Depois do jogo em que todos perderam, o AO começa bem
Por Chiquinho Leite Moreira
janeiro 17, 2022 às 11:52 pm

A disputa de Novak Djokovic e Aberto da Austrália não teve vencedores. Foi na verdade um episódio, um jogo, em que todos perderam. O tenista não conseguiu seu intento de defender o título e nem buscar o recorde de Grand Slam. O diretor do torneio, Craig Tiley saiu desgastado. O próprio evento perdeu, por ter sido obrigado a colocar no lugar mais nobre da chave masculino um jogador de ranking baixo, como o italiano Salvatore Caruso. E a culpa é da justiça australiana, que aprovou e depois não, em longas audiências, impossibilitando a mudança entre alguns cabeças de chave, como está no regulamento da ITF, a Federação Internacional de Tênis. Os advogados do sérvio também foram derrotados, ao apresentarem argumentos não convincentes e documentos com informações não comprovadas.

A repercussão internacional do caso, é claro, abalou a imagem já bastante polêmica de Novak Djokovic. E seu intento de jogar o AO, sem o imunizante virou uma bandeira entre prós e contras, além de incentivar o movimento antivacina.

Um assunto que pouco foi comentado é não fosse o suspeitoso atestado de que Djokovic teve Covid no último dezembro, qual argumento seria usado para requerer a isenção vacinal?

A situação pode piorar para Roland Garros. O governo francês já antecipou que não irá permitir exceções, o que coloca o tenista sérvio contra a parede, numa forma que jamais enfrentou em sua difícil vida, formação e competente atuação nas quadras de todo mundo. Assim, se a pandemia não melhorar e muito, a vida do atual numero 1 do mundo estará bastante prejudicada. A verdade é que por ser um naturalista, Djoko tem o direito de não querer se vacinar, mas as autoridades de qualquer país também têm o direito a exigir os comprovantes de imunização.

Enquanto Djokovic voltava para casa e foi recebido em Belgrado por uma multidão de fãs, o Aberto da Austrália começou bem. Como disse Rafael Nadal, nenhum tenista por melhor que seja, jamais será mais importante do que o esporte. É que os jogadores passam e o tênis permanece.

As quadras de Melbourne Park desde os primeiros jogos se encheram de emoção. Alexander Zverev sofreu um susto, mas passou. Nadal ganhou tranquilo, mas ainda diz que precisa melhorar. Matteo Berrettin, o maior beneficiado com o fato de a organização ter sido obrigada a colocar um lucky looser na linha 1, mostrou estar em boa forma ao superar uma das esperanças dos Estados Unidos, Brandon Nakashima.

Entre as mulheres Ashleigh Barty só cedeu um game na sua estreia diante de Lesia Tsurenko. Paula Badosa, que vem crescendo muito, venceu Alija Tomijanovic. E o que se deve festejar com entusiasmo foi a volta de Naomi Osaka, que passou por Camila Osorio, e deu até risadas na entrevista coletiva pós jogo.

 


Comentários
  1. Nathan

    A verdade é que os australianos, fanceses, americanos e ingleses preferem que outros ganham os Grand Slams. E vão pressionar as autoridades para barrarem Djokovic que não conseguirá jogar os torneios. Os campeonatos ficam falsos. Não representam os melhores do mundo. Mas devem conseguir o intento de transformar o Nadal no melhor da história sem que o Djokovic consiga jogar. Infelizmente é vontade do povo onde o Grand Slam é sediado barrar quem quiser.

    Reply
  2. Sandro

    Bom Dia Chiquinho e amigos!
    Antes de criticar Djokovic e outros cidadãos como ele, porém, menos famosos, muitas pessoas não tentam entender como o ele foi criado, educado, na sua cultura, nas suas tradições…
    Enfim, muitos já agem com preconceito e discriminação, sem analisar os pontos de vista destas pessoas. Dizem que são contra a Misoginia, o Racismo, o Machismo, a Homofobia, a Transfobia, a Intolerância Religiosa, porém, são hipócritas e agem de forma muito mais preconceituosa e racista do que tudo isso que eles dizem(???) ser contra.
    Djokovic nunca foi uma ameaça à Saúde Pública nem da Austrália e nem de lugar nenhum, ao contrário, Djokovic é um exemplo de saúde e vitalidade, e se as pessoas seguissem seu estilo de vida e seus bons hábitos de saúde, teríamos muito menos doentes na face da Terra e pessoas muito mais saudáveis, vigprosas, corajosas, resilientes e vencedoras!
    Djokovic não fuma (cigarro, maconha etc), não bebe Coca-Cola, é vegetariano, não toma TARJAS PRETAS, não se entope de remédios alopáticos, não é sedentário, pratica atividades físicas regularmente, evita consumir produtos industrializados cheios de substâncias cancerígenas como corantes, conservantes, acidulantes, aromatizantes etc…, está sempre em contato com a natureza, não fica horas e horas no VÍDEO-GAME, não fica horas e horas maratonando séries no NETFLIX, não é vassalo de mídias compradas, tem muita fé em vez de medo, dorme bem, bebe bastante água, consome frutas e verduras que são fontes naturais de vitamina em vez de se entupir de Redoxon, etc…
    Na verdade Djokovic é um ótimo exemplo de Saúde Pública, pois se todos os governos incentivassem (e não obrigassem) os bons hábitos que Djokovic pratica, os hospitais estariam bem mais vazios!!!
    Djokovic não teve uma educação fragmentada, mas sim uma educação integral que vê o ser humano como um todo: corpo, emoção, intelecto e espírito. Até por isso, Djokovic tem a paixão de evoluir e aprender sempre, tanto no tênis quanto na vida. Djokovic segue o ditado aristotélico de que “O todo é maior que a soma das partes”, por isso ele preza por sua saúde global que não trata um corpo localmente, mas globalmente. O corpo humano, vírus, bactérias etc, inclusive as da flora intestinal funcionam juntos como um todo integrado, ao serem reunidos para constituir uma unidade funcional maior, os componentes individuais de um sistema desenvolvem qualidades não previsíveis a partir de seus componentes isolados. Djokovic enfatiza o cuidado com o próprio corpo, bons hábitos alimentares, de repouso, de exercícios físicos, mentais e espirituais.
    A “Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares” (PNPIC), criada para englobar as Medicinas Tradicionais, Complementares e Alternativas (MT/MCA) da Organização Mundial da Saúde (OMS), foi oficializada no Brasil em 2006, após aprovação pelo Conselho Nacional de Saúde. O objetivo da PNPIC foi implementar tratamentos alternativos à Medicina Alopática no Sistema Único de Saúde (SUS).
    Medicinas Tradicionais são o conjunto de práticas em saúde desenvolvidas desde muito antes da existência da Medicina Alopática e que ainda hoje são muito praticadas por diversas culturas em todo o mundo, mas que a Indústria Farmacêutica faz questão de combater, já que fazem com que as pessoas reduzam o consumo de remédios alopáticos artificiais de laboratório.
    “Medicinas tradicionais” é um termo amplamente utilizado para referir-se aos diversos sistemas de Medicina Tradicional, como por exemplo a medicina ayurvédica indiana, a medicina Unani-Árabe e as diversas formas de medicinas indígenas e populares. Abrange terapias com medicação à base de ervas, minerais, e terapias sem medicação, como a acupuntura, as terapias manuais e as terapias espirituais.
    As curas da Medicina Tradicional incluem uma série de terapias baseadas na exposição aos elementos naturais como a radiação solar, ar puro, calor ou frio. Incluem também conselhos de nutrição, como seguir uma dieta vegetariana ou integral, jejum ou abstenção de bebidas alcoólicas, gorduras trans ou açúcar. Os métodos de Medicina Física incluem terapia manual dos ossos ou tecidos moles, medicina desportiva, exercício físico e hidroterapia. O aconselhamento psicológico incluem meditação, técnicas de relaxamento e outros métodos para gerir o stresse.
    O Sistema Único de Saúde do Brasil já aprova 29 tratamentos fora da Medicina ALopática, que contemplam a Medicina Tradicional e Integrativa, dentre os quais, os mais famosos são: Acupuntura, Medicina Ayurveda, Cromoterapia, Fitoterapia, Florais de Bach, Geoterapia, Hipnoterapia, Homeopatia, Meditação, Musicoterapia, Osteopatia, Quiropraxia e Yoga.
    O medo, o pânico, o stress, a depressão provocados pela mídia comprada e por governos ditatoriais que implantaram políticas como as do “isolamento social”, do ‘fique em casa”, do “lockdown”, da “indústria da multa”, da “repressão social”, do “passaporte vacinal”, levaram uma boa parte das pessoas a desenvolverem sintomas porque o estresse e a ansiedade fazem aumentar a atividade nervosa do cérebro, além de elevar os níveis de hormônios no sangue, como adrenalina e cortisol, o que aumenta a intensidade e duração dos sintomas.
    Exemplos de sintomas provocados pelo medo, pânico, ansiedade, perseguição etc são:
    Estômago: dor ou sensação de queimação no estômago, náusea, piora de gastrites ou úlceras gástricas;
    Intestino: diarreia ou prisão de ventre;
    Garganta: sensação de nó na garganta, irritações mais fáceis constantes na garganta e amígdalas;
    Pulmões: sensação de falta de ar ou sufocamento, podendo simular doenças pulmonares ou cardíacas;
    Músculos e articulações: tensão, contraturas, dor muscular ou dor nas costas;
    Coração e circulação: sensação de dor no peito, que pode até ser confundida com infarto, além de palpitações, surgimento ou piora da pressão alta;
    Rins e bexiga: sensação de dor ou dificuldade para urinar, que pode imitar doenças urológicas;
    Pele: coceira, ardência ou formigamentos;
    Região íntima: piora da impotência, diminuição do desejo sexual, dificuldade para engravidar ou alterações do ciclo menstrual;
    Sistema nervoso: insônia, irritabilidade, crises de dor de cabeça, enxaqueca, alterações da visão, do equilíbrio, da sensibilidade (dormências, formigamentos) e da motricidade, podendo simular doenças neurológicas.
    Portanto, o Governo da Austrália e de muitos outras países que adotam o medo, o pânico, a repressão, a ditadura, o totalitarismo, a tirania e outros abusos e absurdos como POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE(ou seria de doença???) atentam muito mais contra a SAÚDE PÚBLICA do que as bons hábitos do estilo de vida saudável do Djokovic!!!
    Desde quando atentar contra a liberdade das pessoas como Governo Tirânico da Austrália faz, prendê-las, enviá-las para campos de concentração, obrigarem a se vacinar goela abaixo, separar mães de recém nascidos, separar pais e filhos para se vacinarem obrigatoriamente longe dos pais, manter pessoas em campos de concentração em isolamento total, são práticas saudáveis??? A Austrália, na verdade, não está preocupada com a saúde de ninguém!!! A Austrália está, sim, implantando um projeto tirânico de controle social, no qual os cidadãos não têm mais controle sobre suas decisões porque o governo é que DITA tiranicamente o que eles devem ou podem fazer!!!
    Muitos cidadãos australianos insatisfeitos, porém calados pelas mordaças da tirania, veem Djokovic como alguém que pode ajudá-los a recuperar suas LIBERDADES roubadas pelo Governo Tirânico Australiano ao expor esses abusos australianos mundo a fora!!!

    Reply
    1. Chiquinho Leite Moreira

      Vc não acha que ele próprio não poderia explicar ou justificar o motivo de não tomar a vacina. Pode ser que tenha um impedimento e ng sabe né. Mas ainda fica a questão. Não tivesse sido acometido de COVID-19 em dezembro, como declarou, o que argumentaria para entrar na Austrália?

      Reply
  3. Sandro

    Eu já tenho uma outra avaliação, o que Djokovic fez na Austrália em 2022 foi muito maior do que um torneio tênis, muito maior do que qualquer uma conquista que ele já teve! Djokovic entrou pra HISTÓRIA DA HUMANIDADE, como um atleta que resolveu lutar até o fim por suas convicções, credos, crenças filosóficas, por suas LIBERDADES de expressão e de escolha a que tipo de Medicina e tratamento a ser submetido!
    Lutar por suas LIBERDADES e por seus VALORES está muito acima de qualquer título ou premiações em dinheiro!
    Eu consigo entendê-lo e compreendê-lo porque respeito meus valores e princípios, coisas que o DINHEIRO NÃO COMPRA!!!
    Djokovic foi escoltado por milhares de australianos até sua derradeira despedida da Austrália, não porque admiram o seu tênis, mas porque admiram o HOMEM DE FÉ E CORAGEM que Djokovic é!!!
    Nadal pode muito bem ser o Campeão do Australian Open e de Roland Garros e ficar com 22 Grand Slams e ser o GOAT do tênis!
    Mas pouco me importa se NADAL se tornar o GOAT do tênis, porque Djokovic me provou ao longo de sua carreira e principalmente agora na Austrália em 2022, que ele é muito maior que o tênis, o futebol, o basquete, a Fórmula 1, ou qualquer outro esporte! Djokovic transcendeu o tênis, transcendeu o esporte, porque lutou por suas LIBERDADES numa Austrália HIPÓCRITA, INTOLERANTE, RACISTA, DISCRIMINATÓRIA, SEGREGACIONISTA, coisa muito mais importante do que batalhas dentro de quadra, ele travou uma batalha pela VIDA LIVRE DE MORDAÇAS!!!
    Nessa Austrália que manda a própria população para CAMPOS DE CONCENTRAÇÃO, que arrancam pessoas à força de suas casas para serem humilhadas em CAMPOS DE CONCENTRAÇÃO!!! Uma Austrália que usou da INDÚSTRIA DA MULTA, com multas pesadíssimas de mais de 5000 dólares australianos para intimidar quem ousar se opor às autoridades tirânicas australianas!!! Uma Austrália que está impedindo pais de verem seus recém-nascidos com a desculpa patéticas e absurda de que é para não contaminá-los por Corona Vírus!!! Uma Austrália que tira crianças à força da guarda dos pais para inoculá-las à força SEM A PRESENÇA DOS PAIS!!!
    Esses australianos acuados e amordaçados pelos atos abusivos, totalitários, tirânicos do Governo Absolutista australiano, viram na coragem, sofrimento, resiliência e determinação de Djokovic uma ponta de esperança para lutarem por suas LIBERDADES PERDIDAS!!!
    Pouco me importa hoje o que Djokovic fará mais no tênis, pra mim pouco me importa quais torneios Djokovic disputará ou que títulos ganhará, porque Djokovic fez algo muito maior que o tenis ou o próprio esporte!!!
    Djokovic, pra mim, não é o GOAT do tênis, Djokovic é um HERÓI DA HUMANIDADE!!! E isso, pra mim, é muito maior que todos os títulos que ele conquistou e todos os recortes que ele bateu!!!

    Reply
  4. Sandro

    Dominic Thiem, um tenista idôneo, não é nenhum criminoso, viria ao Brasil apenas pra exercer seu ganha-pão que é jogar tênis, seria extraditado se chegasse ao Brasil sem passaporte vacinal???
    Qualquer estrangeiro que chega ao Brasil com o passaporte vacinal pode se infectar e transmitir o Corona Vírus, então por quê impedir EXTRADITAR Dominic Thiem???
    Nesse momento temos filas enormes nos postos de testagem no Rio de Janeiro, porque pessoas com passaporte vacinal estão testando positivo para o Corona Vírus!!!
    O passaporte vacinal não impediu as pessoas vacinadas de testarem positivo para Corona Vírus, não impediu de se infectarem, nem de transmitirem o Corona Vìrus, então por quê Dominic Thiem deveria ser EXTRADITADO do Brasil??
    O Brasil,em seu passado recente, tem histórico de ter refugiado assassinos, terroristas, criminosos condenados em seus países de origem e se recusado a EXTRADITÁ-LOS, mas seria correto extraditar justamente o Dominic Thiem que não é criminoso, mas quer ter seu direito de não querer se vacinar respeitado???
    Vejam alguns exemplos de criminosos condenados que o Brasil se recusou a extraditar:
    – Cesare Battisti: membro do grupo terrorista “Proletários Armados do Comunismo” (PAC) foi condenado a 12 anos de prisão pela Justiça da Itália, após o assassinato de 4 pessoas em atentados terroristas. Usando documentos falsos, foi detido no Rio de Janeiro em Março de 2007, porém, em 2011, os capas-pretas do Supremo Tribunal Federal decidiram pela “NÂO” extradição do terrorista assassino protegido pelo LulaMolusco!!! Battist acabou sendo extraditado no governo Temer em Dezembro de 2018. Atualmente, cumpre pena na Itália.
    – Olivério Medina: Integrante do grupo terrorista “Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia” (Farc), em 14 de julho de 2006, conseguiu o status de refugiado durante o governo petista no Brasil. As Farc usaram de sequestros, atentados, assassinatos e narcotráfico tentar para implantar o comunismo na Colômbia. Mais de 220 mil pessoas morreram no conflito entre exército, paramilitares e guerrilhas comunistas colombianas.
    – Pietro Mancini: terrorista da organização Autonomia Operária, um dos movimentos envolvidos nos Anos de Chumbo da Itália, foi condenado por assassinato pela justiça italiana. Em 2005, o governo petista do Brasil negou seu pedido de extradição. No governo petista foi oferecida cidadania brasileira ao assassino Mancini que se naturalizou brasileiro, montou uma produtora e até trabalhou na campanha de Fernando Gabeira para prefeito do Rio de Janeiro.
    – Achille Lollo: Também envolvido nos Anos de chumbo, o terrorista do grupo italiano Poder Operário foi condenado a 18 anos de prisão por dois homicídios em uma residência incendiada pelos terroristas. Sua extradição foi negada. Ligou-se ao PT e ao PSOL.
    Então, no Brasil, LulaMolusco e o STF impediram, durante os governos petistas, a EXTRADIÇÃO de assassinos, terroristas e criminosos, mas hoje, querem que EXTRADITEM o Dominic Thiem, que não é criminoso, só porque há boatos de que ele não se vacinou??? Absurdo!!!

    Reply
  5. Fabio Riella Fernandes

    Chiquinho, eu vou torcer pelo Touro Miura, mas acho que Zverev e Medvedev são os favoritos. Quem ganha? E no feminino quem será que leva? Osaka? Barty?

    Reply
    1. Chiquinho Leite Moreira

      Poxa pergunta difícil. Nunca duvide do Nadal, mas, como vc disse, Zverev e Medvedev estão fortes. No feminino fiquei contente com a volta da Osaka. E até pelo fato de sorrir dura te a entrevista coletiva. Barty está sensacional… não acha?

      Reply
  6. Samuel

    Há várias coisas a serem ditas. Fiquemos na superfície.

    Djokovic é objeto de discriminação velada, porque, como vários tenistas cristãos, faz o sinal da cruz, por fé e tradição.

    Além disso, a liberação para transitar na Austrália estava baseada em contaminação ocorrida por covid no semestre anterior ao pedido de visto.

    Reply
  7. Fabio Riella Fernandes

    Chiquinho! E a meninada será que tem chance nesse AO? Aliassime, Alcaraz, Shapo, Sinner? Será que vai ser a hora dessa rapaziada ou ainda não?

    Reply

Deixe uma resposta para Marcos RJ Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *