TenisBrasil - Tenis.Com Chiquinho
O triste capítulo na história de Maria
Por Chiquinho Leite Moreira
março 8, 2016 às 1:37 am

Longe do glamour, da glória, da fama e fortuna Maria Sharapova teve uma vida de sacrifícios. Originária da Sibéria, ainda quando criança foi deixada na academia de Nick Bollettieri, na Flórida, assim como um recém nascido é abandonado numa cesta à porta de uma casa de família para ser criado. Cresceu, tornou-se campeã… uma vencedora. Não merecia ter este triste capítulo na sua história. E terá de enfrentar as consequências, punição, etc e tal.

No início de sua vida no tênis, Maria passou dois anos longe da família, sem sequer encontrar-se  com sua mãe. Por isso, talvez, tenha marcado o seu primeiro título de Grand Slam, em Wimbledon, com cena memorável. Um lance que para muitos não passou de marketing. Mas, acredito eu, que uma menina aos 17 anos, na celebração de um troféu histórico, pegar o celular para falar com a mãe nada mais foi do que um gesto sincero.

A decisão da família em deixar a jovem promessa russa nos Estados Unidos não deve ter sido uma nada fácil. Sharapova nos seus primeiros anos de tour relatava dificuldades de relacionamento. Diz que sofreu discriminação na academia de Bollettieri, mas jamais desistiu.

Hoje, ela enfrenta mais um impasse. Se forem verdades suas alegações, difícil entender. Mas não teve atitude correta e tem de pagar. Sharapova contou que desde 2006 fazia uso de um medicamento Mildronate, que possui em sua fórmula o Meldonium. Este ingrediente passou a fazer parte da lista de substâncias proibidas a partir deste ano. Como afirmou não ter reparado na alteração da lista distribuída em dezembro de 2015 seguiu usando o remédio que seria para reposição de magnésio e também prevenção para o histórico familiar de diabetes.

Por ora, Maria Sharapova recebe uma suspensão provisória. Assumiu a responsabilidade pelos seus atos ao anunciar que foi reprovada no teste antidoping durante o Aberto da Austrália. Foi comunicada no dia 2 deste mês e no dia 7 enfrentou a situação. Estava sozinha, aliás, como já viveu em boa parte de sua vida, também enfrentando dificuldades. Forte, revelou que não quer terminar a carreira dessa forma. Mas jamais conseguirá apagar este triste episódio de uma brilhante vida no mundo do tênis…


Comentários
  1. Leila Ferreira

    Ela realmente entende de marketing e merece um prêmio pela sua apresentação. Foi comovente: uma linda, maravilhosa, inteligente e milionária mulher – que pensa que pode enganar a todos – apresentando uma mea culpa e já pedindo uma segunda chance. Tem que ser punida exemplarmente para que outros e outras não queiram denegrir um esporte tão lindo como o tenis.

    Responder
  2. Fernando

    Eu gostei do pronunciamento dela. Tenho certeza de que ela irá aprender bastante com o fato.

    Sempre achei ela um tanto soberba. Mas todos amadurecemos e isto, no final, irá fazer bem para ela como pessoa.

    Nunca torci para ela, mas desta vez irei pelo tom do pronunciamento. Tomara que não pegue uma pena muito salgada. Segundo o Eduardo de Rose a pena pode passar de 4 anos: “Trata-se de uma substância não-específica e o tempo de punição não deverá ser muito curto. Pode ser de pelo menos quatro anos de acordo com o que for alegado. Os responsáveis pelo julgamento analisarão se houve intenção ou negligência. Por isso é difícil cravar um tempo exato”, explicou ao UOL Esporte Eduardo de Rose, membro do Comitê Executivo da Wada.

    Responder
  3. Ricardo - São Paulo

    Eu acho que casos como o dela são comparáveis com os de Cielo, Jaque e Maurren que fizeram uso de algo sem querer tirar vantagem disso. Martina também voltou e agora é adorada por até quem não conhecia seu tenis. Ninguém lembra que ela já passou por um caso assim. Richard…e tantos outros. Espero que a Maria volte mais forte e prove que isso foi mais um obstáculo a ser batido. Chiquinho o que você achou da atitude da Nike? achei precipitada, eu assinaria com outra assim que tudo se resolvesse…fizeram tanto dinheiro nas costas da Maria, e abandonam ela nessa hora tão escura…

    Responder
    1. Chiquinho Leite Moreira

      Esta empresa de material esportivo agiu de forma precipitada… Ainda nem sequer saiu a punição a jogadora. Falam em até 4 anis… vamos aguardar

      Responder
  4. FERNANDO AUGUSTO DE OLIVEIRA

    Já passou da hora de sharapova arrumar um parceiro fixo, pra ajuda-la no dia a dia. Ninguém é feliz sozinho, ainda que tenha milhões na conta bancaria. Acorda sharapova…..

    Responder
  5. WALDIR DOS SANTOS

    chiquinho isso é um conteudo politico dos ESTADOS UNIDOS, a WADA suspendeu todos os atletas RUSSOS do atletismo, o que ilegal , tem que ser suspenso aquele que for pego no DOPING, agora a MARIA, russa, porque colocaram este medicamento este ano proibido quando nunca foi, quando outros não, principalmente os da SERENA, apesar que ela ta ficando mais fina. O PROBLEMA É A RUSSIA. Politicamente os o EEUU ESTA FALIDO, O DOLAR ACABOU, RUSSIA, CHINA, INDIA, BRASIL, EQUADOR, ARGENTINA, BOLOVIA, NO MOMENTO UM TOTAL DE 30 PAISES NÃO USAM MAIS O DOLAR COMO MOEDA UNIVERSAL E PARTE DA EUROPA JÁ USA O EURO, NAS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES, ELES ESTÃO USANDO AS SUAS PROPRIAS MOEDAS, DEIXANDO O DOLAR DE LADO E ESTOCANDO TONELADAS DE BARRAS DE OURO.VOCE VAI VER ELES VÃO PROVOCAR A TERCEIRA GUERRA NUCLEAR.O CARL AMERICANO DO ATLETISMO CAMPEÃO LEGITIMO FALOU QUE OS AMERICANOS DISPUTAVAM DOPADOS, VEJA O CICLISTA NA VOLTA DA FRANÇA. NO CASO DO BEN CANADENSE QUE GANHOU OS 100M FOI BOI DE PIRANHA PARA ESCONDER OS ATLETAS AMERICANOS DOPADOS….TENHO 1000 COISAS MAS NÃO POSSO ME ALONGAR..OBRIGADO

    Responder
    1. Chiquinho Leite Moreira

      Entendo o seu ponto de vista… mas a droga parece que ajuda mesmo no desempenho dos atletas. Enfim, vamos aguardar o julgamento da ITF

      Responder
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Comentário

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>