Tag Archives: Coco Gauff

Finalistas, Iga e Coco carregam importantes bandeiras
Por Mario Sérgio Cruz
junho 3, 2022 às 11:35 pm

Swiatek venceu os dois duelos anteriores contra Gauff, em Roma no ano passado e Miami neste ano (Foto: Jimmie48/WTA)

Protagonistas da final de Roland Garros, Iga Swiatek e Coco Gauff se enfrentam neste sábado, às 10h (de Brasília) pelo título do segundo Grand Slam da temporada. A polonesa com 21 anos recém-completados e a norte-americana de apenas 18 têm personalidades fortes e são conscientes sobre o que acontece fora das quadras, carregando bandeiras importantes a cada declaração.

Ao longo das campanhas em Paris e demais semanas no circuito, foi possível acompanhá-las falando sobre saúde mental e pressões externas. Elas tiveram posições firmes contra o racismo, a violência nos Estados Unidos e a guerra na Ucrânia. A preocupação constante com a Covid-19, o incentivo à leitura, aos estudos e às mulheres no topo também fizeram parte das entrevistas. Apesar de muito jovens, as duas finalistas são completamente integradas à sociedade, e não vivendo apenas numa ‘bolha’ do esporte que praticam, atuando como excelentes exemplos para as novas gerações.

Saúde mental
Líder do ranking e campeã do Grand Slam francês em 2020, Swiatek sempre colocou em evidência o tema da saúde mental no esporte. A polonesa que costuma viajar pelo circuito acompanhada da psicóloga esportiva Daria Abramowicz e sempre valoriza o trabalho dela na equipe. Ano passado, durante o WTA 1000 de Indian Wells, anunciou que doaria o prêmio do torneio para organizações que trabalhem com o tema.

Decidi doar meu prêmio em dinheiro em Indian Wells para alguma organização sem fins lucrativos, já que hoje é o Dia Mundial da Saúde Mental. Para mim, sempre foi importante usar esse tipo de ajuda”, disse em entrevista coletiva. “Não acho que já seja a hora de começar uma fundação ou algo assim, porque ainda preciso me concentrar no tênis, mas posso fazer algumas ações menores e talvez ir passo a passo para aprender como fazer esse tipo de coisa. Senti que seria um bom momento para fazer isso por causa do dia que temos hoje”.

Pressão pelo número 1 e comparações com Serena
Invicta há 34 jogos no circuito e vencedora dos cinco últimos torneios que disputou (Doha, Indian Wells, Miami, Stuttgart e Roma), Swiatek tem lidado muito bem com o favoritismo e a condição de número 1 do mundo. “Eu precisava de tempo para aprender como lidar com isso corretamente, e como usar a sequência de vitórias ou o ranking para pressionar as minhas oponentes. Sinto que estou aprendendo a usar isso de maneira positiva. No ano passado, quando eu subia no ranking, parecia que era algo me pressionava. Desta vez é totalmente diferente. Estou muito feliz que minha equipe e eu trabalhamos duro para mudar minha mentalidade em relação a isso”.

Já Coco Gauff foi comparada à Serena Williams desde a infância e diz que que por muito tempo “caía na armadilha” dessas frases de efeito. “Desde que entrei no circuito, ou mesmo quando eu tinha 8 anos, as pessoas diziam que eu era a próxima Serena e acho que realmente caí na armadilha de acreditar nisso. Eu estava num ponto em que, mesmo quando conseguia grandes resultados, não ficava tão feliz porque sentia que era uma obrigação. Acho que até o ano passado eu estava muito focada em tentar atender às expectativas das outras pessoas. Agora estou realmente curtindo o momento, nas vitórias e derrotas”, avaliou a norte-americana, que ainda não perdeu sets no torneio e também está na final de duplas, ao lado de Jessica Pegula.

Guerra na Ucrânia

Swiatek usa uma fita com as cores da bandeira ucraniana em todos os jogos desde o início da guerra.

Swiatek tem usado uma fita com as cores da bandeira da Ucrânia em todos os jogos desde o início da invasão do território ucraniano pela Rússia em fevereiro. País vizinho à zona de conflitos, a Polônia recebeu muitos refugiados e a número 1 do mundo expressa várias vezes o apoio ao povo ucraniano. Ela também falou sobre o fato de muitos jogadores terem parado de prestar solidariedade, apesar de a guerra continuar até hoje.

“Eu sei que muitos jogadores usavam as fitas no início da guerra, quando todo o barulho era um pouco mais alto. Percebi que alguns tiraram, o que para mim é muito estranho porque a guerra continua e ainda há pessoas sofrendo. Vou usar até que a situação melhore. Eu não entendo… Quero dizer, eu entendo, sim. É também como a mídia funciona, um assunto fica em evidência e depois sai um pouco. Espero que os jogadores ainda sejam solidários”, comentou logo após o título do WTA 1000 de Roma.

“Com a minha família está tudo bem. Com certeza a guerra está afetando um pouco a Polônia. É algo que não pude experimentar com eles, porque estou viajando durante o circuito. Eu estava nos Estados Unidos quando a guerra começou”, explica a atual líder do ranking, invicta há 34 jogos no circuito. “Mas sei que o povo polonês está apoiando. Eu também vou apoiar em breve e fazer alguma iniciativa. Esse também é meu objetivo. Eu sei que tenho falado sobre isso há muito tempo, mas posso torná-lo oficial agora. Com certeza, quero mostrar meu apoio ao povo ucraniano, como todo os poloneses estão fazendo em suas casas”.

Racismo e violência nos Estados Unidos

No mesmo dia em que garantiu vaga na final de Roland Garros, a sua primeira em um Grand Slam de simples, Coco Gauff aproveitou a oportunidade para protestar contra a violência armada, especialmente após recentes casos de tiroteios em escolas. “Acordei esta manhã e vi que havia outro tiroteio. Isso é uma loucura. Sei que o assunto está recebendo mais atenção agora, mas é isso tem sido um problema há muito tempo, e acho que precisa haver alguma reforma. Acho que agora que eu fiz 18 anos, estou tentando me educar em certas situações, porque tenho o direito de votar e quero usar isso com sabedoria”.

“Quando as pessoas falam que esporte e política não devem se misturar, lembro que não serei uma atleta para sempre. Haverá um momento em que vou parar de jogar. Então é claro que eu me importo com esses tópicos. Acho que os esportes dão a você uma plataforma para talvez fazer essa mensagem chegar a mais pessoas”, comenta a tenista, que tem total respaldo da família e da equipe para realizar essas ações. “Minha equipe ao meu redor sabe que se eu quiser dizer alguma coisa, eu vou dizer. E os meus pais sempre me incentivam desde que eu era mais jovem. Meu pai dizia que eu posso mudar o mundo com a minha raquete. Ele não quis dizer isso apenas no sentido de jogar tênis”.

Gauff sempre se sentiu confortável para se posicionar sobre temas relevantes. Foi assim em 2020, com os protestos contra o racismo e a violência policial nos Estados Unidos após a morte de George Floyd. “É triste que eu esteja protestando pela mesma causa que a minha avó teve que protestar há 50 anos”, disse na época. Passei toda a semana conversando com amigos que não são negros, tentando educá-los sobre como eles poderiam ajudar o movimento. Vocês precisam usar suas vozes. Não importa o tamanho e o alcance de suas plataformas. Como o Martin Luther King disse: ‘O silêncio das pessoas boas é pior que a brutalidade das pessoas ruins'”.

Incentivo à leitura, aos estudos e às mulheres
A educação também é um tema frequente nas conversas com as duas finalistas de Roland Garros. Gauff, por exemplo, comemorou também sua formatura escolar durante Roland Garros. “Muitos jogadores, em geral, acham que o tênis é a coisa mais importante do mundo. Mas não é. Então, conseguir meu diploma significou muito para mim”, disse Gauff, que foi parabenizada até mesmo pela ex-primeira dama Michelle Obama nas redes sociais. “Estou surpresa e não esperava nada disso. Quando vi que recebi uma mensagem da Michelle Obama, eu pensei: ‘Oh, o que eu fiz?’, mas não era sobre o tênis, era sobre minha educação. Acho que significou ainda mais para mim o fato de ela ter postado sobre isso”.

Já Swiatek é sempre vista carregando livros durante os torneios. Apesar da preferência por clássicos da literatura internacional, está atualmente com “Os Três Mosqueteiros”, de Alexandre Dumas, a polonesa também busca livros de não-ficção. Recentemente, concluiu: “21 lições para o Século XXI”: “Estou tentando ler algo que não seja ficção para me educar um pouco mais. O último livro foi difícil de digerir porque é basicamente sobre o propósito da vida. O autor provoca algumas ideias que eu nem pensei. Vou ler também o outro livro dele, então vou ver o que tiro desse também”.

A número 1 do mundo também defendeu mudanças na programação de Roland Garros para que mais jogos femininos sejam marcados para o horário nobre, contestando a posição de Amelie Mauresmo, diretora do torneio. “É um pouco decepcionante e surpreendente, porque ela também fez parte da WTA. Do meu ponto de vista, é mais conveniente jogar no horário normal, mas com certeza eu também quero entreter e mostrar meu melhor tênis em cada partida”, afirmou.

“A decisão é dos dirigentes e temos que aceitar isso. Mas, sim, quero que meu tênis seja entretenimento também. E sempre disse que nos meus momentos mais difíceis, tento me lembrar que eu também jogo para as pessoas que estão assistindo. Acho que o tênis feminino tem muitas vantagens. Alguns podem dizer que é muito imprevisível e que as meninas não são tão consistentes. Mas, por outro lado, isso também pode ser algo atraente para mais pessoas.

E a pandemia ainda não acabou
Swiatek também foi perguntada sobre a preocupação com a Covid-19 depois que a número 2 do mundo Barbora Krejcikova, campeã em simples e duplas no ano passado, que foi diagnosticada com a doença e teve que se retirar do torneio. A tcheca já havia perdido na disputa individual, mas não teve condição de defender o título de duplas em Paris.

“Todas as rotinas em termos de uso de máscaras mudaram nos torneios, então agora estamos mais relaxados, mas ainda assim, eu sei que o vírus pode estar ‘voando’ por aí. Mas, estou vacinada e estou me cuidando. Sinto que minha imunidade está boa. Eu me sinto muito sortuda por não ter nenhuma história assim desde o início da pandemia”.

Admiração mútua entre as finalistas
A pouca diferença de idade faz com que as duas finalistas se conheçam há bastante tempo. E a admiração é mútua. “Eu conheço a Iga desde que ela tinha o ranking mais baixo, e agora ela é a número 1. E a única que mudou nela é o nível de tênis”, disse Gauff. “Mas nos bastidores, ela é muito legal quanto acho que vocês podem ver isso nas coletivas de imprensa. Eu acho isso muito importante e raro de se ver, então eu definitivamente a parabenizo por esse aspecto. Estou muito feliz em enfrentá-la especificamente, eu sempre quis jogar contra ela em uma final. Desde o juvenil, sabia que isso poderia acontecer eventualmente. Só não pensei que fosse acontecer tão cedo”.

Swiatek celebra o bom momento de sua jovem rival, ainda mais por todas as pressões e expectativas que acompanharam Gauff desde o início de sua trajetória no tênis. “Com certeza, estou muito feliz que ela está indo bem, porque ela também teve uma enorme pressão em sua vida. Deve ter sido difícil. Tenho certeza de que ela precisou ser muito forte para chegar até aqui. Pelo que vejo na quadra, ela está se desenvolvendo a cada ano basicamente. E às vezes esqueço que ela tem 18 anos. Ela está sendo muito consistente e é muito bom vê-la progredindo”.

Gauff relembra a ‘armadilha’ das comparações com Serena
Por Mario Sérgio Cruz
junho 1, 2022 às 10:30 pm

A norte-americana de 18 anos chega pela primeira vez à semifinal de um Grand Slam (Foto: Nicolas Gouhier/FFT)

Com apenas 18 anos, Coco Gauff alcança sua primeira semifinal de Grand Slam em Roland Garros. Mas apesar de ser uma jogadora muito jovem, a norte-americana convive com pressão e expectativas há bastante tempo. Comparada à Serena Williams desde a infância, Gauff diz que por muito tempo “caía na armadilha” dessas frases de efeito e não conseguia aproveitar cada estágio de seu desenvolvimento. O cenário de hoje é diferente e a atual 23ª do ranking se sente muito mais tranquila quando entra em quadra.

“Desde que entrei no circuito, ou mesmo quando eu tinha 8 anos, as pessoas diziam que eu era a próxima Serena, próxima isso ou a próxima aquilo, e acho que realmente caí na armadilha de acreditar nisso”, disse Gauff. “É importante que você tenha grandes esperanças para si mesmo, mas eu estava num ponto em que, mesmo quando venci a Naomi [Osaka] na Austrália ou chegava às oitavas em Grand Slam, não ficava tão feliz porque sentia que era uma obrigação. Agora estou realmente curtindo o momento, nas vitórias e derrotas”.

“Eu sempre acreditei em mim mesma, mas acho que até o ano passado eu estava muito focada em tentar atender às expectativas das outras pessoas. Então então a mensagem para todos os jovens jogadores é de que seus resultados, ou mesmo na vida em geral, ou seu trabalho ou quanto dinheiro você ganha não definem você como pessoa. Então é importante ter amor próprio e não se importar com o que os outros pensam”, acrescentou a jovem jogadora, que faz terceira participação como profissional em Roland Garros e disputa a chave principal de um Grand Slam pela 11ª vez.

Algoz de Sloane Stephens por 7/5 e 6/2 nas quartas, Gauff precisava superar duas barreiras na última quarta-feira. Ela havia perdido para a própria Stephens no US Open e também havia chegado às quartas em Paris, caindo diante da campeã Barbora Krejcikova.

“Ano passado, a derrota nas quartas de final foi muito dura para mim, mas acho que aquele jogo me deixou mais forte e me preparou para momentos como o de hoje. Disse a mim mesma para ficar mentalmente forte. Sabia que haveria alguns golpes que provavelmente ela faria alguns golpes que nenhuma outra jogadora conseguiria na quadra”.

O próximo compromisso de Gauff será contra a italiana Martina Trevisan, canhota de 28 anos e 59ª do ranking, que a derrotou no único duelo anterior, também disputado em Paris, na temporada de 2020. “Lembro-me claramente dessa partida. Eu fiz um monte de duplas faltas. Não vou repetir isso. E também, devo dizer que ela é uma jogadora complicada de enfrentar no saibro, ainda mais por ser canhota. Eu assisti um pouco da partida dela contra a Leylah [Fernandez]. Acho que vai ser um bom confronto.

“Eu sei o que aconteceu na quadra para eu perder aquela partida, e sei no que preciso trabalhar para a próxima vez. Lembro-me muito bem de cada derrota. Meu avô sempre me disse: ‘Esqueça suas vitórias, lembre-se das derrotas. E eu me lembro de cada uma. Então, quando eu jogo pela segunda vez eu tento não perder, ou pelo menos, tento não perder jogando da mesma forma que perdi da primeira vez”.

Semifinal de duplas ao lado de Pegula
Gauff também está na semifinal de duplas ao lado de Jessica Pegula. As norte-americanas venceram a húngara Anna Bondar e a belga Greet Minnen por 6/4, 4/6 e 6/4. As próximas rivais também são dos Estados Unidos, Madison Keys e Taylor Townsend. Já a a outra semi de duplas terá as francesas Caroline Garcia e Kristina Mladenovic contra a ucraniana Lyudmyla Kichenok e a letã Jelena Ostapenko.

Voltando a 2018 e a relação com Serena
Ainda em 2018, quando foi campeã juvenil de Roland Garros com apenas 14 anos, Gauff já falava sobre as comparações com Serena e sua relação com ela, ainda mais porque ambas treinavam com  Patrick Mouratoglou. “Ela é meu ídolo. Eu sempre digo que quero ser como ela, realizar as coisas que ela fez e ir ainda mais longe. Não quero me limitar a ela porque não sou Serena e ela também não sou eu”, disse em entrevista ao site da ITF há quatro anos.

Na época, ela também falou à CNN sobre os encontros que teve vencedora de 23 títulos de Grand Slam. “Serena me disse para seguir em frente e continuar trabalhando duro. Significa muito para mim saber que alguém tão incrível ainda está encorajando as jogadoras mais jovens a serem tão boas ou até melhores que ela. E espero que um dia eu possa chegar a esse nível”.

Geração 2000 chega com nove tenistas às oitavas
Por Mario Sérgio Cruz
maio 29, 2022 às 1:31 am

Alcaraz já faz sua melhor campanha em Paris e tenta chegar às quartas em Slam pela 2ª vez (Foto: Loïc Wacziak/FFT)

A nova geração do circuito chega com cada vez mais força ao circuito profissional. Após a primeira semana de disputas em Roland Garros, teremos nove tenistas nascidos a partir de 2000 nas oitavas de final. São cinco na chave feminina, lideradas pela número 1 do mundo Iga Swiatek, e mais quatro no torneio masculino, com destaque para o sexto do ranking Carlos Alcaraz. Também seguem nas chaves Qinwen Zheng, Amanda Anisimova, Leylah Fernandez, Coco Gauff, Jannik Sinner, Felix Auger-Aliassime e Holger Rune.

Swiatek encara jovem chinesa
Swiatek terá um duelo da nova geração contra a jovem chinesa de 19 anos Qinwen Zheng, 74ª colocada. “Ouvi algumas outras jogadoras falando sobre ela. Tenho certeza de que ela merece estar nessa fase, porque está jogando muito bem. Mesmo quando ela perdeu algumas partidas, as pessoas estavam sempre diziam que ela tem talento”, disse a polonesa de 20 anos.

Zheng, que eliminou Simona Halep na segunda rodada e agora passou por Alizé Cornet, faz sua melhor campanha em Slam e projetou o duelo com a número 1. “Ela é uma jogadora maravilhosa e quero muito jogar contra ela. Então, estou empolgada para esta partida. Sei que ela é uma ótima jogadora de saibro e que será uma partida difícil. Vou dar tudo o que tenho”.

Sobre a boa fase no saibro, a chinesa destaca o treinamento na Espanha. “Estou treinando na Espanha há dois anos. E desde que estou aqui, vejo que todo jogador espanhol trabalha muito duro. Tenho melhorado muito, então acho que o trabalho está funcionando em mim e acho que deveria continuar assim”.

Anisimova e Fernandez também duelam
Duas jogadoras que já foram longe em Grand Slam também duelam nas oitavas, a canadense Leylah Fernandez e a norte-americana Amanda Anisimova tentam voltar a ter um grande resultado. Fernandez, de 19 anos, foi finalista do US Open na temporada passada, enquanto Anisimova, de 20 anos, tenta repetir a semi que fez em Paris há três temporadas.

“Acho que depois do US Open eu coloquei um pouco mais de pressão em mim mesma. Isso é normal, porque quero repetir o que fiz no US Open”, disse Fernandez. “Acho que depois dos primeiros torneios, aceitei que não jogaria da mesma maneira todas as vezes. Vou ter que encontrar soluções e continuar trabalhando duro. Ao longo do ano, tenho me apegado a isso e me esforçando todos os dias”.

Mais calma, Gauff tenta repetir as quartas
Uma temporada depois de ter feito sua melhor campanha em Grand Slam, ao chegar às quartas de final de Roland Garros, Coco Gauff está a uma vitória de igualar esse resultado. A jovem norte-americana de 18 anos e atual 23ª do ranking se sente cada vez mais preparada para chegar longe nos grandes torneios, especialmente no aspecto mental. Ela desafia nas oitavas a belga Elise Mertens.

“Acho que agora estou mentalmente melhor do que no ano passado, chegando à segunda semana. Acho que estou muito mais preparada para jogar duas semanas de tênis”, disse Gauff, já projetando o próximo jogo em Paris. “Eu já joguei com ela antes e acho que estou muito mais relaxada do que na minha partida das oitavas do ano passado”.

Alcaraz pensa nos grande nomes
Depois de ter vencido Rafael Nadal e Novak Djokovic na campanha para o título do Masters 1000 de Madri, o jovem de 19 anos Carlos Alcaraz se sente cada vez mais prontos para enfrentar os grandes nomes. Ele pode cruzar o caminho de um deles em uma possível semifinal em Paris. “Se eu continuar vencendo, é possível que enfrente um deles e acho que estou preparado para isso. Claro que aqui são cinco sets, diferente de um Masters 1000, mas ainda assim me sinto pronto”.

Treinado por Toni Nadal, Aliassime desafia Rafa
O duelo entre Rafael Nadal e Felix Auger-Aliassime pelas oitavas de final de Roland Garros terá um interessante personagem fora das quadras. Toni Nadal, tio e ex-treinador do espanhol, é agora o técnico da Aliassime. Toni declarou publicamente que não dará dicas ao canadense sobre como enfrentar Rafa, e que essa foi uma condição prévia para eles começarem a trabalhar juntos no ano passado, e Rafa diz que não veria problema algum se o adversário fosse aconselhado por seu tio.

O canadense também comentou sobre a situação. “Eu não acho que Toni vai me contar algo novo sobre como o Rafa joga. Mas nós tivemos essa discussão desde a primeira vez que começamos a trabalhar juntos. Sabíamos que era uma possibilidade de eventualmente eu enfrentar o Rafa quando estivesse trabalhando com o Toni. Mas acho que o Toni vai assistir de um lugar neutro e aproveitar a partida”.

Sinner e Rune têm jogos duros nas oitavas
O italiano de 20 anos Jannik Sinner, 12º do ranking, desafia o número 7 do mundo Andrey Rublev pelas oitavas. Sinner lidera o histórico de confrontos por 2 a 1 e tenta voltar às quartas em Paris depois de dois anos. Já Holger Rune, de 19 anos e 40º colocado, é o próximo rival do grego Stefanos Tsitsipas, quarto cabeça de chave. O jovem dinamarquês ainda não perdeu sets no torneio e faz sua melhor campanha em Slam. Sua campanha é a melhor de um homem dinamarquês em um Slam desde 1993.

Neste sábado, Rune falou ao entrevista para o ex-número 2 do mundo Alex Corretja ainda em quadra após vencer o francês Hugo Gaston por triplo 6/3 e comentou sobre o estilo pouco ortodoxo do rival, que o trazia para a rede o tempo todo. “Foi um jogo difícil. Hugo é um grande jogador e que consegue fazer golpes muito difíceis. Tenho muito respeito por esse cara e pelo time dele”, disse Rune. “Não é sempre divertido jogar contra ele. Hugo é muito talentoso e te faz correr muito. Mas tive que pensar no meu saque e ser agressivo. Estou muito feliz com meu nível hoje. Foi um jogo duro, mas permaneço focado o tempo todo”.

Quem são os jovens tenistas para assistir em 2022
Por Mario Sérgio Cruz
dezembro 28, 2021 às 5:56 pm

Para Emma Raducanu, o principal fator é ver como ela vai lidar com a situação de entrar em quadra como favorita e cada vez mais estudada pelas adversárias

Uma nova temporada do tênis internacional se inicia na próxima segunda-feira, com os principais nomes do circuito atuando na Austrália. Os atletas da nova geração do circuito chegam para 2022 com diferentes perspectivas, especialmente quando se fala em tênis feminino, onde vemos jogadoras muito novas já lutando por títulos importantes. Entre os homens, a renovação do circuito é mais lenta, mas também há jovens tenistas em franca evolução e que podem surpreender.

Pelo quinto ano seguido, TenisBrasil  apresenta a lista de jovens jogadores para acompanhar no próximo ano.  A relação deste ano conta com 23 nomes, com diversas ambições na temporada.

+ Confira 15 jovens tenistas para assistir em 2021
+ Dez jovens tenistas para assistir em 2020
+ Dez jovens que podem surpreender em 2019

+ Dez jovens que podem surpreender em 2018

Quatro fortes candidatas a títulos
O primeiro ponto a ser observado nas perspectivas para 2022 da nova geração são as chances de títulos para quatro jogadoras da WTA. Iga Swiatek, de 20 anos e número 9 do mundo, e Emma Raducanu, de 19 anos e 19ª colocada, já são campeãs de Grand Slam. Um pouco abaixo no ranking estão Coco Gauff, de 17 anos e 22ª do ranking, e Leylah Fernandez, 24ª do mundo aos 19 anos. Fernandez foi vice em Nova York este ano, enquanto Gauff fez quartas em Roland Garros e já tem dois títulos de WTA.

Em 2021, Swiatek deu continuidade à grande temporada que teve no ano anterior. Apesar de não ter conseguido defender o título de Roland Garros, a polonesa foi consistente ao chegar às oitavas de final em todos os Grand Slam e também conquistou dois títulos, o WTA 1000 de Roma e o 500 de Adelaide, fundamentais para que ela chegasse ao top 10 e disputasse o WTA Finals pela primeira vez. No fim do ano, encerrou a parceria de cinco anos que teve o técnico Piotr Sierzputowski.

Para Emma Raducanu, que começou o ano como 345ª do mundo e termina como top 20 e campeã do US Open, o principal fator é ver como ela vai lidar com a situação de entrar em quadra como favorita e cada vez mais estudada pelas adversárias. Desde a conquista em Nova York e a mudança repentina de vida, a britânica disputou apenas mais três torneios e sofreu eliminações precoces. Disposta a ter um nome mais experiente na equipe, contratou para 2022 o técnico alemão Torben Beltz, que levou Angelique Kerber ao topo do ranking.

De olho em Sinner, Alcaraz e Musetti

Sinner chegou ao top 10 em 2021 e venceu quatro títulos de ATP este ano

O espanhol Carlos Alcaraz e os italianos Jannik Sinner e Lorenzo Musetti são nomes a observar de perto em 2022. Sinner, de 20 anos, conquistou quatro de seus cinco títulos de ATP na última temporada, além de conseguir outros bons resultados como a final do Masters 1000 de Miami e as oitavas no US Open. Ele iniciou o no 37º lugar e finalizou a temporada no top 10. Pupilo do experiente treinador Riccardo Piatti, o italiano conviveu com grandes nomes do circuito desde muito jovem, o que o ajudou muito em seu desenvolvimento.

Carlos Alcaraz, eleito a revelação de 2020 pela ATP e indicado entre os jogadores que mais evoluíram em 2021, também é um nome a ser visto de perto. O espanhol de 18 anos ganhou mais de cem posições no ranking na última temporada, saltando do 141º para o 32º lugar. Ele foi campeão do ATP de Umag e chegou às quartas de final do US Open, além de ter conseguido sua primeira vitória contra top 10 diante de Stefanos Tsitsipas. Treinado pelo ex-número 1 Juan Carlos Ferrero, Alcaraz tem exibido um tênis agressivo e bem adaptado às condições de um circuito com cada vez mais torneios no piso duro. É um nome forte para ter resultados consistentes e estará no Brasil, disputando o Rio Open.

No caso de Lorenzo Musetti, a principal meta é uma retomada dos bons resultados após um segundo semestre abaixo do esperado. Desde sua campanha até as oitavas de final em Roland Garros, o italiano de 19 anos e atual 59º do ranking só conseguiu mais quatro vitórias em chaves principais no circuito da ATP. São resultados que destoam de uma boa primeira metade da temporada com duas semifinais de ATP.

Tauson, Osorio e Parry podem surpreender

Clara Tauson, de 19 anos, conquistou dois títulos em 2021 e é uma ameaça nas quadras duras e cobertas

A temporada feminina de 2021 apresentou jogadoras que conseguiram seus primeiros resultados de destaque no circuito da WTA e são possíveis ameaças para as principais favoritas nas fases iniciais dos torneios. Entre os destaques estão a dinamarquesa Clara Tauson, de 19 anos e 44ª do ranking, a colombiana Camila Osorio, de 20 anos e 55ª colocada, e também a francesa Diane Parry, 115ª do mundo aos 19 anos.

Tauson está se firmando como uma ameaça nos torneios em quadras duras e cobertas. Ela conquistou dois títulos nessas condições, em Lyon e Luxemburgo, além de ter disputado uma final em Courmayeur no fim do ano. A dinamarquesa tem um jogo agressivo com pontos curtos e muita potência nos golpes dos dois lados. Já Osorio é formada no saibro e conquistou seu primeiro título de WTA em Bogotá, mas também tem se destacado em outros pisos, com uma terceira rodada em Wimbledon e uma vitória sobre a top 10 Elina Svitolina na quadra dura de Tenerife.

Um pouco mais abaixo no ranking, Parry se destacou em torneios sul-americanos na reta final da temporada. Ela disputou duas finai na série 125, com título em Montevidéu e vice em Buenos Aires, além de também chegar à semifinal de um forte ITF em Santiago. Ex-número 1 juvenil, a francesa também chama atenção por um eficiente backhand de uma mão, um bom uso dos slices e um forehand com muito peso. Convidada para a chave principal do Australian Open, Parry tem a chance de crescer muito rápido no ranking.

Novas realidades para brasileiros e argentinos

Matheus Pucinelli fez a transição dos torneios ITF para os challengers no meio de 2021 e tenta dar mais um passo no ano que vem (Foto: Luiz Candido/CBT)

O ano de 2022 pode ser de novas realidades para grupos de brasileiros e argentinos do circuito. Para Juan Manuel Cerundolo e Sebastian Baez, números 90 e 99 do ranking aos 20 anos, será interessante vê-los em um calendário de torneios de nível ATP e com maior variedade de pisos e condições. Os dois argentinos conseguiram saltar no ranking ao longo da última temporada praticamente só jogando em challengers no saibro. Baez conseguiu seis títulos e 44 vitórias no piso, enquanto Cerundolo venceu três challengers (com 38 vitórias) e mais um ATP em Córdoba.

Para os nomes da nova geração brasileira, será interessante acompanhar a evolução de Matheus Pucinelli, de 20 anos e 287º do ranking, Gustavo Heide, 477º do mundo aos 19 anos, Gilbert Klier, 410º aos 21 anos, e Gabriel Décamps, 500º colocado aos 22 anos. Os quatro jogadores tiveram destaque em competições de nível future no circuito e tentam agora se firmar nos challengers.

Pucinelli fez essa transição ao longo do ano, três títulos e dois vices de ITF, e depois vencer mais 14 partidas de challenger com uma semifinal em Santiago. Heide e Klier conquistaram cada um três títulos de ITF e venceram seus primeiros jogos de challenger já no fim do ano. Já Décamps voltou ao circuito profissional em julho, vindo do circuito universitário norte-americano. O paulista estava com ranking zerado, mas se firmou entre os 500 do mundo com um título e dois vices de ITF, além de uma semifinal de challenger.

Adolescentes promissoras no circuito feminino

Ex-líder do ranking mundial juvenil, Victoria Jimenez Kasintseva conquistou no Brasil o primeiro título de sua carreira profissional (Foto: Luiz Candido/CBT)

Há ainda um grupo de jogadoras no circuito feminino que vale muito ficar de olho, o das adolescentes promissoras: A lista é puxada por Victoria Jimenez Kasintseva, tenista de apenas 16 anos e natural de Andorra. Ex-líder do ranking mundial juvenil, ela já aparece no 255º lugar entre as profissionais e conquistou um título no Brasil, em Aparecida de Goiânia. Destaque também para a norte-americana Robin Montgomery, de 17 anos e 372ª do ranking, campeã juvenil do US Open.

Vale ficar de olho também nas irmãs tchecas Linda e Brenda Fruhvirtova, números 2 e 4 do ranking mundial juvenil. Linda, de 16 anos e já 279ª da WTA. Brenda, com apenas 14 anos, teve sua primeira oportunidade no tênis profissional na última semana e avançou uma rodada no WTA 125 de Seul.

A situação de Rune, Tseng e norte-americanos 

Jenson Brooksby foi escolhido o Novato do Ano no circuito da ATP

Três norte-americanos estão em situações próximas no ranking da ATP e tentam dar um novo salto de qualidade. São os casos de Sebastian Korda, 41º aos 21 anos, Jenson Brooksby, 56º aos 21 anos, e Brandon Nakashima, 69º aos 20 anos. Korda venceu um ATP em Parma e jogou final em Delray Beach. Brooksby foi eleito o Novato do Ano, disputou uma final em Newport Beach e a semi em Washigton, enquanto Nakashima disputou duas finais seguidas em Atlanta e Los Cabos.

Outros dois nomes valem ser observados no circuito masculino. Um deles é o dinamarquês Holger Rune, 103º do ranking aos 18 anos. Rune conquistou quatro títulos de challenger este ano e já venceu sete jogos de ATP, ficando cada vez mais perto do top 100. Já o taiwanês Chun-Hsin Tseng chegou ao 188º lugar do ranking aos 20 anos. Ele já tem quatro títulos de ITF e terminou o ano disputando duas finais seguidas de challenger em Portugal, com um título e um vice.

 

Nas quartas aos 17 anos, Gauff acumula façanhas
Por Mario Sérgio Cruz
junho 8, 2021 às 5:37 pm

Gauff é a jogadora mais jovem a atingir as quartas de final de um Grand Slam desde 2006 (Foto: Corinne Dubreuil/FFT)

Jogadora mais jovem nas quartas de final da chave feminina de Roland Garros, Coco Gauff vem acumulando várias façanhas com sua ótima campanha em Paris com apenas 17 anos. A atual 25ª do ranking é a mais nova a alcançar essa fase em um Grand Slam desde 2006, com Nicole Vaidisova, também em Roland Garros. Entre as norte-americanas, a última vez que uma tenista dessa idade chegava tão longe em um Slam foi com Venus Williams no US Open de 1997. Já no saibro de Paris, nenhuma norte-americana tão jovem disputava as quartas desde Jennifer Capriati em 1993.

Vinda de bons resultados na temporada de saibro, como a semifinal em Roma e o título do WTA de Parma, ela sente que seu jogo está sendo cada vez mais estudado pelas adversárias do circuito. “Depois de estar no circuito por um tempo, obviamente elas podem assistir mais partidas minhas e entender como eu jogo, e eu percebi isso. Durante o período de pré-temporada, trabalhei apenas em minhas fraquezas”, disse Gauff a TenisBrasil, durante a entrevista coletiva após a vitória sobre a tunisiana Ons Jabeur por 6/3 e 6/1 pelas oitavas. “Sinto que agora eu melhorei bastante naqueles que eram os meus pontos fracos, então não dou às minhas adversárias uma resposta ou uma saída fácil na quadra. Então eu comecei a sentir que esses são pontos fortes para mim agora”.

Gauff agora se prepara para enfrentar a versátil tcheca Barbora Krejcikova, ex-número 1 de duplas e 33ª do ranking de simples. A tcheca vem da conquista do WTA de Estrasburgo e de uma expressiva vitória sobre Sloane Stephens nas oitavas. “Ela obviamente está tendo uma ótima temporada de saibro e é uma adversária difícil. Acho que ela é uma jogadora muito inteligente e está há muito tempo no circuito. Ela é uma daquelas pessoas que jogam bem em todos os pisos. Ela se sai bem em simples, duplas e duplas mistas e pode ser a “veterana” neste confronto, mas acho que não vou me concentrar muito nas decisões que ela toma, mas sim no que eu faço dentro da quadra. Tenho que focar apenas no meu jogo”.

Indicada como uma promessa do circuito desde que tinha 14 anos e foi campeã juvenil de Roland Garros em 2018, Gauff não se importa com comentários sobre sua idade ou precocidade, garantindo que isso não lhe traz nenhuma carga extra de pressão. “Quer dizer, eu realmente não me importo se falam tanto da minha idade ou não. Na quadra, eu prometo a vocês que minhas adversárias provavelmente não se importam com o fato de eu ter 17 anos. Elas querem vencer da mesma forma que eu quero, independentemente das idades delas. Quero dizer, só se tem 17 anos uma vez, então podem falar muito bem sobre isso”.

Durante a coletiva, a norte-americana também afirma que está conseguindo vencer suas partidas de forma mais convincente nas últimas semanas. Mas mesmo com o torneio tendo apenas uma top 10 restante, a atual campeã e número 9 do mundo Iga Swiatek, evita pensar além da próxima rodada. “Para ser honesta, eu realmente não pensei sobre isso. Estou realmente focada no próximo jogo e não quero pensar muito. Você tem que se concentrar no que está na sua frente. Essa é realmente a única resposta que tenho”.

“Eu sinto que estou, como eu posso dizer, mais profissional. As minhas partidas estão sendo mais constantes, mais diretas, e não mais aquelas loucas batalhas de três sets. Como sabemos, tive muitos jogos assim no passado. Mas acho que estou sendo mais consistente neste nível. Espero que eu possa continuar assim”.

 

 

 

Oito jovens tenistas para acompanhar em Roland Garros
Por Mario Sérgio Cruz
maio 29, 2021 às 10:10 pm

Com diferentes perspectivas, oito tenistas da nova geração do circuito merecem destaque antes de Roland Garros, que começa neste domingo em Paris. O Grand Slam tem uma jovem candidata ao título, a atual campeã Iga Swiatek e ponto de interrogação sobre Bianca Andreescu. Embalados por recentes conquistas no saibro de Parma, Coco Gauff e Sebastian Korda estão em rota de colisão com favoritos. Destaque também para os recém-chegados ao top 100, Carlos Alcaraz e Maria Camila Osorio, vindos do quali. Vale ficar de olho também no italiano Jannik Sinner, que chegou às quartas no ano passado, e no canadense Felix Auger-Aliassime, que aposta na parceria com Toni Nadal.

Confira oito grandes histórias envolvendo a nova geração em Roland Garros:

Swiatek luta pelo bicampeonato em Paris

Atual campeã, Swiatek focou a preparação nos torneios grandes (Foto: Corinne Dubreuil/FFT)

Atual campeã, Swiatek focou a preparação nos torneios grandes (Foto: Corinne Dubreuil/FFT)

Menos de um ano depois de ter conquistado seu primeiro Grand Slam em Roland Garros, Iga Swiatek está de volta às quadras de saibro da capital francesa. A polonesa, que completa 20 anos na segunda-feira, era apenas a 54ª do ranking na campanha para o título do ano passado e agora já é a número 9 do mundo e uma das favoritas ao título, ainda mais depois da categórica conquista do WTA 1000 de Roma há duas semanas. Ela estreia contra sua melhor amiga no circuito, a eslovena Kaja Juvan, pode enfrentar a norte-americana Shelby Rogers ou a sueca Rebecca Peterson na segunda fase e a estoniana Anett Kontaveit na terceira fase.

“Depois que ganhei Roland Garros, minha vida mudou completamente todo mundo começou a me tratar de forma diferente totalmente. Foi muito bom encontrar um equilíbrio e ainda ser capaz de aproveitar aquela vitória, mesmo numa situação tão caótica”, disse Swiatek, durante a entrevista coletiva na última sexta-feira. “Estou voltando à mesma forma que eu tive quando fui campeã de Roland Garros, já ganhei mais dois títulos desde então, e foi incrível para mim, porque eu ainda não sei se vou ser consistente pelo resto da minha carreira. E isso mostrou que posso realmente ter um bom desempenho não apenas uma vez, mas posso repetir. Então essa é a coisa mais importante para mim”.

Swiatek priorizou os torneios grandes em sua preparação para Roland Garros e só jogou em Roma e Madri e foi perguntada por TenisBrasil sobre sua estratégia. “Na verdade, o meu treinador é que foi responsável por isso. E acho que ele está fazendo um ótimo trabalho com todo o planejamento do meu calendário. E foi muito bom, porque sinto que estou progredindo. Eu estou jogando contra as top 10 com mais frequência e posso realmente ter mais experiência e aprender mais, porque isso é o mais importante para mim agora. Preciso aprender a estar em diferentes situações na quadra para que eu possa ter mais experiência depois”.

Andreescu em dúvidas após lesão abdominal

Andreescu fez bons jogos em Estrasburgo, mas sentiu lesão abdominal (Foto: Michel Grasso/Internationaux de Strasbourg)

Andreescu fez bons jogos em Estrasburgo, mas sentiu lesão abdominal (Foto: Michel Grasso/Internationaux de Strasbourg)

Outra top 10 a ser observada em Roland Garros é Bianca Andreescu, de apenas 20 anos e número 7 do mundo. A canadense conquistou seu primeiro Grand Slam ainda no US Open de 2019, mas possui um longo histórico de lesões, chegando a ficar mais de um ano parada por problema no joelho esquerdo. Na semana passada, disputou o WTA 250 de Estrasburgo e fez dois bons jogos, mas desistiu antes das quartas por lesão muscular na região abdominal. Cabeça 6 em Paris, Andreescu estreia contra a eslovena Tamara Zidansek.

“Não é nada sério, apenas um desconforto. Mas eu não quero arriscar antes de Roland Garros”, disse Andreescu na última terça-feira, em Estrasburgo. Perguntada por TenisBrasil sobre como faz para manter o ritmo de jogo e o bom nível de tênis mesmo com tantas lesões, a canadense comentou que aprendeu com os erros do passado e consegue ter melhor planejamento de treinos e competições. “Isso faz parte da carreira de qualquer atleta, sempre tem algumas coisas que você pode fazer e aprender com os erros do passado. Hoje eu tenho um calendário melhor de torneios, e estou ficando melhor na quadra e nos treinos físicos, com exercícios diferentes. É claro que a situação é decepcionante. Mas eu fiz o meu melhor para lidar com a situação”.

Gauff empolgada por título no saibro italiano

Gauff diz que resultados recentes não trazem pressão, mas sim confiança (Foto: Corinne Dubreuil/FFT)

Gauff diz que resultados recentes não trazem pressão, mas sim confiança (Foto: Corinne Dubreuil/FFT)

Com apenas 17 anos, a norte-americana Coco Gauff é uma das jogadoras mais jovens na chave de Roland Garros. Ela chega a Paris empolgada pela recente conquista do WTA 250 de Parma e ocupando o 25º lugar do ranking da WTA. Uma semana antes, também foi semifinalista do WTA 1000 de Roma, superada apenas por Swiatek. Acostumada a lidar com grandes expectativas desde muito jovem, ela garante que os resultados recentes trazem mais confiança do que pressão.

“Para ser honesta, não acho que esses resultados realmente coloquem qualquer pressão sobre mim. Apenas me deram confiança. Fiz muitas quartas de final e semifinais em 2020 e isso me deixou mais forte para terminar o torneio e levantar um troféu. Não sinto nenhuma pressão. Talvez porque tenha sido só um 250, então é um torneio um pouco menor, e não tinha tanta pressão quanto um 1000. Mas de qualquer forma, sinto que ganhar um título só dá a você mais confiança e mais experiência. Esse é o meu objetivo aqui”, comentou Gauff, que estreia contra a sérvia Aleksandra Krunic e pode cruzar o caminho da número 1 do mundo Ashleigh Barty nas oitavas.

Novata no top 100, Osorio disputa seu primeiro Slam

A colombiana Maria Camila Osorio chegou recentemente ao top 100 e disputa o 1º Slam (Foto: Cédric Lecocq/FFT)

A colombiana Maria Camila Osorio chegou recentemente ao top 100 e disputa o 1º Slam (Foto: Cédric Lecocq/FFT)

Recém-chegada ao top 100 do ranking mundial, a colombiana de 19 anos Maria Camila Osorio disputará seu primeiro Grand Slam em Roland Garros. A atual 98ª do ranking conseguiu passar pelo qualificatório de três rodadas em Paris. A temporada de 2021 tem sido de feitos importantes para Osorio, que começou o ano apenas no 186º lugar do ranking. Ela conquistou seu primeiro título de WTA no saibro de Bogotá e disputou outras duas semifinais, em Charleston e Belgrado, antes de furar o quali em Paris.

“Já joguei muitos torneios da WTA, então sinto mais confiança quando entro na quadra. Não fico mais com medo quando estou jogando neste nível”, disse Osorio, em entrevista ao site de Roland Garros. “Estou vivendo um momento muito especial e trabalhei muito para chegar aqui. Foi muito bom chegar ao top 100. Era um dos meus objetivos no início do ano. Tudo aconteceu tão rápido que não pensei que pudesse fazer isso até o final da temporada, mas mostra o quanto estou melhorando”, comenta a colombiana, que estreará contra a norte-americana Madison Brengle e pode cruzar o caminho de Andreescu já na segunda rodada.

Korda chega a Paris após título em Parma

Korda chega a Paris com moral após título em Parma (Foto: Marta Magni Images)

Korda chega a Paris com moral após título em Parma (Foto: Marta Magni Images)

Depois de ir do quali até as oitavas de final na edição passada de Roland Garros, o norte-americano Sebastian Korda chegará ao Grand Slam francês com ainda mais moral. Ele conquistou neste sábado seu primeiro título no circuito, o ATP 250 de Parma, vencendo o ex-top 20 Marco Cecchinato na final por 6/2 e 6/4. O atual 63º do ranking e filho do ex-número 2 do mundo Petr Korda teve um ótimo início de temporada, com a final em Delray Beach, um título de challenger em Quimper e também a campanha até as quartas de final do Masters 1000 de Miami. No entanto, vinha de resultados negativos no saibro e conseguiu se reerguer.

“Tive que continuar otimista, mesmo com os resultados ruins na primeira parte da temporada de saibro. Tirei alguns dias de folga, recarreguei minhas baterias e fiz uma semana de treinos muito boa em Praga com meu pai e meu treinador. Voltei com mais fome e estou jogando um tênis muito bom agora”, explicou Korda, que estreia em Roland Garros contra o espanhol Pedro Martinez e pode cruzar o caminho do número 5 do mundo Stefanos Tsitsipas na rodada seguinte.

Alcaraz fura o quali e tem chave boa em Paris

Alcaraz disputará seu segundo Grand Slam e se sente mais preparado agora do que na Austrália (Foto: Cédric Lecocq/FFT)

Alcaraz disputará seu segundo Grand Slam e se sente mais preparado agora do que na Austrália (Foto: Cédric Lecocq/FFT)

Grande promessa do tênis espanhol, Carlos Alcaraz chega com bastante moral para a disputa de seu primeiro Roland Garros e o segundo Grand Slam da carreira. O espanhol de 18 anos e 94º do ranking conquistou recentemente o challenger português de Oeiras, entrou no top 100 e furou o quali de Roland Garros. Sua estreia em Paris será contra outro espanhol vindo do quali, Bernabe Zapata Miralles. Se vencer, enfrenta o sérvio Dusan Lajovic ou o georgiano Nikoloz Basilashvili (cabeça 28) antes de um eventual encontro com o russo Andrey Rublev na terceira fase.

“Estou muito feliz. Jogar a chave principal aqui em Roland Garros é uma sensação muito boa. Estou me sentindo muito confortável na quadra. Sei que não é fácil jogar melhor de cinco sets, mas acho que estou pronto. Não é minha primeira participação na chave principal em um Grand Slam, então vou melhorar o que fiz na Austrália. Acho que estou mais pronto agora do que estava na Austrália”, comentou o espanhol, em entrevista ao site da ATP.

Sinner tenta repetir boa campanha de 2020

Sinner enfrentou Nadal e Djokovic durante a temporada de saibro (Foto: Corinne Dubreuil/ATP)

Sinner enfrentou Nadal e Djokovic durante a temporada de saibro (Foto: Corinne Dubreuil/ATP)

Com apenas 19 anos Jannik Sinner já aparece na 19ª colocação do ranking mundial e tenta repetir a ótima campanha que fez no ano passado em Paris, quando chegou às quartas de final. Durante a temporada de saibro, sua principal campanha foi uma semifinal em Barcelona, mas ele teve a oportunidade de enfrentar Novak Djokovic em Monte Carlo e Rafael Nadal em Roma, e tira várias lições daqueles jogos, mesmo com resultados negativos contra lendas do esporte. Ele estreia em Paris contra o francês Pierre-Hugues Herbert.

“Quando eu perco, sempre tento tirar os pontos positivos e descobrir o que deveria ter feito melhor” disse Sinner após o recente duelo com Nadal. “Obviamente, é difícil falar logo depois da partida. Tenho que me reunir com a minha equipe e assistir muitas e muitas vezes a este jogo a partir de hoje. Então veremos o que deveríamos ter feito melhor”, comenta o italiano, que teve postura parecida quando perdeu para Djokovic em Mônaco. “O foco é sempre melhorar. É isso que estou tentando fazer. Vou tentar aprender com esta partida também hoje, mesmo que às vezes seja difícil de aceitar a derrota. Mas só há uma maneira de melhorar. Eu tenho um bom time e tenho as pessoas certas perto de mim, que sabem o que eu preciso fazer”.

Aliassime aposta na parceria com Toni Nadal

Aliassime trabalhou com Toni Nadal durante a temporada de saibro

Aliassime trabalhou com Toni Nadal durante a temporada de saibro (Foto: Corinne Dubreuil/ATP)

O canadense de 20 anos Felix Auger-Aliassime, 21º do ranking, trouxe um reforço de peso para sua equipe. Durante toda a temporada de saibro, ele treinou com Toni Nadal e aposta na experiência do técnico para buscar melhores resultados. Ainda em busca de seu primeiro título de ATP, o canadense tem como melhores campanhas em Grand Slam as oitavas de final do US Open no ano passado e do Australian Open na atual temporada. Sua estreia em Paris será contra o experiente italiano de 37 anos Andreas Seppi.

“Minhas expectativas não mudaram desde que comecei a trabalhar com o Toni. Sempre tive expectativas muito altas durante toda a minha carreira. O que estou tentando fazer é chegar ao top 10 e ganhar títulos de Grand Slam. Não há nada melhor do que isso. Trabalhar com alguém que já fez isso traz mais calma e confiança, ao invés de pressão”, disse Aliassime na entrevista coletiva da última sexta-feira. “Decidi trabalhar com ele porque acredito que ele pode me ajudar a alcançar meus objetivos e meu potencial. É nisso que trabalhamos todos os dias. A preparação não é diferente da que fizemos em qualquer outro torneio. Procuramos trabalhar com muito empenho, intensidade e foco, e a cada dia tentamos fazer um pouco melhor. Temos um bom trabalho a fazer”.

 

Jovens brilham no início da temporada de saibro
Por Mario Sérgio Cruz
abril 12, 2021 às 6:43 pm

O início da temporada da temporada de saibro foi bastante positivo para alguns integrantes da nova geração do tênis internacional. O principal destaque ficou para o título da colombiana Maria Camila Osorio, que aproveitou da melhor maneira possível o convite para o WTA 250 de Bogotá e conquistou seu primeiro troféu na elite do circuito. Mas além dela, a semana também foi boa para Coco Gauff, Carlos Alcaraz e Lorenzo Musetti.

Osorio faz a festa em casa

Convidada para o WTA de Bogotá, Osorio Serrano aproveitou a chance e conquistou o título (Foto: Copa Colsanitas)

Ex-líder do ranking mundial juvenil, Maria Camila Osorio se tornou apenas a terceira colombiana a vencer o torneio, que atualmente é o único na América do Sul pela elite do circuito. Antes dela, Fabíola Zuluaga venceu as edições de 1999, 2002 e 2004, enquanto Mariana Duque Mariño foi campeã na temporada de 2010. A última sul-americana a vencer o torneio antes de Osorio havia sido a brasileira Teliana Pereira, na melhor temporada de sua carreira em 2015.

Osorio frequenta o ambiente do WTA de Bogotá desde muito jovem. Mesmo com apenas 19 anos, ela já fazia sua terceira aparição na chave principal e a quinta no torneio de um modo geral. Ela já disputa o evento desde 2016, quando tinha apenas 14 anos e recebeu um convite para o quali. Há duas temporadas, em 2019, já havia feito uma grande campanha e alcançado as quartas de final. Já em 2021, a colombiana se aproveitou das eliminações precoces de muitas cabeças de chave e conseguiu cinco vitórias seguidas.

Apesar de ter um estilo de jogo tipicamente sul-americano no saibro, prolongando os ralis e jogando mais atrás da linha de base, ela também mostrou muita qualidade quando precisava usar os slices ou entrar mais na quadra para atacar com o forehand. Ela derrotou a norte-americana Sachia Vickery, a tcheca Tereza Martincova (cabeça 7), a experiente suíça de 31 anos Stefanie Voegele, a francesa vinda do quali Harmony Tan e a eslovena Tamara Zidansek, cabeça 5 do torneio e 93º do ranking.

“Vencer esse torneio era o meu sonho. Foi uma semana incrível para mim. Ainda não consigo acreditar que ganhei o título”, disse Osorio, após a vitória na final sobre a Zidansek por 5/7, 6/3 e 6/4. “Fiz uma partida muito boa contra a Tamara, mas não sabia como consegui virar o jogo. Perdi o primeiro set e estava um pouco tensa, por isso ainda não consigo acreditar que ganhei”.

Os 280 pontos do título fazem com que Osorio salte do 186º para o 135º lugar do ranking e possa disputar torneios mais fortes com maior frequência. Isso acaba sendo fundamental para o desenvolvimento de uma jogadora sul-americana, com poucas opções de calendário. “Com este torneio, o meu calendário vai ficar mais aberto, terei mais opções para jogar torneios maiores, por isso estou muito feliz com esta vitória”.

A colombiana também foi perguntada sobre quem ela gostaria de enfrentar na elite do circuito e citou a número 1 do mundo Ashleigh Barty e a atual sexta colocada Bianca Andreescu. “Eu amo a Barty. Adoro ver os jogos dela. Já tive a chance de enfrentar a Bianca em um torneio da ITF [em 2018] e simplesmente amo o jeito que ela joga também. Ela sempre joga com o coração em quadra, é uma loucura! Acho que foi isso que fiz esta semana, igual a ela”.

A colombiana já falou ao Primeiro Set em março de 2018, quando ainda disputava um evento do circuito mundial juvenil em São Paulo. Na época, então com 16 anos, afirmou que sonhava se tornar a número 1 do mundo. Ainda é muito cedo para saber se ela vai conseguir alcançar essa meta tão ambiciosa, mas a conquista de um torneio de elite da WTA com tão pouca idade, ainda mais com todas as dificuldades que envolvem as tenistas sul-americanas, é um ótimo começo.

Gauff faz sua melhor campanha no saibro

Campanha até as quartas no WTA 500 de Charleston foi a melhor de Gauff em um torneio no saibro (Foto: Volvo Car Open)

A norte-americana de 17 anos Coco Gauff conseguiu seu melhor resultado da carreira em quadras de saibro ao vencer três jogos no WTA 500 de Charleston até alcançar as quartas de final. Com isso, ela atingiu o melhor ranking da carreira, ocupando agora a 35ª posição apesar de sua pouca idade. Ela já tem um título nas quadras duras e cobertas de Linz em 2019, quando tinha só 15 anos, e no início da atual temporada já havia disputado uma semifinal nas quadras sintéticas de Adelaide.

“Sinto que, quando estou confiante na quadra, jogo meu melhor tênis”, disse Gauff, que venceu a búlgara Tsvetana Pironkova, a russa Liudmila Samsonova e também a norte-americana Lauren Davis em Charleston, sendo superada pela tunisiana Ons Jabur nas quartas. A promessa norte-americana destacou que a intensidade dos treinos tem feito a diferença.

“Obviamente, quando você está ganhando, sua confiança aumenta. Mas isso é apenas um dado. Tento dar 100% nos treinos as vezes, porque é isso o que eu tento fazer nos jogos. Eu acho que se você faz algo mil vezes nos treinos, você se sente confortável para fazer durante uma partida quando há momentos de pressão”.

Musetti derrubou favorito em Cagliari

Musetti está bastante confiante para a temporada de saibro e já chegou às quartas no primeiro torneio (Foto: Giampiero Sposito)

O italiano Lorenzo Musetti deu continuidade à sua franca evolução no circuito e atingiu as quartas de final do ATP 250 de Cagliari na última semana. Depois de estrear vencendo o austríaco Dennis Novak com autoridade, por 6/0 e 6/1, o jovem de 19 anos surpreendeu o britânico Daniel Evans, cabeça 1 do torneio, e venceu por 6/1, 1/6 e 7/6 (10-8), salvando quatro match points. Sua campanha só foi encerrada após a derrota por 6/4, 4/6 e 6/2 para o sérvio Laslo Djere.

“O segredo para mim foi não pensar no ranking dele e jogar como se ele fosse um adversário como qualquer outro. Tentei fazer o meu jogo e tentei jogar o melhor que posso. Isso é o que eu fiz. Contra adversários desse nível, eu não tenho pressão e me sinto leve em quadra. E nesse jogo foi igual”, disse Musetti a respeito da vitória contra Evans. Ele também já tem currículo vitórias sobre outros grandes nomes como Grigor Dimitrov, Stan Wawrinka, Diego Schwartzman e Kei Nishikori.

Durante a entrevista coletiva após a expressiva vitória sobre Evans, ele acusou o britânico de tê-lo desrespeitado durante a partida. “Existem jogadores respeitosos e experientes, enquanto outros como Evans me tratam como um jovem para tentar bagunçar o jogo. Ele me desrespeitou e eu não quero ser tratado como um menino”, afirmou a respeito do rival de 30 anos e atual 33 do ranking.

Antes do torneio, Musetti já havia dito em entrevista ao site da ATP que esperava surpreender durante a temporada de saibro. “Quando estávamos treinando nestes últimos dias, senti a bola muito bem e me sinto bem. Acho que vou jogar bem e surpreender na temporada de saibro. Estou realmente ansioso para os próximos torneios”, comenta o italiano, que saltou do 90º para o 84º lugar do ranking da ATP após a boa campanha.

Alcaraz disputou sua primeira semi de ATP

Apesar da derrota em Marbella, Alcaraz diz que tem muito a aprender e saiu satisfeito com a campanha (Foto: Alvaro Diaz/Andalucia Open)

Outro novato no circuito a conseguir um grande resultado na última semana foi o espanhol de 17 anos Carlos Alcaraz, semifinalista do ATP 250 de Marbella. Ele se tornou o jogador mais jovem a atingir essa fase de um torneio da elite do circuito desde Alexander Zverev em 2014.

Alcaraz venceu o sérvio Nikola Milojevic, o espanhol Feliciano Lopez e o norueguês Casper Ruud (número 26 do mundo), antes de ser superado pelo compatriota Jaume Munar, 95º colocado, com parciais de 7/6 (7-4) e 6/4. A campanha rendeu 90 pontos na ATP e um salto de 15 posições no ranking para o atual 118º lugar.

“É claro que teria sido ótimo ganhar mais uma partida e jogar uma final de ATP. Mas agora que estou pensando nas coisas com um pouco mais de calma, saio daqui com mais experiência e com bons sentimentos”, disse Alcaraz, eleito a revelação da temporada passada no circuito, quando venceu três challengers e saltou mais de 350 posições no ranking. “Você tem que ser capaz de ver o lado positivo das coisas. No final do dia, vim aqui para aprender e jogar algumas boas partidas e acho que consegui fazer isso. ”

“Há algo que posso aprender com esta derrota. Tenho que aprender com essas situações, então da próxima vez que estiver em uma situação como essa, espero que possa ser diferente. Mas, principalmente, quero continuar aprendendo com todas as minhas partidas e sendo quem eu sou. Estou gostando da jornada”.

Mais pontos para os torneios menores
Outra boa notícia para as jogadoras de ranking mais baixo, e que pode ajudar muitas tenistas tenistas jovens e sul-americanas, foi o acordo entre Federação Internacional de Tênis (ITF) com a WTA para melhorar as condições das jogadoras que disputam torneios menores. A entidade anunciou na última sexta-feira que os torneios do circuito ITF com premiações entre US$ 25 mil e US$ 80 mil darão mais pontos no ranking profissional feminino.

A ideia é beneficiar as jogadoras que tenham poucas opções de calendário e que seriam prejudicadas por restrições de viagens ou dificuldades financeiras no momento em que a WTA começa a descongelar seu ranking e iniciar o processo de defesa de pontos na elite do circuito.

A brasileira Beatriz Haddad Maia, que venceu dois títulos seguidos de ITF W25 na Argentina, já será beneficiada desde já pela nova regra. Enquanto o primeiro torneio, disputado em Villa Maria, rendeu a ela 50 pontos no ranking da WTA, a recente conquista em Córdoba já vai valer 65 pontos.

Confira a tabela completa.

Andreescu e Swiatek lideram nova geração feminina
Por Mario Sérgio Cruz
fevereiro 5, 2021 às 6:46 pm
Bianca Andreescu está de volta ao circuito depois de um ano e quatro meses

Bianca Andreescu está de volta ao circuito depois de um ano e quatro meses

Duas campeãs de Grand Slam lideram a nova geração feminina no Australian Open, que começa na próxima segunda-feira. Mas Bianca Andreescu e Iga Swiatek chegam a Melbourne em momentos muito distintos de suas carreiras. A canadense foi campeã do US Open em 2019 e está retornando às competições depois de um longo afastamento, já a polonesa terminou o ano passado com o título de Roland Garros e quer manter sua franca evolução.

Campeã do US Open de 2019, Andreescu está com 20 anos e é a atual número 8 do mundo. Ela volta ao circuito depois de um ano e quatro meses. O Australian Open será seu primeiro torneio desde o WTA Finals de 2019, quando sofreu uma lesão no joelho esquerdo. Com o calendário de 2020 bastante prejudicado pela pandemia da Covid-19, a jovem jogadora achou melhor focar na preparação para 2021.

A canadense teve o azar de chegar a Melbourne em voo com duas pessoas contaminadas pela Covid-19, uma delas era o seu técnico Sylvain Bruneau. Com isso, fez parte do grupo de 72 tenistas (vindos de três voos) que ficaram em rígida quarentena por 14 dias, sem acesso às quadras de treino. A WTA chegou a criar um torneio só para as jogadoras que ficaram em completo isolamento por duas semanas, mas Andreescu preferiu não jogar e utilizar essa semana para treinar.

Muita dor, mas sem pressão

“Eu sei que vou estar dolorida para caramba depois da minha primeira partida. Isso é certo. E não estou nada ansiosa por isso”, disse Andreescu, que estreia no Australian Open contra a canhota romena Mihaela Buzarnescu. “Quando joguei meus primeiros sets de treino já fiquei toda dolorida no dia seguinte”.

“Todas as emoções e toda a adrenalina vão ser um pouco mais enfatizadas. Obviamente, eu não jogo há muito tempo. Não sei como vou estar. Mas provavelmente ficarei muito mais nervosa do que o normal”, acrescenta a canadense, que pode enfrentar a taiwanesa Su-Wei Hsieh ou a búlgara vinda do quali Tsvetana Pironkova na segunda rodada. Já Venus Williams, Qiang Wang, Sara Errani e Kirsten Flipkens podem pintar na fase seguinte.

Por outro lado, Andreescu pode dizer que chega a um Grand Slam sem pressão alguma por resultados. “Eu sinto que não tenho muita pressão sobre meus ombros. Sim, eu sou cabeça de chave, mas estou sem jogar há muito tempo. Eu só quero ir até lá e jogar. Tenho em mente de que preciso ser muito grata só por estar na quadra de novo”.

Vida nova para a campeã Iga Swiatek

Iga Swiatek disputa seu primeiro Grand Slam desde o título de Roland Garros

Iga Swiatek disputa seu primeiro Grand Slam desde o título de Roland Garros

Iga Swiatek desembarcou em Melbourne numa situação muito diferente da que havia chegado a Paris em setembro do ano passado. A polonesa deu um salto do 54º para o 17º lugar depois do título em Roland Garros e sabe que terá que lidar com uma carga emocional diferente. Logo no primeiro jogo da temporada, em que venceu a eslovena Kaja Juvan por 2/6, 6/2 e 6/1 pelo Gippsland Trophy, Swiatek comentou que o controle dos nervos foi fundamental para a vitória.

“Com certeza, o início foi difícil. Eu sentia que não conseguia me concentrar muito bem e minha cabeça não estava no lugar certo”, disse ao site da WTA. “Eu não diria que estava nervosa, mas me senti estressada de uma maneira diferente. Estava muito lenta no início do jogo, mas não foi a primeira partida que me senti assim. Às vezes eu estava chegando atrasada para muitas bolas e não estava jogando tênis consistente. Mas estou muito feliz por ter sido paciente o suficiente para mudar isso e não ficar com raiva”.

https://twitter.com/iga_swiatek/status/1357300057750466564

A polonesa acabou caindo nas oitavas do torneio preparatório para o Australian Open, superada pela russa Ekaterina Alexandrova por 6/4 e 6/2. Depois do jogo, mostrou plena consciência de que precisa assimilar lições da derrota. “Nem sempre as coisas são brilhantes. Com certeza esse jogo vai ficar comigo. Às vezes você sabe como e o que fazer, mas quando você pisa na quadra, há estresse e muita luta. Vou me recuperar e fazer melhor”.

A estreia de Swiatek no Australian Open será contra a holandesa Arantxa Rus. Em caso de vitória, pode enfrentar a italiana Camila Giorgi ou a cazaque Yarolasva Shvedova. A cabeça de chave mais próxima é também cazaque Elena Rybakina, de 21 anos. Já nas oitavas, há possibilidade de um reencontro com a número 2 do mundo Simona Halep, a quem eliminou na mesma fase da campanha vitoriosa em Roland Garros.

Gauff é a caçula, Fernandez e Kostyuk tiveram bons resultados


Como de costume, a norte-americana de 16 anos Coco Gauff será a caçula do torneio e estreia contra a suíça Jil Teichmann. Elas já se enfrentaram nesta semana pelo Gippsland Trophy e Gauff venceu uma batalha de 2h45 por 6/3, 6/7 (6-8) e 7/6 (7-5). “Honestamente, acho que a chave apenas foi positiva mentalmente. Acho que também que todo o treinamento que fiz na pré-temporada me deixou capaz de jogar três sets difíceis e não me sentir tão cansada”.

A canadense de 18 anos Leylah Fernandez vem de uma vitória sobre Sloane Stephens em Melbourne e terá uma estreia difícil diante da top 20 belga Elise Mertens. Já a ucraniana de 18 anos Marta Kostyuk, 78ª do ranking, está de volta ao Australian Open três temporadas depois de uma incrível campanha desde o quali até a terceira rodada. Ela começou a temporada chegando à semifinal do WTA 500 de Abu Dhabi e estreia no Slam australiano contra a russa Veronika Kudermetova.

Seis jovens promessas furaram o quali

Com apenas 19 anos, a norte-americana Whitney Osuigwe já vai disputar seu quinto Grand Slam

Com apenas 19 anos, a norte-americana Whitney Osuigwe já vai disputar seu quinto Grand Slam

A nova geração do circuito feminino mostrou força no qualificatório, disputado em Dubai. Ao todo, seis jovens jogadoras com até 21 anos conseguiram suas vagas na chave principal. Um dos destaques é a eslovena Kaja Juvan, que já vai disputar seu sexto Grand Slam com apenas 20 anos e desafia a britânica Johanna Konta na estreia. Também furou o quali foi a norte-americana de 18 anos Whitney Osuigwe. A filha de imigrante nigeriano e 163ª do ranking já vai para o quinto Slam da carreira e enfrenta a chinesa Lin Zhu.

Outras jovens jogadoras que passaram pelas três rodadas da fase prévia são a sérvia Olga Danilovic, a francesa Clara Burel, a italiana Elisabetta Cocciaretto (todas de 19 anos) e a britânica de 20 anos Francesca Jones. Essa última, aliás, nasceu com uma síndrome rara chamada displasia ectrodactilia ectodérmica e tem apenas quatro dedos em cada mão. Ela chegou a ser aconselhada por médicos a não jogar tênis. Jones, que disputará seu primeiro Slam, estreia contra a norte-americana Shelby Rogers.

Confira 15 jovens tenistas para assistir em 2021
Por Mario Sérgio Cruz
dezembro 31, 2020 às 7:01 am

O ano de 2020 termina nesta quinta-feira e a temporada 2021 do circuito profissional tem início já na próxima semana, com os homens em Delray Beach e as mulheres em Abu Dhabi. Em meio às restrições impostas pela pandemia da Covid-19, o calendário do tênis internacional passou por uma série de adaptações e o primeiro Grand Slam de 2021, o Australian Open, só começa no dia 8 de fevereiro.

O que não muda é o ímpeto da nova geração do circuito em evoluir e bater de frente com as principais estrelas do esporte. Alguns desses nomes, aliás, já têm títulos expressivos no currículo mesmo com tão pouca idade. Neste último dia do ano, TenisBrasil destaca 15 jovens tenistas nascidos a partir de 2000 e que mostram grande potencial para se destacar no circuito.

Bianca Andreescu (20 anos, Canadá, 7ª da WTA)

Sensação da temporada de 2019, quando conquistou seu primeiro Grand Slam no US Open e também venceu torneios grandes em Indian Wells e Toronto, Bianca Andreescu está afastada do circuito há mais de um ano, mas fará seu retorno às competições no início de 2021.

A canadense, ainda com 20 anos, sofreu uma grave lesão no joelho esquerdo no fim de 2019, quando atuava no WTA Finals. Ela tentaria voltar no meio deste ano, mas a pandemia paralisou o circuito por praticamente cinco meses. Além disso, Andreescu também teve que tratar de uma lesão crônica no pé e preferiu focar sua preparação na próxima temporada. Sua volta ao circuito deve acontecer em um dos dois torneios WTA 500 que Melbourne receberá às vésperas do US Open.

Apesar do longo período de inatividade, Andreescu não teve prejuízo no ranking. Isso porque a WTA modificou temporariamente o cálculo das pontuações, considerando os 16 melhores resultados obtidos entre março de 2019 e dezembro de 2020. Assim, a canadense conseguiu se manter no top 10 com os o resultados do ano passado. 

Iga Swiatek (19 anos, Polônia, 17ª da WTA)

Outra campeã de Grand Slam que merece bastante atenção dos fãs é Iga Swiatek. A polonesa de apenas 19 anos brilhou em Roland Garros ao vencer sete jogos seguidos sem perder um set sequer e deu um salto no ranking do 53º para o 17º lugar. Tanto Swiatek quanto Andreescu apostam em trabalhos muito elaborados de preparação psicológica para as partidas. 

Com um jogo inteligente e muitos recursos técnicos à disposição, Swiatek pode exibir um tênis competitivo em diferentes pisos e condições de quadra e tem grandes chances de ampliar sua sala de troféus. É questão de tempo para que ela logo apareça entre as dez primeiras do ranking. Fora do WTA 500 de Abu Dhabi, que acontece na semana que vem, deve iniciar a temporada já em solo australiano.

Felix Auger-Aliassime (20 anos, Canadá, 21º da ATP)
Apesar de ainda não ter conquistado um título de ATP, Felix Auger-Aliassime vem de duas temporadas consistentes no circuito e já disputou seis finais em torneios deste porte, sendo três em 2019 e mais três este ano. A lista inclui torneios no saibro, como o Rio Open e o ATP de Lyon, na grama de Stuttgart, e no piso duro de Roterdã, Colônia e Adelaide.

O canadense até já chegou a figurar entre os 20 melhores do mundo, ocupando o 17º lugar em 2019. Além do desempenho ruim em finais, ainda falta a Aliassime ter uma boa sequência de resultados em torneios grandes. Ele fez sua pré-temporada na academia de Rafael Nadal estabeleceu como metas para 2021 a chegada ao top 10 e a classificação para o ATP Finals.

Jannik Sinner (19 anos, Itália, 37º da ATP)

Jogador mais jovem no top 100 do ranking da ATP, Jannik Sinner terminou a temporada com seu primeiro título no circuito, em Sófia, e ocupando a melhor marca da carreira no 37º lugar. Também em 2020, o italiano venceu seus três primeiros jogos contra top 10 e alcançou as quartas de final de Roland Garros.

Sinner tem uma boa oportunidade de evoluir como jogador no início de 2021 por ter sido escolhido como o parceiro de treinos de Rafael Nadal na primeira semana de preparação para o Australian Open.

Dayana Yastremska (20 anos, Ucrânia, 29ª da WTA)
Apesar da pouca idade, Dayana Yastremska já é um nome consolidado na elite do circuito. A ucraniana de 20 anos já tem três títulos de WTA e chegou a ocupar o 21º lugar do ranking no início da temporada. Mas para dar outro salto, precisa melhorar seu desempenho nos Grand Slam, já que nunca passou da terceira rodada em torneios deste porte.

Thiago Wild (20 anos, Brasil, 116º da ATP)

Grande esperança para o futuro do tênis brasileiro, Thiago Wild se tornou o tenista mais jovem do país a conquistar um título de ATP em Santiago. Ele também foi o primeiro jogador nascido a partir de 2000 a vencer um evento na elite do circuito. Na última temporada, o paranaense também debutou na Copa Davis e disputou seu primeiro Grand Slam no US Open.

Número 2 do Brasil com apenas 20 anos, Wild começa 2021 jogando o quali do Australian Open, que foi excepcionalmente transferido para Doha e acontece entre os dias 10 e 13 de janeiro. Depois, parte para o challenger de Istambul, na Turquia. Depois de terminar o ano com uma sequência de resultados negativos, a volta ao caminho das vitórias, a vaga na chave principal do Grand Slam australiano e a entrada no top 100 são os primeiros objetivos no curto prazo.

Amanda Anisimova (19 anos, Estados Unidos, 30ª da WTA)
A norte-americana Amanda Anisimova não repetiu em 2020 a ótima temporada que teve no ano passado, quando foi semifinalista de Roland Garros e chegou a ser número 21 do mundo. Ainda assim, conseguiu permanecer entre as 30 melhores e deverá ser uma das cabeças de chave do Australian Open. Ela já começa a temporada na semana que vem, em Abu Dhabi.

Coco Gauff (16 anos, Estados Unidos, 48ª da WTA)

 

 

 

 

 

 

Ver essa foto no Instagram

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Uma publicação compartilhada por Coco Gauff (@cocogauff)

 

Com apenas 16 anos, completados em março, Coco Gauff já aparece entre as 50 melhores jogadoras do mundo. A promissora atleta norte-americana ocupa atualmente a 48ª colocação no ranking, apenas uma abaixo da melhor marca da carreira.

Gauff já tem boas campanhas em Grand Slam, como as oitavas de Wimbledon e do Australian Open e a terceira rodada em Nova York, além de já ter vencido seu primeiro WTA no ano passado em Linz. Fora das quadras, a jovem jogadora também se mostra bastante consciente de seu papel na sociedade e é engajada na luta contra o racismo e por maior justiça social.

Carlos Alcaraz (17 anos, Espanha, 141º da ATP)

Escolhido como a Revelação do Ano pela ATP, o espanhol Carlos Alcaraz deu um salto de 350 posições no ranking ao longo de 2020. Ele iniciou a temporada no 491º lugar e termina na 141ª colocação. O novato de apenas 17 anos conquistou seus três primeiros títulos de challenger na última temporada, em Trieste, Barcelona e Alicante. Além de ficar com o vice em Cordenons.

Apenas Alcaraz e o argentino Francisco Cerundolo venceram três challengers em 2020. O espanhol é também o segundo mais jovem de seu país a conquistar um torneio deste porte, ficando atrás apenas do ídolo Rafael Nadal. Seu treinador, o ex-número 1 Juan Carlos Ferrero, aposta em um futuro promissor e diz que o jovem espanhol logo chegará aos Grand Slam.

Leylah Fernandez (18 anos, Canadá, 88ª da WTA)

A canhota Leylah Fernandez foi uma das revelações da última temporada feminina. Ela derrotou jogadoras de destaque como a então número 5 do mundo Belinda Bencic e a campeã de Slam Sloane Stephens. A canadense também alcançou uma final de WTA em Acapulco, fez uma boa terceira rodada em Roland Garros e terminou o ano com o melhor ranking da carreira, no 88º lugar.

Em recente entrevista ao site da ITF, Fernandez declarou que parte de seu treinamento consiste em estudar os movimentos de atletas de diferentes modalidades. Isso inclui nomes do passado como Pelé, ou contemporâneos como Lionel Messi e o boxeador Floyd Mayweather.

Lorenzo Musetti (18 anos, Itália, 128º da ATP)

Outro prodígio do tênis italiano, Lorenzo Musetti aproveitou muito bem a oportunidade que teve no Masters 1000 de Roma e derrotou jogadores de respeito como Stan Wawrinka e Kei Nishikori. O jovem de 18 anos também conquistou seu primeiro challenger em Forli, vencendo o brasileiro Thiago Monteiro na final, e foi semifinalista no ATP 250 da Sardenha.

Em 2020, Musetti ganhou 233 posições ao longo do ano, saltando do 361º para o 128º lugar. Já na próxima temporada, o italiano tentará em 2021 disputar seu primeiro Grand Slam e entrar no top 100 do ranking mundial.

Marta Kostyuk (18 anos, Ucrânia, 99ª da WTA)
Considerada como uma das principais apostas para a nova geração do circuito, a ucraniana de 18 anos Marta Kostyuk chegou enfim ao top 100 já na reta final da última temporada. Apesar da pouca idade, ela já se destaca há algum tempo. Exemplo disso foi a campanha até a terceira rodada do Australian Open de 2018, quando ela tinha apenas 15 anos.

Campeã juvenil do Australian Open de 2017 e ex-número 2 no ranking da categoria, Kostyuk não conseguia ter um calendário completo nas últimas temporadas por causa das restrições da WTA para tenistas com menos de 18 anos. Além disso, sofreu uma lesão nas costas no ano passado. Este ano, chegou à terceira fase do US Open e só foi superada pela campeã Naomi Osaka.

Sebastian Korda (20 anos, Estados Unidos, 118º da ATP)

 

 

 

 

 

 

Ver essa foto no Instagram

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Uma publicação compartilhada por Sebi (@sebastiankorda)

 

O norte-americano Sebastian Korda foi um dos destaques na reta final da temporada, especialmente depois da ótima campanha que fez em Roland Garros, onde foi desde o quali até as oitavas de final, sendo superado pelo campeão Rafael Nadal. Além disso, conquistou seu primeiro challenger nas quadras de carpete de Eckental, na Alemanha, e ficou mais perto de entrar no top 100.

O jovem jogador de 20 anos vem de uma família com muita história no tênis. Ele é filho de Petr Korda, ex-número 2 do mundo e campeão do Australian Open de 1998, e de Regina Kordova, que também jogou profissionalmente e chegou a ser número 26 do ranking da WTA. A mãe, aliás, foi sua principal mentora no início da carreira. Durante a pré-temporada, foi acompanhado de perto por duas lendas do tênis, Andre Agassi e Steffi Graf.

Clara Tauson (18 anos, Dinamarca, 152ª da WTA)


A dinamarquesa Clara Tauson comemorou na última temporada sua primeira vitória em Grand Slam. Vinda do qualificatório em Roland Garros, ela derrubou a favorita Jennifer Brady, número 25 do mundo. Tauson completou 18 anos agora em dezembro e aparece atualmente no 152º lugar do ranking da WTA. Até por isso, tentará o quali para o Australian Open.

Sua principal inspiração é a compatriota Caroline Wozniacki, que encerrou sua carreira profissional no início desta temporada, ainda aos 29 anos, no Australian Open. Nos últimos 31 anos, Wozniacki e Tauson foram as únicas dinamarquesas a vencer partidas de Grand Slam, mas a jovem jogadora tenta evitar comparações com a ex-número 1 do mundo. Elas até já treinaram juntas e têm os pais como mentores no tênis, mas há uma clara diferença em estilos de jogo. Enquanto Wozniacki se destacava pela consistência e pela construção de pontos mais longos, Tauson joga um tênis mais agressivo e tenta definir cedo suas jogadas.

Brandon Nakashima (19 anos, Estados Unidos, 166º da ATP)
O norte-americano de 19 anos Brandon Nakashima terminou a temporada conquistando seu primeiro challenger em Orlando e ocupando o melhor ranking da carreira no 166º lugar. Ele já foi número 3 do mundo como juvenil e campeão do ITF Junior Masters em 2018. Nakashima começou a se firmar no tênis profissional este ano, com boas campanhas em challengers e três vitórias em nível ATP, uma delas no US Open.

* Três ótimos nomes de 1999
Como a lista destacou apenas os tenistas nascidos a partir de 2000 e que completam até 21 anos em 2021, alguns jovens em franca evolução acabaram ficando fora. Mas ainda assim, é interessante olhar com atenção para dois nomes. O principal destaque é para a cazaque de 21 anos Elena Rybakina disputou cinco finais de WTA em 2020, ganhando um título em Hobart, e venceu nomes de destaque como Sofia Kenin e Karolina Pliskova para terminar o ano no 19º lugar.

Outra jogadora de 21 anos que merece destaque é Catherine Bellis. Considerada uma grande promessa do tênis norte-americano desde que venceu um jogo no US Open de 2014 com apenas 15 anos, Bellis chegou a ser 35ª do mundo em 2017, antes de sofrer com lesões no punho e no cotovelo, que a fizeram passar por quatro cirurgias em pouco menos de dois anos. Atualmente no 133º lugar, está voltando aos poucos a ter bons resultados.

Já no circuito da ATP, destaque para o finlandês de 21 anos Emil Ruusuvuori, que venceu quatro challengers em 2019 e manteve sua evolução na última temporada. Ruusuvuori debutou no top 100, chegou a uma semifinal de ATP em Nur-Sultan e aparece atualmente na 86ª posição.

Promessa dinamarquesa evita comparações com Wozniacki
Por Mario Sérgio Cruz
setembro 29, 2020 às 11:52 pm
EjGkxMXUMAEBwj_

Clara Tauson, de 17 anos, venceu seu primeiro jogo de Grand Slam nesta terça-feira (Foto: Jimmie48/WTA)

Com apenas 17 anos, a dinamarquesa Clara Tauson comemorou sua primeira vitória em Grand Slam. Vinda do qualificatório em Roland Garros, a atual 188ª do ranking estreou na chave principal com a difícil missão de enfrentar a norte-americana Jennifer Brady, semifinalista do US Open e número 25 do mundo. A dinamarquesa precisou lutar por 2h45 e salvou dois match points antes de vencer a partida por 6/4, 3/6 e 9/7.

Tauson foi campeã juvenil do Australian Open no ano passado e deu um salto no ranking profissional ainda na última temporada, do 863º para o 267º lugar, conquistando quatro títulos de ITF. Este ano, foram mais duas conquistas, além de uma vitória no WTA de Praga. Sua principal inspiração é a compatriota Caroline Wozniacki, que encerrou sua carreira profissional no início desta temporada, ainda aos 29 anos, no Australian Open. Nos últimos 31 anos, Wozniacki e Tauson foram as únicas dinamarquesas a vencer partidas de Grand Slam, mas a jovem jogadora tenta evitar comparações com a ex-número 1 do mundo.

“A Dinamarca é um país muito pequeno e com pouca tradição no tênis. É claro que ela foi meu maior modelo, enquanto eu crescia. Ela conseguiu fazer sucesso e isso me fez pensar que eu poderia fazer o mesmo no circuito. Somos muito comparadas, mas eu e ela somos pessoas diferentes. Estou apenas tentando me concentrar na minha carreira”, disse Tauson, em entrevista ao site de Roland Garros. Ela conta que já treinou algumas vezes com Wozniacki no ano passado. Outro ponto em comum: A jovem dinamarquesa treina com o pai, Soren, que tenta repetir o caminho de sucesso traçado por Piotr Wozniacki.

Mas em termos de jogo, Tauson não segue o mesmo estilo de Wozniacki. Enquanto a ex-líder do ranking e campeã do Australian Open de 2018 se destacava por sua consistência do fundo de quadra e preferia construir pontos mais longos, embora tivesse incorporado alguns elementos mais agressivos ao longo da carreira, a jovem de 17 anos tenta definir cedo as jogadas. Exemplo disso foram 48 winners no duelo com Brady, sendo 30 com seu forehand.

“Jogamos uma partida incrível hoje. Provavelmente, foi o tênis da mais alta qualidade que já joguei na minha vida”, avaliou a dinamarquesa. “Eu me adaptei e acho que estou pronta para estar neste nível, mas tenho que entrar no top 100 e ainda há um longo caminho pela frente”, comenta a jovem jogadora, que agora encara a também norte-americana Danielle Collins, 57ª do mundo. “Ela bate muito forte na bola, como a Jen também foi hoje, mas talvez seja um pouco mais consistente. Nunca enfrentei meninas desse nível antes, então não posso falar muito. Mas sei que ela é uma jogadora muito boa”.


Ver essa foto no Instagram

Living a teenage dream 💭 #RolandGarros #tennis #grandslam #sport 📸 Corinne Dubreuil / FFT

Uma publicação compartilhada por Roland-Garros (@rolandgarros) em

Wozniacki já esperava pelo sucesso dos jovens
Em uma das últimas entrevistas coletivas de sua carreira, Wozniacki já se mostrava muito animada com a nova geração de seu país. Vale destacar que além de Tauson, os dinamarqueses apostam muito no Holger Rune, também de 17 anos e campeão juvenil de Roland Garros no ano passado. Outro juvenil que tenta se firmar é Elmer Moller, 50º colocado no ranking mundial da categoria.

“É incrível ver esses jovens, tanto as meninas quanto os meninos, em quadra e ver que o tênis está prosperando e indo bem. É ótimo, espero que possamos seguir em frente e espero ter provado para essaa geração mais jovem que é possível ser da Dinamarca e ser uma grande jogadora de tênis. Portanto, espero que tenhamos muitos mais no futuro”.

Jovens promessas na segunda rodada
A segunda rodada da chave feminina de Roland Garros tem outras jovens promessas e até mesmo um confronto da nova geração entre duas jogadoras de 19 anos, a eslovena Kaja Juvan e a francesa Clara Burel. Juvan é a número 103 do mundo e vem de uma expressiva vitória por duplo 6/3 sobre Angelique Kerber, enquanto a convidada Burel é a 357ª do ranking venceu seu primeiro jogo de Grand Slam na última segunda-feira sobre a holandesa Arantxa Rus por 6/7 (7-9), 7/6 (7-2) e 6/3.

Jogadora mais jovem da chave e número 51 do mundo, Coco Gauff vem de vitória sobre a cabeça 9 Johanna Konta por duplo 6/3. A norte-americana de 16 anos disputa apenas seu segundo torneio no saibro como profissional e vai enfrentar a italiana Martina Trevisan. Também na próxima fase, a canadense de 18 anos Leylah Fernandez encara a eslovena Polona Hercog, a polonesa de 19 anos Iga Swiatek terá um jogo divertido contra a taiwanesa Su-Wei Hsieh, enquanto a norte-americana de 19 anos Amanda Anisimova, semifinalista no ano passado, enfrenta a compatriota Bernarda Pera.