TenisBrasil - Tenis.Com Chiquinho
O que fazer na traiçoeira grama
Por Chiquinho Leite Moreira
junho 23, 2013 às 4:03 pm

No começo, a grama dominava os Slams. Era a superfície do Aberto da Austrália, do US Open e, é claro, de Wimbledon, em que permanece até hoje. Apesar do amplo domínio de outros tempos, atualmente a temporada está reduzida a apenas quatro semanas. Sendo que duas delas estão no All England Club. Portanto, quem não consegue vaga entre os 128 classificados, volta ao saibro ou  dá início às competições no cimento.

Não há quadras de grama espalhadas pelo planeta. No Brasil tinha uma no hotel do Frade, local em que Gabriela Sabatini escolheu certa vez para treinar para Wimbledon. Por isso, muitos jogadores chegam para o Grand Slam inglês sem a mesma preparação de outras competições.

Além das poucas quadras de grama, as dificuldades são muitas para se treinar. Não é preciso nem dizer que chove muito, nesta época do ano, na Inglaterra. Em Wimbledon, por exemplo, ninguém faz o chamado treino de reconhecimento, tão comum em todos os outros torneios. A venerada quadra central, chamada de Tempo Sagrado do Tênis, só abre mesmo nesta segunda-feira para receber o campeão do ano passado.

Onde treinar então? No All England Club existe um canto, onde fica do Aorangi Park. São quadras coladas uma nas outras, em que costumam estar em ação quatro tenistas. Não, não se trata de duplistas, mas sim jogadores de simples que são obrigados a dividir o espaço. É necessário entrosamento. E a parte ‘mais emocionante’ fica para quando decidem treinar cruzadas. São bolas passando de um lado para o outro, lembrando àquelas máquinas de pipocas dos cinemas.

Rafael Nadal esteve sábado batendo bola do Aorangi Park. Conseguiu uma quadra só para ele. Privilégio que não teve Roger Federer, que bateu bola com Lleyton Hewitt, ou mesmo Andy Murray que precisou ter Ivan Lendl ao seu lado e não à sua frente, como algumas vezes é importante.

Lembro que certa vez chovia tanto em Londres que Guga estreou no torneio sem ter jogado uma vez sequer na grama. Batia bola numa quadra coberta de carpete. Ainda assim chegou as quartas-de-final, quando caiu diante de Andre Agassi. Kuerten tinha muita facilidade para o jogo. A primeira vez que entrou direto na chave principal de um torneio profissional na grama precisou de apenas um set para pegar algumas malícias. Estava em Nottingham, em 1997. À sua frente o canadense britânico Greg Rusedski, um especialista na superfície. No primeiro set, o brasileiro não viu a cor da bola. No segundo teve set point e perdeu por 7 a 5.

A grama é uma superfície traiçoeira. Tem peculiaridades. O piso tem suas irregularidades, apesar de ser bem cuidado, com uma grama chamada perennial ryegrass, ideal para o jogo moderno, por ser mais resistente. Afinal, hoje as trocas de bolas são bem mais constantes, comparado aos tempos de Goran Ivanisevic ou Pat Rafter, Pete Sampras, John McEnroe. Para isso, basta observar que a grama fica desgastada na linha de base apenas, enquanto em outros tempos formava um triângulo até a rede.

Esta nova grama que é usada desde 2001, segundo os jardineiros de Wimbledon, não afeta a velocidade do jogo. Apenas torna a bola mais pesada e lenta nos dias de frio e céu encoberto e ao contrário nos dias secos e quentes.

Enfim, a grama exigiria uma preparação muito mais ampla do que se tem observado. Mas não se pode dizer que a qualidade do jogo cai durante Wimbledon. E, por isso, como será que entram em ação os principais favoritos?

Nadal e Novak Djokovic não fizeram parte de torneios preparatórios. Roger Federer e Andy Murray jogaram para ganharem adaptação. Ambos foram campeões. O suíço em Halle e o escocês em Queen’s. Mas, sinceramente, nenhum dos dois jogou assim tão bem para se dizer que estão melhor preparados do que Nadal e Djokovic.

O jeito é esperar pelo início da competição. As portas se abrem para um rodada e tanto. Afinal, começa pela parte mais forte da chave, com Federer, Nadal e Murray em ação


Comentários
  1. lina

    Em uma entrevista certa vez perguntaram ao Rafael Nadal , qual o adversário mais “perigoso”? Ele respondeu: o próximo. Acho que é por aí Chiquinho, olho vivo em todos os oponentes. Vacilou dançou.

    Responder
    1. Joel

      É isso ai lina, o próximo pode ser seu maior rival, mesmo que seja, “Darcis, Rosol, ou acima de 100 do mundo!!!!!!rsrsrsrsrs esse é o Nadal.

      Responder
  2. João Carlos

    A grama apesar do charme, deveria acabar. Com a velocidade de hoje em dia, fica um jogo feio na grama. Cheio de quiques errados e etc..

    Responder
    1. Joel

      “O saibro não tem quiques errados??????” O barro deixa o jogo feio, mas a grama não, a grama exige categoria, e isso é pra poucos. Como disse o LEO: ” Você Tem certeza que aprecia tenis?

      Responder
      1. Renato

        Pois é. Quem sabe sabe. Medíocre não se desfaz das adversidades. O inventor do anti tênis que é esse mala do nadal não faz andar sua bola na grama com o único movimento que tem de interessante que é o spin. Esse efeito na grama não funciona. Portanto bye bye convencido ele e seu tio papagaio de pirata! Bem feito!

        Responder
  3. Maurício

    Atenção, mulheres tenistas! PROMOÇÃO em Wimbledon! Serena Williams vai promover uma generosa distribuição de “aces” e “porradas”. Segurem os sutiãs e as calcinhas… e vamos ver quem fica com o vice – porque o título já é dela. A não ser que ela perca a paciência com algum ponto duvidoso – o que não é nada difícil, considerando-se que ela é do tipo “pavio curto”. Ou então se ela se contundir. Fora isso, não tem pra ninguém.
    Entre os homens, é uma incógnita, pelos motivos que o Chiquinho tão bem expôs. Espero que o Murray tenha melhor sorte do que no ano passado. Ele não é nada simpático, mas torço por ele. Lembra-me o John Mcenroe. Se não pelo jogo, ao menos pelo temperamento… rs

    Responder
  4. Weverson Pinheiro

    O mogli já era… Antes de wimbledom li uma matéria em dizia que Federer teve azar no sorteio em que Nadal estava do seu lado da chave, mas que tamanha bobagem, o menino do barro é que estava azarado por ter ficado ao lado de Federer, hoje foi a prova disso. Não sei se Federer será o campeão, até concordo que ele não está na ponta dos cascos para isso, mas perder pro 3×0 para o 137º isso jamais! Só com indio baloeiro.

    Responder
      1. MARIO CESAR RODRIGUES

        Se do Rafa foi vexame e o Federer então…o lord,kkkkkk só rindo!vai cair para sexto dependendo do Berdych…..mas o quinto tá garantido até Usopen kkkkkkkkk como os federetes estão sofrendo..e vai sofrer mais ainda!

        Responder
  5. Maurício

    Não acho que seja uma surpresa tão grande a derrota do Nadal. A mudança de piso de uma hora para outra, sem nenhum torneio preparatório, tem a ver com o que o Chiquinho disse. Só não entendo por quê o Nadal diz que a grama é ruim para o joelho. É bem mais fofa que o saibro. Mas não me acho em condições de palpitar sobre isso, já que nunca joguei em quadra de grama.
    Acho que ele tem cabeça e lida muito melhor com as derrotas que os seus fãs, muitos deles envergonhados e se lamuriando. Não é vergonha perder, ainda que na primeira rodada. Vergonha é não lutar, é entregar o jogo. Nunca o vi fazer isso.

    Responder
    1. Chiquinho Leite Moreira

      É ruim para o joelho, pois é preciso jogar com as pernas flexionadas, sempre. Bem… é ruim para o joelho do Nadal, entenda bem o que quero dizer.
      abs
      Chiquinho
      PS se por acaso ficou alguma dúvidas falamos novamente

      Responder
  6. Eduardo

    Desta vez o Chiquinho extrapolou como bom Nadalista que é !!!! Já deu a desculpa da derrota ANTES do jogo !!! Fantástico !!!!

    Responder
  7. Caco Mauricio

    A derrota do Nadal não tem nada de extrordinaria…. Sem qualquer preparação era de certa forma esperada… Ficaria bem mais surpreso se o Federer ou o Murray perdecem na primeira rodada, uma vez que eles jogaram torneio preparatório e venceram… De qualquer forma extraordinária foi a volta do Nadal e o Primeiro semestre espetacular que ele fez…. Agor resta a pergunta: e o Djco como vai se sair na primeira rodada? Abraços Chiquino!!!!

    Responder
    1. Leo

      Como assim “era esperada”? O cara é um dos maiores vencedores recente de tenis e top5 do ranking. Ele joga profissionalmente há 12 anos e sabe muito bem como jogar ali. Fora que jogou exibição na grama contra um bom adversário: Nishikori e venceu, sem contar os treinos. Adaptação, falta de ritmo não são desculpas. E nem cansaço.

      Responder
  8. Diego

    Que transmissão ruim essa do Sportv. Wimbledon perde muito do seu charme e graça passando nessa emissora. A ESPN quando transmite Grand Slam utiliza dois canais e passa jogos diferentes em cada canal, e é a melhor emissora nas transmissões de tênis, passando também reprises além dos jogos ao vivo. A Bandsports surpreendeu em RG este ano, disponibilizando 2 canais na Sky, além de passar praticamente todas as reprises. O telespectador não perde um detalhe. Já Wimbledon somos obrigados a ver naquele lixo do Sportv, que não transmite em HD, só passa jogos a partir das 9h, sendo que o torneio começa bem mais cedo e não passa nenhuma reprise. Isto é, ou você assiste ao vivo o único jogo arbitrariamente escolhido pela emissora ou então fica sem ver o torneio. Fora Sportv!!!

    Responder
    1. caco mauricio

      Concordo plenamente com voçe Diego; a SPORTV, assim como todos os canais da GLOBO, não prima pelo respeito à audiência; não temos opção nenhuma na transmissão; ainda mais se considerarmos os horários dos jogos e o fato de que a grande maioria não pode assistir aos jogos nesses horários; os VTs passados à noite permitem que aquelas pessoas que trabalham o dia inteiro possam assistir aos melhores momentos dos jogos, o que a SPORTV não nos proporciona; as transmissões da ESPN e da BANDSPORTV dão show em qualidade se comparada às transmissões da SPORTV; dão muito mais valor àquelas pessoas que acompanham o circuito; menção honrosa apenas aos comentários do Dácio Campos; abraços

      Responder
  9. Marcos

    “O suíço em Halle e o escocês em Queen’s. Mas, sinceramente, nenhum dos dois jogou assim tão bem para se dizer que estão melhor preparados do que Nadal e Djokovic”…é realmente, Federer não está tão preparado assim…até perdeu na primeira rodada…opss…desculpe, li errado, não foi Federer que perdeu…foi NADAL…engraçado que Federer está no final de carreira, e ainda por cima dá trabalho para essa garotada…e também dá muito trabalho para os comentaristas de “tênis”, cuja “afã” de espetar até os faz esquecer que não Federer não é mais um garoto de 26/27 anos…quando leio estes tipos de comentários, vejo o quanto pessoas que imaginamos ser “experientes” muitas vezes se comportam como “crianças” em seus comentários…esta é a beleza da vida, sempre estamos aprendendo (porém, depois de “velho”, necessário é errar menos, e ser mais maduro nos comentários).

    Marcos

    Responder
  10. MARILIENSE

    Como estávamos falando até 2007 Roger Federer foi o maior tenista de sua geração pois enfrentou tenistas em fim de carreira como Sampras, Agassi, Guga,Rafter ou jogadores instáveis como Hewit e Safin ou jogadores fracos como Bagdhatis,Philipoussis,Roddick e jovens em formação como Murray,Novak e Nadal. E mesmo assim já era fregues do endiabrado Rafael Nadal. Agora, a partir de 2008 ou seja nos ultimos 5 anos quando Rafa e Nole se firmaram como rivais em todos os pisos, o espanhol Rafael Nadal é o maior tenista desta geração, basta conferir os numeros:
    -De 2008 para cá : Nadal 9 Slams, Nole 6 Slams, Federer 5 Slams.
    Isso sem contar com os Master 1000 onde o espanhol é absoluto, madalha de ouro olimpica individual e 4 Copa Davis

    Responder
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Comentário

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>