Tenistas querem a paz e não merecem animosidades
Por Chiquinho Leite Moreira
março 1, 2022 às 7:24 pm

Justamente na semana em que um russo assume o reinado no tênis masculino, com a liderança do ranking da ATP nas mãos de Daniil Medvedev, o mundo vive um conflito dos mais execráveis com a guerra na Ucrânia. Mas este momento de animosidades não deve gerar o ódio no esporte. Afinal, alguns dos principais jogadores e jogadoras do circuito já se manifestaram contra a invasão russa e merecem também a paz.

Um dos melhores exemplos partiu do também russo Andrey Rublev. Ao conquistar o título do ATP de Dubai ele fez um bonito e marcante apelo pela paz. Escreveu na lente da câmera em quadra a frase “No War Please”, não a guerra, por favor. O vice-campeão da competição, Jiri Vaseli seguiu na mesma escrita com os dizeres de “Não a guerra”.

É claro que na entrevista coletiva, pós jogo, foi questionado sobre o conflito e foi enfático ao dizer que quer a paz, não a guerra. Contou que coisas terríveis estão acontecendo na Ucrânia e pede a união entre os jogadores.

Mesmo assim, a ucraniana Elina Svitolina ameaçou não entrar na quadra diante de adversárias russas se as autoridades não seguissem a determinação do COI (Comitê Olímpico Internacional) de banir o hino e a bandeira russa nas competições esportivas.

A adversária de Svitolina no WTA de Monterrey, no México, a russa Anastasia Potapova considerou-se refém de uma situação em que não teve qualquer participação. Também confessou-se contra a guerra na Ucrânia. E esse tipo de ação, como a exigida por Svitolina, atingiu também outra russa Anastasia Pavlyuchenkova, que revelou estar com medo de represálias.

Jogar com as cores de sua bandeira é um fato raro no tênis. Apenas surge em algumas competições como Copa Davis, a ex-Fed Cup, Jogos Olímpicos, entre outas poucas oportunidades. Na verdade, alguns tenistas nem mesmo revelam interesse, pois muitos são brigados com suas federações e cresceram mundo afora, sem qualquer ajuda de seus países.

Ainda assim, os principais órgãos governamentais do tênis, como a ITF (Federação Internacional de Tênis), ATP (Associação dos Tenistas Profissionais) e WTA (Associação das Tenistas Profissionais) rapidamente elaboraram um manifesto dizendo-se fortemente contra a ação russa na Ucrânia. Além disso, determinaram o cancelamento do torneio, masculino e feminino, de Moscou; a suspensão das federações da Rússia e Belarus; e o que já era esperado o fato de reafirmar que jogadores russos seguirão aceitos no circuito, mas sem serem representados por bandeira e hino de seu país. O que me assusta um pouco é a advertência no início da frase de ‘por agora’. Ora, jogadores em busca de paz declarada não devem de forma alguma sofrerem ameaças ou restrições.

Nunca é demais lembrar que por muitos e muitos anos, jogadores da chamada “Cortina de Ferro”, países do Leste Europeu, não eram bem vindos ao circuito de tênis. Podia-se contar nos dedos, os tenistas que obtinham autorização para participar de eventos internacionais. Mas, assim que houve a liberação, o tênis feminino foi o que mostrou maior impacto. Afinal, das 128 vagas dos Grand Slams, cerca de 1/3 passaram rapidamente a serem ocupadas por jogadoras do Leste.

A esperança é de que paz reine no mundo e no tênis. Mas fica a expectativa como rivais em quadra irão se comportar em meio a um conflito que envolve praticamente todas as nações. A começar pelo exemplo do tenista ucraniano Sergiy Stakhovsky, que se alistou no exército de seu país e ainda publicou em mídias sociais que gostaria de dançar sobre o túmulo de Putin. A meu ver colocar armas na mão de quem sabe bem manusear uma raquete, diante de soldados bem preparados e treinados, só irá servir para justificar o ataque a civis.

O esporte sempre jogou pela paz… e que sirva para este fim, sem animosidades.

 

 

 

 


Comentários
  1. Eduardo

    Cantou dizer que o Jogador russo Medevedev usou recentemente contra o Nadal as cores da Rússia em seu uniforme.

    Reply
  2. Bernardo marson

    Discordo. Como permitir que a assassina russia compita nas olimpiadas em competições individuais. Infelizmente, mesmo os atletas que não defendem o governo de seu país, tem que ser retirados. A situação foi longe demais. Toda menção a russia e seu cãozinho belarus tem que ser punida, seu povo precisa entender o que significa a condição de “Pária” para se mexerem e sacarem seus ditadores homicidas.

    Reply
    1. FLAVIO

      Que retirar o que Bernardo Marson, ora bolas o que culpa que eles têm se o desmiolado Putin esta fazendo guerra, ou seja o Rublev já pediu paz e tenho certeza que é desejo de todos os atletas da Rússia seja do tênis ou outra modalidade e vê esse imbecil idiota Renato Magri querendo pregar injustiça contra algo e inda condenado a mensagem do Chiquinho onde os atletas não tem nada haver com essa guerra estúpida do Putin, e parabéns chiquinho concordo 100% contigo.

      Reply
  3. Cesar Vilson Toassi

    Da mesma forma que por causa da guerra os jogadores não devem sofrer represálias, também não deveriam sofrer nenhum tipo de represália aqueles que se recusam a serem inoculados com essa vacina experimental contra o Covid, pois que vacina de verdade ainda não é, mas sim tão somente um experimento sem nenhuma comprovação científica. Se aqueles não devem morrer na guerra estes também não precisam morrer no experimento, todos têm direito a preservar a própria vida.

    Reply
  4. Renato Magri

    Bom dia. Decepcionante o artigo. Demostra insensibilidade humana, desprezo pela vida de ucranianos e da paz. Tênis q adoro é esporte, entretenimento e principalmente business. Nada a ver jogadores neste contexto geopolítico. Temos um pais sendo massacrado e vem jornalista defender simplesmente a normalidade do jogo. Toda e qualquer medida é bem vinda para que não se chegue a um confronto armado entre as potências q poderia destruir o mundo . A começar impedir russos de jogarem igual na Olimpíada, inclusive bom no. 1. Medíocre e decepcionante o escriito. Há algum tempo deixei de ler seus artigos pois meio q arcaicos e desatualizads mas esse superou os demais. Lamentável.

    Reply
  5. william ichiki

    Mas o que o mundo todo está fazendo é uma pressão para que acabe a guerra. Imagina o número 1 do mundo sendo proibido de jogar por causa de ações da Rússia? Ele pode fazer pressão. E os outros banidos também poderiam pressionar.
    Infelizmente, para o esporte e para os jogadores, que não têm nenhuma culpa da guerra.
    Empresas que também não tem culpa por essa guerra estão sofrendo as consequências.
    Acho que o esporte tem que puni-los. Infelizmente.

    Reply
  6. Sandro

    Boa Tarde Chiquinho e amigos!
    A DITADURA RUSSA é desleal e trapaceira não só na GUERRA, mas também na política e no esporte!!!
    A DITADURA RUSSA patrocina DOPING INSTITUCIONALIZADO EM MASSA, frauda coleta de amostras, tenta maquiar dopagens e acobertá-las…
    Não à toa, a Rússia vem sofrendo várias sanções esportivas ao longo dos anos, que ao meu ver são BRANDAS, como competir sem hino e sem bandeira…
    A Russia deveria ter todas as suas medalhas conquistadas à base de DOPING cassadas , principalmente, a da final do vôlei em Londres 2012, dopadissimos!!! Competir sem hino e sem bandeira não é suficiente!!! Aqueles que são trapaceiros e desleais devem mesmo ser banidos até aprenderem a respeitar os demais adversários!!!
    Excluo aqui atletas como Medevedev e Rublev que numca foram pegos no antidoping e não tem nada a ver com os trapaceiros que competem dopados!!!
    Na verdade, a Rússia não entrou em guerra somente contra a Ucrânia…
    A RÚSSIA entrou em guerra CONTRA O MUNDO INTEIRO!!!
    Por quê???
    Os DIRETAMENTE envolvidos nesta guerra, RÚSSIA E UCRÂNIA, são 2 dos maiores exportadores de COMMODITIES do mundo!!! Dois dos maiores exportadores de FERTILIZANTES, CEREAIS, GÁS E PETRÓLEO do mundo!!!
    Indiretamente a RUSSIA entrou em guerra com tdoso os outros países, porque essa INVASÃO IDIOTA DA UCRÂNIA PELA RÚSSIA provocará a INFLAÇÃO DOS PREÇOS dos COMBUSTÍVEIS E ALIMENTOS no mundo inteiro!!!
    Desde o AFEGANISTÃO até o BRASIL, TODOS OS PAISES sofrerão com a INFLAÇÃO de preços de COMBUSTIVEIS e ALIMENTOS por causa desse DITADOR TIRANO ESCROTO DO VLADIMIR PUTIN e de seus APOIADORES…
    Aliás, é muito interessante a LISTINHA NEFASTA de DITADURAS que não respeutam as LIBERDADES INDIVIDUAIS do cidadão, que possuem o CONTROLE GOVERNAMENTAL DA IMPRENSA, que possuem PRISÃO POR OPINIÃO e PRESOS POLÍTICOS, que são apoiadoras da TIRANIA RUSSA:
    Korea do Norte
    Síria
    Belarus
    Eritréia
    China
    Cuba
    Iran dos aiatolás
    Nicaragua
    Congo daquele congolês fugiu para o Brasil…

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *