Inscrição de Nole em Paris gera suspense
Por Chiquinho Leite Moreira
outubro 11, 2021 às 7:02 pm

Se Novak Djokovic realmente confirmar sua participação no Paris Bercy, como recentemente mostrou o entry list divulgado pela ATP, o sérvio confirma que realmente pretende aproveitar o momento, com Roger Federer e Rafael Nadal fora do tour, para melhorar ainda mais os seus números. Ele já conquistou por cinco vezes o título do indoor da capital francesa e é o único a vencer por três anos consecutivos o Masters 1000, nos anos de 2013, 14 e 15. Sua única derrota na final aconteceu em 2018, para Karen Khachanov, mas ainda detém os troféus de 2009 e 2019.

Além de aumentar seu domínio no Paris Bercy, Djokovic irá manter a liderança do ranking pelo sétimo ano. A diferença para Danill Medvedev está em torno de 2 mil pontos, mas, sinceramente, não seria mesmo justo um tenista que conquistou três Slams na temporada e fazer final em outro, não permanecer no topo da lista… não é mesmo?

Em confirmando sua participação, Djokovic terá uma chave dura no caminho para um novo troféu. Estão entre os quatro cabeças de chave Medvedev, Stefano Tsitsipas e Alexander Zverev. Sem contar com outros jogadores que estão cheios de ritmo como Andrey Rublev.

E, a meu ver, justamente o ritmo de jogo é que pode ser um dos maiores atrativos para Nole jogar Paris. Seria uma espécie de aquecimento para o Finals, que este ano será jogado de 14 a 21 de novembro, na cidade italiana de Turim.

E sempre gosto de lembrar que quando a ATP criou a antiga corrida dos campeões, a associação rasgou o livro de regras. Afinal, os oito participantes do Finals somam 19 resultados, contra 18 dos pobres mortais. Portanto os 1,5 mil pontos do campeão em Turin, podem representar algo muito valioso, talvez mais até que os 2 mil de um Slams. Mas encerro com uma pergunta. O que é mais importante para um tenista: vencer o Finals ou levantar um troféu de Grand Slam?


Comentários
  1. Lott Alves de Brito

    No meu entendimento, acho que o Djok,não precisaria jogar o Finals, lembrando foi para a Olimpíadas perdeu tudo,foi para US Open,perdeu afinal para o Medvedev,diz o ditado quem quer muito traz de casa e como o Chiquinho falou os garotos,Tsitsipas.Rublev,Tiafoe,Alcaraz,Berretini,Huckas,Karen,Sinner,e outros (4) a (5)que estão batendo muito forte na bolinha, e se perder Paris Bercy e Finals , iai com certeza cairá em um profundo desanimo, veremos ate Novembro.

    Reply
  2. Rafael

    Acredito que o Djoko jogue o masters de Paris e o finals. Até porque ele merece de.aos terminar o ano como número 1 pela 7th vez! Mais um recorde para o rei dos recordes! Vida longa ao goat!!

    Reply
  3. Willian Rodrigues

    Com certeza, é muito mais importante para qualquer tenista levantar um troféu de slam!
    Porém, nesses circunstâncias, com a possibilidade de igualar mais um importante recorde do Federer (6 títulos do Finals), e ainda se tornar o recordista absoluto, isolado de títulos como nº 1, Djokovic deve chegar com sangue-nos-olhos para essas disputas (Bercy e Turim).
    Além disso, ele precisa se recuperar da enorme decepção por não fechar o grand slam!
    Derrota para o Urso foi dolorosa demais…
    Na torcida, sobretudo, para que sejam dois belíssimos torneios, com grandes jogos em termos técnicos, e carregados de emoções!
    Merecemos isso após esse longo período de trevas imposto pelo SarsCov2…
    Saúde e paz a todos!

    Reply
    1. Chiquinho Leite Moreira

      Lemos está realmente complexa. De uma maneira simples, em torneios que não foram realizados durante a pandemia valem os pontos. Um exemplo: o US Open ficou contando os pontos de 2019 e 2020. Assim vale o melhor resultado. Por isso, o campeão de 2019, Nadal, não teve descartado o resultado. O mesmo aconteceria com Medvedev. Se ele tivesse perdido na primeira rodada em 21 valeria a final de 2019.
      Complicado né? Mas já já tudo de acerta.

      Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *