Alcaraz retorna a Roland Garros com novo status
Por Mario Sérgio Cruz
maio 21, 2022 às 9:49 pm

No ano passado, Alcaraz havia disputado o quali em Paris. Agora, entra no torneio como número 6 do mundo. (Foto: Corinne Dubreuil/FFT)

A segunda participação de Carlos Alcaraz em Roland Garros acontece em um contexto muito diferente em comparação com a edição passada do Grand Slam francês. Se em 2021, o espanhol disputava apenas seu segundo Slam como profissional e precisou passar pelo quali, o retorno a Paris em 2022 é na condição de candidato ao título. Número 6 do mundo, Alcaraz estreia neste domingo, diante do argentino Juan Ignacio Londero, ex-top 50 e atual 141º do ranking.

Alcaraz chega para Roland Garros carregando uma invencibilidade de dez jogos e dois títulos importantes no saibro, o ATP 500 de Barcelona e o Masters 1000 de Madri. E na capital espanhola, conseguiu a façanha de superar Rafael Nadal, Novak Djokovic e Alexander Zverev em dias consecutivos para vencer seu quarto título na temporada e o segundo Masters 1000.

Em 31 jogos disputados na temporada de 2022, Alcaraz venceu 28 no total. Entre as três derrotas no ano, duas foram em jogos equilibradíssimos contra adversários do top 10, Matteo Berrettini no tiebreak do quinto set no Australian Open e Rafael Nadal em partida com 3h12 na semifinal de Indian Wells. A outra derrota foi para o norte-americano Sebastian Korda no Masters 1000 de Monte Carlo e que impediu Alcaraz de chegar a Paris invicto no saibro. Também campeão do Rio Open, em fevereiro, ele tem 16 vitórias e apenas uma derrota no piso em 2021.

Como Alcaraz estava no ano passado
Para efeito de comparação, Alcaraz era apenas o número 97 do mundo quando disputou a edição passada de Roland Garros. O espanhol fez boa campanha, tendo superado Lukas Lacko, Andrea Pellegrino e Alejandro Tabilo em sets diretos durante o quali, e depois ainda passou por Bernabe Zapata Miralles e pelo então 31º do ranking Nikoloz Basilashvili na chave principal, antes de cair diante do alemão Jan-Lennard Struff na terceira rodada em Paris. Semanas antes, ele havia disputado uma semifinal de ATP em Marbella e vencido um challenger em Oeiras. Além de ter duelo com o ídolo Nadal no Masters de Madri, no dia de seu 18º aniversário.

Chave dura para o espanhol em Paris
Caso passe pela estreia contra Londero, que entrou na chave como lucky-loser, Alcaraz pode ter um duelo espanhol contra Albert Ramos, canhoto de 34 anos e 42º do ranking, ou encarar o australiano Thanasi Kokkinakis, 85º colocado. Ele venceu nas duas vezes que enfrentou Ramos, enquanto Kokkinakis é um rival inédito em sua carreira. Existe a possibilidade de um reencontro com Korda, seu único algoz em toda a temporada de saibro, já na terceira rodada. E nas oitavas, o jovem espanhol pode enfrentar o britânico Cameron Norrie, que neste sábado venceu o ATP de Lyon. Mas Alcaraz já o derrotou duas vezes no ano. Há ainda a chance de encontrar nomes como Dominic Thiem ou Karen Khachanov.

O quadrante e o lado de Alcaraz na chave estão muito fortes. Caso alcance as quartas de final de um Grand Slam pela segunda vez na carreira, repetindo a façanha do último US Open, o espanhol pode reencontrar Alexander Zverev. E o semifinalista provavelmente enfrentará uma lenda do tênis, já que o treze vezes campeão Rafael Nadal e o número 1 do mundo e bicampeão Novak Djokovic estão no outro quadrante deste lado da chave.

Para tentar fazer sua melhor campanha em um Grand Slam na carreira, Alcaraz terá que fazer algo que se acostumou a fazer nos últimos meses, brilhar nos grandes palcos, contra grandes jogadores. Oito das onze vitórias do espanhol contra jogadores do top 10 foram conquistadas neste ano. Além da trinca sobre Zverev, Nadal e Djokovic em Madri, ele já venceu Stefanos Tsitsipas duas vezes no ano, superou Casper Ruud na final do Masters 1000 de Miami, e também já conquistou grandes vitórias sobre Hubert Hurkacz e Matteo Berrettini.

‘Acho que tenho ainda que melhorar em tudo’
Após a recente conquista em Madri, Alcaraz falou sobre sua excelente fase no circuito. “Acho que estou jogando muito bem e os números falam por si só. Acho que estou indo muito bem no saibro agora. Como eu disse em Monte Carlo, você aprende muito com as derrotas e aquele foi um exemplo claro. Perdi na primeira rodada de Monte Carlo, aprendi com aquela derrota e comecei a treinar para Barcelona e Madrid. Considero que estou jogando muito, muito bem, e acho que sou um adversário difícil para os outros jogadores”.

“Acho que tenho ainda que melhorar em tudo, e sempre digo isso. Você nunca atinge um limite. Veja Rafa, Djokovic, Federer… Todos eles melhoram e têm coisas a melhorar. Por isso são tão bons. Não é porque eu ganhei em Barcelona e venci o Djokovic e o Rafa em Madri, não que me considero o melhor jogador do mundo. Hoje sou o número 6, então ainda tenho cinco jogadores pela frente para ser o melhor”.


Comentários
  1. Valmir

    Olá Mario,
    Vc acha que o Alcaraz tem 1,85m como dizem e como está no site da ATP?
    Perguto isso que não acredito nisso, já vi ele pela TV próximo de outros jogadores que conhecemos a altura e ele não parece corresponder a altura informada, ele é bem menor que o Nadal que tem 1,85m e me pareceu quase da altura do Ferrer na premiação em Madri.
    Levanto este ponto porque acredito que a altura é um fator importante no Tenis, veja a altura dos número 1 dos últimos 20 anos, não me perece ser acaso que ele todos tenham 1,85m ou mais.
    Assim, se eu estiver correto na minha análise, até acho que ele será numero 1 do tenis, mas não acho que terá capacidade de ter o mesmo êxito que o big 3. Não os superará.
    Um abraço

    Reply
    1. Mario Sérgio Cruz

      Se a gente pegar algumas fotos dele lado a lado com o Nadal ou com o Djokovic, como nas de Madri, as alturas parecem bem próximas sim. E dá para usar fotos dele com o Murray, que tem 1,90m, também como parâmetro. Acho que está tudo certo, sim.

      Reply
  2. Evandro

    O Nadal pode pegar Djoko e Alcaraz nas quartas e semi

    Djoko pode pegar Nadal e Alcaraz nas quartas e semi

    Alcaraz só pega um dos dois, que vão ter vindo de uma batalha 2 dias antes, se todos chegarem lá na frente.

    Ou seja, caminho mais fácil, mlq mais novo, tem tudo pra caminhar pro título.

    Reply
  3. Armando

    Acho que esse Garoto será, num futuro breve, o grande adversário do GOAT, Novak Djokovic, vez que Federer “já deu”, e Nadal parece que, cada vez mais, “está virando a curva”. Como Djoko, pelo seu biotipo e saúde, joga, fácil, fácil, pelo menos, mais uns 4 anos, em altissimo nivel, essa, a meu ver, será a grande rivalidade do tênis……., com Medvedev correndo, por fora. Não acha Colunista?

    Reply
    1. Mario Sérgio Cruz

      A gente acaba voltando para a fala do Nadal em Madri, que não se via criando uma rivalidade com o Alcaraz, por conta da diferença de idade e tudo mais. Mas não duvido rolar uma rivalidade do Carlitos com o Djokovic. Ainda mais se o sérvio tiver um calendário um pouco mais robusto, dá para pegar ele toda semana.

      Reply
  4. Renan

    Alcaraz ainda tem muita estrada para ser um Nadal ou Djokovic, mas está no caminho certo, é jovem e tem muito talento, ficar de olho no Dinamarquês Rune tbm, tem grande potencial!!

    Reply
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Comentário

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>