TenisBrasil - Tenis.Com Chiquinho
Wimbledon longe de uma nova era
Por Chiquinho Leite Moreira
junho 30, 2013 às 3:31 pm

Depois de uma semana de muitos escorregões em Wimbledon, com as quedas de Rafael Nadal e Roger Federer, e outros literais que tiraram 13 jogadores de combate, muito se falou sobre o aparecimento de uma nova era. Entendo que este novo momento estaria sim determinado se os protagonistas das surpresas estivessem nesta segunda semana. Steve Darcis não conseguiu jogar na rodada seguinte a eliminação do espanhol. Também não é uma estrela nascente. O linguarudo ucraniano Sergy Stakhovsky viu que seu estilo deu certo uma vez, mas resultou na sua eliminação do torneio.

Não dá também para dizer que Federer esteja acabado. Mas existe uma verdade. O suíço não vem jogando bem. Nada de dizer que os outros melhoraram, mas sim enxergar que seu tênis revelou uma queda de rendimento.

Não dá também para dizer que Nadal esteja derrotado. Apenas que seu jogo na grama fica comprometido com o problema no joelho. A superfície exige pernas flexionadas o tempo todo e isso, por ora, é fatal para o espanhol. Mas sejamos francos, a temporada de grama ocupa apenas quatro semanas no calendário e não fosse Wimbledon nem existiria mais.

A grama era uma superfície dominante nos primórdios, mas não cabe mais ao tênis moderno. Austrália e Estados Unidos viram isso há muito tempo. Só que o consevardorismo britânico jamais vai admitir uma mudança. Para quem não sabe, o torneio que exige o branco como cor predominante, foi a última competição do tênis a usar as bolinhas amarelas. Isso num tempo em que no mundo todo já era difícil encontrar as brancas. Pelo que lembro, no Brasil tinha ainda uma caixinha azul de seis da Mercur… e só.

As coisas mudam e uma nova era é determinada por novas caras. Um dado interessante coloca este fato em contraponto. Em Wimbledon 2013 nove classificados para as oitavas de final estão com mais de 30 anos: Lucas Kubot, Tommy Haas, Julger Melzer, David Ferrer, Mikhail Youzhny e no feminino Serena Williams, Li Na, Flávia Penetta e Roberta Vinci.

É claro que há novos nomes nesta segunda semana, como o francês Kenny de Schapper. Mas das novas promessas ficou apenas Jerzy Janowicz, pois Grigor Dimitrov foi embora. E para quem ele perdeu? Acho que ninguém lembra, mas ninguém esquece que sua namorada estava ali. Novos tempos… nova era?


Comentários
  1. MARIO CESAR RODRIGUES

    Parabéns,belo texto!Federer não acabou porque ainda está vivo..mas se ele que jogar até os cinquenta pode..se aguentar humilhação para ele é legal..continue..eu penso que Rafa quando chegar a hora de não ser mais competitivo..ele para…tenho certeza disto!È a personalidade do Rafa!

    Responder
    1. Milena

      Acho que todos se esquecem que os tenistas têm contratos com patrocinadores, o que exige deles a presença na mídia. Talvez Federer esteja desmotivado, mas tb não possa parar tudo de uma hora para outra. A conduta dele de educado, bom moço e um dos maiores profissionais do esporte atrai olhares e interesses econômicos. O Federer em si, não é só “a pessoa”, mas é uma empresa que gera lucros exorbitantes, não só para ele, mas para seus patrocinadores, como Rolex, Lindt, Moet Chandom, Nike, Mercedes, Credit Suisse, etc. E, como tenista, realmente, houve uma queda de rendimento, infelizmente. Mas pelo que vem demonstrando, não percebo muito entusiasmo nele em voltar a ser o melhor (espero estar errada, pois os jogos dele eram fantásticos, um verdadeiro show). O jeito é esperar para ver o que o futuro lhe reserva.

      Responder
      1. MARIO CESAR RODRIGUES

        Olha,claro que sei mas digo isto..na decadência q está…se ele parar concordo que ele é uma empresa..vai faturar muito mais..ele parando vai faturar muito mais…assim como Rafa!e olha para vocês verem Hamburgo saibro começa agora dentro de 10 ou quinze dias…Rafa pediu 1 milhão de Euros….eles convidaram ele deu o preço….é assim q funciona.

        Responder
        1. Tomas Hirayama

          Desculpa, mas, decadência? Qual é o ranking dele?
          Tirando esse torneio de winbledon, quando foi que você viu ele cair antes das quartas-de-final?
          Tudo bem que para quem ganhava tudo antigamente, ganhar apenas 1 título esse ano é realmente muito pouco. Mas disso para decadência eu acho que há um salto muito grande.
          Acho que se ele não estiver mais motivado a jogar, ai sim deveria parar. Mesmo fora das quadras os contratos continuariam vindo, vide Guga, que faz mais comerciais hoje do que antigamente quando ainda jogava.
          Por mim, ele continua ainda. Mesmo dando raiva de assisti-lo algumas vezes, sempre é bom vê-lo em quadra. Sempre há uma jogada de gênio.

          Responder
      1. Murio Rodrigues

        Se o “todo poderoso” Lance Armstrong caiu após as revelações do uso de doping, fica a esperança de que, um dia, seja revelado seu uso por parte do espanhol e, aí sim, será feito justiça no tênis. Quanto ao suíço, apesar de bem explicado pela Milena, seu jogo vem caindo, acredito em parte pela desmotivação e, certamente, pela idade. Para mim, deveria parar no fim deste ano e preservar a sua majestosa carreira no tênis.

        Responder
  2. Marco Tulio Borges Ferreira

    Quando o senhor Rafa Nadal perde uma partida em 3 sets diretos, jogando normalmente, com consistencia no fundo da quadra, pra um adversário que foi melhor, sendo que ele pintou e bordou no saibro e ainda ganhou um torneio importante em quadra dura, aguentando verdadeiras maratonas em quadra, me aparece em um cruzeiro em Ibiza aparentemente ok 3 dias depois e a culpa ainda é da $#@%#$%#$ do joelho?

    Responder
    1. Fred

      Só para registrar, quanto à foto no cruzeiro em Ibiza, percebe-se (em amarelo) que o joelho está imobilizado por faixas adesivas.
      Bem, sinceramente, eu não iria me preocupar em imobilizar meu joelho num cruzeiro se ele realmente não estivesse machucado.
      Mas cada um com a sua opinião.
      Abs.

      Responder
  3. welington nascimento

    Chiquinho vc está equivocadíssimo nadal não perdeu por causa do joelho, ele jogou mal e o adversário estava inspirado.
    Quando o nadal ganha ele é um gênio quando perde a culpa é do joelho aaaa vão te cat@

    Responder
  4. Mariano Martorano Menegotto

    Wimbledon mistura-se com a história do tênis. Ivan Lendl certa vez disse que trocaria todos seus títulos por um de Wimbledon. O jogo na grama é muito mais emocionante do que no saibro, em que imperam jogadores de fundo de quadra que exploram o erro do adversário. Na minha opinião os torneios de grama deveriam aumentar e não diminuir.

    Responder
  5. Carlos Henrique

    Me desculpe, mas dizer que a grama de Wimbledon não cabe mais no tênis moderno é o mesmo que dizer que o circuito de Montecarlo não cabe mais na Formula 1 atual, pura “modernice” medíocre. Se trata do torneio mais charmoso e tradicional do tênis moderno, um verdadeiro oasis no meio de um deserto de saibro com irritantes torneios que ocupam quase metade do ano.

    Responder
  6. Nicolau

    Chiquinho, discordo de sua opiniao sobre a grama. Certamente, eh uma superficie nada pratica em termos de manutencao, so pode ser usada numa epoca especifica do ano e se desgasta a medida que o torneio avanca. Porem, mesmo com o quique baixo e irregular, ele diminiui consideravelmente o impacto no joelhos em relacao a quadra dura – sem contar que os pontos sao mais rapidos. Alem disso, por todas as suas peculiaridaeds, acrescenta um elemento novo no jogo e tornando o circuito mais interessante – desde que ela seja lenta o sufuciente para proporcionar algumas trocas de bola. Assim, me junto a algumas opinoes “romanticas” – como de A. Murray, por exemplo- e acho que a temporada de grama deveria ateh ser aumentada algumas semanas, substituindo algumas torneios de quadra dura, que predominam no circuito.

    Responder
    1. Ricardo

      Concordo contigo. Chiquinho: por que a grama não é apropriada aos tempos modernos? claro que a manutenção é mais difícil e cara. Mas acho que dinheiro não é o problema em torneios desse porte. Acho que a grama protege mais as articulações e deveria ter mais torneios neste piso. Até porque, gosto do estilo saque-voleio. Acho que tem muito “baseliner” e muitas trocas estafantes de bola no fundo de quadra nos torneios de hoje. Minha opinião, cada um tem a sua.

      Responder
      1. Chiquinho Leite Moreira

        Ricardo é claro que sua opinião merece respeito. Afinal tb gosto muito do saque e voleio. Mas vc não acha que o número de escorregões tem sido muito alto? Nos tempos do saque e voleio corria-se para a frente, agora para as laterais. O solado dos tênis para grama tem alguns spikers de borracha, lembra um pouco a sola colmeia dos velhos tempos do saibro, mas não estão sendo suficientes para manter equilíbrio dos jogadores. Usar spikers de ferro, como acontecia no golfe e hj é proibido, acabaria com a grama num jogo. Os solados spiders, com cravinhos em círculos que lembram uma aranha, acentuaria muito o grip e provocaria torções. Enfim, o tênis mudou, seja mais belo ou não, mas com tanta grana em jogo, os tenistas querem ganhar, não jogar bonito, mas sim de forma eficiente.
        abs
        Chiquinho e fique sempre a vontade para dar suas opiniões

        Responder
  7. Mário Fagundes

    Discordo plenamente. A temporada de grama deveria aumentar. Deveria haver mais dois torneios do nível de ATP 500 e, pelo menos, um Master 1000. O tempo passa, tudo muda. Mas há coisas que não deveriam mudar. Os norte-americanos tentaram, mas não conseguiram popularizar a grama artificial nos estádios de futebol. Acho que essa história de difícil manutenção para as quadras de tênis não passa de uma grande desculpa. Os campos de futebol são muito maiores e muitos campeonatos não tem o mesmo retorno financeiro, se comparados a um torneio de tênis. Essa coisa do novo, que temos que acompanhar os novos tempos… Devemos ter muito cuidado com isso, sob pena de perdermos até mesmo nossa própria identidade. Algumas coisas na vida nunca deveriam mudar. Viva o tradicional!

    Responder
    1. Murio Rodrigues

      Além de que deveriam modificar algumas quadras de “piso duro”, tornando-as mais rápidas e também a volta dos torneios indoor com piso de carpete, tendo uma variedade maior de pisos pois muitos pisos de quadra dura tiveram suas superfícies modificadas para diminuir a velocidade do jogo, como se já não bastasse a maratona de torneios em quadras de saibro.

      Responder
  8. Braga

    Seu comentário está aguardando moderação.
    Chiquinho, você sabe que é aquele senhor de chapéu que fica no box dos tenistas em jogo? abs

    Responder
    1. Chiquinho Leite Moreira

      Poxa não prestei atenção… vou dar uma olhada. Ontem, a transmissão mostrou vários e vários jogadores de golfe com Ian Pouter, Ernie Els, entre outros que já estão por lá para o The Open – um Slam do golfe – e alguns desses jogadores como o Rory Sabatini costumam usar chapéus. Vamos conferir, apesar de hj, eu ter de estar com os olhos voltados para outra direção. abs Chiquinho

      Responder
  9. renne bueno

    Chiquinho, com todo respeito,, então esse seu tenis moderno é um pé no saco. Só maquinas correndo de um lado pro outro e enfiando a mão na bola. Está cada vez mais squash!!! A grama é fantástica, nivela o jogo. O saque e voleio ainda aparece. Acho uma heresia supor Wimbledon em outro tipo de piso, que não seja a grama. Não é Wimbledon que deve se adaptar ao tal tenis moderno, e sim o tal tenis moderno que deixe o lugar sagrado de Wimbledon em paz! E que a modernidade traga jogos mais velozes.
    E, ainda, concordo com o comentário acima. O Nadal perde, culpa do joelhinho. O Federer perde, falam que não “guenta” mais. Injusto com o maior e mais talentoso jogador da história. Engraçado, um ano atrás, ele destruiu todo mundo e deu um presente pra rainha na Olimpíada, hoje dizem que não guenta. Duas Semanas atrás, desfilou na grama. Ele merece mais respeito, mesmo quando perde. E tem mais, ele não deu nenhuma desculpinha barata pela derrota! abcs Renne Bueno

    Responder
    1. Renato

      Concordo com você cara. E com a maioria das outras pessoas. O circuito de grama deveria aumentar em pelo menos mais 3 semanas. Com pelo menos um ATP 500 e um 1000. O problema dos escorregões é dos jogadores e principalmente das marcas de calçado. Eles tem pessoal suficiente e tecnologia adequada para construir calçados mais apropriados pra esse piso. Tem pra quadra dura e pra saibro.

      Não vi o jogo do Rafa nem do Roger, mas pelos comentários, eles jogaram pior que seus adversários. O problema dos joelhos flexionados deve atrapalhar bastante o Rafa também, mas justamente por isso também deveria haver mais torneios na grama, para jogadores dos mais variados tipos poderem se adaptar a esse que é o piso mais complicado.

      Quanto à roupa, também mantenho a vontade de ver todo mundo jogando de branco durante um torneio do ano. Dá uma quebrada em tudo, desde o piso, calçados e roupa. No meio do ano eu acho isso muito legal. Não mudaria nada do que há em Wimbledon.

      Responder
      1. Chiquinho Leite Moreira

        Ok Renato… mas como aumentar a temporada de grama com apenas 15 dias em RG e Wimbledon. Uma pergunta… Será que a maioria dos tenistas seguiria jogando na grama, depois de Wimbledon, com a opção de ir para as sintéticas ou mesmo voltar para os derradeiros do saibro europeu?

        Responder
        1. Murio Rodrigues

          Basta ter boa vontade da ATP em conjunto com os patrocinadores dos torneios. Tudo é possível de modificar, basta querer.

          Responder
          1. Chiquinho Leite Moreira

            Pergunte aos jogadores se eles querem isso. A ATP eh uma entidade declasse.

  10. ROSA TORRES

    Chiquinho, voce é Nadal e gosta do saibro, todos tem o direito, agora desmerecer Wimbledon é demais, o jogo fica bonito, elegante, realmente quem gosta do saibro e Nadal tem um gosto pouco classico.

    Responder
    1. Renato

      Isso aí Rosa! Incrível! A torcida do Nadal é fanática como a do time que ganhou do povo o estádio de Itaquera. A começar do Chiquinho. Qualquer um sabe que a grama é mais macia, tem menos impacto, os pontos mais rápidos e o cara tem que ser bom prá jogar ali. Nada de baloeiro igual o mala do Nadal com seu jogo feio no fundo da quadra. A contribuição de Federer para o esporte está em cada ponto que disputa, na elegância do golpe, técnica apurada e sobriedade de um grande campeão. Quisera tivéssemos mais quadras de grama. Assim medíocres igual o touro que virou bezerro cruzado em Win. ficaria no seu devido lugar. E outra quem garante que ele tem problema no joelho? Só aparece quando perde. Essa história será mais ou menos igual a do Lance Armstrong. Um dia ela será revelada! Abcs!

      Responder
  11. Maurício

    Chiquinho, o que você esta achando da transmissão do Sportv? Estão usando apenas um canal, quando a concorrência usa pelo menos 2, estão começando a transmissão 9:00, quando nos primeiros dias a programação começava as 8:00 (inclusive cortando jogos importantes)

    Responder
  12. Braga

    Chiquinho, descobriu que é aquele senhor de chapéu que fica no box dos tenistas em jogo na quadra central? Não tenho certeza, mas parece que é alguém que cuida da quadra? Alguém sabe?

    Responder
    1. Chiquinho Leite Moreira

      Braga não vi esse personagem hj. Vi sim alguns caras com chapéus marrons, de camurça, muito comuns entre os australianos. Mas não estava no players box. Esse alguém que cuida da quadra, ou seja o jardineiro, realmente é tratado com importância em Wimbledon, mas não sei se ficaria no box dos jogadores. Vou gravar os jogos desta sexta (pois não sei se vou ter como acompanhar no horário dos jogos por causa de um compromisso fora de são Paulo) e se reconhecer volto com vc
      abs
      Chiquinho

      Responder
  13. Emanuel Lima

    Chiquinho, parabéns pelo seu blog. Como você não fica em cima do muro, me responde aí: será que diminuir a época de saibro não resolveria o problema de Wimbledom? Saibro o ano todo é chato, depois do Australian Open até Roland Garros é só saibro, quase 5 meses. Da transição do US OPEN para o AUSTRALIAN OPEN os jogadores não sentem muito. Eu acho que a data de Wimbledom, está mau relacionado no circuito. Por exemplo: o ideal seria AUSTRALIAN OPEN no final de janeiro, Roland Garros no final de Abril, Wimbledon no final de Junho e US open no final de Agosto. Atualmente é quase isso, eu só adiantei Roland Garros. O problema do pouco tempo de adaptação da grama está na época de saibro, Mas como mexer com datas é sempre um problema, Wimbledom poderia fazer um teste na grada dura que estão disputando a MASTER CUP, gostou da idéia. Sintetizando: mexer no calendário, ou trocar de piso?

    Responder
    1. Chiquinho Leite Moreira

      Emanuel gostei de suas ideias. Mas alterar datas´- algumas delas – centenárias não é fácil. Colocar RG em abril, nos vamos morrer de frio rs rs. Diminuir o saibro envolve outros interesses. Como já falamos a atp e wta são entidades de classes e, em tese, defendem os interesses dos jogadores. E estes preferem ficar no saibro ou no cimento. Se vc colocar mais alguns torneios de grama, depois de Wimbledon, a maioria dos jogadores seguirá outros destinos. Enfim, para mim a melhor saída seria Wimbledon ir pelo menos uma semana à frente. Isso daria 21 dias de preparação no lugar de 14. Algo mais simples e efetivo… vc não acha?

      Responder
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Comentário

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>