Tag Archives: Mikael Ymer

Para Sinner, experiência com ídolos foi fundamental
Por Mario Sérgio Cruz
junho 4, 2021 às 5:52 pm

Sinner treinou com grandes nomes no início da carreira e diz que isso o ajudou a amadurecer (Foto: Nicolas Gouhier/FFT)

Com apenas 19 anos, Jannik Sinner já aparece bem posicionado no ranking e em condições de lutar por resultados expressivos no circuito. O jovem italiano está na terceira rodada de Roland Garros e tenta repetir a ótima campanha da última temporada, quando chegou às quartas. Já vencedor de dois títulos de ATP e finalista do Masters 1000 de Miami, o atual 19º do ranking teve seu início de carreira impulsionado pelas muitas oportunidades de torneios profissionais disputados na Itália, mas também pela experiência de treinar com ídolos do tênis, o que ele considera fundamental para ter evoluído tão rápido no circuito.

Sinner se acostumou a seguir os grandes nomes. Treinado pelo experiente técnico Riccardo Piatti, que já trabalhou com estrelas como Maria Sharapova e Novak Djokovic, o italiano teve a oportunidade de treinar e acompanhar alguns campeões. Ainda muito jovem, já havia treinado com Roger Federer e com a própria Sharapova. Já no início deste ano, durante o período da quarentena na Austrália, passou duas semanas treinando com Rafael Nadal em Adelaide antes do Australian Open.

Leia mais: Com muitos torneios, Itália acelera transição dos jovens e vira ‘fábrica de tenistas’

“Treinar com jogadores e atletas desse nível obviamente faz você crescer. Eu tive muita sorte por ter a oportunidade de treinar com Rafa por duas semanas e de ficar alguns torneios treinando com o Novak também”, disse Sinner a TenisBrasil, durante sua entrevista coletiva na última quinta-feira em Roland Garros. “Também tive o prazer de conhecer um pouco mais a Maria. Treinamos juntos às vezes e pude conhecer a personalidade dela também, o que é ótimo, especialmente para alguém de 18 anos na época. Isso faz você crescer um pouco mais rápido, eu diria. Fico muito feliz e honrado por ter chance de conhecê-los e às vezes de jogar com eles também, o que torna as coisas obviamente mais divertidas e agradáveis”.

Em recente entrevista ao site da ATP, Piatti também destacou a importância dessas experiências. “Não sou eu que iria explicar para ele as lições do circuito, mas sim pessoas como Nadal ou Maria. Ele precisava ver a mentalidade desses jogadores. Eles são simples e muito focados no que estão fazendo e Jannik gosta disso. Acho que aqueles 14 dias na Austrália foram perfeitos para Jannik, que conseguiu entender bem como funciona a cabeça do Rafa”.

Match-point salvo na estreia e ganho de confiança

https://twitter.com/rolandgarros/status/1399346442867777538

Sinner salvou match-point na estreia em Paris diante do francês Pierre-Hugues Herbert. Já na segunda rodada, venceu um duelo italiano contra Gianluca Mager por 6/1, 7/5, 3/6 e 6/3. Perguntado na coletiva após o jogo se o fato de ter escapado da derrota na estreia trouxe algum ganho de confiança, o jovem jogador prefere focar na melhora de seu nível de tênis.

“Quando você enfrenta um match-point, já sabe que se perder aquele ponto, volta para casa. Então é uma situação um pouco diferente. Talvez ‘impulso mental’ seja uma palavra um pouco grande, mas acho que meu nível do tênis cresceu desde a primeira rodada para a segunda. Eu continuo no torneio e estou tentando manter meu nível alto e tentando melhorar dia após dia, e então veremos o que vai acontecer contra o Ymer na terceira rodada”.

Duelo com Ymer na próxima rodada em Paris
O próximo jogo de Sinner será contra o sueco de 22 anos Mikael Ymer, 105º colocado. Eles já se enfrentaram duas vezes, com uma vitória para cada lado, e protagonizam o primeiro confronto no saibro. “Obviamente vai ser em um piso diferente. Já jogamos duas vezes na quadra dura e coberta. Na primeira rodada, ele também ganhou um jogo de cinco sets. Depois, ele ganhou do Monfils. É sempre difícil ganhar do Monfils aqui. Com certeza ele é muito consistente, é um jogador muito sólido, e que se move muito bem. Então, tenho certeza de que não vai ser um jogo fácil”, comenta o italiano, que perdeu o duelo mais recente, ano passado em Montpellier. “Na ultima vez que nos enfrentamos, eu perdi para ele. Estou muito ansioso para ver o que eu melhorei, o que ele melhorou e como vai ficar o nível do jogo”.

Três jovens na terceira rodada em Paris
Além de Sinner, outros dois jogadores com menos de 20 anos estão na terceira rodada de Roland Garros. Ele se junta ao também italiano de 19 anos Lorenzo Musetti e ao espanhol de 18 anos Carlos Alcaraz entre os representantes da nova geração na próxima fase em Paris. Musetti terá um duelo italiano contra Marco Cecchinato, enquanto Alcaraz enfrenta o alemão Jan-Lennard Struff. A última vez que o torneio teve três jogadores tão jovens nessa fase foi em 2001, com Roger Federer, Andy Roddick e Tommy Robredo.

Challengers têm 25 campeões com até 21 anos
Por Mario Sérgio Cruz
novembro 26, 2019 às 7:01 pm

A temporada de challengers do circuito da ATP chegou ao fim na última semana, após o torneio disputado no saibro de Maia, em Portugal. Nesses eventos, que formam o último estágio até a entrada nas chave principais de ATP, alguns jogadores da nova geração conseguiram se destacar. Em 25 torneios, os campeões tinham até 21 anos, e 42 torneios foram vencidos por tenistas com até 23 anos.

O número de campões com no máximo 21 anos é um pouco menor do que o registrado em 2018, quando 29 challengers foram vencidos por jogadores nessa faixa etária. Já em 2017 foram 24 campeões com até 21 anos. Se o recorte for entre atletas com até 19 anos, são apenas seis campeões, contra oito ano passado e 15 de 2017.

 

2019-11-26 (1)

 

O campeão mais jovem do circuito foi o italiano Jannik Sinner. Ele estava com 17 anos e seis meses quando venceu em Bérgamo. Sinner ainda conquistou os challengers de Ortisei e Lexington. Ele também se tornou o mais jovem a ganhar três challengers no mesmo ano desde Richard Gasquet em 2003. Depois do italiano aparecem o espanhol Nicola Kuhn em Segóvia, o brasileiro Thiago Wild em Guayaquil, e o francês Corentin Moutet em Chennai.

Wild foi campeão mais jovem em sete temporadas
O título de Thiago Wild em Guayaquil colocou o paranaense entre os mais jovens brasileiros a conquistar um título de challenger. Apenas três jogadores do país conquistaram torneios deste porte com menos idade que ele. Wild estava com 19 anos e 7 meses na semana em que foi campeão no saibro equatoriano. Com isso, também se tornou também o brasileiro mais jovem a vencer um torneio desse nível no exterior.

O brasileiro mais jovem a ganhar um torneio challenger foi Jaime Oncins, aos 19 anos e um mês em julho de 1989, quando venceu um torneio na cidade paulista de Lins. Também em 1989, Roberto Jabali ganhou um challenger aos 19 anos e um mês na cidade de São Paulo. O terceiro jogador brasileiro com menos de 20 anos a ganhar um título de challenger foi Guilherme Clezar. O gaúcho nascido em dezembro de 1992 tinha 19 anos e quatro meses ganhou ganhou o challenger do Rio Quente, em Goiás, na temporada 2012.

Jovens jogadores com quatro títulos
Os recordistas de títulos de challenger na temporada foram o lituano Ricardas Berankis, o australiano James Duckworth, o finlandês Emil Ruusuvuori e o sueco Mikael Ymer. Todos eles conquistaram quatro torneios deste porte. Ymer, de 21 anos e 74º do ranking, e Ruusuvuori, 20 anos e 124º colocado, são os jovens. Berankis já está com 29 anos, enquanto Duckworth tem 27.

A idade com maior número de campeões da challenger é de 27 anos. Foram 24 torneios vencidos por jogadores com esse tempo de vida. Na sequência, aparecem os 17 títulos para tenistas de 21 anos e as 13 conquistas de jogadores de 24 anos.

As finais mais jovens na temporada foram em Segovia e Champaign, sempre entre um jogador de 19 anos e outro de 20. Na Espanha, Nicola Khun venceu Pavel Kotov. Já nos Estados Unidos, J.J. Wolf levou a melhor contra Sebastian Korda.

2019-11-26 (2)

Italianos, espanhóis e americanos se destacam
O país com maior número de títulos de challenger em 2019 foi a Itália, coom 15 campeões. Os italianos também conseguiram outros 17 vice-campeonatos. Logo depois aparecem a Espanha e os Estados Unidos, cada um com 15 troféus.

O Brasil teve seis campeões, com três títulos de Thiago Monteiro, um de João Menezes, um de Thiago Wild e outro de Rogério Dutra Silva. Os recordes são da Argentina, com 20 títulos em 2006 e 2007, e da França, cujos jogadores conseguiram 20 conquistas ao longo da temporada de 2005.

Veteranos venceram menos em 2019
Já os atletas com mais de 30 anos conquistaram 22 títulos, número menor que os 27 da temporada passada. O campeão mais velho da temporada foi Tommy Robredo, que estava com 37 anos e um mês quando foi campeão em Parma, na Itália e em Poznan, na Polônia.

Robredo também foi protagonista da final com maior diferença de idade na temporada. Enquanto o espanhol estava com 37 anos quando venceu um torneio em Poznan, seu rival alemão Rudolf Molleker tinha apenas 18 anos. A lista de vencedores mais velhos do ano ainda conta com um brasileiro, Rogério Dutra Silva, vencedor em Playford, na Austrália, aos 34 anos. Ele só fica atrás Tommy Robredo e Andreas Seppi.