Arquivo da tag: Victoria Azarenka

Festa e recorde dos italianos
Por José Nilton Dalcim
30 de setembro de 2020 às 20:16

O tênis italiano já teve dias de glórias em Roland Garros. A maioria aqui nem havia nascido nos tempos de Nicola Pietrangeli, talvez nem de Adriano Panatta, mas quem sabe nos de Francesca Schiavone. Nesta quinta-feira, quatro homens – recorde na Era Aberta em qualquer Grand Slam – e uma mulher avançaram à terceira rodada e é bem provável que Matteo Berrettini, o melhor de todos no ranking, se junte a eles.

Marco Cecchinato já brilhou em Paris, há três anos, com uma inesperada semifinal e não vingou. Jannik Sinner tem um potencial notável, indicado pela ATP tempos atrás como dono do backhand mais veloz do circuito. Os dois estão no caminho de Alexander Zverev, que foi levado a cinco sets pelo voleador Pierre Herbert. Cecchinato é o adversário imediato do alemão e é bem provável que Sinner seja o seguinte. Não dá para desconsiderar a hipótese de vermos o garoto de 19 anos e em seu segundo Slam desafiar Rafael Nadal nas quartas.

Aliás, Stefano Travaglia é o próximo na lista de Nadal, que continua em ritmo de treino. Travaglia não é mau jogador no saibro, usa variados recursos como o piso exige. Mas, aos 28 anos, nunca sequer entrou no top 70 e agora, em seu nono Slam, finalmente ganhou dois jogos seguidos. Merece crédito pela vitória suada diante de Kei Nishikori, num jogo de 101 erros não forçados dos quais 50 foram do italiano.

Lorenzo Sonego avança num setor esvaziado da chave e tem chance contra Taylor Fritz, mas dificilmente passará por Diego Schwartzman em eventuais oitavas, ainda que seja um top 50 de 25 anos e com jeito para jogar bem na terra. Saca forte, gosta de atacar mas é muito inconsistente.

Boa surpresa mesmo causou Martina Trevisan, canhota de apenas 1,60m. Passou o quali para jogar seu primeiro Slam aos 26 anos e mostrou eficiência defensiva além de cabeça boa para virar o jogo em cima de Cori Gauff. A tarefa contra a versátil Maria Sakkari não vai ser fácil. Vale lembrar que Monica Seles foi a última canhota a ganhar Roland Garros há 28 anos.

A única marca ruim do tênis italiano ficou por conta de Sara Errani. Não por sua derrota de 3h11, onde lutou bravamente como sempre, mesmo por vezes tendo de sacar por baixo tal a falta de sincronia de movimento. Mas pela ironia e desdém com a adversária, que parecia ter problemas físicos claros. Acusou Kiki Bertens publicamente de fingir contusão, ainda que a holandesa tenha sofrido cãibras e saído da quadra de cadeira de rodas. Não ficou bonito. (Veja aqui as cenas)

Dia agitado
Rafael Nadal brigou mais com as rajadas de vento do que contra o tênis quadradinho de Mackenzie McDonald, cujo maior feito foi tentar um saque por baixo (veja que bizarro), muito mal feito diga-se. Não tenho dúvidas que o espanhol reservou uma quadra para treinar à tarde, porque o jogo não valeu quase nada.

Dominic Thiem quase se enrolou no terceiro set contra Jack Sock, mas evitou o desgaste físico bobo. Vai ter uma terceira rodada interessante contra Casper Ruud, ou seja, dos favoritos é quem vem sendo realmente testado. E não para por aí: é quase certo que nas oitavas surja Stan Wawrinka no caminho e, depois, Diego Schwarztman. Dá para ser pior?

O feminino, ao contrário, viu baixas de peso. Serena Williams nem entrou em quadra devido ao tendão de Aquiles problemático e Vika Azarenka fez um jogo ruim e pouco inspirado. Além do sufoco de Kiki Bertens, sobrou ‘pneu’ para Elina Svitolina.

Tudo aponta cada vez mais na direção da romena Simona Halep, que ficou na Europa e só jogou no saibro desde o retorno do circuito. Amanda Anisimova merece cuidado, mas os golpes retinhos não devem incomodar na lentidão de Paris.

Saiba mais
– Zverev correu risco o tempo todo contra um inspirado Herbert, que foi magnífico nos voleios e nas deixadas mas, como sempre, falhou bisonhamente em lances capitais. O francês que resta agora é o canhoto Hugo Gaston, 20 anos e bom jogador, mas que terá Wawrinka pela frente.
– Além de El Peque, o tênis argentino avança com Federico Coria e Nadia Podoroska, que tiraram cabeças de chave. Guido Pella pode se juntar a eles se vencer Carreño.
– Eugenie Bouchard fez jus ao convite e pela primeira vez desde janeiro de 2017 ganhou dois jogos seguidos de Slam. Ela hoje é 168 do ranking.
– Três qualis estão na terceira rodada masculina: Cecchinato, Martinez e Korda.
– Acorde cedo para torcer por Thiago Monteiro: ele fará o primeiro jogo da quadra 4, portanto às 6h, contra Marcos Giron.
– Dia importante para Djokovic: se vencer Berankis, somará 70ª vitória em Roland Garros, igualando Federer e ficando somente atrás de Nadal.
– Tsitsipas e Rublev, depois das viradas de 0-2, podem precisar de fôlego diante de Cuevas e Fokina.
– Pliskova e Ostapenko fazem o grande duelo feminino da quinta. Tcheca tem 4-2 no histórico.

A hora dos saibristas
Por José Nilton Dalcim
27 de setembro de 2020 às 20:10

A combinação tão diferente deste Roland Garros não está agradando a maciça maioria dos jogadores, desde os favoritos até os que estão lá atrás no ranking, mas o tênis talvez ganhe algo interessante com quadra pesada e bola lenta: a volta dos autênticos saibristas.

Alguns homens merecem uma observação mais apurada, além é claro dos três grandes candidatos ao título. Quem viu a desenvoltura de Andrey Rublev em Hamburgo e de Jannik Sinner em sua estreia em Paris devem ter percebido que os garotos se viram bem nessas condições, digamos, mais radicais, que exigem um tripé complexo formado de potência, perna e paciência.

E é fácil incluir aí o rodado Diego Schwartzman e ter certa esperança que Alexander Zverev se inspire em David Ferrer. A potência que sobra ao alemão falta para o argentino, mas podemos dizer exatamente o inverno das pernas. Se El Peque tem paciência e solidez, Sascha possui boa mão para a transição cuidadosa para os voleios. Ele aliás cravou 10 aces.

É possível que eu esteja com otimismo exagerado, mas gostei do que esses jogadores mostraram neste domingo de garoa fina irritante, em que também economizaram energia. Poderíamos incluir nessa lista de saibristas autênticos Stan Wawrinka e Marco Cecchinato.

O suíço teve pouco trabalho com um Andy Murray claramente sem armas no saibro úmido, mas sempre fica a dúvida de quanto Stan está com físico e com cabeça para a tarefa tão difícil que é construir pontos nessa lentidão toda. O italiano nunca mais foi o mesmo depois da semi de três anos atrás, mas é um típico jogador para esse novo Roland Garros.

Os primeiros jogos femininos também me agradaram porque mostraram algumas variações táticas interessantes, com apostas óbvias nas curtinhas, pouca importância ao primeiro saque e a evidência de que é possível sim machucar com um topspin mais profundo.

Simona Halep ganhou 10 games seguidos, Victoria Azarenka foi firme da base e Elise Mertens se mexeu muito bem. Mas isso não é lá muito novidade. São três nomes para ir muito longe nesse lado superior da chave.

Duas outras tenistas que encantaram pela ousadia. A adolescente Cori Gauff não se afastou tanto da linha e manteve seu padrão bem ofensivo diante de uma Johanna Konta que foi semi no ano passado. E Caroline Garcia comprovou que, apesar de tudo, é plenamente possível jogar na rede.

Foi um primeiro dia divertido.

Saiba mais
– Nishikori bateu Evans e manteve sua notável performance em jogos que vão a cinco sets. Foi o nono consecutivo que venceu. Em Roland Garros, sua marca agora é de 6 em 7. Na carreira, ganhou 24 de 30.
– Venus só venceu um jogo em oito torneios na temporada e sofreu a terceira queda na estreia de Paris. Nos seis últimos Slam disputados, só avançou uma rodada.
– Halep festejou em quadra seu 29º aniversário. Consciente das limitações do piso, colocou 81% do primeiro serviço em quadra.
– Nadal enfrenta Gerasimov, 83º do ranking. A única vez que perdeu para um tenista de ranking semelhante no saibro foi em 2004.
– Cilic e Thiem são o 149º e o 150º campeões de Slam da história e se cruzaram semanas atrás no US Open, com vitória do austríaco em 4 sets.
– Medvedev tenta sua primeira vitória em quatro participações em Roland Garros contra Fucsovics, contra quem penou para ganhar em Monte Carlo de 2018.
– Monfils joga sua 50ª partida em Roland Garros contra Bublik, que soma apenas 4 vitórias no saibro em torneios de primeira linha (e 2 delas em Hamburgo da semana passada).
– Serena encara Ahn, que exigiu no recente US Open: 7/5 e 6/3. Será a partida de número 408 em Slam para Williams.

El Peque ficou gigante
Por José Nilton Dalcim
19 de setembro de 2020 às 19:16

É quase impossível não torcer para Diego Schwartzman. O baixinho argentino vive numa terra de gigantes, onde sua média de saque de 161 km/h parece uma heresia e sua envergadura cobre talvez 30% a menos de espaço. Mas isso nunca o limitou. Ainda que não tenha grandes títulos na carreira – o maior foi o do Rio Open -, consegue se destacar em todos os pisos e isso o mantém há pelo menos três temporadas entre os 20 ou 30 primeiros do ranking.

Um de seus pesadelos terminou enfim neste sábado, ao derrubar o tabu de nove derrotas contra o todo-poderoso Rafael Nadal, o digno ‘rei de Roma’. O argentino foi o tenista realmente agressivo em quadra, mostrou notável solidez até mesmo para encarar os forehands cruzados do espanhol e ousou com curtinhas e voleios. Fez um primeiro set impecável e poderia ter vencido ainda com maior facilidade. Os números mostram o quanto ele mandou nos pontos: 31 a 21 nos winners e 17 erros frente a 30, vencendo 11 das 15 tentativas junto à rede, o que inclui o match-point. Para completar, ainda se mostrou superior nas trocas mais longas (23 a 16).

Faltou a Rafa esse poder decisivo. Tentou fazer um começo de jogo burocrático, apostando talvez que El Peque pouco a pouco caísse na armadilha. Quando viu que o adversário estava com a mão boa e com muita perna, foi obrigado a tentar decidir mais os lances e aí seu forehand o deixou na mão. A bola descalibrada na paralela é o sinal mais evidente de sua falta de confiança. Sem mais o que jogar, terá de solucionar esses problemas antes de Roland Garros começar, dentro de oito dias.

Às 14 horas deste domingo, Schwartzman tenta um novo passo para realizar outro sonho: chegar ao top 10. Ele encara mais um canhoto, Denis Shapovalov, em duelo inédito no circuito, e o próprio canadense é um candidato ao 10º lugar caso vença. Aos 21 anos e 20cm mais alto, Shapovalov é dono de enorme força física, backhand simples belíssimo mas nem sempre calibrado, jogo de rede cada vez mais vistoso. Mesmo tão jovem, já decidiu o Masters de Paris do ano passado.

Depois das quatro vitórias no US Open e de ter ficado perto da semi, adaptou-se rapidamente ao saibro e já tirou especialistas como Guido Pella e Pedro Martinez. Segurou a cabeça contra Ugo Humbert e se mostrou muito mais consistente do que Grigor Dimitrov neste sábado, mesmo com índice fraco de primeiro saque. O saibro não é sua praia, a ponto de ter vencido um único top 20 no piso e ter chegado a Roma com 12 vitórias e 12 derrotas na carreira.

E existe uma terceira surpresa nas semifinais de Roma, um ‘next gen’ bem menos badalado. Filho de ex-top 40, Casper Ruud é um genuíno jogador de saibro com seus golpes firmes da base e 1,83m ideais para o piso. A vitória deste sábado sobre Matteo Berrettini foi sua primeira sobre um top 10 em quatro tentativas e a segunda da semana em cima de um dos 20 primeiros, já que também tirou Karen Khachanov em três sets na primeira rodada. Fã confesso de Nadal e campeão de Buenos Aires em fevereiro, terá uma experiência inédita e obviamente dificílima contra Novak Djokovic.

Se servir de motivação para o garoto norueguês, o líder do ranking e tetracampeão de Roma esteve longe dos seus melhores dias diante do 97º do ranking, o canhoto alemão Dominik Koepfer. Deixou escapar vantagens confortáveis, o que o forçou a jogar o terceiro set, perdeu o controle e destruiu raquete, além de ser chamado de ‘Federer’ pelo juiz. Cometeu 38 erros, 26 deles de forehand, e ganhou apenas 45 de 75 pontos com o saque. Vencer é sempre bom, mas não dá para ficar radiante.

Quer dizer, depois da queda de Nadal, até que dá.

Feminino: imprevisível
As semifinais femininas de Roma também têm uma canhota de 21 anos motivada para barrar as concorrentes de maior nome: Marketa Vondrousova. Mas o fato é que a rodada deste domingo está completamente aberta.

A cabeça 1 Simona Halep jogou apenas 10 games antes do abandono de Yulia Putintseva e agora faz duelo de ex-números 1 contra Garbiñe Muguruza, que reagiu e virou em cima de Victoria Azarenka. A espanhola ganhou quatro dos seis duelos diante de Halep.

Muguruza e Vika fizeram um jogo de altos e baixos, marcado por 13 quebras de serviço num total de 31 break-points. Os erros também se destacaram, com 36 da vencedora e 31 da bielorrussa. Vika fez um segundo set tenebroso, com apenas cinco pontos no próprio saque, e quase levou o terceiro, virando de 1/3 para 4/3 e com break-point. Muguruza teve sangue frio e foi incrivelmente consistente na reta final.

A outra semi também é muito interessante, já que reúne a atual campeã Karolina Pliskova e a também tcheca Vondrousova, a atual vice de Roland Garros. Pliskova fez um jogo de risco, o que gerou mais winners e erros, e atropelou Elise Mertens no terceiro set. Vondrousova teve vida muito mais fácil e só perdeu três games para Elina Svitolina, abusando de curtas e lobs. Pliskova que se prepare para correr.