Os quatro testes e o 1º ATP de Tiafoe
Por Mario Sérgio Cruz
fevereiro 26, 2018 às 11:18 pm

É difícil ver um jogador tendo que passar por tantas situações distintas no caminho para um título quanto Frances Tiafoe teve nesta semana até a conquista do ATP 250 de Delray Beach. O norte-americano de apenas 20 anos lidou com diferentes estilos de adversário e diferentes tipos de pressão no caminho durante a trajetória até sua primeira conquista na elite do circuito.

Tiafoe foi de franco-atirador da partida contra Juan Martin del Potro ainda nas oitavas de final a favorito absoluto e esperança da torcida americana na decisão diante do alemão Peter Gojowczyk. Entre esses dois jogos, duas vitórias seguidas em duelos da nova geração sobre Hyeon Chung e Denis Shapovalov.

Tiafoe passou por Del Potro, Shapovalov e Chung antes da final em Delray Beach (Foto:  Peter Staples/ATP World Tour)

Tiafoe passou por Del Potro, Shapovalov e Chung antes da final em Delray Beach (Foto: Peter Staples/ATP World Tour)

O favorito: Diante de Del Potro, Tiafoe desafia os números. Era o sétimo jogo que o norte-americano faria contra um top 10 e a única vitória até então viera há mais de seis meses, contra Alexander Zverev no ano passado em Cincinnati. Some-se a isso uma recente vitória de Del Potro sobre o americano em sets diretos no Australian Open e o bom retrospecto do argentino no torneio. Em duelo de 2h27, com apenas duas quebras para cada lado, o jovem norte-americano disparou dezessete aces e salvou 14 dos 16 break points que enfrentou, em muitos deles com ótimos saques. Vitória por 7/6 (8-6), 4/6 e 7/5.

O jogo de dois dias: A partida contra Chung começou com desvantagem no placar e foi marcada por uma marcação controversa do árbitro de cadeira, que não viu uma bola tocar duas vezes na quadra do sul-coreano.

https://twitter.com/doublefault28/status/967221732347170816

https://twitter.com/doublefault28/status/967223353063944192

Além disso, Chung exibia seu característico jogo sólido de fundo de quadra, sempre mandando uma bola a mais. Quando o norte-americano enfim adquiriu ritmo e ficou mais perto da vitória, aconteceu mais uma situação que poderia desestabilizá-lo. Começou a chover no momento que Tiafoe liderava a parcial decisiva por 5/3 e o jogo foi suspenso para a tarde seguinte. Na volta, Chung confirmou o serviço e passou a pressão para o lado do anfitrião. Sacando para o jogo, Tiafoe enfrentou um game longo e precisou de oito match points para garantir um lugar na semifinal, que seria disputada no mesmo dia. Placar de 5/7, 6/4 e 6/4 em 2h29 de partida.

A barreira:  Muita coisa estava em jogo na semifinal diante de Denis Shapovalov. Afinal, o vencedor do encontro entre dois expoentes da nova geração disputaria uma final de ATP pela primeira vez na carreira. E ambos sabiam que passar por essa barreira representaria uma decisão diante de Gojowczyk, que apesar dos 28 anos tem apenas um título no circuito, representaria uma oportunidade muito grande de conquistar o primeiro troféu.

Além disso, vencer um jogo importante contra um colega de geração serve para marcar terreno entre jogadores dessa faixa etária e que tendem a rivalizar nos próximos anos. O próprio Shapovalov vinha de duas vitórias assim, sobre os americanos Jared Donaldson e Taylor Fritz e estava sacando muito bem no torneio. A semifinal foi rápida, com apenas 1h11 de duração e equilibradas parciais de 7/5 e 6/4 a favor do anfitrião.

A grande chance: Depois de passar por um dos principais nomes do torneio e por dois rivais de sua geração, Tiafoe viu a sorte sorrir do outro lado da chave. Os principais nomes do outro lado do quadro caíram precocemente, casos de Jack Sock, John Isner e Milos Raonic. Veio Gojowczyk, então 64º colocado e ainda com algumas limitações físicas.

O começo de partida foi arrasador para Tiafoe, que venceu os cinco primeiros games. Mesmo sem colocar tantos primeiros saques em quadra, o norte-americano cedeu apenas sete pontos em seus games de serviço durante o set inicial e enfrentou apenas um break point. Gojowczyk chegou a pedir atendimento antes do sexto game e até confirmou o saque quando voltou, mas seguia com poucas chances diante do anfitrião.

Ainda com limitações físicas, o alemão frequentemente recebia o fisioterapeuta nas viradas de lado. Tiafoe foi o primeiro a quebrar ainda no terceiro game da parcial seguinte. Na sequência, em um game de duas duplas faltas permitiu a única quebra a favor do alemão no jogo. Ainda assim, o norte-americano manteve o domínio das ações e voltou a liderar o placar para não ser mais ameaçado. O jovem de 20 anos terminou o jogo com 13 aces, dois deles no último game disputado.

O ranking e os jovens americanos: Tiafoe é o primeiro expoente da nova geração do tênis masculino norte-americano a ter um título de ATP. De quebra, ele saltou trinta posições no ranking para atingir o 61º lugar e ficar a apenas uma posição da melhor marca de sua carreira.

O campeão de Delray Beach ainda está a duas posições de Jared Donaldson, que é um ano mais velho, mas já está à frente do 77º colocado Taylor Fritz que disputou uma final em Memphis há dois anos. Outros jovens americanos de até 21 anos no top 200 são Ernesto Escobedo (123º), Tommy Paul (151º), Stefan Kozlov (160º), Michael Mmoh (176º) e Reilly Opelka (197º).


Comentários
  1. jose kulatra

    Só tem porcaria, os EUA não produzem mais aquela leva de mestres como conor, agassi, sampras etc….
    Não aparece mais nada de bom, só merda em pó, igual aqui no Brasil……só perdem

    Oscar do Juncal

    Reply
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Comentário

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>