Arquivo da tag: Simona Halep

Tênis em 2021 segue com incertezas
Por José Nilton Dalcim
3 de janeiro de 2021 às 11:32

Nunca durante estes 15 anos de Blog me deparei com tanta dificuldade para formar expectativas para uma temporada à frente. E, claro, o motivo é a pandemia do coronavírus, que continua a modificar calendários, com a dura promessa de vermos mais alguns eventos importantes serem cancelados. Mas não é só. Nomes importantes do circuito acenam para um retorno às competições depois de infindáveis meses de afastamento, como é o caso da ainda número Ashleigh Barty e do fenomenal Nick Kyrgios.

A temporada 2021 será aberta nesta quarta-feira com o WTA de Abu Dhabi e no dia seguinte começam dois ATPs menores, em Delray Beach e Antalya. Todos terminarão na outra quarta, o que por si só mostra o quão anômolo anda o calendário. Sofia Kenin lidera quatro top 10 nos Emirados, Fabio Fognini volta na Turquia ao lado de Matteo Berrettini, Jannick Sinner, David Goffin e Borna Coric e Delray, que perdeu Andy Murray e Kei Nishokori, terá Milos Raonic e John Isner.

As excentricidades seguem com os qualis do Australian Open disputados no Oriente Médio, em Doha e Abu Dhabi, e aí teremos a pausa obrigatória de 14 dias para se cumprir a quarentena em Melbourne. O tênis recomeçará dia 31, com dois ATPs e dois WTAs simultâneos em Melbourne. Os masculinos ficam reservados aos em que não devem jogar a ATP Cup, reduzida para 12 países e cinco dias. O evento termina à véspera da largada do Australian Open, em 8 de fevereiro.

Por esse extenso quadro de novidades fica patente que um panorama das condições atléticas e técnicas da maciça maioria dos tenistas só estará mais claro nessa semana que antecede o Australian Open. É de se acreditar que Novak Djokovic, Rafael Nadal, Dominic Thiem e Danill Medvedev joguem a ATP Cup e tenham adversários de peso, já que deverão enfrentar quase sempre um top 10, preparativo exigente. Já no feminino, Barty, Simona Halep, Naomi Osaka e Serena Williams são aguardadas nos WTA 500.

Há componentes diferenciados neste início de temporada, que devem refletir diretamente no Australian Open, e o mais importante deles é que os principais nomes terão 14 longos dias de treinamento no Melbourne Park durante a quarentena, ou seja, uma extensão da pré-temporada que tradicionalmente fazem em dezembro. O confinamento não deixa de ser tedioso, ainda mais que por sete dias só poderá haver um mesmo parceiro de bate-bola, mas isso no fundo acabará sendo um teste de resiliência.

Daí a prudência colocar Djokovic e Nadal novamente na ponta da lista de favoritos. porque o mental mais do que nunca pode decidir jogos e títulos. Todos sabemos que a maciça maioria dos tenistas de hoje se adapta muito bem à quadra dura, e entre eles estão Thiem, Medvedev, Alexander Zverev e Stefanos Tsitsipas, não por acaso os quatro mais cotados para barrar o Big 2. Surpresas isoladas podem vir com Andrey Rublev, Milos Raonic, Stan Wawrinka e Grigor Dimitrov, mas não vejo esses outros com consistência suficiente para ir até as rodadas finais.

O feminino também tem uma série de favoritas com jogo solto e ideal para a quadra dura, mas eu colocaria fichas iniciais em Osaka e Kenin, ficando de olho arregalado em Vika Azarenka e Petra Kvitova. Sempre é essencial lembrar que o Slam feminino não se diferencia dos grandes torneios regulares, ainda que sejam necessárias uma ou duas vitórias a mais, com a vantagem de um dia de descanso permanente.

Com a chegada gradual da vacina na Europa e Américas, a ATP divulgou um calendário provisório em que manteve a perna sul-americana de saibro, exceto o Rio; os torneios de quadra coberta na Europa, os 500 de Acapulco e Dubai como preparativos para Miami, confirmando também o adiamento de Indian Wells. No entanto, com os EUA batendo recordes de mortos na incrível casa de 3.700 diários e o temor pela variação do coronavírus, ainda há muita reserva sobre a concretização dessa sequência.

O que talvez seja mais palpável é a série do saibro europeu, planejada para largar com Monte Carlo na segunda quinzena de abril e seguir nos moldes naturais. A presença de público segue incerta e isso, como era imaginado, tem provocado o desabamento das premiações dos torneios e afastamento de patrocinadores.

O terrível 2020 acabou, mas as incertezas seguem sobre o tênis em 2021.

Susto na hora errada
Por José Nilton Dalcim
4 de outubro de 2020 às 18:27

Dominic Thiem foi o primeiro dos três grandes favoritos a fraquejar. E o susto foi grande. Depois de abrir 2 a 0, era de se esperar que o jovem e inexperiente Hugo Gaston sentisse a pressão natural e falhasse nos momentos mais tensos do terceiro set. Ao contrário, foi o todo-poderoso austríaco quem não achou soluções às deixadinhas insistentes, maliciosas do garoto e, cada vez menos à vontade, viu o jogo ir perigosamente a um quinto set.

Até o oitavo game, estava tudo indefinido. Thiem acabara de confirmar o serviço num game longo e precisou de outra batalha até conseguir a quebra. Quase permitiu o empate e só foi ganhar do 239º do ranking no segundo match-point. Sufoco e desgaste inesperados e indesejados, principalmente quando se sabe que somente nas quartas de final é quando deveriam começar seus reais problemas.

Agora vem Diego Schwartzman, que ganhou todos seus 12 sets nesta primeira fase de Roland Garros – são suas primeiras quartas de Slam sem perder set -, atropelou Lorenzo Sonego e vem cheio de confiança desde a campanha notável em Roma. É bem verdade que o histórico favorece Thiem por amplos 6 a 2, sendo 3 a 1 no saibro, porém eles nunca disputaram uma melhor de cinco sets. É o primeiro grande duelo da chave masculina.

Rafael Nadal por seu lado deve ter assistido ao aperto de Thiem no conforto do hotel, já que teve novamente muita facilidade para vingar no saibro de Paris, tendo como único senão uma quebra de saque no começo do terceiro set. O lance mais curioso veio depois do jogo, quando Sebastian Korda revelou em sua mídia social que havia obtido uma camisa autografada do ídolo (leia e veja aqui).

Embora uma surpresa seja pouco provável, já estou curioso para ver como Jannik Sinner vai encarar o desafio do primeiro duelo diante de Rafa. Seus golpes de base, e especialmente o backhand, são sólidos e pesados, o saque costuma beirar os 200 km/h e é admirável seu comportamento sóbrio em quadra quando mal completou 19 anos.

A atuação contra Alexander Zverev foi firme, ainda que o italiano pudesse ter variado um pouco mais, principalmente com curtas. Ao final do jogo, o vice do US Open revelou ter tido febre na véspera e que não tinha condições ideais de jogo, mas jurou ter testado negativo para a Covid-19. Com a palavra, os organizadores.

Nova campeã em Paris
Num torneio marcado por sucessivas surpresas desde a primeira rodada, parecia mais do que evidente que novas postulantes ao título acabariam surgido no saibro francês. Mas a expectativa foi além: se no sábado a parte inferior garantiu uma finalista inédita, a queda de Simona Halep no domingo determinou uma nova campeã em Roland Garros e, quem sabe, até mesmo de Grand Slam.

Halep foi massacrada pela jovem polonesa Iga Swiatek, com 30 a 12 nos winners e 76% dos pontos de saque vencidos. A romena, que havia vencido Swiatek com facilidade no torneio do ano passado, falhou ao não tentar uma tática alternativa.

E a adversária da 53 do mundo será… Martina Trevisan, classificada 106 postos atrás. A canhota italiana, vinda do quali, passou por Kiki Bertens. A tenista de 26 anos tem uma história de superação muito interessante, ficou quatro anos afastada do tênis por problemas psicológicos e desenvolveu quadro de anorexia. Vale ler o texto de Mário Sérgio Cruz: clique aqui.

Será a grande chance de Elina Svitolina enfim disputar uma final de Slam? Ela chega às quartas pela terceira vez em Paris, mas nunca passou disso. Hoje, atropelou Carolina Garcia e não deu bola para o histórico negativo. E terá pela frente a inexperiente Nadia Podoroska, que continua sua caminhada heroica e se tornou a primeira argentina nas quartas em 16 anos.

Bruno embalado
Depois de sete anos, Bruno Soares está de volta às quartas de final de Roland Garros, repetindo 2008 e 2013. Embalados pela conquista do US Open, ele e o canhoto Mate Pavic estão superando um piso lento e pesado, algo longe de ser o predileto deles.

A vitória contra os fortes Rojer/Tecau exigiu cabeça em dia de vento e garoa. Agora acontece duelo direto entre as duas parcerias que venceram os Slam da temporada. Mas é bom observar que Rajeev Ram e Joe Salisbury, atuais líderes do ranking, perderam na estreia de Roma e de Hamburgo.

Luísa Stefani, por sua vez, parou nas oitavas mas o saibro não é mesmo a praia da dupla. A paulista irá ultrapassar a parceira Carter no próximo ranking, com chance de aparecer como 31ª.

Stan vive dia de Stan
Por José Nilton Dalcim
2 de outubro de 2020 às 18:02

Um primeiro set fulminante diante de um garoto francês que nunca havia vencido em nível ATP até segunda-feira. Parecia que Stan Wawrinka teria poucos problemas para garantir o bombástico encontro com Dominic Thiem nas oitavas de final de Roland Garros. Mas Hugo Gaston, de 20 anos e 1,72m, tinha suas armas. Canhoto de boas pernas, usou bem o saibro pesado, encheu o poderoso adversário de curtinhas e mexeu com a cabeça do campeão de 2015.

Não se pode de forma alguma diminuir os méritos do último e certamente menos cotado francês vivo na chave, mas o fato é que Wawrinka viveu aqueles seus dias. Acima de tudo, pecou por insistentes escolhas mal feitas de jogada. Depois, parecia irritado com a quadra pesada e, mesmo tendo empurrado o jogo ao quinto set, estava cada vez mais lento. Não teve o menor poder de reação e levou um ‘pneu’ do 239º do mundo, que foi às lágrimas.

Quem ficou aliviado foi Thiem. Claro que nunca se deve menosprezar qualquer oponente, mas diante do quadro difícil pela frente é muito menos complicado enfrentar um jogador de pouquíssima experiência. Outra vez, o austríaco começou em velocidade de cruzeiro e viu o competente Casper Ruud abrir 3/1. Nenhum tenista gosta de entrar em quadra tão cedo – 11h locais -, o que muda muito a rotina, e sinto que possa ter sido outra vez o caso dele. Quando se sentiu mais à vontade, dominou.

E olha que Diego Schwartzman também deu um susto, não conseguiu segurar a pancadaria desenfreada de Norbert Gombos e viu o eslovaco sacar para o primeiro set. Conseguiu reagir, levou ao tiebreak e só então tomou rédeas da situação. Seu adversário será o italilano Lorenzo Sonego, uma considerável surpresa, nem tanto pelo estilo porém pela cabeça frágil. Ele no entanto venceu dois tiebreaks de Taylor Fritz, um deles de 19-17, e mereceu.

Passeio de Nadal, firmeza de Zverev
Três jogos e apenas 19 games perdidos é a sossegada contabilidade de Rafael Nadal nesta primeira semana. O italiano Stefano Travaglia nem joga mal no saibro mas, como acontece com todo jogador que enfrenta o terror dos efeitos do canhoto espanhol pela primeira vez, não achou jamais um jeito de devolver com qualidade e dar real trabalho. Gostei de ver Rafa bem mais agressivo que nos jogos anteriores.

Seu adversário de domingo será o norte-americano Sebastian Korda, também sem currículo expressivo, que veio do quali, tirou John Isner e atropelou o especialista espanhol Pedro Martinez. Duvido que o filho de Petr Korda roube set de Nadal.

Muito promissor será o duelo entre Alexander Zverev e Jannik Sinner, aí sim dois jogadores que podem competir melhor com o multicampeão. Sascha aparentemente segue bem a cartilha de David Ferrer. Mostrou-se muito sólido mas também oportuno na variação diante do bom Marco Cecchinato. E Sinner, o italiano de 19 anos, segue fora dos holofotes sem perder um único set. Os dois nunca se enfrentaram, o que dá mais tempero.

Doce vingança
Mais uma grande atuação de Simona Halep. Desta vez, atropelou a mesma Amanda Anisimova que a havia surpreendido nas quartas do ano passado, quando buscava o bi em Paris. A romena não deu brechas e obrigou a jovem norte-americana a arriscar, resultando num caminhão de 30 erros, mais de dois por game.

Encara agora a também jovem Iga Swiatek, porém a polonesa de 19 anos e 53ª do ranking já tem estrada. Tenta atingir as oitavas pelo segundo ano consecutivo, em janeiro esteve na quarta rodada do Australian Open e há poucas semanas ganhou dois jogos em Flushing Meadows. Quem vencer, terá pela frente Kiki Bertens, que não sentiu sequelas da maratona contra Sara Errani, ou a surpresa Martina Trevisan.

Elina Svitolina fez outra boa partida e não vê mais cabeças nas duas próximas rodadas. Caroline Garcia, dona de recursos, tremeu de forma irritante antes de vencer outro jogo na Chatrier. Já Nadia Podoroska, de 23 anos, recoloca o tênis feminino argentino nas oitavas, o que não acontecia desde Gisele Dulko em 2011. Venceu já seis jogos, incluindo o quali, e tem chance diante da tcheca Barbora Krejcikova.

Aliás, são três fora do top 100 garantidas nas oitavas: Trevisan (159), Podoroska (131) e Krejcikova (114), com as duas primeiras tendo saído do quali. Krejcikova dedicou a vitória à falecida Jana Novotna, que faria aniversário hoje.

E mais
– Soares e Pavic ganharam a segunda partida e estão nas oitavas de duplas. Agora vêm os sempre perigosos Jean Rojer e Horia Tecau. A chave prevê cruzamento na semi contra os cabeça 1 Cabal/Farah.
– Stefani e Carter também avançaram e irão reencontrar a mesma parceria japonesa que ganharam no US Open, Ayoama/Shibahara. O perigo maior está nas eventuais quartas contra as cabeças 1 Hsieh/Strycova.
– Djokovic tenta a 11ª presença seguida em oitavas de Paris, o que igualaria o recorde atual de Nadal e Federer.
– Bautista e Carreño já fizeram semi de Slam, mas longe do saibro: um em Wimbledon, o outro no US Open.
– Garin pode ser primeiro chileno na quarta rodada de um Slam desde Fernando Gonzalez no AusOpen-2010.
– Dimitrov tenta pela quinta vez chegar enfim nas oitavas de Roland Garros.
– Monteiro perdeu o único duelo para Fucsovics, no saibro de Munique, no ano passado, mas foram três duros sets: 6/7 6/4 6/3.
– Há mais duas meninas fora do top 100 na rodada deste sábado: Irina Bara (142) e Clara Burel (415).
– Kvitova, 11º, e Fernandez, 100º, fazem pouco comum duelo de canhotas em Roland Garros.