Tag Archives: Sebastian Korda

Oito jovens tenistas para acompanhar em Roland Garros
Por Mario Sérgio Cruz
maio 29, 2021 às 10:10 pm

Com diferentes perspectivas, oito tenistas da nova geração do circuito merecem destaque antes de Roland Garros, que começa neste domingo em Paris. O Grand Slam tem uma jovem candidata ao título, a atual campeã Iga Swiatek e ponto de interrogação sobre Bianca Andreescu. Embalados por recentes conquistas no saibro de Parma, Coco Gauff e Sebastian Korda estão em rota de colisão com favoritos. Destaque também para os recém-chegados ao top 100, Carlos Alcaraz e Maria Camila Osorio, vindos do quali. Vale ficar de olho também no italiano Jannik Sinner, que chegou às quartas no ano passado, e no canadense Felix Auger-Aliassime, que aposta na parceria com Toni Nadal.

Confira oito grandes histórias envolvendo a nova geração em Roland Garros:

Swiatek luta pelo bicampeonato em Paris

Atual campeã, Swiatek focou a preparação nos torneios grandes (Foto: Corinne Dubreuil/FFT)

Atual campeã, Swiatek focou a preparação nos torneios grandes (Foto: Corinne Dubreuil/FFT)

Menos de um ano depois de ter conquistado seu primeiro Grand Slam em Roland Garros, Iga Swiatek está de volta às quadras de saibro da capital francesa. A polonesa, que completa 20 anos na segunda-feira, era apenas a 54ª do ranking na campanha para o título do ano passado e agora já é a número 9 do mundo e uma das favoritas ao título, ainda mais depois da categórica conquista do WTA 1000 de Roma há duas semanas. Ela estreia contra sua melhor amiga no circuito, a eslovena Kaja Juvan, pode enfrentar a norte-americana Shelby Rogers ou a sueca Rebecca Peterson na segunda fase e a estoniana Anett Kontaveit na terceira fase.

“Depois que ganhei Roland Garros, minha vida mudou completamente todo mundo começou a me tratar de forma diferente totalmente. Foi muito bom encontrar um equilíbrio e ainda ser capaz de aproveitar aquela vitória, mesmo numa situação tão caótica”, disse Swiatek, durante a entrevista coletiva na última sexta-feira. “Estou voltando à mesma forma que eu tive quando fui campeã de Roland Garros, já ganhei mais dois títulos desde então, e foi incrível para mim, porque eu ainda não sei se vou ser consistente pelo resto da minha carreira. E isso mostrou que posso realmente ter um bom desempenho não apenas uma vez, mas posso repetir. Então essa é a coisa mais importante para mim”.

Swiatek priorizou os torneios grandes em sua preparação para Roland Garros e só jogou em Roma e Madri e foi perguntada por TenisBrasil sobre sua estratégia. “Na verdade, o meu treinador é que foi responsável por isso. E acho que ele está fazendo um ótimo trabalho com todo o planejamento do meu calendário. E foi muito bom, porque sinto que estou progredindo. Eu estou jogando contra as top 10 com mais frequência e posso realmente ter mais experiência e aprender mais, porque isso é o mais importante para mim agora. Preciso aprender a estar em diferentes situações na quadra para que eu possa ter mais experiência depois”.

Andreescu em dúvidas após lesão abdominal

Andreescu fez bons jogos em Estrasburgo, mas sentiu lesão abdominal (Foto: Michel Grasso/Internationaux de Strasbourg)

Andreescu fez bons jogos em Estrasburgo, mas sentiu lesão abdominal (Foto: Michel Grasso/Internationaux de Strasbourg)

Outra top 10 a ser observada em Roland Garros é Bianca Andreescu, de apenas 20 anos e número 7 do mundo. A canadense conquistou seu primeiro Grand Slam ainda no US Open de 2019, mas possui um longo histórico de lesões, chegando a ficar mais de um ano parada por problema no joelho esquerdo. Na semana passada, disputou o WTA 250 de Estrasburgo e fez dois bons jogos, mas desistiu antes das quartas por lesão muscular na região abdominal. Cabeça 6 em Paris, Andreescu estreia contra a eslovena Tamara Zidansek.

“Não é nada sério, apenas um desconforto. Mas eu não quero arriscar antes de Roland Garros”, disse Andreescu na última terça-feira, em Estrasburgo. Perguntada por TenisBrasil sobre como faz para manter o ritmo de jogo e o bom nível de tênis mesmo com tantas lesões, a canadense comentou que aprendeu com os erros do passado e consegue ter melhor planejamento de treinos e competições. “Isso faz parte da carreira de qualquer atleta, sempre tem algumas coisas que você pode fazer e aprender com os erros do passado. Hoje eu tenho um calendário melhor de torneios, e estou ficando melhor na quadra e nos treinos físicos, com exercícios diferentes. É claro que a situação é decepcionante. Mas eu fiz o meu melhor para lidar com a situação”.

Gauff empolgada por título no saibro italiano

Gauff diz que resultados recentes não trazem pressão, mas sim confiança (Foto: Corinne Dubreuil/FFT)

Gauff diz que resultados recentes não trazem pressão, mas sim confiança (Foto: Corinne Dubreuil/FFT)

Com apenas 17 anos, a norte-americana Coco Gauff é uma das jogadoras mais jovens na chave de Roland Garros. Ela chega a Paris empolgada pela recente conquista do WTA 250 de Parma e ocupando o 25º lugar do ranking da WTA. Uma semana antes, também foi semifinalista do WTA 1000 de Roma, superada apenas por Swiatek. Acostumada a lidar com grandes expectativas desde muito jovem, ela garante que os resultados recentes trazem mais confiança do que pressão.

“Para ser honesta, não acho que esses resultados realmente coloquem qualquer pressão sobre mim. Apenas me deram confiança. Fiz muitas quartas de final e semifinais em 2020 e isso me deixou mais forte para terminar o torneio e levantar um troféu. Não sinto nenhuma pressão. Talvez porque tenha sido só um 250, então é um torneio um pouco menor, e não tinha tanta pressão quanto um 1000. Mas de qualquer forma, sinto que ganhar um título só dá a você mais confiança e mais experiência. Esse é o meu objetivo aqui”, comentou Gauff, que estreia contra a sérvia Aleksandra Krunic e pode cruzar o caminho da número 1 do mundo Ashleigh Barty nas oitavas.

Novata no top 100, Osorio disputa seu primeiro Slam

A colombiana Maria Camila Osorio chegou recentemente ao top 100 e disputa o 1º Slam (Foto: Cédric Lecocq/FFT)

A colombiana Maria Camila Osorio chegou recentemente ao top 100 e disputa o 1º Slam (Foto: Cédric Lecocq/FFT)

Recém-chegada ao top 100 do ranking mundial, a colombiana de 19 anos Maria Camila Osorio disputará seu primeiro Grand Slam em Roland Garros. A atual 98ª do ranking conseguiu passar pelo qualificatório de três rodadas em Paris. A temporada de 2021 tem sido de feitos importantes para Osorio, que começou o ano apenas no 186º lugar do ranking. Ela conquistou seu primeiro título de WTA no saibro de Bogotá e disputou outras duas semifinais, em Charleston e Belgrado, antes de furar o quali em Paris.

“Já joguei muitos torneios da WTA, então sinto mais confiança quando entro na quadra. Não fico mais com medo quando estou jogando neste nível”, disse Osorio, em entrevista ao site de Roland Garros. “Estou vivendo um momento muito especial e trabalhei muito para chegar aqui. Foi muito bom chegar ao top 100. Era um dos meus objetivos no início do ano. Tudo aconteceu tão rápido que não pensei que pudesse fazer isso até o final da temporada, mas mostra o quanto estou melhorando”, comenta a colombiana, que estreará contra a norte-americana Madison Brengle e pode cruzar o caminho de Andreescu já na segunda rodada.

Korda chega a Paris após título em Parma

Korda chega a Paris com moral após título em Parma (Foto: Marta Magni Images)

Korda chega a Paris com moral após título em Parma (Foto: Marta Magni Images)

Depois de ir do quali até as oitavas de final na edição passada de Roland Garros, o norte-americano Sebastian Korda chegará ao Grand Slam francês com ainda mais moral. Ele conquistou neste sábado seu primeiro título no circuito, o ATP 250 de Parma, vencendo o ex-top 20 Marco Cecchinato na final por 6/2 e 6/4. O atual 63º do ranking e filho do ex-número 2 do mundo Petr Korda teve um ótimo início de temporada, com a final em Delray Beach, um título de challenger em Quimper e também a campanha até as quartas de final do Masters 1000 de Miami. No entanto, vinha de resultados negativos no saibro e conseguiu se reerguer.

“Tive que continuar otimista, mesmo com os resultados ruins na primeira parte da temporada de saibro. Tirei alguns dias de folga, recarreguei minhas baterias e fiz uma semana de treinos muito boa em Praga com meu pai e meu treinador. Voltei com mais fome e estou jogando um tênis muito bom agora”, explicou Korda, que estreia em Roland Garros contra o espanhol Pedro Martinez e pode cruzar o caminho do número 5 do mundo Stefanos Tsitsipas na rodada seguinte.

Alcaraz fura o quali e tem chave boa em Paris

Alcaraz disputará seu segundo Grand Slam e se sente mais preparado agora do que na Austrália (Foto: Cédric Lecocq/FFT)

Alcaraz disputará seu segundo Grand Slam e se sente mais preparado agora do que na Austrália (Foto: Cédric Lecocq/FFT)

Grande promessa do tênis espanhol, Carlos Alcaraz chega com bastante moral para a disputa de seu primeiro Roland Garros e o segundo Grand Slam da carreira. O espanhol de 18 anos e 94º do ranking conquistou recentemente o challenger português de Oeiras, entrou no top 100 e furou o quali de Roland Garros. Sua estreia em Paris será contra outro espanhol vindo do quali, Bernabe Zapata Miralles. Se vencer, enfrenta o sérvio Dusan Lajovic ou o georgiano Nikoloz Basilashvili (cabeça 28) antes de um eventual encontro com o russo Andrey Rublev na terceira fase.

“Estou muito feliz. Jogar a chave principal aqui em Roland Garros é uma sensação muito boa. Estou me sentindo muito confortável na quadra. Sei que não é fácil jogar melhor de cinco sets, mas acho que estou pronto. Não é minha primeira participação na chave principal em um Grand Slam, então vou melhorar o que fiz na Austrália. Acho que estou mais pronto agora do que estava na Austrália”, comentou o espanhol, em entrevista ao site da ATP.

Sinner tenta repetir boa campanha de 2020

Sinner enfrentou Nadal e Djokovic durante a temporada de saibro (Foto: Corinne Dubreuil/ATP)

Sinner enfrentou Nadal e Djokovic durante a temporada de saibro (Foto: Corinne Dubreuil/ATP)

Com apenas 19 anos Jannik Sinner já aparece na 19ª colocação do ranking mundial e tenta repetir a ótima campanha que fez no ano passado em Paris, quando chegou às quartas de final. Durante a temporada de saibro, sua principal campanha foi uma semifinal em Barcelona, mas ele teve a oportunidade de enfrentar Novak Djokovic em Monte Carlo e Rafael Nadal em Roma, e tira várias lições daqueles jogos, mesmo com resultados negativos contra lendas do esporte. Ele estreia em Paris contra o francês Pierre-Hugues Herbert.

“Quando eu perco, sempre tento tirar os pontos positivos e descobrir o que deveria ter feito melhor” disse Sinner após o recente duelo com Nadal. “Obviamente, é difícil falar logo depois da partida. Tenho que me reunir com a minha equipe e assistir muitas e muitas vezes a este jogo a partir de hoje. Então veremos o que deveríamos ter feito melhor”, comenta o italiano, que teve postura parecida quando perdeu para Djokovic em Mônaco. “O foco é sempre melhorar. É isso que estou tentando fazer. Vou tentar aprender com esta partida também hoje, mesmo que às vezes seja difícil de aceitar a derrota. Mas só há uma maneira de melhorar. Eu tenho um bom time e tenho as pessoas certas perto de mim, que sabem o que eu preciso fazer”.

Aliassime aposta na parceria com Toni Nadal

Aliassime trabalhou com Toni Nadal durante a temporada de saibro

Aliassime trabalhou com Toni Nadal durante a temporada de saibro (Foto: Corinne Dubreuil/ATP)

O canadense de 20 anos Felix Auger-Aliassime, 21º do ranking, trouxe um reforço de peso para sua equipe. Durante toda a temporada de saibro, ele treinou com Toni Nadal e aposta na experiência do técnico para buscar melhores resultados. Ainda em busca de seu primeiro título de ATP, o canadense tem como melhores campanhas em Grand Slam as oitavas de final do US Open no ano passado e do Australian Open na atual temporada. Sua estreia em Paris será contra o experiente italiano de 37 anos Andreas Seppi.

“Minhas expectativas não mudaram desde que comecei a trabalhar com o Toni. Sempre tive expectativas muito altas durante toda a minha carreira. O que estou tentando fazer é chegar ao top 10 e ganhar títulos de Grand Slam. Não há nada melhor do que isso. Trabalhar com alguém que já fez isso traz mais calma e confiança, ao invés de pressão”, disse Aliassime na entrevista coletiva da última sexta-feira. “Decidi trabalhar com ele porque acredito que ele pode me ajudar a alcançar meus objetivos e meu potencial. É nisso que trabalhamos todos os dias. A preparação não é diferente da que fizemos em qualquer outro torneio. Procuramos trabalhar com muito empenho, intensidade e foco, e a cada dia tentamos fazer um pouco melhor. Temos um bom trabalho a fazer”.

 

Confira 15 jovens tenistas para assistir em 2021
Por Mario Sérgio Cruz
dezembro 31, 2020 às 7:01 am

O ano de 2020 termina nesta quinta-feira e a temporada 2021 do circuito profissional tem início já na próxima semana, com os homens em Delray Beach e as mulheres em Abu Dhabi. Em meio às restrições impostas pela pandemia da Covid-19, o calendário do tênis internacional passou por uma série de adaptações e o primeiro Grand Slam de 2021, o Australian Open, só começa no dia 8 de fevereiro.

O que não muda é o ímpeto da nova geração do circuito em evoluir e bater de frente com as principais estrelas do esporte. Alguns desses nomes, aliás, já têm títulos expressivos no currículo mesmo com tão pouca idade. Neste último dia do ano, TenisBrasil destaca 15 jovens tenistas nascidos a partir de 2000 e que mostram grande potencial para se destacar no circuito.

Bianca Andreescu (20 anos, Canadá, 7ª da WTA)

Sensação da temporada de 2019, quando conquistou seu primeiro Grand Slam no US Open e também venceu torneios grandes em Indian Wells e Toronto, Bianca Andreescu está afastada do circuito há mais de um ano, mas fará seu retorno às competições no início de 2021.

A canadense, ainda com 20 anos, sofreu uma grave lesão no joelho esquerdo no fim de 2019, quando atuava no WTA Finals. Ela tentaria voltar no meio deste ano, mas a pandemia paralisou o circuito por praticamente cinco meses. Além disso, Andreescu também teve que tratar de uma lesão crônica no pé e preferiu focar sua preparação na próxima temporada. Sua volta ao circuito deve acontecer em um dos dois torneios WTA 500 que Melbourne receberá às vésperas do US Open.

Apesar do longo período de inatividade, Andreescu não teve prejuízo no ranking. Isso porque a WTA modificou temporariamente o cálculo das pontuações, considerando os 16 melhores resultados obtidos entre março de 2019 e dezembro de 2020. Assim, a canadense conseguiu se manter no top 10 com os o resultados do ano passado. 

Iga Swiatek (19 anos, Polônia, 17ª da WTA)

Outra campeã de Grand Slam que merece bastante atenção dos fãs é Iga Swiatek. A polonesa de apenas 19 anos brilhou em Roland Garros ao vencer sete jogos seguidos sem perder um set sequer e deu um salto no ranking do 53º para o 17º lugar. Tanto Swiatek quanto Andreescu apostam em trabalhos muito elaborados de preparação psicológica para as partidas. 

Com um jogo inteligente e muitos recursos técnicos à disposição, Swiatek pode exibir um tênis competitivo em diferentes pisos e condições de quadra e tem grandes chances de ampliar sua sala de troféus. É questão de tempo para que ela logo apareça entre as dez primeiras do ranking. Fora do WTA 500 de Abu Dhabi, que acontece na semana que vem, deve iniciar a temporada já em solo australiano.

Felix Auger-Aliassime (20 anos, Canadá, 21º da ATP)
Apesar de ainda não ter conquistado um título de ATP, Felix Auger-Aliassime vem de duas temporadas consistentes no circuito e já disputou seis finais em torneios deste porte, sendo três em 2019 e mais três este ano. A lista inclui torneios no saibro, como o Rio Open e o ATP de Lyon, na grama de Stuttgart, e no piso duro de Roterdã, Colônia e Adelaide.

O canadense até já chegou a figurar entre os 20 melhores do mundo, ocupando o 17º lugar em 2019. Além do desempenho ruim em finais, ainda falta a Aliassime ter uma boa sequência de resultados em torneios grandes. Ele fez sua pré-temporada na academia de Rafael Nadal estabeleceu como metas para 2021 a chegada ao top 10 e a classificação para o ATP Finals.

Jannik Sinner (19 anos, Itália, 37º da ATP)

Jogador mais jovem no top 100 do ranking da ATP, Jannik Sinner terminou a temporada com seu primeiro título no circuito, em Sófia, e ocupando a melhor marca da carreira no 37º lugar. Também em 2020, o italiano venceu seus três primeiros jogos contra top 10 e alcançou as quartas de final de Roland Garros.

Sinner tem uma boa oportunidade de evoluir como jogador no início de 2021 por ter sido escolhido como o parceiro de treinos de Rafael Nadal na primeira semana de preparação para o Australian Open.

Dayana Yastremska (20 anos, Ucrânia, 29ª da WTA)
Apesar da pouca idade, Dayana Yastremska já é um nome consolidado na elite do circuito. A ucraniana de 20 anos já tem três títulos de WTA e chegou a ocupar o 21º lugar do ranking no início da temporada. Mas para dar outro salto, precisa melhorar seu desempenho nos Grand Slam, já que nunca passou da terceira rodada em torneios deste porte.

Thiago Wild (20 anos, Brasil, 116º da ATP)

Grande esperança para o futuro do tênis brasileiro, Thiago Wild se tornou o tenista mais jovem do país a conquistar um título de ATP em Santiago. Ele também foi o primeiro jogador nascido a partir de 2000 a vencer um evento na elite do circuito. Na última temporada, o paranaense também debutou na Copa Davis e disputou seu primeiro Grand Slam no US Open.

Número 2 do Brasil com apenas 20 anos, Wild começa 2021 jogando o quali do Australian Open, que foi excepcionalmente transferido para Doha e acontece entre os dias 10 e 13 de janeiro. Depois, parte para o challenger de Istambul, na Turquia. Depois de terminar o ano com uma sequência de resultados negativos, a volta ao caminho das vitórias, a vaga na chave principal do Grand Slam australiano e a entrada no top 100 são os primeiros objetivos no curto prazo.

Amanda Anisimova (19 anos, Estados Unidos, 30ª da WTA)
A norte-americana Amanda Anisimova não repetiu em 2020 a ótima temporada que teve no ano passado, quando foi semifinalista de Roland Garros e chegou a ser número 21 do mundo. Ainda assim, conseguiu permanecer entre as 30 melhores e deverá ser uma das cabeças de chave do Australian Open. Ela já começa a temporada na semana que vem, em Abu Dhabi.

Coco Gauff (16 anos, Estados Unidos, 48ª da WTA)

 

 

 

 

 

 

Ver essa foto no Instagram

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Uma publicação compartilhada por Coco Gauff (@cocogauff)

 

Com apenas 16 anos, completados em março, Coco Gauff já aparece entre as 50 melhores jogadoras do mundo. A promissora atleta norte-americana ocupa atualmente a 48ª colocação no ranking, apenas uma abaixo da melhor marca da carreira.

Gauff já tem boas campanhas em Grand Slam, como as oitavas de Wimbledon e do Australian Open e a terceira rodada em Nova York, além de já ter vencido seu primeiro WTA no ano passado em Linz. Fora das quadras, a jovem jogadora também se mostra bastante consciente de seu papel na sociedade e é engajada na luta contra o racismo e por maior justiça social.

Carlos Alcaraz (17 anos, Espanha, 141º da ATP)

Escolhido como a Revelação do Ano pela ATP, o espanhol Carlos Alcaraz deu um salto de 350 posições no ranking ao longo de 2020. Ele iniciou a temporada no 491º lugar e termina na 141ª colocação. O novato de apenas 17 anos conquistou seus três primeiros títulos de challenger na última temporada, em Trieste, Barcelona e Alicante. Além de ficar com o vice em Cordenons.

Apenas Alcaraz e o argentino Francisco Cerundolo venceram três challengers em 2020. O espanhol é também o segundo mais jovem de seu país a conquistar um torneio deste porte, ficando atrás apenas do ídolo Rafael Nadal. Seu treinador, o ex-número 1 Juan Carlos Ferrero, aposta em um futuro promissor e diz que o jovem espanhol logo chegará aos Grand Slam.

Leylah Fernandez (18 anos, Canadá, 88ª da WTA)

A canhota Leylah Fernandez foi uma das revelações da última temporada feminina. Ela derrotou jogadoras de destaque como a então número 5 do mundo Belinda Bencic e a campeã de Slam Sloane Stephens. A canadense também alcançou uma final de WTA em Acapulco, fez uma boa terceira rodada em Roland Garros e terminou o ano com o melhor ranking da carreira, no 88º lugar.

Em recente entrevista ao site da ITF, Fernandez declarou que parte de seu treinamento consiste em estudar os movimentos de atletas de diferentes modalidades. Isso inclui nomes do passado como Pelé, ou contemporâneos como Lionel Messi e o boxeador Floyd Mayweather.

Lorenzo Musetti (18 anos, Itália, 128º da ATP)

Outro prodígio do tênis italiano, Lorenzo Musetti aproveitou muito bem a oportunidade que teve no Masters 1000 de Roma e derrotou jogadores de respeito como Stan Wawrinka e Kei Nishikori. O jovem de 18 anos também conquistou seu primeiro challenger em Forli, vencendo o brasileiro Thiago Monteiro na final, e foi semifinalista no ATP 250 da Sardenha.

Em 2020, Musetti ganhou 233 posições ao longo do ano, saltando do 361º para o 128º lugar. Já na próxima temporada, o italiano tentará em 2021 disputar seu primeiro Grand Slam e entrar no top 100 do ranking mundial.

Marta Kostyuk (18 anos, Ucrânia, 99ª da WTA)
Considerada como uma das principais apostas para a nova geração do circuito, a ucraniana de 18 anos Marta Kostyuk chegou enfim ao top 100 já na reta final da última temporada. Apesar da pouca idade, ela já se destaca há algum tempo. Exemplo disso foi a campanha até a terceira rodada do Australian Open de 2018, quando ela tinha apenas 15 anos.

Campeã juvenil do Australian Open de 2017 e ex-número 2 no ranking da categoria, Kostyuk não conseguia ter um calendário completo nas últimas temporadas por causa das restrições da WTA para tenistas com menos de 18 anos. Além disso, sofreu uma lesão nas costas no ano passado. Este ano, chegou à terceira fase do US Open e só foi superada pela campeã Naomi Osaka.

Sebastian Korda (20 anos, Estados Unidos, 118º da ATP)

 

 

 

 

 

 

Ver essa foto no Instagram

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Uma publicação compartilhada por Sebi (@sebastiankorda)

 

O norte-americano Sebastian Korda foi um dos destaques na reta final da temporada, especialmente depois da ótima campanha que fez em Roland Garros, onde foi desde o quali até as oitavas de final, sendo superado pelo campeão Rafael Nadal. Além disso, conquistou seu primeiro challenger nas quadras de carpete de Eckental, na Alemanha, e ficou mais perto de entrar no top 100.

O jovem jogador de 20 anos vem de uma família com muita história no tênis. Ele é filho de Petr Korda, ex-número 2 do mundo e campeão do Australian Open de 1998, e de Regina Kordova, que também jogou profissionalmente e chegou a ser número 26 do ranking da WTA. A mãe, aliás, foi sua principal mentora no início da carreira. Durante a pré-temporada, foi acompanhado de perto por duas lendas do tênis, Andre Agassi e Steffi Graf.

Clara Tauson (18 anos, Dinamarca, 152ª da WTA)


A dinamarquesa Clara Tauson comemorou na última temporada sua primeira vitória em Grand Slam. Vinda do qualificatório em Roland Garros, ela derrubou a favorita Jennifer Brady, número 25 do mundo. Tauson completou 18 anos agora em dezembro e aparece atualmente no 152º lugar do ranking da WTA. Até por isso, tentará o quali para o Australian Open.

Sua principal inspiração é a compatriota Caroline Wozniacki, que encerrou sua carreira profissional no início desta temporada, ainda aos 29 anos, no Australian Open. Nos últimos 31 anos, Wozniacki e Tauson foram as únicas dinamarquesas a vencer partidas de Grand Slam, mas a jovem jogadora tenta evitar comparações com a ex-número 1 do mundo. Elas até já treinaram juntas e têm os pais como mentores no tênis, mas há uma clara diferença em estilos de jogo. Enquanto Wozniacki se destacava pela consistência e pela construção de pontos mais longos, Tauson joga um tênis mais agressivo e tenta definir cedo suas jogadas.

Brandon Nakashima (19 anos, Estados Unidos, 166º da ATP)
O norte-americano de 19 anos Brandon Nakashima terminou a temporada conquistando seu primeiro challenger em Orlando e ocupando o melhor ranking da carreira no 166º lugar. Ele já foi número 3 do mundo como juvenil e campeão do ITF Junior Masters em 2018. Nakashima começou a se firmar no tênis profissional este ano, com boas campanhas em challengers e três vitórias em nível ATP, uma delas no US Open.

* Três ótimos nomes de 1999
Como a lista destacou apenas os tenistas nascidos a partir de 2000 e que completam até 21 anos em 2021, alguns jovens em franca evolução acabaram ficando fora. Mas ainda assim, é interessante olhar com atenção para dois nomes. O principal destaque é para a cazaque de 21 anos Elena Rybakina disputou cinco finais de WTA em 2020, ganhando um título em Hobart, e venceu nomes de destaque como Sofia Kenin e Karolina Pliskova para terminar o ano no 19º lugar.

Outra jogadora de 21 anos que merece destaque é Catherine Bellis. Considerada uma grande promessa do tênis norte-americano desde que venceu um jogo no US Open de 2014 com apenas 15 anos, Bellis chegou a ser 35ª do mundo em 2017, antes de sofrer com lesões no punho e no cotovelo, que a fizeram passar por quatro cirurgias em pouco menos de dois anos. Atualmente no 133º lugar, está voltando aos poucos a ter bons resultados.

Já no circuito da ATP, destaque para o finlandês de 21 anos Emil Ruusuvuori, que venceu quatro challengers em 2019 e manteve sua evolução na última temporada. Ruusuvuori debutou no top 100, chegou a uma semifinal de ATP em Nur-Sultan e aparece atualmente na 86ª posição.

Korda vence 1º challenger e fica perto do top 100
Por Mario Sérgio Cruz
novembro 9, 2020 às 5:35 pm

Korda venceu o challenger de Eckental, depois de ter perdido as oito primeiras finais que disputou como profissional (Foto: Eckental Challenger)

O domingo foi especial para o norte-americano Sebastian Korda, que comemorou seu primeiro título de challenger na carreira. Ele venceu o torneio disputado nas quadras de carpete em Eckental, na Alemanha, depois de superar na final o indiano Ramkumar Ramanathan por duplo 6/4. O jovem jogador de 20 anos é filho de Petr Korda, ex-número 2 do mundo e campeão do Australian Open de 1998.

“Estou muito feliz por esse título. Foi um jogo difícil hoje e não foi fácil. Ele saca e voleia muito bem, ainda mais numa quadra de carpete, mas estou feliz com a forma como me mantive calmo e fechei o jogo”, disse Korda, em entrevista ao site da ATP após a partida do último domingo.

Este é o primeiro título profissional da carreira de Korda. Até então, ele havia perdido seis finais de future e outras duas em challenger. No ano passado, ele ficou com o vice nos challengers de Champaign e Nur-Sultan. “No passado, ficava frustrado nas finais. Cada pequeno erro pesava sobre mim, mas hoje consegui manter a calma durante todo o jogo. A maneira como terminei me deixou muito feliz”, comenta o norte-americano.

A campanha desta semana rendeu 100 pontos no ranking da ATP e aproximou Korda do grupo dos cem melhores do mundo. Ele saltou 20 posições e assumiu a melhor marca da carreira, no 116º lugar. No início da temporada, ocupava apenas a 249ª colocação. Sua distância para o centésimo colocado é de 150 pontos no ranking.

Apesar de ter um campeão de Grand Slam na família, grande parte da formação de Korda como tenista se deve à mãe, Regina Kordova, que também jogou profissionalmente e chegou a ser número 26 do ranking da WTA. O casal de ex-tenistas profissionais tem duas filhas mais velhas, Jessica (27 anos) e Nelly (22), que optaram pelo golfe e viajavam com Petr no circuito da modalidade.

“Quando eu decidi trocar o hóquei pelo tênis, meu pai viajava com a irmã. Ela estava no último ano de juvenil e primeiro como profissional”, comentou Korda, em entrevista coletiva durante Roland Garros. “Então, eu jogava tênis com a minha mãe. Ela é provavelmente uma das maiores influências que tenho. A forma como executo os meus golpes foi toda moldada por ela. Passamos muito tempo em quadra juntos quando eu era uma criança. Provavelmente mais do que com meu pai”.

Sinner lidera a nova geração nas oitavas em Paris
Por Mario Sérgio Cruz
outubro 2, 2020 às 8:52 pm
Escolhido como a revelação da última temporada, Sinner faz seu melhor resultado em Slam (Foto: Paul Zimmer/ITF)

Escolhido como a revelação da última temporada, Sinner faz seu melhor resultado em Slam (Foto: Paul Zimmer/ITF)

Escolhido pela ATP como o tenista revelação da temporada passada, Jannik Sinner consegue o melhor resultado de sua carreira em um Grand Slam. O jovem italiano de 19 anos e número 75 do mundo garantiu seu lugar nas oitavas de final de Roland Garros depois de vencer o argentino Federico Coria por 6/3, 7/5 e 7/5.

Sinner já havia despachado o belga David Goffin, número 13 do mundo, na rodada de estreia. Já na segunda fase, confirmou o favoritismo contra o francês vindo do quali Benjamin Bonzi. Até então, o italiano tinha apenas uma vitória em chave principal de Grand Slam, obtida no Australian Open deste ano.

A rápida evolução de Sinner no circuito começou no ano passado. Ele partiu do 551º lugar no ranking no início da temporada, mas já era top 100 em outubro. No caminho, venceu três challengers e dois futures, além de ter furado o quali do US Open e disputado uma semifinal de ATP na Antuérpia. Campanhas até as quartas em Roterdã e oitavas no Masters 1000 de Roma são seus melhores resultados em 2020.

O próximo adversário é o alemão Alexander Zverev, número 7 do mundo, e também ainda muito jovem com 23 anos. O italiano tem duas vitórias contra top 10 no circuito. A mais recente foi sobre o grego Stefanos Tsitsipas em Roma, há duas semanas.

Vindo do quali, Korda vai desafiar Nadal nas oitavas
Outro jovem jogador nas oitavas de final de Roland Garros é o norte-americano Sebastian Korda, de apenas 20 anos e 213º do ranking. Depois de ter passado por um qualificatório com três rodadas, ele embalou na chave principal. Logo de cara, passou pelos veteranos Andreas Seppi e John Isner, ambos em quatro sets. Já nesta sexta-feira, venceu o espanhol Pedro Martinez por 6/4, 6/3 e 6/1.

Nas oitavas, Korda terá a difícil missão de desafiar Rafael Nadal, doze vezes campeão do Grand Slam francês, e que 96 vitórias e apenas duas derrotas no saibro parisiense. “Ele é meu maior ídolo e é uma das razões pelas quais eu jogo tênis. É um competidor inacreditável. Eu me inspiro na mentalidade dele de nunca desistir. Sempre que estou na quadra, tento ser como ele. Quando eu era mais novo, chamei meu gato de Rafa em homenagem a ele. Isso diz muito sobre o quanto eu amo esse cara”.

O jovem norte-americano tenta seguir os passos de seu pai, o ex-número 2 do mundo Petr Korda, finalista de Roland Garros em 1992 e campeão do Australian Open de 1998. No entanto, a mãe Regina Kordova também foi fundamental para sua formação como tenista. Ela jogou profissionalmente no circuito da WTA e chegou a ser número 26 do mundo em 1991 e se tornou treinadora depois que parou de jogar. O casal de ex-tenistas profissionais tem duas filhas mais velhas, Jessica (27 anos) e Nelly (22), que optaram pelo golfe e viajavam com Petr no circuito da modalidade.

“Quando eu decidi trocar o hóquei pelo tênis, meu pai viajava com a irmã. Ela estava no último ano de juvenil e primeiro como profissional. Então, eu jogava tênis com a minha mãe. Ela é provavelmente uma das maiores influências que tenho. A forma como executo os meus golpes foi toda moldada por ela. Passamos muito tempo em quadra juntos quando eu era uma criança. Provavelmente mais do que com meu pai”.

Gaston derruba Wawrinka e acumula façanhas
Um novato que já se destacou neste Roland Garros é Hugo Gaston, francês de 20 anos e ex-número 2 do ranking mundial juvenil. Convidado para a chave principal em Paris, Gaston é apenas o número 239 da ATP e conseguiu a maior vitória da carreira ao superar o suíço Stan Wawrinka, campeão de Roland Garros em 2015 e cabeça 16 do torneio, com parciais de 2/6, 6/3, 6/3, 4/6 e 6/0.

Gaston nunca havia vencido um jogo de ATP antes dessa edição de Roland Garros. E a vitória sobre Wawrinka foi a primeira em partidas de cinco sets. Último francês restante na chave, é o atleta com ranking mais baixo nas oitavas de final desde o também francês Arnaud Di Pasquale, que era o número 283 do mundo no torneio de 2002. Agora ele terá outra difícil missão, contra o número 3 do mundo Dominic Thiem.

“Tentei manter o foco no meu jogo. Acho isso muito importante para mim. Eu sou muito calmo fora da quadra e tento dar o meu melhor. Claro, no momento é incrível para mim, é um sonho. Mas tento manter o foco”, disse Gaston, após a grande vitória desta sexta-feira. “Estou muito feliz por jogar contra o Dominic. Ele é um jogador fantástico, um grande lutador. Será um jogo duro com certeza, mas vou tentar aproveitar a oportunidade”.

Destaques da nova geração superam o quali em Paris
Por Mario Sérgio Cruz
setembro 25, 2020 às 8:18 pm
O jovem norte-americano de 20 anos Sebastian Korda disputará seu segundo Grand Slam (Peter Staples/ATP Tour)

O jovem norte-americano de 20 anos Sebastian Korda disputará seu segundo Grand Slam (Peter Staples/ATP Tour)

Com o término do qualificatório de Roland Garros, quatro bons nomes da nova geração masculina e uma grande revelação do tênis feminino conseguiram suas vagas na chave principal do Grand Slam francês, que já começa no próximo domingo.

Um dos que conseguiram superar as três rodadas da fase prévia foi o norte-americano de 20 anos Sebastian Korda, 212º colocado. Ele já foi líder do ranking juvenil e campeão do Australian Open da categoria em 2018, além de ser filho do ex-número 2 do mundo Petr Korda.

A vaga de Korda em Paris foi confirmada após a vitória por 7/5 e 6/2 sobre o russo Aslan Karatsev. Antes disso, ele havia vencido o norte-americano Mitchell Krueger e o canadense Brayden Schnur. Sua estreia na chave principal será contra o italiano Andreas Seppi. Será o segundo Grand Slam para o norte-americano, que jogou o US Open como convidado.

Outro jovem norte-americano a avançar foi Michael Mmoh. O jogador de 22 anos e 177º do ranking venceu na rodada final do quali o argentino Renzo Olivo por 7/6 (8-6) e 6/4. Também havia superado o australiano Alex Bolt e o tcheco Lukas Rosol. Agora, enfrentará o francês Pierre-Hugues Herbert. Mmoh já jogou sete Grand Slam, mas nunca havia disputado a chave principal de Roland Garros.

Já o tcheco de 19 anos Tomas Machac, 252º do ranking, conseguiu uma inédita classificação para um Grand Slam. Ele venceu o português Frederico Ferreira Silva por 7/6 (8-6) e 6/4 na rodada final do quali, depois de ter passado por Julian Lenz e Go Soeda. Seu primeiro adversário na chave principal será Taylor Fritz.

Quem também disputará seu primeiro Grand Slam é o austríaco Jurij Rodionov, canhoto de 21 anos e 169º do ranking. A vaga foi confirmada depois da vitória sobre o compatriota Sebastian Ofner por 6/4, 3/6 e 6/3. Na chave principal, ele desafia o francês Jeremy Chardy.

Tauson disputa o primeiro Slam aos 17 anos


Ver essa foto no Instagram

See you in main draw @rolandgarros couldn’t be happier about today!! Getting ready to play my best on Monday or Tuesday🗼💛 #rolandgarros #yonex

Uma publicação compartilhada por CLARA (@claratauson) em


No feminino, o destaque fica para a dinamarquesa de 17 anos, ex-líder do ranking mundial juvenil e já 187ª colocada na WTA. Tauson vinha de vitórias sobre a romena Gabriela Talaba e sobre a italiana Elisabetta Cocciaretto. Nesta sexta-feira, superou a sérvia Ivana Jorovic por 7/6 (7-5) e 6/4.

Tauson foi campeã juvenil do Australian Open no ano passado e deu um salto no ranking profissional ainda na última temporada, do 863º para o 267º lugar, conquistando quatro títulos de ITF. Este ano, foram mais duas conquistas, além de uma vitória no WTA de Praga. Sua estreia em Roland Garros será contra a norte-americana Jennnifer Brady, semifinalista do US Open.

Jovens francesas ganham chance em Paris
A chave principal feminina de Roland Garros tem outras cinco estreantes em Grand Slam, entre elas a convidada francesa de 16 anos Elsa Jaacquemont, atual número 6 do ranking juvenil e apenas 522ª colocada na WTA. Sua adversária na estreia é a mexicana de 22 anos Renata Zarazua, 178ª do ranking e que furou o quali para também disputar seu primeiro Slam.

A lista de convidadas também contempla as francesas Diane Parry e Clara Burel, ambas ex-líderes do ranking mundial juvenil. Parry, de 18 anos e 277ª do ranking, disputa Roland Garros pelo segundo ano seguido. Na temporada passada, ela aproveitou a chance e venceu um jogo na chave principal. Agora, encara a eslovena Polona Hercog, vencedora de três torneios da WTA no saibro. Já Burel, de 19 anos e 415ª do ranking, só havia atuado no Australian Open e fará sua estreia em Roland Garros contra a holandesa Arantxa Rus.

Wild será um dos dez estreantes em Grand Slam
Por Mario Sérgio Cruz
agosto 28, 2020 às 7:13 am
Thiago Wild, de 20 anos, disputará o primeiro Grand Slam da carreira profissional (Foto: João Pires/Fotojump)

Thiago Wild, de 20 anos, disputará o primeiro Grand Slam da carreira profissional (Foto: João Pires/Fotojump)

Em meio às várias adaptações no regulamento, a edição de 2020 do US Open tem início na próxima segunda-feira em Nova York. Para reduzir o número de jogadores circulando no complexo e minimizar o risco de transmissão do coronavírus, a competição deste ano cortou algumas disputas, como as de duplas mistas, o torneio juvenil e também o qualificatório. Nesse cenário, alguns tenistas que originalmente estariam no quali disputarão a chave principal de um Grand Slam pela primeira vez. Um deles é o brasileiro Thiago Wild.

Wild, que completou 20 anos em março, foi um dos jogadores beneficiados pela mudança momentânea do regulamento. Afinal, o atual número 2 do Brasil é o 113º colocado no ranking e não precisou do quali. No início da temporada, o jovem paranaense tentou uma vaga no Australian Open e caiu ainda na fase prévia.

A estreia de Thiago Wild em Grand Slam será contra o britânico Daniel Evans, número 28 do mundo. Se vencer, o campeão do ATP 250 de Santiago pode enfrentar o canhoto tcheco Jiri Vesely ou o francês Corentin Moutet. Há ainda a chance de um duelo nacional contra Thiago Monteiro, número 82 do mundo, na terceira rodada. Mas para isso, o número 1 do Brasil teria que superar uma chave difícil, com Felix Auger-Aliassime na estreia e Andy Murray ou Yoshihito Nishioka na segunda rodada.


Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Thiago Seyboth Wild (@thiagoswild) em

Estreantes jovens ou experientes
Segundo a ATP, 20 integrantes na chave principal masculina atuam no US Open pela primeira vez. Entre eles, dez jogadores disputarão o primeiro Grand Slam da carreira. Entre esses estreantes, aparecem algumas jovens promessas do tênis norte-americano, como Brandon Nakashima (de 19 anos e 220º do mundo), Sebastian Korda (de 20 anos e 225º colocado) e Ulises Blanch (de 22 anos e 241º do ranking).

A relação de jogadores estreantes em Grand Slam também contempla alguns nomes mais experientes. É o caso do italiano de 25 anos Gianluca Mager, número 75 do mundo e finalista do Rio Open, do argentino de 28 anos Federico Coria (103º) e do húngaro de 31 anos Attila Balazs (76º).

Três destaques do circuito challenger também farão parte do Grand Slam nova-iorquino. O finlandês de 21 anos e número 100 do mundo Emil Ruusuvuori já venceu quatro torneios deste porte no ano passado. Outro com quatro títulos é J.J. Wolf, de 21 anos e 143º do ranking. Já Maxime Cressy de 23 anos tem dois títulos e ocupa o 163º lugar.

Onze jogadores com até 21 anos, trintões são 43 ao todo
O italiano de 19 anos Jannik Sinner, 73º do ranking e nascido em agosto de 2001 será o jogador mais jovem da chave. Além dele, outros dez tenistas com até 21 anos estão na chave: Brandon Nakashima (19), Felix Auger-Aliassime (20), Sebastian Korda (20), Thiago Wild (20), Miomir Kecmanovic (20), Alejandro Davidovich Fokina (21), Corentin Moutet (21), Denis Shapovalov (21), Emil Ruusuvuori (21) e Alex de Minaur (21).

Por outro lado, 43 jogadores com mais de 30 anos disputam o US Open. A lista é encabeçada pelo veteraníssimo croata Ivo Karlovic, de 41 anos, seguido por Feliciano Lopez e Paolo Lorenzi, com 38 anos, e Philipp Kohlschreiber de 36 anos.

Filho do pentacampeão Borg jogará o torneio juvenil de Wimbledon
Por Mario Sérgio Cruz
julho 3, 2019 às 5:25 pm
Leo Borg dispuará o quali para o torneio juvenil de Wimbledon (Foto: Rowland Charles Goodman)

Leo Borg dispuará o quali para o torneio juvenil de Wimbledon (Foto: Rowland Charles Goodman)

Um dos sobrenomes mais vitoriosos da história de Wimbledon voltará a aparecer em umas das chaves do Grand Slam britânico. Leo Borg, filho do pentacampeão Bjorn Borg, recebeu convite para a disputa do qualificatório para a chave juvenil da competição na grama londrina. Sua estreia será na quinta-feira contra o francês Loris Pourroy.

Leo completou 16 anos em maio e ainda tem mais dois anos de circuito juvenil pela frente. Até por isso, ocupa atualmente apenas o 356º lugar no ranking mundial da ITF para a categoria. Na temporada, ele tem onze vitórias e nove derrotas, com destaque para uma final no saibro sueco de Varnamo.

O jovem jogador tenta evitar qualquer tipo de pressão ou comparações com o pai, que conquistou o primeiro de seus onze títulos de Grand Slam com apenas 18 anos no saibro de Roland Garros em 1974. Bjorn triunfou seis vezes em Paris e cinco em Londres, com direito a três ‘dobradinhas’ entre os dois torneios.

“Eu apenas tento bloquear isso e focar no meu próprio jogo”, disse Leo Borg, em entrevista ao site da ITF. “Tenho que me concentrar apenas em mim. É claro que é muito divertido ter esta oportunidade e sou grato por isso. Vai ser muito bom jogar o quali aqui em Roehampton. Eu estou esperando pelo melhor”.

“É claro que eu quero vencer, mas temos muitos jogadores fortes na chave. Então será muito difícil, mas espero ganhar minhas partidas, me divertir e jogar bem”, complementou o jovem sueco e filho do ex-número 1 do mundo.

Em Wimbledon, Leo disputará uma competição em quadras de grama pela primeira vez no circuito da Federação Internacional. “Este é o primeiro ano que eu jogo na grama. Achei difícil no começo, mas agora eu pareço estar um pouco melhor. Mas tenho que dizer que o saibro é meu melhor piso”.

Leo já interpretou o pai no cinema
Uma curiosidade entre Bjorn e Leo Borg é que o filho já fez o papel do pai no cinema. No filme Borg vs. McEnroe (2017), que narra os caminhos dos dois rivais até a histórica final de Wimbledon em 1980, as cenas que representam o jovem Bjorn Borg treinando na Suécia foram representadas pelo próprio filho do ex-número 1 do mundo.

Brasil tem dois no quali juvenil
O tênis brasileiro tem dois representantes no qualificatório para o torneio juvenil de Wimbledon. O baiano Natan Rodrigues estreia contra o sul-africano Joubert Klopper. Se vencer, encara o norte-americano William Grant ou o britânico Lui Maxted. Já a canhota paulista Ana Luiza Cruz estreia contra a britânica Holly Staff. Depois, pode encarar a italiana Lisa Pigato ou a norte-americana Alexandra Yepifanova. O paulista Matheus Pucinelli entrou diretamente na chave principal.

Filho de Korda já fez sucesso como juvenilO norte-americano Sebastian Korda volta à liderança do ranking mundial juvenil (Foto: Martin Sidorjak/ITF)

Um exemplo a ser seguido por Leo Borg é o do norte-americano Sebastian Korda, que está com 18 anos e ocupa o 383º lugar da ATP. Ele é filho do tcheco Petr Korda, ex-número 2 do mundo e campeão do Australian Open de 1998. No ano passado, Sebastian chegou à liderança do ranking mundial juvenil depois de vencer o Australian Open da categoria, além de ser semifinalista de Roland Garros. Já na atual temporada, ele venceu oito jogos de challenger e disputou três finais em nível future.

 

Começam a valer as mudanças no ranking juvenil
Por Mario Sérgio Cruz
abril 4, 2018 às 6:10 pm

Começa a valer a partir desta semana a reestruturação no sistema de pontos para o ranking mundial juvenil da ITF. Anunciada em novembro do ano passado, a iniciativa da Federação Internacional é valorizar os torneios mais fortes do calendário. Para evitar distorções, a ITF postergou a mudança no ranking para o quarto mês da temporada. Dessa forma, o modelo anterior do ranking ainda serviu como base para as inscrições nos torneios dos primeiros três meses do ano.

Os Grand Slam e Jogos Olímpicos da Juventude passam a dar 1.000 pontos para o campeão e 600 para o vice, enquanto o vencedor do ITF Junior Masters receberá 750 pontos com 450 para o outro finalista. Os torneios de nível GA passam a dar 500 pontos para o campeão e não mais 250 como acontecia anteriormente. Já as competições continentais de nível GB1, GB2 e GB3 terão pontuação equivalente aos torneios G1, G2 e G3.

ranking_juvenil_2018_800_int

Mudanças significativas – A primeira das mudanças expressivas na classificação é a mudança do número 1 no ranking masculino. Campeão do Australian Open, o norte-americano Sebastian Korda aproveitou o bônus na pontuação por seu título de Grand Slam e ultrapassou o argentino Sebastian Baez.

O norte-americano Sebastian Korda volta à liderança do ranking mundial juvenil (Foto: Martin Sidorjak/ITF)

O norte-americano Sebastian Korda volta à liderança do ranking mundial juvenil (Foto: Martin Sidorjak/ITF)

Outro que saltou na tabela foi o espanhol Nicola Khun, agora 24º colocado depois de ganhar 60 posições. Kuhn completou 18 anos em março e já privilegia o circuito profissional, mas esse ganho expressivo de posições para o atual vice-campeão juvenil de Roland Garros exemplifica o que uma boa campanha um torneio grande pode significar.

No feminino, a principal mudança de pontuação também acabou beneficiando uma jogadora que já é profissional. A norte-americana de 16 anos Amanda Anisimova, 128ª no ranking da WTA. Ela subiu 23 posições na lista juvenil e aparece no 12º lugar, mesmo contabilizando só o título do US Open e as quartas de Roland Garros.

Brasileiros: Entre os sete brasileiros no top 100, apenas o paranaense Thiago Wild ganhou posições. Ele foi beneficiado pelo título do Torneo Città Di Santa Croce, ITF G1 disputado no saibro italiano no ano passado, e pelas quartas de Roland Garros. Com isso, ele sobe 15 poisções e aparece no 31º lugar.

ranking juvenil abril brasil

O brasiliense Gilbert Klier Júnior, campeão Sul-Americano, perdeu só uma posição e está no 38º lugar. Logo atrás, está o pernambucano João Lucas Reis, utrapassado por sete concorrentes. Outro que perdeu sete posições é o paulista Mateus Alves, agora 43º do ranking. O paulista Matheus Pucinelli é o 52º do mundo e perdeu só um lugar. As maiores quedas aconteceram com o paulista Igor Gimenez, que perdeu 15 postos e está no 65º lugar, e do mineiro João Ferreira, ultrapassado por 24 jogadores e agora 73º colocado.

Ineditismo cobra o preço a Chung e Edmund
Por Mario Sérgio Cruz
janeiro 26, 2018 às 5:39 pm

Os dois nomes da nova geração que mais se destacaram durante o Australian Open terminaram suas campanhas de forma parecida. Semifinalistas da chave masculina, o sul-coreano Hyeon Chung e o britânico Kyle Edmund encantaram o público ao longo de duas semanas e venceram adversários de peso, mas ambos chegaram para os jogos mais importantes do início de suas carreiras na elite do circuito com muitas limitações físicas.

Edmund sentiu um incômodo no quadril e precisou de atendimento durante a partida contra Marin Cilic. O britânico de 22 anos e 49º do mundo acabou oferecendo resistência ao croata apenas durante dois dos três sets da partida disputada na última quinta-feira. Por sua vez, Chung lidou com bolhas nos pé esquerdo ao longo da segunda semana do torneio e o problema se agravou antes de enfrentar Roger Federer nesta sexta-feira. A melhor solução encontrada pelo sul-coreano de 21 anos e 58º colocado foi abandonar a partida ainda no segundo set.

Não é mera coincidência que dois jogadores que chegam tão longe em Grand Slam pela primeira vez acabem sendo traídos pelo próprio corpo. Esse é um caso em que a juventude pesa mais contra que a favor. Edmund passou 14h48 em quadra nos cinco primeiros jogos do torneio, o que inclui duas partidas definidas apenas no quinto set. Chung atuou por menos tempo, 11h55, muito por conta da desistência do alemão Mischa Zverev ainda na rodada de estreia.

edmund

chungNenhum dos dois está tão habituado à uma sequência tão desgastante de jogos, ainda mais com a intensidade que as partidas de Grand Slam têm. Edmund tem apenas quatro semifinais de ATP na carreira, com somente duas para Chung (sendo uma delas no Next Gen ATP Finals com regras diferentes do habitual). As únicas vezes em que haviam disputado seis jogos em um mesmo torneio aconteceram quando vieram do qualificatório ou jogando competições de nível challenger e future.

A capacidade de lidar melhor com essa situação para chegar às fases decisivas em condições de lutar pelo título só virá com o tempo e, principalmente, com a experiência em competições de alto nível. Não há uma idade certa para que isso aconteça, mas quanto mais cedo eles se habituarem com fases rodadas finais nos torneios regulares da ATP, mais prontos para dar um novo salto nos Grand Slam eles estarão. Por ora, é comemorar a boa campanha e trabalhar para a recuperação física.

Sensações parecidas

Chung eliminou Zverev e Djokovic no caminho para sua primeira semifinal de Grand Slam (Foto: Paul Zimmer/ITF)

Chung eliminou Zverev e Djokovic no caminho para sua primeira semifinal de Grand Slam (Foto: Paul Zimmer/ITF)

Tanto Chung quanto Edmund lamentaram os problemas físicos em jogos tão importantes, mas preferiram enaltecer as boas campanhas que fizeram. Chung foi o algoz do hexacampeão Novak Djokovic e do número 4 do mundo Alexander Zverev, enquanto Edmund passou pelo terceiro do ranking e semifinalista do ano passado Grigor Dimitrov e pelo sul-africano Kevin Anderson que foi vice no US Open. Os dois jovens jogadores terão os melhores rankings de suas carreiras na próxima segunda-feira e aparecerão entre os 30 melhores do mundo.

“Eu aproveitei as duas semanas dentro e fora de quadra. Estou realmente feliz. Cheguei pela primeira vez às oitavas, depois às quartas e à semifinal. Joguei contra Sascha, Novak e Roger”, disse Chung após a partida contra Federer, que abandonou quando perdia por 6/1 e 5/2. “Acho que ganhei confiança, enfrentei bons jogadores e estarei mais confortável em quadra contra esses grandes nomes na próxima vez”.

Como o sul-coreano não tem tanto o domínio da língua inglesa, Stuart Duguid, seu agente na IMG, explicou aos jornalistas sobre a condição física do jogador. “Posso responder por ele”, disse Diguid. “É algo pior do que bolhas regulares. Nos últimos dias, foi se formando bolha sobre bolha. Ele raspou e agora ficou em carne viva. Ele tomou injeções para ver se aliviaria a dor, mas não funcionou. É muito pior do que uma bolha regular”.

Edmund foi responsável por eliminar o terceiro do ranking Grigor Dimitrov (Foto: Paul Zimmer/ITF)

Edmund foi responsável por eliminar o terceiro do ranking Grigor Dimitrov (Foto: Paul Zimmer/ITF)

Edmund adotou discurso parecido com o de Chung sobre sua boa campanha. “Este tipo de torneio só lhe dá vontade de querer mais. Depois sentir o gosto, é como se eu pensasse: ‘Sim, eu quero mais disso'”, disse o britânico de 22 anos. “É claro que estou decepcionado pela derrota, mas foram duas boas semanas. Chegar em uma semifinal de um Grand Slam definitivamente é algo de que eu posso me orgulhar e levar isso para frente. Pude também jogar algumas partidas na Rod Laver e vencer partidas difíceis contra grandes jogadores”.

Até mesmo os desgastantes jogos de cinco sets foram comemorados pelo britânico. “Não há nada melhor do que ganhar um jogo de cinco sets. Os jogos em melhor-de-cinco devem permanecer sempre no circuito masculino. É um verdadeiro teste de qualidade e prova sua resistência física e mental”.

Os quatro juvenis brasileiros 

Ausentes nos últimos dois anos, os brasileiros voltaram à chave juvenil do Australian Open. Em 2018, quatro jogadores nacionais jogadores nacionais estiveram em quadra: o paranaense Thiago Wild, o pernambucano João Lucas Reis e os paulistas Igor Gimenez e Matheus Pucinelli.

Igor Gimenez foi o brasileiro de melhor campanha, ao chegar às oitavas (Foto: Martin Sidorjak/ITF)

Igor Gimenez foi o brasileiro de melhor campanha, ao chegar às oitavas (Foto: Martin Sidorjak/ITF)

A melhor campanha foi de Gimenez, que venceu o holandês Lodewijk Weststrate e o uzbeque Sergey Fomin antes de cair nas oitavas para o taiwanês Chun Hsin Tseng, que aliás está na final do torneio. Wild e Pucinelli conseguiram uma vitória cada um, enquanto Reis não teve sorte com a chave e perdeu na estreia para o cabeça 2 sérvio Marko Miladinovic, que só parou na semifinal.

Se por um lado, os resultados dos brasileiros foram discretos, é legal destacar que a representação nacional no torneio é a maior desde 2014 e que quatro brasileiros não disputavam uma chave principal de um Grand Slam juvenil desde 2016 em Roland Garros. Depois de dois anos sem representantes, resta torcer para que um torneio com quatro jogadores nacionais se torne uma regra, não exceção.

Thiago Wild terá experiência inédita na Copa Davis (Foto: Martin Sidorjak/ITF)

Thiago Wild treinou com Zverev e terá experiência inédita na Copa Davis (Foto: Martin Sidorjak/ITF)

Wild, que já é top 10 no ranking mundial juvenil, ainda teve duas boas oportunidades. Ainda em Melbourne, ele treinou com o número 4 do mundo Alexander Zverev e recebeu a notícia da convocação para a equipe brasileira da Copa Davis, que enfrenta a República Dominicana na semana que vem.

O filho de Korda e o discípulo de Murray

Por muito pouco, a final da chave juvenil não envolveu dois nomes com DNA de peso. O norte-americano Sebastian Korda é filho do tcheco Petr Korda, ex-número 2 do mundo e campeão do Australian Open em 1998, e se garantiu na final ao derrotar o sérvio Marko Miladinovic por 7/5, 5/7 e 6/4. Vinte anos depois do título de seu pai, ele terá a oportunidade de jogar na Rod Laver Arena neste sábado, quando disputará o título contra o taiwanês Chun Hsin Tseng.

“Com certeza, é um sentimento especial”, disse Korda em entrevista ao site da ITF. “Meu pai completou 50 anos há alguns dias e disse a ele que levaria alguma coisa para seu aniversário. Espero que o troféu seja um bom presente”.

Semifinalista na chave juvenil, Aidan McHugh tem a carreira agenciada por Murray

Eliminado na chave juvenil, Aidan McHugh tem a carreira agenciada por Murray (Foto: Martin Sidorjak/ITF)

Já o taiwanês Tseng foi o responsável por eliminar o britânico Aidan McHugh por 6/3, 5/7 e 6/4. Apesar da queda na semi, é legal ficar de olho na trajetória de McHugh. O escocês de 17 anos tem sua carreira acompanhada de perto e administrada por Andy Murray desde o fim do ano passado. Vale acompanhar as entrevistas de Murray e McHugh à BBC realizadas em novembro último sobre a parceria, que já começa a mostrar bons resultados.