TenisBrasil - Tenis.Com Chiquinho
A história de um talento: Zé Amin Daher
Por Chiquinho Leite Moreira
janeiro 14, 2014 às 1:20 am

Chocado… triste com a arrebatadora notícia do adeus de Zé Amin Daher. Peço licença. Gostaria de dividir com todos a história de um talento. Quando menino ainda, apareceu-me a minha frente em Campos do Jordão, trazido pelas mãos do assessor de imprensa Ivo Simon. Apresentou-me como a maior promessa do tênis brasileiro. Pernas tortas, um físico de ‘jogador de bilhar’, como gostava de definir Dácio Campos, ele, em pouco tempo, transformou-se num dos meus mais queridos amigos do circuito. Inteligente e também inconsequente, afinal, certa vez perguntou se eu não queria ser o seu técnico. Nada de dar instruções. Ora, ele não precisava disso. Queria sim alguém para olhar na arquibancada e dividir as emoções. Costumava estar em seus jogos. Nem por essa, nem por outra. Valia a pena vê-lo jogar. Tênis plástico, fácil, toques geniais, algo divino, reservado a poucos.

Em tantas viagens, torneios e as semanas em Londres, na Casa do Brasil, no período de Wimbledon, vi o menino crescer e desenvolver sua técnica como poucos. Estou certo de que poderia ter ido muito mais longe. Mas não aconteceu por uma série de motivos. Jamais a frustração. Zé fez sucesso também como empresário. A única recaída aconteceu há pouco tempo, num evento no hotel Paradise, em Mogi das Cruzes.  Ele chegou e falou. “Chiquinho hoje eu tenho certeza de que poderia ter chegado lá”.

Ora Zé… não tenho dúvidas disso. Nunca tive…e hoje tenho também a certeza de que o céu recebe um dos maiores talentos que já conheci. Um amigo e tanto que se foi e nos deixa de coração partido e olhos cheios de lágrimas..,. RIP.


Comentários
  1. CLEMENTE

    Ainda estou chocado e triste com a noticia , como todas as pessoas que conheceram o ZE.
    Uma pessoa querida , sincera , inteligente , divertido e sem duvida como falou o Chiquinho com muito talento !
    Tibe a sorte de compartilhar, muitas partidas de Padel com ele , que ele gostaba de jogar , e aonde tambem era um Craque, no Padel.
    Deixo um forte abraco na familia , neste momento de muita dor .
    Querido Ze que en paz descanses

    Clemente

    Responder
  2. Frank Ferreira

    Chiquinho, há exato 1 ano levei meus filhos em uma etapa da Copa São Paulo de juvenis na beça academia Daher Lounge em SJdosCampos e fomos recebidos com muita simpatia , carinho, espontaneidade e atenção. Pelo pouco contato percebemos que realmente era uma pessoa da melhor qualidade. Grande perda!

    Responder
  3. Fernando Brack

    Chiquinho, só agora estou lendo sobre a morte trágica do Zé Amin. Muito triste com isso. Eu o conhecia pouco, falei com ele algumas vezes e volta e meia o via em sua academia, aqui pertinho de casa.
    Já li um bocado sobre ele e sabia que tinha sido um tremendo talento juvenil. Só não foi mais longe porque foi meio porra louca em seus bons tempos de tenista.
    Vi ele jogar algumas exibições antes de torneios em suas quadras e a habilidade ainda estava lá.
    Muito triste mesmo.

    Responder
    1. ivo simon

      Caro Chiquinho. A vida nos reserva surpresas que nos chocam.. Tudo que nós, do tênis, pudemos pudemos conversar com Zé Amin foi conversado. Todos torciam pelo seu sucesso. Vê-lo jogar era ver um maestro na quadra, brincando com a bolinha e esbanjando talento com golpes melodiosos, para desespero dos adversários. Para ele, parecia uma rotina jogar sempre bem e sem qualquer esforço. Parecia que só buscava o prazer de ver seus golpes mortais. Cada um de nós busca escrever uma história na vida. Um história que fica escrita. Uma história para ser sempre lembrada. E Zé Amin escreveu uma história no tênis. Como você lembrou ao vê-lo em Campos do Jordão com as suas pernas esguias. Um Garrincha do tênis…

      Responder
  4. André Victor

    Você foi muito feliz em sua homenagem. Sintetizou bem o que representou esse genial tenista. O Zé sabia que poderia ter chegado lá. Vc também sabia, assim como eu e todos os que tiveram o privilégio de vê-lo em ação. Talento raríssimo. Lamentável sua abrupta e trágica partida. RIP.

    Responder
  5. Fernando delatti

    Há muitos anos atras, eu estava em um hotel em Angra dos Reis, e omo amante do Tenis, me chamou a atençao de um treino onde o tenista Adriano Ferreira, treinava com seu técnico. Após ve-lo bater de direita e de esqerda com absurda velocidade, voleios mortais, saque impressionante, eu pensei : impossivel ganhar desse cara ! Sabe tudo e mas um pouco…assim que terminou o treino, Adriano chamou um sujeito, meio desengonçado, sem camisa, para jogar um set. Eu pensei, quero ver o massacre. E o incrivel aconteceu, o tal sujeito, José Amim Daher, com amaior naturalidade, anulou a potencia de Adriano e aplicou-lhe, rindo um sonoro 6/0. Eu tive alí uma aula de tenis e nunca esqueci esse nome : Zé Amim Daher !!! Descanse em paz….

    Responder
  6. Ivan Tosetto

    Chiquinho, conheci o Zé há cinco anos atrás quando levei meu filho para treinar em sua academia aqui em SJCampos.
    Um cara que pensava em prol do tênis 24 h por dia e tinha o sonho de dar ao tênis o que o tênis deu a ele. Sempre que conversávamos ele mi dizia que iria transformar um de seus alunos em tenista profissional e para isso montou um equipe fortíssima com nomes como o de Fernando Roese, Marcelo Sandoval entre outros.
    O Zé vai deixar saudades pelo seu jeito de ser e pelo coração bom que tinha, quem conviveu com ele sabe do que estou falando. Foi sem dúvida uma perda enorme para nós e para o tênis brasileiro.
    Vai deixar saudades.

    Ivan Tosetto

    Responder
  7. joao sawao ando

    o jose Amin daher foi do meu tempo de juvenil,era conhecido nos anos 80 como o tomaz Koch dos anos 80, tenista de estilo clássico,tinha todos os golpes,forehand,bachand com empunhadura continental,um grande voleio jogava bonito,pena que no profissional não pegou ,são coisa que acontecem no brasil,como aconteceu com celso sacomandi,renato Joaquim,e tantos outros….

    Responder
  8. Fernando Castrioto

    Vai fazer uma tremenda falta aos amigos, familiares e ao tênis nacional. Querido e generoso amigo, que o seu legado seja preservado e que os frutos futuros uma vez sonhados dentro de sua academia, se realizem brevemente.
    Saudades dos amigos da academia e quadra “oito”.

    Responder
  9. Henrique Farinha

    Chiquinho, além de belo tenista e sujeito engraçado, perdemos um dos poucos que trabalhava pelo tênis juvenil. Levei meus filhos algumas vezes à academia dele para disputarem torneios. Foi realmente uma pena. Quem me deu a notícia ontem foi Carlos Goffi, com quem estive, junto com o Sylvio Bastos, e que me contou diversas histórias espetaculares, mas não posso negar que esse fato tirou um pouco do brilho desse dia. Abs!

    Responder
  10. Dacio Campos

    Querido Chiquinho,que perda irreparavel…..o Ze era a mais fina das pessoas…..Sempre atento para ajudar seus amigos.

    Generosidade era sua maior marca e sua maneira verdadeira de ser impressionava.

    Dia mais triste da minha vida,perdi um bom pedaço de mim…………..Agora se tem algo que nao quero é que ele descance………pelo contrario,APAVORA POR AI ZE AMIN……SAUDADES

    DACIO

    Responder
  11. marceloneves

    Chiquinho parabéns pelas palavras.
    Tive o prazer de jogar Futebol com o Zé Amin onde por incrível que pareça , era o unico tenista no meio de boleiros e se destacava também com o seu talento com as pernas…
    Grande perda de amigo e esportista!
    Adeus Zé e Chiquinho espero vê-lo em breve.

    Responder
    1. Chiquinho Leite Moreira

      Valeu Marcelo…. vamos nos ver sim… chame o Michel. Desculpe a demora, mas estava difícil responder aos comentários. abs Chiquinho

      Responder
      1. Chiquinho Leite Moreira

        Boa Bagaceira… o céu vai virar um inferno com o Zé por lá… Desculpe a demora, mas tava duro até ler os comentários. Vamos em frente. abs Chiquinho

        Responder
  12. Luiz Carlos Cardoso Ferreira (CEGUERA)

    Chiquinho, você, Sr. Ivo e Dácio sintetizaram muito bem o JOSÉ AMIM DAHER NETO – inesquecível amigo ZÉ AMIM.
    Claro que ele chegaria lá em termos de resultados, se quisesse, não só como tenista, mas como futebolista. Jogava muito em ambas as modalidades. Mas como talento chegou lá sim. Não esqueço em Itaparica, quando o André Agassi venceu o torneio, mas teve que passar as duras penas pelo ZÉ AMIM (o Zé venceu muito fácil).
    Sem dúvida que ele vai fazer falta, mas DEUS e JESUS com certeza sempre o iluminarão.
    Peço licença a você, Sr. Ivo e Dácio para postar o comentário de vocês na minha página e na página do TCP no Facebook. é isso aí Dácio APAVORA POR AÍ ZÉ AMIM …….JUNTO COM MARCO TOGNINI (TCP E BACKHAND TENNIS) espero que quando eu fizer minha passagem vocês 2 me recebam SAUDADES CEGUERA

    Responder
  13. Mauricio M. Almeida Filho

    Tive contato com o Zé em São José dos Campos, quando ele começou a treinar uma equipe no Clube Santa Rita, entre eles meu filho. Quando saiu de lá decidi que meu filho continuaria sendo treinado por ele onde ele estivesse. E isto aconteceu nos anos seguintes até ele ir para auniversidade. É uma fase importante para os adolescentes e queria que ele tivesse uma boa referência. E tive certeza disto quando meu filho (Mauricio Davis de Almeida) postou no facebook:
    “Luto por José Amin Daher Neto. Pra mim foi um choque saber que você foi tão cedo. Um cara que sempre foi ótimo comigo, me ensinou muito sobre esporte e me proporcionou muitos momentos inesquecíveis, dentro e fora de quadra. Você foi mais que um treinador. Obrigado.”
    Meu filho sempre que voltava para casa ia na academia do Zé visitar os amigos. E sempre foi muito bem recebido.
    É isto aí. Vai fazer falta.

    Responder
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Comentário

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>