Andreescu aposta na meditação e ‘visualização criativa’
Por Mario Sérgio Cruz
setembro 10, 2019 às 11:38 am

Campeã do US Open no último sábado, Bianca Andreescu é uma jogadora em franca evolução no circuito. A canadense de apenas 19 anos iniciou a temporada apenas no 152º lugar do ranking, mas escalou rapidamente as posições até a atual quinta colocação. Antes da conquista de seu primeiro Grand Slam, já havia conquistado dois torneios expressivos de nível WTA Premier, o primeiro no mês de março em Indian Wells e o segundo no mês passado, jogando em casa, em Toronto. Ela já tem como próximas metas a busca por novos títulos de Slam e a liderança do ranking.

Uma das apostas de Andreescu para evoluir tão rápido é sua preparação mental. Ao longo da temporada, a canadense falou algumas vezes sobre seus métodos de meditação e ‘visualização criativa’, apresentados por sua mãe, Maria, que partiu da Romênia para o Canadá ainda na década de 1990. De acordo com a jovem jogadora, a ideia é mentalizar situações adversas para que isso a auxilie nas tomadas de decisão em quadra.

“Minha mãe me mostrou como meditar e me apresentou a tudo isso. Eu realmente acho que isso me ajuda a permanecer focada. Eu faço muitas visualizações criativas, onde me imagino em situações difíceis e como sou capaz de lidar com elas. Também sempre me vejo levantando o troféu no final. E é isso que venho fazendo há tantos anos e agora se tornou realidade”, disse Andreescu ao site da WTA, após o título de Indian Wells, onde derrotou a ex-número 1 do mundo Angelique Kerber na final.

Algoz de Serena Williams na decisão do US Open, Andreescu explicou aos jornalistas em Nova York, que sempre se imaginava vencendo a multicampeã em uma final. A canadense sequer era nascida quando a norte-americana ganhou seu primeiro Grand Slam, também em Nova York em 1999, mas acompanhou perto as conquistas mais recentes de Serena, dona de 23 títulos de Slam e recordista de troféus na Era Aberta do tênis.

“Eu estava imaginando isso há muito tempo. Dois meses depois de vencer o [torneio juvenil] Orange Bowl [em 2015], eu já me via nessa situação. Desde aquele dia, eu tenho visualizado essa imagem quase todos os dias. Mas é claro. Quando isso se torna realidade é uma loucura. Parece que essas visualizações funcionam!”

Apesar da pouca idade, Andreescu garante que o trabalho para se tornar uma grande jogadora vem de longa data. “Tenho me dedicado muito desde os 12 anos, porque sabia exatamente o que queria fazer e o que eu queria realizar. Não foi fácil. Sempre há altos e baixos. Mas esses maus momentos realmente me ensinaram muito. Eu tento não cometer os mesmos erros duas vezes e também tento encarar os bons momentos como motivação”, afirmou em entrevista ao site da WTA ainda em agosto de 2017, quando tinha apenas 17 anos e havia vencido a então top 20 Kristina Mladenovic em Washington.

A canadense conta que uma das principais motivações para seguir a carreira profissional foi ter jogado com grande presença de público no tradicional torneio francês Les Petit As, competição juvenil para jogadores de até 14 anos na França. Disputado desde 1983, o evento tem em sua galeria de campeões nomes como Rafael Nadal, Martina Hingis, Kim Clijsters e também já contou com nomes como Roger Federer, Novak Djokovic, Andy Murray, Angelique Kerber e Caroline Wozniacki. “Fui campeã do Les Petit As na França em 2014. É um torneio de muito prestígio, com muitas pessoas assistindo. Eu meio que me senti como uma profissional lá. Assinei autógrafos e tudo isso. Eu realmente amei aquilo. Foi quando pensei que queria ser profissional”.

Ainda neste início de carreira, Andreescu já venceu oito partidas contra jogadoras do top 10 e não perdeu nenhuma. Ela tenta explicar os motivos de tanto sucesso diante das primeiras colocadas no ranking. “Sempre tenho minhas melhores performances quando jogo contra elas. Eu não sei exatamente a razão. Isso sai naturalmente, eu acho. Talvez porque eu sei que se não o jogar bem, eu vou ser esmagada. (risos). Então eu tenho que estar focada desde o início. É o que tenho feito contra essas jogadoras”, comenta depois de ter sido campeã em Toronto, onde bateu três top 10 no caminho para o título.

Após conquistar o US Open, ela reiterou o discurso. “Estou realmente satisfeita com o meu desempenho contra essas grandes jogadoras. Meu treinador Sylvain [Bruneau] sempre me disse que eu posso enfrentar qualquer adversária, porque sou capaz de me adaptar a qualquer situação. Talvez ele esteja certo. Quero dizer, não quero enganar ninguém, mas fatos são fatos. Meus resultados realmente mostraram isso”, afirmou. “Estou satisfeita com minha força mental e com a compostura que mantenho em circunstâncias difíceis, como em Indian Wells, ou diante de grandes torcidas aqui no US Open, ou mesmo quando estava voltando de uma lesão e já venci Toronto fazendo muitos jogos de três sets. Isso é muito legal”.


Comentários
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Comentário

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>