Torcida francesa dá o tom de Roland Garros
Por Chiquinho Leite Moreira
maio 30, 2022 às 5:00 pm

Costumo dizer que uma das vantagens de Roland Garros é que nenhum outro torneio do Grand Slam tem Paris como sede. E este ano, com as bilheterias abertas e o menor temor ao Coronavirus, a torcida francesa também faz a diferença. Dá o tom festivo e, embora não seja tão eletrizante como as barulhentas sessões noturnas do US Open, o público demonstra profundo conhecimento do tênis. É claro que sempre há exceções, como o torcedor que abusou da má educação na partida da grega Maria Sakkari.

Pode parecer estranho entrar nesse assunto. Mas prefiro deixar os comentários sobre a vitória de Hoger Huger sobre Stefano Tsitsipas para o Zé Nilton. O dinamarquês é mais um do NN Gen – a New Next Generation – a brilhar neste torneio. Mas só não aguentei um detalhe: só vi duas marcações de foot fault (é claro que pode ter havido outras) e não é curioso que foram exatamente da mesma fiscal de linha. Para quem não lembra (e nessa vi que o Narck Rogrigues estava com a memória em dia) é simplesmente aquela juíza que esteve na confusão da Serena Williams no US Open. E para evitar intrigas esclareço que estou acompanhando as duas transmissões nos dois canais (SporTV e ESPN). Ambas muito boas, mas é a primeira vez em mais de 30 anos que vejo o torneio parisiense do sofá de casa.

Voltando aos bastidores, Roland Garros esse ano terá o seu ‘Mardi Grass’. A expressão, que em francês significa terça-feira gorda, marca uma das festas mais tradicionais de New Orleans, na Louisiana, Estados Unidos, cidade com forte influência da França. No Carnaval brasileiro também chegou-se a usar a palavra gorda, no sentido de cheia, repleta de atrações, para a véspera da quarta-feira de cinzas.

E não é que Roland Garros terá também uma terça-feira para lá de interessante? O duelo mais esperado do torneio até agora, Novak Djokovic vs Rafael Nadal, foi para a sessão noturna. Meus colegas em Paris discutiam nas últimas horas os motivos. A TV francesa, com maior audiência, tem os direitos para os jogos diurnos. A Amazon, que entrou com muita grana na a FFT, comprou exclusividade para a sessão noturna. Muita gente teria de pagar um extra no streaming para assistir ao jogo. Só que diante de tantas pressões, resolveram abrir o sinal também para não assinantes.

Outra versão sobre esse impasse diz que Carlitos Alcaraz já atuou por duas vezes na sessão noturna. E, por isso, a organização do torneio resolveu não atender ao pedido do 13 vezes campeão em Paris, que deixou claro preferir jogar durante o dia. Os mais fofoqueiros já insinuaram que a relação entre o espanhol a a FFT não anda boa. Não acredito.

Estabelecido os horário fica a expectativa sobre qual será o comportamento da torcida. Acho que para a sessão diurna Carlitos deve ganhar o coração da arquibancada no duelo contra Alex Zverev. Mas o clima deve esquentar mesmo nas noites normalmente frias em Paris.

Para quem reclamou que Djokovic vs Nadal será em jogo único na PC é bom lembrar que a programação faz jus a uma terça-feira gorda. Começa com a surpreendente italiana Martina Trevisan diante da vice-campeã do US Open Leylah Fernandes. E a seguir um duelo de gerações norte-americano, como Coco Gauff e Sloane Stephens.

Enfim, Roland Garros entra agora nos duelos mais fortes. Gosto muito da primeira semana. Mas não há como negar que este ano o Grand Slam francês guardou grandes momentos para esta reta final.


Comentários
  1. Arnon Louzada

    Eh Chiquinho, agora é a hora…
    Mais um Nadal x Djoko.
    Penso que se Nadal saiu “lapidado” do jogo contra Félix, então teremos um jogo inteiro tenso. Caso contrário, será no máximo um set tenso, e o resto o sérvio passa por cima.
    E mais. O fato de Nadal ter jogado cinco sets, pode ser importante para a partida. Ele já não tem 28 anos, ou algo parecido. Seu pé estava o incomodando há dias atrás e seu jogo não está tão preciso quanto já teve. Será que aguentaria a intensidade de jogar contra o sérvio, que está muito bem fisicamente, técnicamente, táticamente e mentalmente?
    Coração ele tem, e o físico? Ano passado morreu no quarto set. Este ano mostrou estar bem no AO, mas, agora, é diferente. É outro contexto.

    Minha percepção: é aquele jogo em que ou Djoko passa por cima ou Nadal ganha sangrando. Ainda mais na rodada noturna, clima frio e úmido. Nada favorável ao espanhol que tem demonstrado certos desgastes, limitações, aumento de erros e escolhas erradas.

    Enfim, apreciemos enquanto é tempo.

    Reply
  2. Sergio Eduardo Ferreira Correa

    Bom agora vou dizer o quê né?!
    22 Grand Slams!!!!!!

    14 vezes Roland Garros!!!!!!

    Arnon Louzada, fica para a próxima o jogadorzinho da Sérvia.

    Reply
  3. marcio yassuo

    Porque Nadal pode jogar com o pé anestesiado? sendo que todos jogadores que tem alguma substancia proibido para maior performace no corpo e suspenso, como nossa beatriz (bia)

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *