Arquivo da tag: wimbledon

Quanto fatura um Grand Slam
Por José Nilton Dalcim
21 de maio de 2019 às 22:08

Mais importantes torneios do calendário do tênis internacional, os Grand Slam – denominação originalmente citada em 1937 para denominar os principais títulos do circuito e baseada numa cartada do bridge – também detêm os valores mais expressivos de faturamento, lucro e premiação, com significativas diferenças.

O Australian Open detém hoje o recorde de ingressos vendidos. Pelo segundo ano consecutivo, superou o US Open e cravou nesta última edição 780 mil espectadores, cerca de 50 mil a mais do que o Slam norte-americano. Esses são os dois únicos Slam a ter duas sessões diárias até as semifinais, o que explica terem quase o dobro de Wimbledon ou de Roland Garros.

Melbourne está com faturamento estimado de US$ 190 milhões, dos quais perto de US$ 40 mi são pagos em premiação aos jogadores. Para tocar o evento, único dos Slam a ter três estádios com quadra coberta, emprega cerca de 9 mil pessoas. O lucro estimado é considerado pequeno, na casa dos US$ 10 milhões.

O US Open por sua vez tem o mais custoso de promoção entre os quatro grandes, com faturamento que ultrapassa os US$ 270 milhões. Sempre foi o que remunera melhor os tenistas, com US$ 50 milhões no ano passado, já que também foi o pioneiro na equiparação de premiação a homens e mulheres, que vem desde 1973. Segundo a revista Forbes, emprega quase 10 mil pessoas e o lucro anual fica na casa dos US$ 50 milhões graças a um painel de 30 patrocinadores.

Justamente por isso é que Wimbledon gera espanto. Por tradição, jamais estampa qualquer marca em suas telas de fundo de quadra e ainda não conseguiu atingir a casa dos 500 mil ingressos vendidos. Tem persistentemente cravado os 485 mil e só agora, com a expansão diária de 39 para 42 mil espectadores, poderá enfim atingir a desejada meta.

Ainda assim, com custo anual estimado em US$ 250 milhões e pagando US$ 50 mi aos tenistas, é o Slam com maior lucro, estimado em cerca de US$ 80 mi nas recentes edições. Curiosamente, Wimbledon também é o único a pertencer a uma entidade privada, o All England Club, que no entanto reserva uma generosa parte desse lucro para o fomento do tênis britânico. O torneio de 13 dias emprega 6 mil pessoas. Neste ano, entregou o teto de seu segundo maior estádio e anunciou a compra do campo de golfe anexo para grande expansão.

Roland Garros acabou se tornando o ‘primo pobre’ dos Slam, mas não tão pobre assim. Sua área tem apenas a metade do que ocupam atualmente os outros complexos tenísticos, o que gera um tremendo aperto para o público. Mas não fica atrás de Wimbledon. Em 2018, foram 480 mil entradas vendidas, mais 23 mil no quali, crescimento de apenas 1,5% porém recorde para o torneio.Importante lembrar que é o único dos Slam com 15 dias de programação.

É o Slam que emprega mais funcionários, com 10 mil, e seu custo está na faixa dos US$ 210 milhões, dos quais US$ 45 mi são dados aos tenistas, ficando ainda acima do AusOpen. Não há um dado oficial sobre o lucro para a Federação Francesa, organizadora do evento, mas a estimativa é que fique acima dos US$ 30 mi.

Depois de longa briga judicial e ameaças de deixar Paris, foi autorizada a ampliação territorial e melhorias – lança neste ano a bela quadra Simonne Mathieu -, mas o estádio principal só receberá o tão sonhado teto retrátil em 2020, quando todos os concorrentes já terão pelo menos dois.

Day after
– Djokovic ampliou em mais 240 pontos sua vantagem sobre Nadal no ranking. Chegarão a Paris, onde o espanhol não pode somar e Nole defende 360 pontos das quartas, com vantagem do sérvio na notável casa dos 4.410 pontos.
– Nadal por sua vez chegou à 735ª semana consecutiva no top 10, portanto desde 25 de abril de 2005, superando Roger Federer. Agora, a busca é pelas 789 do recordista Connors.
– Tsitsipas é o terceiro melhor da temporada (2.760 pontos), atrás de Nole (4.005) e Nadal (3.505) e à frente de Federer (2.640) e Thiem (2.105).
– Dois top 20 estão fora de Roland Garros (Anderson e Isner) e aguarda-se poisção de Raonic. Assim, deveremos ter nove cabeças acima dos 30 anos e três abaixo dos 21.
– A chave feminina confirmou até agora todas as 32 primeiras do ranking. Kerber era a principal dúvida. Apenas duas (Osaka e Sabalenka) tem menos de 21 anos.
– O sorteio está marcado para as 14h (de Brasília) desta quinta-feira.

Desafio de Roma
O internauta Norbert Goldberg levou a biografia de Novak Djokovic, grande sucesso da Editora Evora, ao ter feito o melhor palpite para a vitória de Rafael Nadal sobre Djoko na decisão de Roma no domingo. Vários cravaram 2 sets a 1, mas ele esteve bem mais perto do andamento do jogo e das parciais de cada set, já que palpitou 6/4, 3/6 e 6/2, em 2h50. Como todos se lembram, Rafa ganhou por 6/0, 4/6 e 6/1, em 2h25.

Wimbledon continua modernização
Por José Nilton Dalcim
1 de maio de 2019 às 19:24

O mais tradicional torneio de tênis de todos os tempos continua a exigir roupa predominantemente branca dos participantes, não tem partidas no domingo que divide suas duas semanas e ainda vende a maciça maioria dos seus ingressos por sorteio.

Mas Wimbledon também se renova continuamente. A edição de 2019 terá uma série de inovações e, para o próximo ano, o All England Club, proprietário e organizador, anunciou nesta quarta-feira que irá abolir o sistema de sorteio por correio e aceitará os desejos de compra unicamente online.

Não é só. O teto retrátil da Quadra 1 será inaugurado e o novo arranjo das disposições do Club permitirá agora o ingresso diário de 42 mil pessoas, 3 mil a mais, o que deve elevar o total de público final em cerca de 25 mil. Com isso, a expectativa é que finalmente o torneio supere a cada dos 500 mil pagantes.

O Club também anunciou que mais quatro quadras terão o sistema de revisão eletrônico – ainda atrás do Australian Open, que tem o recurso em todas -, mas que o cronômetro de 25 segundos entre os pontos só será adotado em 2020.

Premiação
O total pago aos jogadores subirá 11,8% e atingirá o recorde de 34 milhões de libras. Mais uma vez, foi dada prioridade às primeiras rodadas. Os derrotados de estreia ganharão 15,4% a mais do que no ano passado (45 mil libras). Segundo o Club, desde 2011, o valor quadruplicou.

Também houve atenção às duplas (aumento de 20% e valor de 540 mil libras) e aos cadeirantes (entre 15% e 28%), além de igualar a premiação do quali feminino à do masculino.

Os campeões de simples ganharão 4,4% a mais do que 2018, totalizando 2,35 milhões de libras, ou seja, US$ 3,07 milhões na cotação de hoje. Ou seja, ficará ainda bem atrás dos US$ 3,8 mi que o US Open pagou já na última edição.

Ingressos
O sorteio dos ingressos, criado pelo excesso de procura de interessados, é um sistema que acontece há 95 anos e permanece único no universo do tênis.

Até 2019, os pretendentes tinham de usar formulário de papel e enviá-los pelo correio, incluindo um outro envelope selado para o eventual retorno, e torcer então para serem sorteados e garantir a entrada no complexo, principalmente a tão sonhada Quadra Central.

O sorteio no entanto não permite que se escolha data, nem quadra. O prazo vai de julho a dezembro do ano anterior.

A famosa fila diária na entrada do Club, em que um lote de 500 ingressos para cada estádio importante é vendido por ordem de chegada, continua inalterada. É preciso madrugar, mas o chamado ‘Queue’ não acontece nos quatro dias finais..

E mais
– O horário de início dos jogos nas quadras secundárias – ou seja, fora da Central,1, 2 e 3 – será recuado para as 10h30 locais.
– O evento teste do teto da Quadra 1 será uma exibição de tênis e de música no dia 19 de maio, a ser transmitida ao vivo pela BBC
– Os organizadores anunciaram que as garrafas de água serão feitas com 100% de material reciclado e reciclável, quase tudo vindo dos restos plásticos do setor de encordoamento.
– O prazo para Andy Murray requisitar convite é 18 de junho, mas o Club diz que poderá aumentar o prazo para o bicampeão.
– Conforme anunciado, será adotado o tiebreak no quinto set quando o empate de games atingir 12 a 12.

No saibro
Depois de uma grande atuação diante de Jan-Lennard Struff, o canhoto Thiago Monteiro encarou bem o 35º do mundo Marton Fucsovics, ganhou o primeiro set antes de levar a virada. O bom foi ver o cearense recuperar o padrão mais agressivo de seu jogo. Com a disputa dos dois Masters consecutivos, terá de voltar aos challengers antes do quali de Paris.

Já no Estoril, decepção com a desistência de Fabio Fognini. Ele sequer foi à quadra e diz estar preocupado mais com Madri. Sorte de Pablo Cuevas, que entrou de lucky-loser e vai enfrentar outro lucky-loser, Filippo Baldi.

Quem está embalado é o garoto chileno Christian Garin. Superou com folga Diego Schwartzman, está nas quartas de Munique e às portas do top 40.

Quem decide Wimbledon? Palpite agora!
Por José Nilton Dalcim
12 de julho de 2018 às 10:05

ghost_lojaWimbledon tem uma semifinal entre dois campeões e outra entre duas surpresas. Quem decidirá o título no domingo?

Momento para o Desafio Wimbledon, valendo bons prêmios: aquele que mais se aproximar dos resultados corretos leva um voucher de 30% de desconto em qualquer compra de até R$ 1.200 na  nova Loja TenisBrasil. Os que ficarem entre segundo e terceiro lugares, ganham vouchers de 15% de desconto.

Indique vencedor, placar e duração da partida, conforme modelo abaixo.

Claro que vale primeiro os vencedores; entre os que acertarem, o placar que mais bem explicar o andamento dos jogos; em caso de novo empate, a duração dos jogos. Por fim, persistindo a igualdade, leva quem postou primeiro.

Caso queiram (e devam) fazer comentários sobre as semifinais ou a decisão, escrevam e opinem exclusivamente no post abaixo. Deixem aqui somente os palpites numéricos. Fica mais organizado.

A votação se encerra quando for dado o primeiro saque às 8 horas desta sexta-feira. E, é claro, se ganhar alguém de fora do Brasil, terá de indicar um endereço no país para receber o prêmio.

Importante: são permitidos palpites na área pública do Facebook oficial do site TenisBrasil, mas não valem palpites por email. O divertido aqui é justamente todo mundo poder conferir a aposta dos demais.

Se possível, seguir o modelo abaixo, o que facilita muito na hora da apuração:

Nadal vence Djokovic, 3 sets a 1, parciais de 7/5, 6/4, 5/7 e 6/4, após 3h05
Anderson vence Isner, 3 sets a 1, parciais de 7/6, 4/6, 7/6 e 6/4, após 3h15

Boa sorte!