E Bia segue trilhando seu caminho
Por Chiquinho Leite Moreira
junho 14, 2022 às 6:46 pm

Não sem sacrifícios, Bia Haddad Maia deixa sua marca no circuito internacional. Jovem e talentosa, acreditava-se que ela pudesse alcançar o auge ainda mais nova, só que foram muitos os obstáculos que ela teve de superar. Vinda de uma família de esportistas – mãe, tia, avó, primos são tenistas e pai muito bom no basquete – o importante é que agora chega ao período de amadurecimento profissional.

Apesar de todo recente sucesso, com os títulos de simples e duplas em Nottingham e a vitória sobre Petra Kvitova, em Birmingham , ainda insisto que é preciso ser cauteloso nas comparações e expectativas. Não há dúvidas de que pode ir ainda mais longe, só que a vida já a ensinou a dar tempo ao tempo.

Os últimos bons resultados de Bia me remeteram a primeira reportagem que fiz com ela, quando tinha apenas 12 anos. Convidado pela Revista Época para a reportagem hesitei em aceitar. Não que não tivesse interesse em receber o cachê, ou mesmo ter a oportunidade de estar num grande veículo de imprensa, mas minha preocupação era a de não criar muitas expectativas e, eventualmente, prejudicar a carreira de uma menina super talentosa. E o legal é que o sucesso vem chegando. Se alguém tiver curiosidade na matéria segue o link Sociedade – NOTÍCIAS – Por que é tão difícil formar uma campeã (globo.com)

Essa história de sucesso precoce com Bia vem de longe. Quando ela tinha apenas 16 anos chegou a final de duplas da chave juvenil de Roland Garros, ao lado da paraguaia Montserrat Gonzalez. O jogo, na antiga configuração do complexo, foi na quadra 2, vizinha à central. Acompanhava a partida no media box. Algumas cadeiras ao lado, no players box, estava Guga Kuerten. Um pouco atrás, o saudoso Antônio Carlos de Almeida Braga. Num dos intervalos do jogo, Braguinha perguntou ao Guga, o que ele achava da jovem brasileira. E o tricampeão de Roland Garros olhou para trás, com o dedo indicador apontou para a Phillipe Chatrier e disse: “O lugar dela Braguinha é nessa quadra ao lado.”

E aos poucos, Bia Haddad Maia vai mesmo trilhando seu caminho de sucesso. Mas repito: nada de se fazer comparações e deixe que ela mesmo escreva sua história.


Comentários
  1. Juliano Fabrício de Souza

    Parece que vive o auge de sua maturidade tenística, o jogo de hoje foi impressionante.
    Eu que sempre adorei ver jogos na grama, fico ainda mais feliz de ver a Bia no auge da forma nesse piso, sempre teve físico e jogo de gente grande, agora o mental está proporcional e o jogo de hoje me leva a crer que vai evoluir muito ainda nesse ano.
    Me lembro de uma entrevista dela dizendo que o sonho da vida era ganhar Wimbledon, entrevista que assisti antes da última rodada do ano passado do quali do All England, que ela perdeu.
    Um ano depois, outra jogadora, provavelmente cabeça de chave, o sonho é grandioso, mas a distância para sua concretização reduziu muito do em 12 meses.
    Quem sabe, pelo jogo de hoje, essa confiança aumentando, quem sabe!!

    Reply
  2. Tom França

    Tem que aproveitar a fase e melhorar ao máximo o seu ranking, para que possa jogar grande slans contra jogadoras de nível mais baixo, nas primeiras rodadas. É assim que as mais bem ranqueadas conseguem avançar de fases, nos grandes torneios.

    Reply
  3. Sara

    Lindo texto. Adorei tb a reportagem da Época. Aos poucos Bia vai chegando ao lugar que merece, voando alto, mas vamos um passo de cada vez.

    Reply
  4. Alberto

    Acho que a Bia já vinha jogando bem esse ano, mas na grama parece que seu jogo cresceu. Ela está batendo forte, mas sem errar muito, e não está se precipitando. E está indo atrás de todas as bolas.

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *