TenisBrasil - Tenis.Com Chiquinho
RF avança; Nadal desafia Raonic
Por Chiquinho Leite Moreira
janeiro 24, 2017 às 11:46 am

Pelo menos até agora Roger Federer está impecável no Aberto da Austrália. Vive um momento mágico, com grandes atuações dentro de quadra e bom humor fora dela: feliz com seu jogo, feliz com a vida. Passou por Mischa Zverev em outra ‘máster class’ e caminha agora para seu maior desafio na competição. Enfrenta Stan Wawrinka, num duelo que promete muita rivalidade, apesar da aparente amizade entre os dois.  Está a apenas um passo da final, mas naquilo que poderia ser definido como tão perto e tão longe.

Para a decisão dos sonhos do AO, Rafael Nadal tem um caminho um pouco mais longo. O espanhol voltou às quartas de final de um Grand Slam, pela primeira vez desde Roland Garros 2015. Terá pela frente um gigante, o canadense Milos Raonic. Das últimas três vezes em que se enfrentaram perdeu duas: em Indian Wells e, mais recentemente, em Brisbane. Só que em melhor de cinco sets as coisas são diferentes.

Nadal vem de uma chave complicada. Ganhou de Florian Mayer, de Marcos Bagdhdatis, Alexander Zverev e Gael Monfils. Passou 11h09 em quadra. Raonic ganhou de Dustin Brown, Gilles Muller, Giles Simon e Roberto Bautista Agut. Correu por 8h59.

A outra quartas de final reúne o esforçado David Goffin diante do talentoso Grigor Dimitrov. O búlgaro tem mais jogo. O belga mais regularidade e concentração.

Enfim, o Aberto da Austrália, apesar das eliminações dos líderes do ranking, ainda guarda muitas emoções.


Comentários
  1. Fabio F

    Chiquinho, boa tarde! Minha primeira vez comentando aqui em seu espaço, embora sempre leia suas resenhas.
    O dia foi tranquilo para os favoritos, o que é surpreendente no estágio que reúne os 8 melhores do torneio. “Mérito” dos cabeças 1 e 2, que fizeram involuntariamente um favor à competição deixando espaço para novos nomes mostrarem seu jogo.
    Vejo um favorito claro, que é Rafa Nadal. Está jogando de forma agressiva, com ângulos e variações de ritmo que não se viam há anos em seu jogo.
    Num patamar ligeiramente abaixo colocaria o fenomenal Roger e o discreto canadense Raonic, que de forma alguma pode ser desprezado.
    Correndo por fora está Dimitrov, que finalmente resolveu mostrar-se adulto e maduro o suficiente para incomodar os grandes do esporte.
    Seria fantástica uma final Dimitrov x Wawrinka, por exemplo. Mas certamente a maioria absoluta espera pelo “Fedal”. Minha aposta é Stan x Nadal. E você, onde colocaria suas fichas?
    Abraço e parabéns por tudo que você fez e faz pelo esporte que tanto amamos!

    Responder
    1. Chiquinho Leite Moreira

      Boa análise Fabio… gostei qdo vc falou que Djoko Murray abriram espaço para ‘novos’nomes… Federer e Nadal na parada he he he… desculpe a ironia. Sua aposta pagaria bem na William Hill, mas eu prefiro guardar as minhas fichas. Vejo que o AO mesmo sem Djoko e Murray mantém em alta o nível das emoções. Tb está legal o lado feminino com Coco Loco fazendo sua melhor campanha em um Slam… Sabe acho que a Coco Loco está merecendo ir ainda mais longe…

      Responder
    2. Marco Dias

      Pelo que deduzi do seu raciocínio: Nadal e Stan seriam os favoritos?! É que vc não citou no texto o quão favorito considera o Wawrinka, mas o colocou na final!

      Responder
  2. Eddy Beutter

    Sr. Chiquinho, a colocação “aparente amizade” é totalmente equivocada. Os dois so VERDADEIROS amigos. Isso é um significado importamte na Suiça, talvez no Brasil não!

    Responder
    1. Chiquinho Leite Moreira

      Eddy mon cher a Suíça está invadida… ou vc esquece o que a Mirka fez com Stan? Há um vídeo na Internet que ironiza que nem relógio mais é genuíno… Mas, a verdade, é que em quadra os tenistas devem jogar como reais adversários, em respeito próprio e ao público. Afinal, a ‘guerra fria’ começou com o próprio Federer que em entrevista a Jim Courier ironizou dizendo que Stan já foi longe demais e deve estar contente com sua campanha no AO. E que vença a Suíça…

      Responder
      1. Eddy Beutter

        Correto, porém foi Mirka que falou e não Roger e ela se rependeu publicamente, mas isso não foi interessante pela imprensa, não é? Na entrevista com Jim Courier ironizou sim, mas foi uma brincadeira clara par quem conheçe as subtilidades do Inglés. Abraço

        Responder
  3. David Pereira

    Muito legal esse ano o AO, assistir um jogo do Federer é fantástico, e a competitividade do Nadal é um exemplo. Mas tem nomes mais fortes no momento Stan e o Raonic, numero 4° e 3° do mundo respectivamente, projeto uma final entre eles. Por vários motivos, principalmente a velocidade da quadra que favorecem o jogo de ambos. Mas em nenhum momento podemos descartar uma final Federer e Nadal, afinal são 31 grand slams em quadra, e ainda tem Dimitrov e Goffin correndo por fora.

    Responder
  4. José Ambrósio

    Boa pincelada geral sobre o AusOpen 2017….que com certeza ainda guarda muitas emoções, não sei se teremos um Fedal na final, porém, tenho a certeza que ainda acontecerão grandes jogos. O chaveamento, do jeito que ficou, proporcionará duelos interessantes tanto do ponto de visto tática quanto técnico.

    Responder
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Comentário

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>