Tag Archives: Iga Swiatek

Rock n’ Roll embala a ótima fase de Swiatek na WTA
Por Mario Sérgio Cruz
agosto 8, 2019 às 7:30 pm

Com apenas 18 anos, a polonesa Iga Swiatek é mais um bom nome da nova geração do tênis feminino apresentada ao grande público ao longo desta temporada. Campeã juvenil de Wimbledon no ano passado, Swiatek teve uma rápida e bem sucedida transição ao circuito profissional. Ela começou a temporada na 186ª colocação do ranking da WTA, mas já aparece na 65ª posição.

Na última quarta-feira, Swiatek conseguiu a vitória mais expressiva de sua carreira. Ela surpreendeu a ex-número 1 do mundo Caroline Wozniacki, atual 18ª colocada, com parciais de 1/6, 6/3 e 6/4 pela segunda rodada do WTA Premier de Toronto. Vinda do quali no torneio canadense, a polonesa já venceu quatro jogos seguidos e desafiará a vice-líder do ranking mundial Naomi Osaka nesta quinta-feira.

Iga Swiatek é um dos destaques da nova geração feminina em 2019

Iga Swiatek é um dos destaques da nova geração feminina em 2019

Fora das quadras, Swiatek chama atenção pelo gosto musical. É fã de clássicos do rock como as bandas Pink Floyd e AC/DC, além de também admirar o guitarrista mexicano Carlos Santana. “Sou obcecada por música. Eu tenho um tipo de música para cada estado de espírito, mas eu amo o rock e eu amo o Pink Floyd”, disse Swiatek ao site da WTA durante sua boa campanha até as oitavas em Roland Garros.

“Minhas músicas favoritas são ‘Learning to Fly’ e ‘Comfortably Numb’ e recentemente eu tenho escutado ‘Shine On You Crazy Diamond’“, afirmou a jovem polonesa de 18 anos. “Se eu tiver mais vontade de ouvir pop, eu gosto do ABBA. Mas também gosto do Coldplay, Florence and the Machine e do Santana. E se eu quiser algo mais agressivo, o AC/DC me deixa de bom humor. Eu tenho ouvido ‘Thunderstruck’ antes dos jogos”.

Depois de vencer Wozniacki no Canadá, Swiatek voltou a falar sobre música e contou sobre as visitas às lojas de discos de vinil que fez em Toronto. “[Comprei discos de] Sade, Santana, e Florence and the Machine, porque ainda não tenho todos os álbuns dela. Minha treinadora comprou um do Bon Jovi para mim e escreveu “Voe alto, kiddo”.

Dentro de quadra, Swiatek está em franca evolução ao longo da temporada. Ainda em janeiro, furou o quali do Australian Open e disputou seu primeiro Grand Slam na chave principal. Já nas quadras de saibro, disputou uma final de WTA em Lugano, na Suíça. Semanas depois, chegou às oitavas em Roland Garros. Ela venceu quatro jogos antes de cair diante da romena Simona Halep, mas tirou boas lições do duelo contra a ex-número 1.

“Obviamente é muito diferente enfrentar uma jogadora como Simona do que assisti-la na TV”, comentou em entrevista coletiva após a dura por 6/1 e 6/0 para Halep em Paris. “A maior coisa que mais me surpreendeu foi sua capacidade de jogar numa direção que eu não estava preparada. Quando eu sentia que ela ia jogar na cruzada, ela jogava na paralela, e eu não estava pronta para isso. Acho que mentalmente talvez eu não estivesse pronta. Mas isso é uma coisa normal. Sou muito jovem e terei muitas oportunidades para aprender. Se eu quiser jogar em um nível como o dela, eu tenho que me acostumar com isso”.

A experiência do jogo contra Halep ajudou no confronto contra Wozniacki. “Foi muito difícil. Eu estava muito nervosa durante todo o jogo, mas tentei controlar as emoções e colocar a bola na quadra, não arriscar muito. Esse foi o grande erro que cometi em Roland Garros contra a Simona Halep”, avaliou. “Eu pensei muito sobre as táticas com a minha treinadora, porque sou uma jogadora com potência nos golpes, mas achei que não seria a melhor coisa a fazer contra a Caroline, porque geralmente você acaba jogando ainda mais rápido. Eu tentei jogar mais bolas com top spin e esperar pelos erros dela. Joguei fora da minha zona de conforto”.

O que esperar da nova geração no Australian Open?
Por Mario Sérgio Cruz
janeiro 11, 2019 às 9:31 pm

Primeiro Grand Slam de 2019, o Australian Open começa na próxima segunda-feira (ou noite de domingo, pelo horário brasileiro). Os vários nomes da nova geração do circuito que estão nas chaves principais masculina ou feminina em Melbourne chegam com diferentes ambições. Há os que chegam com expectativa de título ou de uma campanha expressiva, mas há também aqueles que estão na rota dos favoritos e os que terão suas primeiras experiências em torneios deste tamanho.

A consolidação de Osaka

Depois de conquistar seu primeiro título de Grand Slam no US Open, Naomi Osaka mudou de patamar. Passou a ser mais conhecida do grande público, concedeu um número maior de entrevistas e foi alçada à condição de próxima estrela do esporte. Ela inclusive está na capa da edição de 21 de janeiro da revista TIME.

Em trechos já divulgados da entrevista, Osaka falou de sua idolatria por Serena Williams, a quem superou na final em Nova York, e das comparações que são feitas. Mas a jovem japonesa de 21 anos espera trilhar seu próprio caminho. “Não acho que um dia haverá outra Serena Williams. Acho que serei apenas eu mesma”.

Apesar das várias mudanças em sua vida, a jovem japonesa tem conseguido bons resultados depois do título mais importante da carreira. Foi finalista em Tóquio e semifinalista em Pequim ainda no fim de 2018, além de começar a temporada de 2019 com uma semifinal em Brisbane.

Quarta colocada no ranking, Osaka é uma das onze jogadoras que podem terminar o Grand Slam australiano como número 1 do mundo. Mesmo que a liderança ainda não venha, ela já está muito próxima de ter a melhor marca já alcançada pelo tênis japonês, considerando homens e mulheres. Basta a Osaka ganhar mais uma posição para alcançar um inédito top 3 na história de seu país.

Osaka estreia em Melbourne contra a polonesa Magda Linette, 86ª do ranking, para quem perdeu no único duelo anterior, realizado em Washington no ano passado. A cabeça de chave mais próxima é a experiente taiwanesa Su-Wei Hsieh, 28ª favorita. Qiang Wang e Anastasija Sevastova são possíveis cruzamentos nas oitavas, enquanto Madison Keys ou Elina Svitolina podem pintar nas quartas.

Os próximos passos de Zverev

Alexander Zverev terminou a temporada passada conquistando o título mais importante de sua carreira no ATP Finals, em Londres, onde derrotou Roger Federer e Novak Djokovic nas fases decisivas da competição. Número 4 do mundo e vencedor de dez títulos de ATP, incluindo três Masters 1000, o alemão de 21 anos ainda é cobrado pela falta de bons resultados em Grand Slam.

Em 14 disputas de Grand Slam na chave principal, Zverev tem como melhor resultado a chegada às quartas de final de Roland Garros no ano passado. Antes disso, a campanha de maior destaque havia sido uma até as oitavas na grama de Wimbledon em 2017. Apesar de ainda jovem, ele já fará sua quarta participação no Australian Open e parou na terceira rodada nos dois últimos anos.

20190110-alexander-zvererv-practice-008_g

No início de 2019, Zverev disputou quatro partidas de simples e mais quatro nas duplas mistas durante a semana passada pela Copa Hopman. Vice-campeão ao lado de Angelique Kerber na competição entre países, o alemão preferiu se poupar na segunda semana do ano. Uma lesão na coxa o impediu de fazer uma exibição contra Borna Coric em Adelaide na última segunda-feira, e uma leve torção no tornozelo durante os treinos em Melbourne também preocupou durante a semana.

A estreia de Zverev no primeiro Grand Slam do ano será contra o esloveno Aljaz Bedene, 67º colocado, a quem derrotou em dois embates anteriores. Caso confirme o favoritismo, o alemão enfrentará o vencedor do duelo francês entre o veterano de 31 anos Jeremy Chardy e o novato de 20 anos Ugo Humbert. O também francês Gilles Simon pode pintar na terceira rodada, enquanto o canadense Milos Raonic é um possível adversário nas oitavas. Borna Coric e Dominic Thiem são as maiores ameaças em possíveis quartas.

Um duelo de jovens promessas

A primeira rodada em Melbourne reserva um duelo entre duas jovens promessas do circuito, a canadense de 18 anos Bianca Andreescu e a norte-americana de 16 anos Whitney Osuigwe. E quem vencer, já pode cruzar o caminho da cabeça 13 Anastasija Sevastova logo na fase seguinte.

Andreescu é uma das jogadoras em melhor fase neste início de temporada. A canadense venceu sete jogos seguidos em Auckland, incluindo duelos contra as ex-líderes do ranking Caroline Wozniacki (atual campeã do Australian Open) e Venus Williams, que a fizeram sair do 178º lugar para a melhor marca da carreira na 107ª posição. Já em Melbourne, passou por um qualificatório de três rodadas para alcançar o segundo Grand Slam de sua carreira e deverá debutar no top 100 após o Australian Open.

Osuigwe vem de um excelente ano em que saltou do 1.120º lugar para a atual 202ª posição no ranking da WTA, com direito a um título no ITF de US$ 80 mil em Tyler, no Texas, vencendo Beatriz Haddad Maia na final. Mesmo sem ter disputado nenhuma competição oficial nas duas primeiras semanas da temporada e participando apenas de exibições, a jovem norte-americana já conseguiu o melhor ranking da carreira ao ocupar o 199º lugar. Convidada para atuar na Austrália, ela também disputará seu segundo Grand Slam.

Quem chega com moral

Alguns nomes da nova geração do circuito chegam com moral para o Australian Open após bons resultados no começo do ano. São os casos de Aryna Sabalenka, Ashleigh Barty e Alex de Minaur. Também vale o destaques para quem se destacou no fim do ano passado, como Borna Coric e Karen Khachanov.

DwJDeQRXgAMVfq_

Depois de saltar do 78º para o 11º lugar do ranking em 2018, a bielorrussa Aryna Sabalenka iniciou a temporada conquistando seu terceiro título de WTA em Shenzhen. Com estilo de jogo agressivo, a jovem de 20 anos tenta chegar às quartas de final de um Grand Slam pela primeira vez, depois de ter parado nas oitavas no US Open, e tem chances matemáticas até mesmo de encerrar o Australian Open como número 1 do mundo. Sabalenka estreia contra a russa Anna Kalinskaya e pode encarar Petra Kvitova nas oitavas.

Ashleigh Barty é uma tenista com golpes mais clássicos e que sabe variar alturas e velocidades, sabendo usar drop-shots e slices a seu favor. A australiana de 22 anos e número 15 do mundo foi bem na Copa Hopman e também é finalista do WTA de Sydney, onde já derrotou a número 1 do mundo Simona Halep e a top 10 Kiki Bertens. Barty inicia a campanha contra a tailandesa Luksika Kumkhum e está na rota de Jelena Ostapenko para a terceira rodada, e de Caroline Wozniacki ou Maria Sharapova nas oitavas.

Alex de Minaur saltou do 208º para o 31º lugar do ranking em 2018 e começou a nova temporada com quartas em Brisbane e conquistando seu primeiro título de ATP em Sydney, com vitórias na semi e na final neste sábado. Cada vez mais consolidado, o jovem australiano pode ser uma ameaça ao número 2 do mundo Rafael Nadal logo na terceira rodada em Melbourne.

https://twitter.com/TennisTV/status/1083277652121796608

Números 11 e 12 do mundo aos 22 anos, Khachanov e Coric chegam amparados pelos feitos na reta final de 2018. O russo venceu seu primeiro Masters 1000 em Paris, enquanto o croata foi vice-campeão em Xangai. Khachanov estreia contra o alemão Peter Gojowczyk e pode encarar o atual vice-campeão Marin Cilic nas oitavas, enquanto Coric está no caminho de Dominic Thiem.

Na rota de favoritos 

Jovens tenistas aparecem também como possíveis adversários de alguns dos principais cabeças de chave. Logo na primeira rodada, o chileno de 22 anos e 86º do mundo Christian Garin desafia o belga David Goffin, ex-top 10 e atual 22º do ranking. Na fase seguinte, o francês de 19 anos e 98º colocado Ugo Humbert é um possível rival de Alexander Zverev, enquanto o convidado australiano de 19 anos e 149º colocado Alexei Popyrin é um possível adversário de Dominic Thiem.

Entre as mulheres, destaque para Sofia Kenin. Jogadora de apenas 20 anos, Kenin já começou a temporada com um título de duplas em Auckland e conquistando o WTA de Hobart. Atual 56ª do ranking, a norte-americana já chegará a Melbourne com o melhor ranking da carreira, já entre as 40 melhores do mundo.

A estreia de Kenin será contra a russa de 21 anos, vinda do qualificatório e estreante em Grand Slam Veronika Kudermetova. Em caso de vitória, a norte-americana pode cruzar o caminho da número 1 do mundo Simona Halep já na segunda rodada. Lembrando que Halep está sem vencer desde agosto, encerrou a última temporada mais cedo por conta de lesão nas costas e já tem uma estreia difícil contra a experiente estoniana de 33 anos Kaia Kanepi, sua algoz no último US Open.

Estreantes

A polonesa de 17 anos Iga Swiatek disputará o primeiro Grand Slam da carreira. Campeã juvenil de Wimbledon no ano passado, Swiatek também venceu quatro torneios profissionais da ITF e saltou da 690ª para a 175ª posição do ranking. Ela começou a temporada de 2019 parando na última rodada do quali em Auckland e furando o quali do Australian Open. Sua primeira rival será a romena Ana Bogdan.

Iga Swiatek só está disputando os Grand Slam como juvenil este ano. Ela já venceu cinco torneios profissionais

Iga Swiatek é atual campeã juvenil de Wimbledon

Já o alemão de 18 anos Rudolf Molleker saltou do 597º para o atual 198º lugar do ranking mundial ao longo do ano passado e aparece atualmente na 207ª posição. Vindo do quali em Melbourne, o jovem germâncio inicia a caminhada contra o cabeça 18 Diego Schwartzman e pode cruzar o caminho de Kyle Edmund ou Tomas Berdych na terceira rodada.

Taiwanês conquista seu 2º Slam juvenil em Wimbledon
Por Mario Sérgio Cruz
julho 15, 2018 às 6:29 pm

Pela segunda vez nesta década, sendo a primeira no tênis masculino, um jogador conquistou os títulos juvenis em Roland Garros e Wimbledon. O autor da façanha é o taiwanês Chun Hsin Tseng. Líder do ranking mundial da categoria, Tseng confirmou o favoritismo ao vencer a final contra o britânico Jack Draper por 6/1, 6/7 (2-7) e 6/4.

Chun Hsin Tseng foi campeão de Roland Garros e Wimbledon, além de ser vice na Austrália

Chun Hsin Tseng foi campeão de Roland Garros e Wimbledon, além de ser vice na Austrália

O último juvenil a vencer os dois Grand Slam no saibro e na grama na mesma temporada havia entre os juvenis havia sido Gael Monfils em 2004. Antes disso, o caso anterior era o do venezuelano Nicolas Pereira em 1988. Destaque também para Ivan Lendl em 1978 e Stefan Edberg em 1983. No feminino, o caso mais recente é da suíça Belinda Bencic em 2013. Outros casos famosos são de Amelie Mauresmo em 1996 e Martina Hingis em 1994.

Tseng, que também foi finalista do Australian Open em janeiro, completa 17 anos em agosto. Embora tenha apenas dezesseis anos e possa disputar o circuito juvenil por mais uma temporada, o taiwanês já mira a transição para o circuito profissional e já tem dois títulos de nível future, aparecendo no 601º lugar do ranking da ATP.

https://twitter.com/jokelley_tennis/status/1018502002266034176

Conquista polonesa 

A final feminina foi disputada no último sábado e terminou com o título da polonesa Iga Swiatek, que derrotou a suíça Leonie Kung por 6/4 e 6/2. Esta é a quarta vez que uma jogadora da Polônia conquista o título do Grand Slam britânico como juvenil. A primeira foi Aleksandra Olsza em 1995, seguida pelas irmãs Agnieszka e Urszula Radwanska nos anos de 2005 e 2007.

Iga Swiatek só está disputando os Grand Slam como juvenil este ano. Ela já venceu cinco torneios profissionais

Iga Swiatek só está disputando os Grand Slam como juvenil este ano. Ela já venceu cinco torneios profissionais

Swiatek já vinha de um bom resultado em Roland Garros, onde foi semifinalista de simples e campeã de duplas, e entrou em Wimbledon como 76ª do ranking mundial da ITF. A jogadora de 17 anos já prioriza o circuito profissional e os únicos torneios juvenis que disputa nesta temporada são os Grand Slam. Ela já aparece no 347º lugar no ranking da WTA e conquistou cinco títulos profissionais de ITF, dois deles este ano.

Chinesas vencem nas duplas

Principais cabeças de chave nas duplas, as chinesas Xinyu Wang e Xiyu Wang conquistaram o título com vitória na final sobre as norte-americanas Caty Mcnally e Whitney Osuigwe por 6/2 e 6/1. No masculino, título para o turco Yanki Erel e para o finlandês Otto Virtanen, que derrotaram o colombiano Nicolas Mejia e o tcheco Ondrej Styler por 7/6 (7-5) e 6/4.

Melhor campanha em simples em dez anos

O brasiliense Gilbert Klier foi o destaque da participação brasileira no torneio juvenil de Wimbledon. Depois de ter vencido seus três primeiros jogos sem perder sets, ele se despediu nas quartas de final da competição em um equilibrado duelo sul-americano contra o colombiano Nicolas Mejia, cabeça 5 da competição.

Ao chegar às quartas, Gilbert Klier teve o melhor resultado de um  brasileiro em dez anos

Ao chegar às quartas, Gilbert Klier teve o melhor resultado de um brasileiro em dez anos

Desde 2008 que um brasileiro não chegava tão longe na chave juvenil de simples em Wimbledon. O último a conseguir tal campanha foi o canhoto Henrique Cunha. Flavio Saretta também fez quartas em 1998. O último brasileiro semifinalista foi Marcus Vinicius Barbosa, o Bocão, em 1987, enquanto as melhores campanhas nacionais foram os vice-campeonatos de Ivo Ribeiro em 1957 e Ronald Barnes em 1959. Lembrando que nas duplas, Orlando Luz e Marcelo Zormann foram campeões em 2014.

Nas duplas, o pernambucano João Lucas Reis e o paulista Matheus Pucinelli também caíram nas quartas de final. Reis e o paulista Mateus Alves caíram na primeira rodada de simples, Pucinelli e o paulista Gimenez chegaram à segunda rodada do quali, enquanto o mineiro João Ferreira caiu ainda na estreia da fase classificatória.

O jejum britânico

Todos se lembram da conquista de Andy Murray em 2013, que colocou fim a uma espera de 77 anos sem campeões britânicos desde o título de Fred Perry em 1936. Entre os juvenis há uma escrita parecida. O último anfitrião a vencer o torneio foi Stanley Matthews em 1962. Com a presença de Draper na final, havia a possibilidade de mais um jejum britânico cair por terra. E, pelo visto, a imprensa local parece acostumar seus jogadores com esse tipo de escrita desde a categoria de base…

draper_q