TenisBrasil - Tenis.Com Chiquinho
Que triste
Por Chiquinho Leite Moreira
agosto 8, 2016 às 6:29 pm

Não valia pontos, muito menos prêmios em dólares. Mas esta derrota da Novak Djokovic para Juan Martin Del Potro foi talvez a mais dolorosa de sua difícil e prodigiosa carreira.  O número um do mundo incorporou, com todos ingredientes, o espírito olímpico e seu choro, ao final do jogo, confirmou seus sinceros sentimentos.

Pelo menos, acredito que esta derrota sirva para acabar com a fama de marqueteiro que muitos insistem em dar para Djokovic. Confesso que eu mesmo fui contaminado por esta espécie de campanha contra o sérvio. Nos bastidores dos torneios e inclusive de pessoal ligado a ATP ouvi diversas vezes de que Nole parecia ser uma pessoa, mas na realidade era outra.

Com o tempo deixei de sofrer influência dessas pessoas e passei a analisar apenas os fatos, não os comentários. Cheguei a conclusão de que Novak Djokovic faz bem ao tênis.

Acredito que também o público em geral chegou a mesma conclusão. A reação da torcida no Complexo de Tênis da Barra não entendo que tenha sido apenas por estar à frente do sérvio um jogador argentino. Nem vejo as cores brasileiras nas malas e munhequeira como ações de marketing. Foram sim de um atleta que sabe a importância de uma Olimpíada e que o esporte vai além de pontos e prêmios.

E se Novak Djokovic disse que se sentiu em casa, como se fosse um brasileiro, acho que nos ganhamos um tenista para torcer.


Comentários
  1. caco mauricio

    Pra mim não passa de um marqueteiro…. Só fiquei esperando ele dar um migé no jogo de ontem e pedir atendimento médico como faz todas as – poucas – vezes em que está perdendo um jogo… Não tem, de longe, nem um pouco do carisma de um Federer, Nadal ou mesmo Murray… sem desmerecer o jogo, mas sempre torço contra… FAKE PACAS!!!!!!!

    Responder
    1. SOLANGE APARECIDA MINHOTO

      Ainda bem que você é um entre mil que acha isso do Djoko, sinal que a maioria sabe quem realmente é este atleta espetacular, agora dizer que o Federer é mais carismático que o Djoko, acho que vc não acompanha o circuito de tênis

      Responder
  2. Michele

    Se valesse grana o Djoko tinha vencido. Sou muito muito fã do Del Potro, mas ficou esquisita essa vitória em sets diretos.

    Responder
  3. José

    Belo texto!

    Que comprova que o tênis sofre sim de uma doutrinação por parte de gente que não aceitou a dominância do sérvio – jogador do leste europeu – para os queridinhos Nadal e Federer. E que no tênis tem muita gente horrorosa que propaga mentiras e besteiras sem tomar a devida precaução de não denegrir a imagem de um ser humano. Enfim né.. gosto de falar que “o bem venceu o mal”.

    Grande Djokovic, o maior exemplo deste esporte!

    Responder
  4. SRMARTINS

    Excelente texto Chiquinho. Quanto ao “Nem vejo as cores brasileiras nas malas e munhequeira como ações de marketing. “…………. pode até ser ação de marketing, mas é só Novak que está usando.
    É uma ação da HEAD para todos os tenistas patrocinados por este fabricante. Muitos tenistas estão usando bolsas e raqueteiras nas cores verde e amarela como a de Novak Djokovic, inclusive Andy Murray e outros.

    Responder
  5. wilder freitas

    Caro Chiquinho. Perfeita sua análise, pelo menos p mim. Desde que tornou profissional, Djoko é meu segundo tenista, o primeiro são qualquer um dos nossos brasileiros. Djoko é um grande atleta do tênis, assim como Federer, Nadal, Murray, Monfils e aí vai. A homenagem que fez para o Guga em Holand Garros foi inesquecível. Quem assistiu a derrota dele nas olimpiadas 2016 para o Delpro, viu que foram dois sets disputadíssimos, vencido em dois tie breaks, com um adversário inspiradíssimo. Não acho ele marqueteiro, e muito menos esquesita a derrota. Estamos falando de esporte, ninguém vence na véspera, e que bom que é assim. Aliás, que bom que podemos divergir uns dos outros. Parabéns Djoko, Parabéns Juan Martin Del Potro….

    Responder
  6. Izo Stroh

    Sou fã do Djokovic. Mas sou fã do Federer também. Aliás, sou muito fã do Juan Martin Del Potro. Dele e de todos os argentinos, desde Villas. Mas, acima de tudo, sou fã do Chiquinho. Pela excelência do texto, pela sensatez nas opiniões e profundo conhecimento que tem sobre o assunto que aborda. Sobre o Djoko do Brasil, o abraço que ele deu no Del Potro e no Marcelo no final das partidas foi de uma sinceridade ímpar. Dignidade o cara tem.

    Responder
  7. Eduardo

    Impressionante como as pessoas gostam de criar um clima de exclusão e negativismo. O queridinho daqui e dali. O Marqueteiro que joga por grana, o dopado corredor, o estiloso que não sua e que ganhou quando não haviam jogadores de alto nível. Por favor, muita pobreza. São 3 gênios do esporte que fazem um bem tremendo para o tênis. Adversários. Personalidades diferentes, talentos diferentes. Acompanho o tênis e os três gênios, mesmo que não tenham uma relação de amizade e alguma natural palavra mal colocada depois de tantos anos de rivalidade, respeitam-se e sempre elevam um ao outro nas suas declarações. Melhor aproveitarmos e aplaudirmos todos eles enquanto jogam e competem um contra o outro, do que ficar malhando e desmerecendo campeões que elevaram o tênis para um patamar muito mais popularizado e atrativo.

    Responder
  8. Jorge

    Concordo prenamente com você Chiquinho.
    Mesmo perdendo Djoko faz grandes jogadas, que o faz diferenciado, pois, somente os grandes não se limitam em fazer o trivial.
    Mas acho que nesse jogo com o Del Potro lhe faltou potencia nas bolas, eram bem colocadas mas sem força, que facilitaram as devoluções.

    Responder
  9. @AndreLimaBH

    Chiquinho, as viúvas de alguns ex-número 1 (que só voltariam se Djoko sofresse alguma lesão violenta ou começasse a sofrer alguma síndrome violenta) disseminam histórias pra todo canto. Um dia ainda te conto um episódio marcante e interessante que envolve esse cara.

    No mais, um abraço pra você e um IDEMO para os haters…

    Responder
  10. Marcia

    O Djokovic valorizou desde o começo as olimpíadas aqui no Rio. Perdeu o jogo, mas ganhou mais simpatia por seu comportamento. Grande atleta é grande pessoa. Já o Nadal, todas as reportagens foram reclamando da quadra, do piso, da organização…achou tudo horrível. Fiquei triste, pois também é um grande jogador. Quem sabe, precise ser tão grande como pessoa. O DelPotro sofreu muito e cresceu. Boa sorte para ele!

    Responder
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Comentário

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>