TenisBrasil - Tenis.Com Chiquinho
Sharapova vai de Jimbo
Por Chiquinho Leite Moreira
julho 13, 2013 às 9:41 pm

Não se pode negar que Maria Sharapova é uma vencedora. Com apenas 17 anos brilhou com o primeiro Grand Slam em Wimbledon. Para chegar lá, ela nunca mediu sacrifícios, algo que está acostumada desde a adolescência na Nick Bollettieri. Agora, a beldade russa dá mais uma prova de sua força de vontade e espírito vencedor: contratou como técnico outro vencedor, Jimmy Connors, na sua época conhecido como Jimbo.

Para quem não se lembra, Connors teve uma das mais gloriosas e longas carreiras da história. Por 16 anos esteve no grupo dos top ten. Chegou a afastar-se do circuito por um período e quando voltou, já veterano, ninguém acreditava em seu sucesso. Ele desafiou a todos com brilhantes campanhas.. São 109 títulos na carreira… nada mal hein?

Confesso: sempre que a chance me permitia não perdia um jogo de Connors. Olhava a ordem dos jogos e se tivesse o horário disponível lá estava eu na sua quadra. Seu jogo é dinâmico. Batia a bola na subida. Arrastava os pés para caminhar, meio desleixado, quase dissimulado. Mas com a bola em jogo era feroz vencedor. Não desperdiçava nenhuma oportunidade. Quase que eternizou uma raquete de metal, se não me engano a T 2000. Acho que ainda tenho uma guardada no depósito. Um equipamento para craques.

Sua técnica era ofensiva, apesar de em sua época definirem os jogadores de fundo de quadra como defensivos. Seu follow through era lá para a frente. Seu comportamento em quadra… um show. Explosivo, irônico, brigador. Casou-se com Patty McGuire, ex-coelhinha da Play Boy, mas chegou a formar o casal 20 do tênis com Chris Evert.

Com Maria Sharapova também deve formar uma boa parceria. Acredito que pode determinar uma nova era para a tenista russa. Se, pelo menos, revelar os segredos de sua devolução de saque, já será um tremendo sucesso. Acho que ele tem muito a passar a Sharapova. E agora ainda mais tenho novos motivos para acompanhar de perto os jogos da beldade russa. Afinal, se não perdia um jogo de Jimbo, por que abandoná-lo neste seu novo desafio?


Comentários
  1. Bruno Cesarini

    Chiquinho, eu estarei em Nova York do dia 23 de Julho à 1º de Agosto, como grande fã de tênis, mesmo fora da época do US Open, gostaria de visitar Flushing Meadows, o USTA Billie Jean King National Tennis Center. Você sabe se existe algum tour que se pode fazer pelos estádios, mesmo fora de época? Eu cheguei a ler que existem clínicas verão, porém também não entendi bem como funciona. Tenho 18 anos, e pratico tênis a alguns anos, jogo torneios amadores com frequência.

    Agradeço a ajuda, desde já.

    Responder
    1. Chiquinho Leite Moreira

      Flushing eh um parque publico. Mas eh preciso checar os dias q estao abertos a visitacao. Busque o tel no site da esta
      abs e boa viagem

      Responder
    2. Fernando B.

      Estive lá no início de junho e fui especialmente para conhecer o complexo. Estava inclusive rolando um torneio juvenil, mas não consegui entrar nas quadras principais, estavam todas fechadas e apesar das inúmeras tentativas não consegui. Mas mesmo assim valeu o passeio, visitei a lojinha, caminhei pelas quadras externas, etc …

      Responder
      1. Chiquinho Leite Moreira

        Fernando, realmente, não sei como funciona as visitas às quadras principais. Mas parece que é possível jogar nas quadras secundárias, é claro, fora do torneio rs rs
        abs
        Chiquinho

        Responder
  2. Carlos Husky

    Chiquinho, legal saber que vc gosta tanto do Connors, comecei a assistir tênis devido aos jogos dele, e nunca mais parei.
    Estarei em NY em 4 de setembro, durante o Open de Flushing Meadows 2013. Queria saber como fazer para visitar o complexo, se existe telão fora das quadras como em Wimbledon, ou se posso comprar ingresso para as quadras na hora.
    O que vc me aconselha?

    Responder
  3. Ricardo - São Paulo

    Caro Chiquinho, apesar do bom trabalho que Maria desevolveu com Thomas, era preciso adotar novos caminhos. Confesso que não acompanhei Connors mas pela brilhante carreira creio que Maria só tem a ganhar, e nós todos, afinal é uma parceria de vencedores. Abraços

    Responder
  4. Eduardo

    Sempre que podia também acompanhava Connors pela TV. O maior tenista que já vi. Como você falou, Chiquinho, sempre agressivo, e com ótima devolução. Sim, ele eternizou a Wilson T-2000. Enquanto outros já estavam com raquetes muito mais modernas, ele ganhava o US Open de 82 e 83 com ela.
    Assim como ele ajudou muito a Roddick, mesmo que os resultados não tenham aparecido, acho que ele também vai ajudar a Sharapova colocando-a no topo!

    Responder
  5. Roberto

    É bom ter Connors de volta. Ele foi um dos “grandes” do tênis. No seu tempo – ele pegou o final dos australianos (Laver, Newcombe, Rosewall etc), o romeno Nastase, o lendário sueco Borg, o argentino Villas e seu compatriota McEnroe, genial.

    A luta era dura.

    E ele ganhou 109 títulos.

    É bom vê-lo de volta ao lado da bela Sharapova.

    Responder
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Comentário

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>