jogo do Nadal não se limita às bolas altas na esquerda. Quem viu o jogo observou as inúmeras passadas que o suiço levou. E o quanto Nadal fez Federer dançar, jogando-o de um lado para o outro. Monstro.

      Responder
  21. Dennis

    O relógio suiço versão AO2014 travou ao ver Nadal do outro lado da quadra. Incrívil como o suiço treme e erra ao ver o espanhol do outro lado.

    Responder
  22. Fernando Brack

    Prevaleceu a bolha mental e o jogo de sempre. O resultado só podia ser o de sempre.
    Apenas surpreendeu a enorme facilidade. Federer se anula demais diante de Nadal.
    E, mais uma vez, era uma partida que reunia diversas condições favoráveis ao suíço, dentre elas uma lesão na mão do espanhol que podia ter afetado seu jogo, mas que Nadal simplesmente ignorou.

    Responder
    1. Mário Fagundes

      É Brack, a facilidade com que Nadal levou o jogo foi surpreendente. Federer não conseguiu repetir as atuações anteriores, estava descalibrado e cometeu muitos erros. Mas Nadal jogou demais e, a meu ver, bem melhor que na partida contra Monfils. Apesar de mais um revés, Federer demonstrou estar muito bem fisicamente, venceu dois tenistas do top 10, defendeu muito e lutou até o fim, deixando boas impressões de que está muito motivado para seguir competindo em alto nível em 2014. Ele próprio afirmou que estará no melhor de sua forma em meados de março ou abril. Entretanto, após mais uma surra do espanhol, passo a concordar com você, Brack, no sentido de torcer para que esse confronto não mais aconteça. Não tenho atração por masoquismo. Não adianta Federer jogar o mais fino do tênis para sempre parar naquele jogo horroroso do “espanhol-queniano”. Jamais chegarei tarde ao trabalho por esse motivo. Para Federer ganhar mais um slam, é preciso uma boa dose de sorte (desde o sorteio das chaves) e uma combinação de resultados que não o façam cruzar com Nadal. Temos de encarar esta triste realidade. Quanto à final, penso que Stan vai entrar relaxado e lutará, mas o 14º slam do “espanhol-queniano” já está chegando na prateleira. Ah, Djokovic, nessa hora só você poderia nos fazer sorrir!

      Responder
      1. Fernando Brack

        É isso, Mário. Neste confronto, enquanto um se apequena o outro cresce.
        Nadal fez o melhor jogo dele no torneio e Federer seguramente seu pior.
        Não me pergunte porque isso acontece, pois não tenho a menor ideia.
        Com sua caixa de ferramentas completa, Federer mantém elas na caixa.
        Fazia tempo que não via ele dar madeirada de BH e hoje elas voltaram.
        Abs

        Responder
  23. Sidnei MV

    Eu dando uma de Mãe Diná errei feio hahahaha Apontei 3×2 pro Federer mesmo sendo Nadalista. Mas nem a bolha nem Federer foram páreo para o Touro Miura! Vamos Rafa!!

    É isso aí, Chiquinho! Não é uma guerra! Mas também não é um duelo. Foi só mais um treino de luxo do Nadal com o Federer… rsrsrsrsrs

    Eu acredito que Wawrinka vá dar mais trabalho a Nadal do que Federer!!! Não se surpreendam!!! Ainda que Wawrinka nunca tenha tido o gostinho de vencer um set sequer contra Nadal.. Esse novo treinador tá fazendo bem demais pra cabeça do não mais instável Wawrinka

    Responder
  24. petros

    Bom dia, Chiquinho!
    Vamos ao jogo, por partes, como diria um certo alguem!

    1) Nadal jogou demais, demais mesmo! Já era favorito se mantivesse o nível dos jogos anteriores, mas o elevou de forma estrondosa hoje.

    2) Federer lutou (até sofrer a segunda quebra do Terceiro Set) como há tempos não via lutar em uma derrota para Nadal (acho que desde Wimbledon 2008).

    3) Nadal sem dúvidas é o melhor jogador entre os dois, por diversos fatores (não apenas pelo resultado de hoje): físico, mental, encaixe de jogo, etc.

    4) Federer tem o jogo mais brilhante da história do tênis

    5) Depois deste Austalian Open, mais que evidente o bem que Stefan Edberg fez ao suíço; e digo mais, se manter este nível, na minha opinião é o principal favorito para vencer Wimbledon e, se contar com um pouco de sorte no sorteio da chave, US OPEN.

    Abraço,

    Responder
    1. Erik

      É isso aí. Finalmente um comentário lúcido no meio de palhaçadas. O Federer voltou e o ano promete! Que grande prazer será ver o Professor de volta lutando com o Nole e o Nadal pelos Slams. Imaginem Roland Garros com o Federer arrebentando, o Nole forte como sempre e Touro derrubando tudo! Quem sabe veremos jogos como aquela SF entre o Nole e o Federer em 2011, em que o suiço despachou o sérvio que vinha invicto desde o início do ano. Celebremos isso gente e parem com estas pataquadas de periferia.

      Responder
      1. geraldo carvalho

        até entendo, erik, mas o normal pela posição no ranking será o federer pegar esses caras bem antes. ele hj é o sétimo .

        Responder
  25. André Prioli

    Chiquinho, o carisma e a qualidade desses dois monstros do tênis elevou em muito a popularidade do tênis, nunca antes visto, fomentando a rivalidade tal como no futebol… acompanho e jogo tênis desde que Pat Cash ganhou Wimbledon e posso afirmar que esse não é só mais duelo de grandes… mas a torcida do perdedor sempre tem razão… gostaria de ver se a freguesia fosse inversa…

    Responder
  26. Sidnei MV

    Que doce mistério.. O maior de todos os tempos simplesmente não é páreo para um tal de Nadal.. Alguma “coisinha” de boa deve ter no jogo desse espanhol hein..

    Responder
      1. Sidnei MV

        e eu sempre soube o que significa esse EU hahahaha mas fica frio nao vou espalhar pra turma porque vc já tá bem sujo na rodinha mesmo hahahahaha

        Responder
  27. Ricardo

    Infelizmente, deu Nadal de novo. Gosto muito do estilo de jogo do Federer, é o jogador que mais gosto de ver jogar, mas precisamos admitir que o Nadal é mais jogador do que ele, isso é um fato.
    O argumento de que o jogo “não encaixa” não me parecer plausível. Por ser considerado, por muitos, o maior jogador da história, caberia a ele encontrar alternativas para ganhar do espanhol. Mas o que vemos, jogo após jogo, é que o Nadal tem mais garra, é mais consistente, intenso e forte mentalmente que o Federer, logo, na minha opinião, a combinação destes (e de outros) fatores, fazem dele um jogador melhor.
    Nem se diga que o número de Slams pesaria a favor do Federer, pois isso é uma questão de tempo. Salvo alguma catástrofe, ele vai ultrapassar com tranquilidade o número de slams do Federer. Pode botar mais um na conta, ele vai atropelar o Wawrinka (embora esteja torcendo para o suiço). Abs!

    Responder
    1. Fernando Brack

      Pois é, Ricardo, a pergunta que os torcedores do Federer fazem a si mesmos é: se o Djoko encontrou um jeito de bater Nadal, porque o Mestre, com toda sua genialidade, não conseguiu?
      Pra mim a questão do BH de uma mão não me convence. O fato é que esse golpe do Federer é frágil e fica ainda mais contra as bolas altas com spin, mas isso tinha que ser trabalhado (e não digo que ele não trabalhe) até que pudessem sair poderosos contra-ataques dali.
      Mecânica e fisicamente é possível, mas o que vemos é ele aumentar muito a incidência de erros no golpe. Aliás, ele já era pra ter extinguido suas famosas madeiradas há tempos. Ainda mais agora com a nova raquete.
      Abs

      Responder
      1. André Prioli

        Brack… vc é e sempre foi o cara pelas bandas destes blogs do site tenisbrasil… os comentários mais pontuais e realistas na blogosfera do tênis… meus parabéns pela percepção e pela facilidade na escrita…

        Responder
      2. Luiz Fabriciano

        Fernando acho que posso responder: Federer realmente é genial, seus números falam por si só. Como você bem mencionou, Djokovic encontrou a fórmula de vencer Nadal e Federer não. Federer nasceu talentoso e Nadal se dispôs a trabalhar muito, somando-se os dois temos a maior coleção de troféus da história desse esporte. Não que o Federer não trabalhe muito, mas é que tem uma “matéria no curriculum” que ele simplesmente não aprende, que é como ganhar de Nadal. E isso deixou de ser por causa da idade ou diferenças nos estilos de vida de cada um, porque esse retrospecto negativo começou a se estender já faz muito tempo. Pense você em algo que por mais que você queira e tente, continua a ser muito difícil. Vi apenas o terceiro set hoje e o percebi perdido, exatamente como quem não saberia o que fazer. Acredito que é simples assim e acredito também que se ele pudesse escolher, Nadal não estaria no seu lado nas chaves dos torneios. Grande abraço.

        Responder
        1. Fernando Brack

          Luiz, isso deve estar além da capacidade do Federer.
          O Djoko achou um jeito baseado no mesmo estilo de jogo do Nadal, elevando-o a outro patamar. Beneficiou-se, é claro, do seu sólido e poderoso backhand, menos vulnerável às bolas ultraspinadas do espanhol. A competência desses dois em devolver a última bola chegou a um nível absurdo.
          Isso requer muito, muito físico e uma tremenda disposição de correr atrás de todas as bolas. Federer nunca fez e não acho que devesse fazer algo parecido, pois não é seu estilo.
          O que o atrapalha é que ele aumenta demais a quantidade de erros quando enfrenta um jogador-paredão. Seu jogo agressivo derrete, pois ele tem que fazer bolas cada vez mais arriscadas. Muitos erros perecem bobos, mas na verdade é ele procurando as linhas.
          Abs

          Responder
      3. eduardo

        A questão do backhand é fundamental. Nao é uma questão de te convencer ou não, mas sim uma questão de mecânica do movimento. É uma questão puramente objetiva (a do backhand). Como já exaustivamente falado o bakchand de uma mão não é mecanicamente favorável para bolas altas na esquerda e ponto. Ocorre que com os demais jogadores do circuito, ainda que o BH de uma mão nao seja bom para bolas altas os que assim o executam se viram bem, pois a maioria dos adversários jogam bolas em alturas normais, apenas eventualmente jogam bolas excessivamente altas e, neste momento, ou o jogador da uns passos para trás para pegar a bola caindo, ou dá um para frente para pegar a bola subindo. Errará algumas vezes ao antecipar, acertará outras; ao ir para trás, dará mais tempo para o adversário, poderá ser atacado se nao colocar bem funda a bola, mas isso ocorrerá algumas vezes, outras não.

        No entanto, contra o nadal a coisa muda totalmente de figura. Porque? Primeiro porque o Nadal jogo praticamente o jogo todo no BH do adversário, no caso, o RF. Segundo porque a bola vai no BH do suíço sempre alta, com muita rotação e velocidade. Veja bem. As bolas altas no BH batidas pelos outros jogadores do circuito sao bolas altas e mais lentas, assim, ou você antecipa ou recua, como disse anteriormente. O único, reitero, O ÚNICO, jogador que consegue a proeza de jogar bolas altas e com grande velocidade se chama Rafael Nadal. E ai meu amigo, vc pode querer se convencer ou não, mas nao tem como, rebater uma bola alta e com muita velocidade com um BH de uma mão durante o jogo inteiro implica em muitos erros. Não tem como, é fisicamente impossível. Talvez, e digo talvez, se fosse o Guga do outro lado, ele teria um pouco mais condições de bater este BH, pois a mecanica do BH de uma mão do guga era diferente. Mas mesmo assim, acredito que o guga sofreria muito, porque é muito difícil executar de forma constante este golpe.

        Então, sem olvidar da questão mental, o BH de uma mão é a grande questão. Não fosse assim, o Nadal não ficaria alugando em 100% dos saques o BH e em quase todas as trocas de bola o BH. Se nao fosse o BH a diferença, porque o Nadal jogaria tanto lá? Por diversão? Claro que não.

        Responder
      4. Henrique Farinha

        Fernando, não tem jeito. Federer perde no retrospecto para Nadal, Murray e Djokovic nos últimos 7 anos. E a razão é simples: idade. É legal vê-lo lutar, querer permanecer competitivo, mas isso pesa cada vez mais. Ele não ganha de Nadal em GS desde 2007. Em outros torneios, desde 2011 e, hoje, também perde nas estatísticas em quadras rápidas. As características do jogo de Nadal são ruins para ele, porém deu para perceber o quanto Nadal é fisicamente superior e as bolas que ele busca são impossíveis para a grande maioria. Federer teria chance num piso como o antigo carpete, em que não haveria trocas de mais de 5 ou 6 bolas. Em pisos nos quais exige-se paciência e trocas mais longas, ele não tem como ganhar de Nadal, a não ser que ganhe o 1o set e Nadal esteja abaixo do seu nível usual. Abs!

        Responder
        1. Fernando Brack

          Farinha, de fato, a estupenda capacidade física do Nadal faz dele um jogador diferenciado. Isso, aliado a uma técnica bem treinada embora estranha, lhe dá essa incrível competência em fazer voltar bolas dificílimas.
          Esta pra mim é a grande virtude do jogo do Nadal: fazer voltar sempre mais 1 bola. E não dá pra dizer que isso não exija técnica tenística. Só não são golpes plásticos, bonitos como os do suíço.
          Abs

          Responder
  28. Walter Cordeiro

    Acho que a frase que melhor reflete esse confronto foi dita por Martina Navratilova, no ano passado: “Roger Federer pode ser o melhor de todos os tempos, mas Nadal é o melhor dos dois.” Federer jogou muito bem. Uma das melhores apresentações do suiço. Mas do outro lado tinha o Nadal atropelando.

    Responder
  29. Renato Sérgio Mendes

    Uma pergunta que faz sentido aqui. Olha o nikishori que é um jogador muito inferior ao fedex deu mais trabalho ao nadal do que o próprio federer. O ferrer freguês de carteirinha do fedex ja ta começando a aprontar de vez em quando para cima do nadal. Djo que é o único jogador que realmente incomoda o nadal, tem histórico de confronto equilibrado com federer que quando joga muito bem faz confronto pau a pau com o djo ( diga-se 2012)., Dimitrov que toda vez que enfrenta o nadal tira um set perdi de boa para o federer. Pela lógica era para nadal e federer ser pau a pau. O que ocorre para que isso não aconteça ?

    Responder
  30. Walter Cordeiro

    Se Nadal vencer o A.O. atingirá mais de 15.000 pontos no ranking da ATP. Qual foi a maior pontuação atingida por um jogador no Ranking da ATP, Chiquinho?

    Responder
  31. Sergio Boca

    Se Nadal vencer o A.O. atingirá mais de 15.000 pontos no ranking da ATP. Qual foi a maior pontuação atingida por um jogador no Ranking da ATP, Chiquinho?

    Responder
    1. Eduardo Martins

      Federer já passou dos 16.000 qdo a pontuação era dobrada. Sem dobrar a pontuação acho q a maior marca foi de Federer com mais de 14.000.

      Responder
    2. Chiquinho Leite Moreira

      Sergio houve mudanças nas pontuações, assim como na forma de se calcular o ranking. Mas lembro certa vez em Wimbledon o Nadal reclamando que, não fosse o Federer, ele já poderia ter sido número um naquela época, pois tinha pontos superiores ao que Sampras ostentava como número um. Veja que agora a situação é bem outra.

      Responder
  32. Sidnei MV

    O que mais me impressionou nesse jogo foi a completa resignação de Federer diante de mais uma derrota frente a Nadal. Como se fosse a mais natural rotina da vida dele! E é!!! Ele parece não sofrer mais com isso.
    “O que não tem remédio, remediado está” deve pensar ele. Tá certíssimo!!!

    Outra coisa, é essa história – seja lá quem diga – de que histórico, retrospecto, não conta! Claaaaaaro que conta!! Nadal ficou bem incomodado quando começou a perder seguidamente para Djokovic!!! Isso tem um peso psicológico tremendo!!! A essa altura da vida de tenista de Federer, já era, esse bloqueio nos jogos contra Nadal já está mais do que cristalizado!!!

    Responder
  33. marcia correa

    O tênis é um jogo de cavalheiros. perderá a graça se vir a ser um esporte de grosseria e deselegância.
    Acho que a humildade a o grande talento de Nadal é sim um dos prazeres de assistir a este esporte.
    Ja vi Macnroe, já vi Sampras e ja vi Lendl. Nunca ninguem como o Touro Miura. Voltei a amar o tênis, Salve Nadal!

    Responder
  34. sn.maior@uol.com.br

    Chiquinho, gostaria de algumas informações sobre o controle de dopagem pela ATP. Sabemos que o organismo mundial reconhecidamente comprometido e preparado para este controle é gerido pela COi. O tênis nunca se preocupou com estas questões até por ter um “público alvo” restrito. Me espanta a performance de um certo campeão. Tivemos estrelas do esporte nacional flagrados no dopping, casos de Ciello, Maureen Maggi, Rebeca Gusmão e por aí vai. Nos Eua, ,Florence Jones, Carl Lewis, Lance Armstrong. Bom , como estudioso, creio que no tênis, ao contrário do uso de anabolizantes esteroides, a suplementação de EPO ( eritropoietina), seria muito mais eficaz em termos de aumento da performance do que o uso de GH, De se destacar que o uso de EPO, NÃO ACARRETA EFEITOS VISÍVEIS na musculatura do atleta, Um abraço

    Responder
  35. Sergio Neves

    Chiquinho, gostaria de algumas informações sobre o controle de dopagem pela ATP. Sabemos que o organismo mundial reconhecidamente comprometido e preparado para este controle é gerido pela COI. O tênis nunca se preocupou com estas questões até por ter um “público alvo” restrito. Me espanta a performance de um certo campeão. Tivemos estrelas do esporte nacional flagrados no dopping, casos de Ciello, Maureen Maggi, Rebeca Gusmão e por aí vai. Nos Eua, ,Florence Jones, Carl Lewis, Lance Armstrong. Bom , como estudioso, creio que no tênis, ao contrário do uso de anabolizantes esteroides, a suplementação de EPO ( eritropoietina), seria muito mais eficaz em termos de aumento da performance do que o uso de GH, De se destacar que o uso de EPO, NÃO ACARRETA EFEITOS VISÍVEIS na musculatura do atleta, Um abraço

    Responder
    1. Chiquinho Leite Moreira

      Sergio Neves recebi um briefing da reunião em Melbourne sobre as novidades do controle anti doping. Estou a espera do relatório final. Portanto, acho prudente esperar um pouco antes de qualquer comentário. Mas posso adiantar que o tênis não está assim tão ‘largado’… abs Chiquinho… voltarei ao assunto oportunamente.

      Responder
      1. Sergio Neves

        Muito obrigado pela consideração e atenção. Este tipo de jornalismo é gerador de credibilidade. Não é necessário ter tido vivência dentro das quadras dos grandes torneios para trazer boa informação. Confie na paixão de seus leitores, mas sobretudo, nunca menospreze a inteligência de quem te prestigia. Um grande abraço !

        Responder
  36. Samuel

    Olá, Chiquinho! Pelo que entendi, você já esteve no Aberto da Austrália. Surgiram umas dúvidas a respeito de postagens feitas nos blogs a respeito da refrigeração nas quadras principais. Bem, nas vezes em que estive na Rod Laver Arena, pareceu-me que o sistema de refrigeração ficava ligado durante as partidas diurnas, mesmo com o teto aberto. Quero saber se você me confirma essa impressão que tive.

    Responder
    1. Chiquinho Leite Moreira

      Samuel já estive sim no AO. Certa vez fui duas vezes no mesmo ano para a Austrália e, como diz minha esposa, criei o que se pode chamar de TPA – tensão pré-austrália – Nada contra o país ou a organização do torneio, mas sim pela longa viagem. Há um detalhe na RLA arena que gostaria de esclarecer com todo o respeito aos que transmitiram os jogos pela TV. O teto retrátil está sempre em movimento. Não é acionado apenas quando chove ou faz muito calor. Estive numa exposição dos organizadores e fiquei a par do que acontece. A sombra é controlada. É isso mesmo… o teto retrátil é operado de acordo com o sol, fazendo com que o jogo aconteça no sol e o fundo quadra está sempre na sombra, independente da, vamos dizer assim inclinação do sol. Portanto, o teto não faz qualquer barulho que prejudique, atrapalhe ou tire a concentração dos jogadores. Quase ng percebe, mas as abas do teto estão em constante movimentação, controlando a sombra. Já contei um episódio destes por aqui: sentei-me na última cadeira sob o sol e achei que em minutos estaria na sombra. Ledo engado…a linha de sol e sobra permaneceu sempre no mesmo lugar.
      abas

      chiquinho

      Responder
  37. mariliense

    Boa tarde Chiquinho e amigos!
    Lendo alguns comentários dos colegas dos blogs, nota se que grande parte deles não estão familiarizados com o jogo de tênis . Muitos (torcida do suíço) fazem diagnósticos simplistas em relação às causas da fragilidade do jogo do Federer quando enfrenta o espanhol,baseado unicamente nas informações por força de hábito da midia como “ Nadal só joga no backhand de Roger” ou “ Roger não é tático e Nadal é tático” e coisas desse tipo. O pior é quando esses mesmos já tem a solução mágica pra Federer vencer o rival, como que o suíço e seu tecnico fossem uns imbecis que não enxergasse o que lhe falta executar na quadra e sair vitorioso. No jogo de tenis todos buscam o backhand do adversário que em tese é a parte frágil dos tenista,isso é um conceito tático mais que manjado. Federer joga muito no revés do espanhol e tenta como sempre a transição do meio para a rede mas …. do outro lado tem o Nadal com todas as respostas com o arsenal de golpes mais devastador que o tênis já viu. O jogo de ontem foi um exemplo: Federer tentou variar e ser agressivo mas levou passadas por todos os lados, além de winners de backhand do Nadal(uns 10)winners de forehand na paralela…. e nas trocas de bola de fundo era covardia. A verdade é que Nadal tem técnica, tática,intensidade e garra jamais vista em qualquer outro esporte de competição.

    Responder
  38. oswaldo e. aranha

    Retornei antes do que queria. Vi na internet a matéria..Dores nas costas do Nadal e Wawrinka é o campeão. Dores, seja nas costas, pernas, braços, ombros, etc.. todos os atletas têm em várias circunstâncias. A manchete correta seria: Wawrinka joga melhor, derrota Nadal e é campeão do Australian Open. Chega de misticismo.

    Responder
  39. araujo

    Chiquinho, questão seguinte: esse pessoal que torce pro Nadal, é o mesmo que arreganha os dentes pra qualquer coisa, como faz o ídolo deles em quadra. Mostra punhos, músculos, como se aquilo fosse uma questão de vida ou morte. Via Roger, um esportista, que vibra com o esporte, com a elegância, e com a vitória sim, claro. Sem arreganhar os focinhos pra ninguém.

    Responder
    1. Chiquinho Leite Moreira

      Nadal tb é um grande campeão. Seus seguidores estão cada vez mais entendendo o que é o tênis e o que é o esporte. São coisas maravilhosas e podem ser cada vez mais interessantes no seu esplendor. Imagine que gostar ou praticar um esporte, ou vários, é para poucos. E isto acrescenta valores em nossas vidas. abs Chiquinho

      Responder
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Comentário

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>