TenisBrasil - Tenis.Com Chiquinho
Novos campeões agitam a temporada de saibro
Por Chiquinho Leite Moreira
abril 29, 2019 às 1:38 pm

Os títulos de Fabio Foginini, em Monte Carlo, e Dominic Thiem em Barcelona colocam um ingrediente bem apimentado na atual temporada europeia de saibro. Mas, antes de qualquer conclusão, é preciso deixar claro uma verdade: tanto Rafael Nadal, como Novak Djokovic são jogadores que, de repente, voltam ao melhor nível e começam a levantar troféus e troféus.

Não resta dúvida, porém, que novas caras agitam ainda mais este lindo período do circuito da ATP. E um detalhe que colabora para colorir ainda mais a Primavera europeia está na volta de Roger Federer aos torneios da quadra batida. Madri, considerada a superfície mais rápida destas competições, ganha ênfase com a presença do suíço.

Thiem chega muito forte. Este ano, o austríaco já ganhou dois títulos em diferentes superfícies. Em Indian Wells bateu Federer na final. E, em Barcelona, atropelou Rafael Nadal. Costumo dizer que existem três grandes desafios quando se desafia o tenista espanhol. O primeiro é vencê-lo; o segundo é superá-lo no saibro; e o terceiro é batê-lo jogando em casa. E Thiem alcançou os três estágios.

Apesar da excelente fase, Dominic Thiem ainda não fala em Roland Garros. É, lógico, pois o pior que poderia fazer neste momento é acrescentar uma grande dose de pressão e cobrança. Mas não se pode esquecer que ele já esteve na final de Paris. Perdeu o título de forma categórica para Nadal.

Nesses casos, gosto de relembrar um fato que aconteceu justamente em Roland Garros, que comprova a tese de que chegar a uma final de Slam, seja com quem for, pode sim revelar um novo campeão. Certo ano, a alemã Steffi Graf dominava o circuito feminino. Na decisão teria pela frente uma jovem jogadora espanhola, meio cheinha, aparentemente sem grandes recursos, mas que que tinha passado por grandes desafios nas duas semanas do torneio. A presença de Arantxa Sanches num duelo com Steffi causou até um certo mal estar na imprensa espanhola. Os mais chegados comentavam comigo que estavam receosos de um vexame, como um duplo 6/0. Mas, de repente, a espanholinha (como a chamava na época) venceu e sem deixar dúvidas de sua capacidade.

Portanto, os títulos de Fognini e Thiem deixam a perspectiva de que muito ainda está para acontecer nestes próximos torneios do saibro que culminam com Roland Garros.

 


Comentários
  1. Renatinho

    Não acompanhei esta época, mas pelo o que li essa vitória da Arantxa Sanches foi muito legal. Ninguém chega em final de slam jogando um tênis desprezível. Você chega enfrentando vários dos melhores tenistas do mundo. Como a crítica da época ainda teve a coragem de esnobar a capacidade da tenista como se fosse uma amadora ? É impossível um amador chegar numa final de slam . Foi uma verdadeira viagem da maionese da imprensa na época. Uma coisa era achar a Graf favorita ( até porque ela dominava o circuito e obviamente era a favorita para o jogo), outra coisa é esnobar o adversário como se fosse um amador e neste ponto a imprensa errou feio. Sobre o Thiem acho que ele tem um ótimo potencial para ganhar slam. Falta na nova geração um tenista com mais regularidade para desbancar a previsibilidade do big 3 nos slans. Vejo tenistas que num bom dia ou num torneio inspirado demonstram um tênis capaz de ganhar slam, mais oscilam muito e por isso até hoje não ganharam.

    Responder
    1. Chiquinho Leite Moreira

      Renatinho não foi bem assim. Ng estava esnobando. Havia apenas um receio de um jogo ruim para uma final. Vc lembra de Gaudio e Coria na decisão de Paris? Enfim, o favoritismo por maior que seja nem
      Sempre se confirma.

      Responder
  2. Kelly

    Chiquinho, concordo contigo e ainda acrescentaria um quarto desafio, num confronto contra o Nadal: depois do enorme desgaste (físico e mental) de vencê-lo, conseguir uma vitória na partida seguinte. rss O Thiem se mostrou um verdadeiro herói! Que mérito!

    Responder
    1. ALEXANDRE GOMES FRANCA PINHEIRO

      Acrescento um quinto então: ganhar dele em RG, numa melhor de 5 sets. Thiem é excepcional. A questão é se vai aguentar mentalmente esse ritmo frente à frieza emocional de Nadal. Vamos ver!!!

      Responder
  3. Will

    Eu respeito seu conhecimento, mas a frequência das suas matéria e quase zero. Não é melhor da ligar p outro ou escrever efetivamente?

    Responder
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Comentário

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>