Tag Archives: Dominic Stricker

Suíço de 18 anos conquista seu primeiro challenger
Por Mario Sérgio Cruz
março 29, 2021 às 4:21 pm

Dominic Stricker foi campeão juvenil de Roland Garros no ano passado e disputava apenas o segundo challenger da carreira

Cerca de seis meses depois de ser campeão do torneio juvenil de Roland Garros, o suíço Dominic Stricker conseguiu um grande resultado como profissional. Ele conquistou seu primeiro título de challenger, nas quadras duras e cobertas de Lugano, em seu país natal. Convidado para o torneio, ele venceu cinco jogos seguidos, superando na final o ucraniano Vitaliy Sachko, 389º colocado, por 6/4 e 6/2

Aos 18 anos e sete meses, Stricker junta-se Roger Federer e Stan Wawrinka entre os suíços mais jovens a vencerem torneios deste porte. Federer foi campeão do challenger francês de Brest em 1999, aos 18 anos e dois meses. Já Wawrinka conquistou dois torneios com 18 anos e 4 meses na temporada de 2003, em San Benedetto, na Itália e Genebra, na Suíça.

Suíço vai saltar mais de 400 posições
A campanha marcou outras façanhas para Stricker. O atual 874º do ranking é o jogador com ranking mais fraco a vencer um challenger desde 2000. Ele deve saltar mais de 400 posições quando o ranking for atualizado na próxima segunda-feira. Além disso, salvou dois match points nas oitavas de final, diante do holandês Tim Van Rijthoven, e também eliminou o cabeça 1 japonês Yuichi Sugita na semi. Este foi apenas o segundo challenger que o suíço disputa na carreira profissional

“É incrível ganhar meu primeiro Challenger e ainda melhor por ser aqui na Suíça. Estou muito orgulhoso do que fiz esta semana e ansioso pelos meus próximos torneios”, disse Stricker ao site da ATP. Ele comparou o ambiente e o nível de competição dos challengers com o que estava acostumado a ver no circuito juvenil. “Cada jogador em cada rodada é incrível e foi difícil jogar no mais alto nível em todas as partidas. No juvenil, às vezes você tem partidas fáceis, mas não aqui no challenger. Você apenas tem que se esforçar ao máximo em cada partida”.

Pré-temporada com Federer ajudou 

Stricker treinou recentemente com Roger Federer e tirou boas lições do campeão de 20 títulos de Grand Slam. “Foi uma sensação incrível treinar com ele por três semanas na pré-temporada e eu aprendi muito. Foi uma sensação incrível”, afirmou o jovem suíço. “A maior lição foi continuar trabalhando no meu saque. Acho que saquei muito bem aqui, fiz muitos aces e tive um alto aproveitamento no primeiro saque. Vou continuar trabalhando nisso, porque realmente me ajuda muito”.

O jovem suíço também comentou sobre suas metas para o restante da temporada. “Claro que isso me dá confiança. Vou continuar trabalhando em mim e no meu jogo, e tentar ganhar o máximo de partidas possível. Vou tentar o meu melhor para chegar à qualificação do Grand Slam o mais rápido possível”.

Stricker é campeão juvenil sob as bênçãos de Federer e Wawrinka
Por Mario Sérgio Cruz
outubro 10, 2020 às 9:55 pm
O canhoto Dominic Stricker venceu uma final suíça neste sábado (Foto: FFT)

O canhoto Dominic Stricker venceu uma final suíça neste sábado (Foto: FFT)

Em duelo entre dois jogadores suíços, o canhoto Dominic Stricker conquistou o título no torneio juvenil de Roland Garros. O jogador de 18 anos e número 10 no ranking da categoria venceu o compatriota Leandro Riedi por 6/2 e 6/4 na final disputada neste sábado. O resultado acabou servindo de revanche para Stricker, que havia perdido os três duelos anteriores, sendo dois no circuito juvenil e um no profissional.

Esta é a primeira final de um Grand Slam juvenil entre dois suíços. Stricker repete o feito de Stan Wawrinka, que foi campeão em 2003. Ele se tornou o oitavo tenista da Suíça a vencer um Slam juvenil. A lista conta com nomes de respeito, como Martina Hingis (com três conquistas), Roger Federer e Belinda Bencic.

suicos

“Roger e Stan nos enviaram mensagens de texto”, disse Stricker, em entrevista ao site da ITF. Uma diferença entre eles e seus veteranos compatriotas é que nenhum dos dois jovens suíços executa o backhand com uma mão. “O Roger mandou uma mensagem para o técnico do Leandro e disse para dar os parabéns a nós dois, dizendo para a gente aproveitar essa conquista. Stan enviou mensagens para nós dois ontem, em um bate-papo para nos desejar boa sorte”.

“É incrível estar em uma lista de campeões de Grand Slam juvenil com jogadores assim”, acrescenta o canhoto de 18 anos. “Eu realmente não posso descrever como é isso. É incrível. Vamos comemorar juntos esta noite, toda a equipe suíça. Leandro e eu tivemos uma ótima semana e estou ansioso para que todos nós tenhamos um jantar juntos e aproveitar o momento”.

Jacquetmot comemora o título em casa


O título na chave feminina ficou com a francesa de 17 anos Elsa Jacquemot, sexta colocada no ranking mundial juvenil. Ela venceu a final contra a Alina Charaeva por 4/6, 6/4 e 6/2. Foi um jogo divertido de acompanhar. Mesmo sendo uma disputa típica do saibro, com ampla maioria pontos construída do fundo de quadra, a russa mostrou muita mão para executar algumas variações e a francesa teve boas intervenções junto à rede.

Jacquemot tenta é a oitava campeã da casa, e a primeira desde Kristina Mladenovic em 2009. “É simplesmente incrível. Acho que ainda não me dei conta do que conquistei”, disse a francesa, que nunca havia passado das quartas de final em um Grand Slam juvenil. “Ganhar aqui e ser a primeira francesa a fazê-lo desde 2009, isso me deixa muito feliz”.

Apesar de muito jovem, Jacquemot já está em transição para o circuito profissional. Ela ocupa o 525º lugar no ranking da WTA e recebeu convite para a chave principal de Roland Garros, sendo superada pela mexicana Renata Zarazua. “Essa vitória é um bônus para o futuro e espero que vencer aqui me ajude, mas há um longo caminho a percorrer na minha carreira”.

Natan e Oliveira ficam com o vice

Ej1ZmNpWAAAfTdI
O tênis brasileiro foi bem representado pelo baiano Natan Rodrigues e o mineiro Bruno Oliveira, finalistas da chave de duplas. Os dois jogadores de 18 anos encerraram o ciclo como juvenis com o vice-campeonato. O título ficou mais uma vez com Dominic Stricker, que jogou ao lado do italiano Flavio Cobolli e venceu por 6/2 e 6/4.

“Foi uma semana fantástica. Eles jogaram muito bem. Um deles [Stricker] foi campeão de simples e, como eu falei, tivemos nossas chances, mas saímos derrotados no jogo de hoje”, disse Natan Rodrigues, em entrevista ao canal por assinatura SporTV após a partida. “Como dupla, a gente sempre ganhou muito. Estávamos sempre nas cabeças, nas semis e nas finais. Nossa dupla é muito forte. Vamos seguir juntos, com certeza, e ganhar muitos títulos no profissional”, acrescentou o baiano, que é número 7 do ranking juvenil e recentemente marcou o primeiro ponto na ATP.

O canhoto Bruno Oliveira, 41º colocado no ranking da categoria, destacou a boa semana em Paris. “É só o começo. É a recompensa de quatro anos jogando juntos. Foi uma semana de sonho por estar segurando esse troféu agora. E não quero largar. Acho que tivemos algumas oportunidades, mas eles jogaram um bom nível de tênis e mereceram ganhar. Enfim, é só trabalhar para chegar bem no profissional”.