Arquivo da tag: Serena Williams

Bianca Andreescu, a maturidade aos 19 anos
Por José Nilton Dalcim
7 de setembro de 2019 às 19:52

Seu tênis chama a atenção pela fluidez, força, coragem, precisão. Desde que despontou para o público com o inesperado título de Indian Wells, a canadense Bianca Andreescu mostrava as qualidades essenciais para se dar bem no circuito. Mas não seria tão fácil assim. Encarou outro período de problemas físicos, como em 2018, antes de mostrar em Toronto que não tinha perdido a essência do seu jogo.

O triunfo neste US Open foi mais do que merecido. É inevitável aliás comparar com o de Naomi Osaka de um ano atrás, porque são duas jogadoras que simbolizam o que há de mais moderno no tênis feminino, forçando saque, devolução, paralelas e ângulos, sem abandonar a linha de base, atentas à toda chance de contraataque. Não por acaso, ambos se inspiraram na própria Serena Williams, a quem derrotaram em grande estilo nas finais históricas.

Mesmo tão jovens, tanto Andreescu como Osaka também tiveram a marca indelével dos campeões: a cabeça fria. Se a japonesa se viu em meio à tremenda confusão armada com a arbitragem e jamais perdeu o foco, Bianca suportou a pressão não menos aterradora de ver um estádio inteiro empurrar Serena para uma reação incrível. E fechou o jogo com duas devoluções que as Williams só poderiam aplaudir. Maturidade aos 19 anos.

O tênis feminino pode comemorar três jogadoras muito jovens e de enorme qualidade técnica no seu novo top 5, já que a liderança nesta segunda-feira voltará à habilidosa Ashleigh Barty. Não se trata apenas de acentuada renovação, mas de um tênis competitivo no seu mais alto nível, tendo cada uma vencido um Slam na temporada.

Tomara que Serena não desanime e consiga uma quinta chance de chegar ao 24º Grand Slam, porque ela e a irmã Venus mudaram os rumos do esporte e continuam a dar exemplo saudável de amor à profissão.

Experiência x juventude também no masculino
A final masculina do US Open também traz um considerável duelo de gerações e de currículos, um pouco menos expressivo do que a decisão feminina mas igualmente destoante. Rafael Nadal, de 33 anos, faz sua 27ª final de Grand Slam e a quinta no US Open, enquanto Daniil Medvedev, uma década mais jovem, é um completo debutante.

Detalhe relevante: são dois tenistas com estilos atípicos no circuito. Canhoto e dono do topspin mais perfeito provavelmente da história, Nadal desenvolveu um modelo incomparável, onde a regularidade e a capacidade de defesa se mesclam com um preparo físico ímpar. Tem sacado muito bem e com isso ataca da base, assim como varia com curtas ou slices, faz voleios oportunos. O russo bate incrivelmente plano e forte na bola, mesmo jogando três passos atrás da linha e tendo preparação de golpes um tanto fora do padrão. Adora ser atacado para usar o peso da bola do adversário. Usa o primeiro saque para definir na bola seguinte, mas nunca se abala se tiver de jogar com o segundo serviço.

Medvedev surpreende por sua solidez na temporada, tendo se saído bem até mesmo no saibro e na grama, com duas vitórias sobre o número 1 do mundo. Nas quadras duras do verão norte-americano, chegou a todas as finais, venceu seu primeiro Masters, já somou 3.100 pontos e mostrou resistências física e mental raramente vistas no circuito masculino atual, onde poucos ousam entrar em quadra semana após semana.

Nadal tem o favoritismo natural, porque faz tudo melhor do que Medvedev, como ficou claro na recente final que fizeram em Montréal, onde cedeu apenas três games. Mas o espanhol tem permitido algumas brechas a seus adversários neste US Open, e a ansiedade parece ser seu maior inimigo. Perdeu set para Marin Cilic, permitiu duas corajosas reações de Diego Schwartzman e por milagre não perdeu o set inicial para Matteo Berrettini. Diante do momento histórico que viverá, às portas do 19º Slam, esse favoritismo precisa ser bem administrado.

Minha aposta: Nadal, 3 a 1. Meu desejo: que seja um grande espetáculo.

Será que agora vai, Serena?
Por José Nilton Dalcim
6 de setembro de 2019 às 00:38

Serena Williams não desiste. Ainda bem.

Pela quarta vez nos últimos 15 meses, ela se deu a oportunidade de tentar o 24º troféu de Grand Slam para enfim se igualar a Margaret Court, o que já escapou duas vezes em Wimbledon e outra lá mesmo no US Open naquela terrível final do ano passado. Tão pertinho dos 38 anos, que completará em três semanas, ela lutou contra a forma física, o descrédito, seu destempero, e chegou lá de novo. Será que agora finalmente vai conseguir?

Ao atropelar uma irreconhecível Elina Svitolina na noite desta quinta-feira, Serena repete a final do US Open de exatos 20 anos atrás, e acrescenta outra façanha à incrível carreira, agora a tenista que marcou a maior distância entre a primeira e a mais recente final de Grand Slam da Era Aberta.

Aliás, também se transforma na profissional mais velha a ser finalista de um Slam, aos 37 anos e 347 dias. Ela, que detém o recorde de campeã de maior idade na Austrália, Roland Garros e Wimbledon, pode retomar o posto também no US Open, superada que foi por Flavia Pennetta em 2015.

Há muita coisa esperando por Serena às 17 horas de sábado. Terá a chance também de superar duas marcas incríveis de Chris Evert, com quem divide seis títulos em Nova York e agora 101 vitórias. Gostem ou não de Serena, é preciso reconhecer seu notável espírito competitivo. Em uma temporada confusa em que soma apenas 30 partidas, alcança a 33ª final em 73 Slam disputados. Um dado curioso levantado pela WTA lembra que ela só perdeu três finais em Flushing Meadows, as de 2001, 2011 e 2018. Nas duas primeiras, levou o título na edição seguinte.

A pergunta que fica é como reagirá Serena ao encarar pelo segundo ano seguido uma novata na decisão. Ela também tinha a experiência e a torcida a favor quando viu a fã Naomi Osaka pela frente há 12 meses e fez aquele papelão. Embora um desafio desse porte seja novidade para a adolescente Bianca Andreescu, que sequer havia nascido quando Serena ganhou seu primeiro US Open, em 1999, a canadense tem personalidade distinta da tímida Osaka. É impulsiva, expansiva e já ganhou um título em cima de Serena poucos dias atrás, em Toronto, se bem que a norte-americana abandonou após meros quatro games.

Tarefa completamente distinta à de Williams, Andreescu sobreviveu a uma tensa semifinal nesta noite diante da suíça Belinda Bencic. Só o primeiro set durou quase 70 minutos, e as oportunidades foram divididas. Escapou de várias situações delicadas com a frieza e coragem que assombraram o circuito desde sua arrancada, em março. E foi buscar um segundo set que parecido perdido. É exatamente isso o que se espera dela. Garra, golpes pesados, saque audacioso, boa mão para deixadas e voleios… Andreescu faz um pouco de tudo e faz tudo muito bem. Talvez só o dolorido joelho esquerdo seja um fator de preocupação.

Em sua primeira chave principal do US Open – jogou e perdeu no quali do ano passado -, Bibi é a terceira tenista de seu país, e a segunda mulher, a atingir a final de um Slam, repetindo Eugénie Bouchard e Milos Raonic. Também não deixa de ser curioso que supere Denis Shapovalov e Felix Aliassime, esperanças bem mais badaladas do jovem tênis canadense.

Fato notável, este é apenas seu quarto Slam da curtíssima carreira e, se vencer, irá igualar a façanha de outra prodígio, Monica Seles, que também disputou apenas quatro antes de faturar Roland Garros em 1990, com a diferença que a então iugoslava tinha meros 16 anos.

Para a história
– Três dos últimos quatro títulos femininos do US Open foram vencidos por tenistas que marcaram seu primeiro troféu de Slam: Flavia Pennetta (2015), Sloane Stephens (2017) e Naomi Osaka (2018).
– Qualquer que seja a campeã deste sábado, o circuito feminino novamente terá quatro diferentes vencedoras de Slam em 2019, já que Osaka levou Melbourne, Ash Barty ganhou Paris e Simona Halep, Wimbledon. Essa diversidade repete 2017 e 2018. Nunca isso havia acontecido entre as mulheres por três temporadas seguidas.

Dimitrov encerra calvário em grande estilo
Por José Nilton Dalcim
4 de setembro de 2019 às 01:35

As noites se tornaram difíceis para Roger Federer no US Open. Habitual senhor das rodadas noturnas durante anos, ele de novo se mostrou pouco confortável no que era antes seu habitat natural. E desta vez não escapou da derrota porque encarou um adversário inspirado, vibrante, e que controlou a cabeça na parte mais importante do duelo de cinco sets.

Federer, que havia sofrido inesperada derrota na quente e úmida noite de 2018 frente a John Millman, jogou abaixo de sua qualidade nas duas primeiras rodadas desta edição e só mostrou um tênis mais convincente quando foi para o sol de início de tarde.

Apesar de um forehand descalibrado e erros incomuns junto à rede, conseguiu liderar o duelo contra Dimitrov por 2 sets a 1. Foi então que o búlgaro começou a brilhar e foi outro jogador a partir da quebra obtida logo no começo do quarto set. Suportou a pressão, ficou cada vez mais sólido na base e arrancou notáveis contragolpes. Evitou cinco break-points na hora de empatar a partida e levar ao quinto set, outra mostra de que estava muito motivado.

Dimitrov diz que percebeu uma queda acentuada do adversário a partir do longo sétimo game do quarto set, mas para o público isso só ficou evidente quando Federer pediu atendimento médico e foi para o vestiário, coisa bem pouco frequente na sua longa carreira. Mais tarde, admitiu que foram as costas. Voltou travado para o quinto set e viu Dimitrov voando do outro lado da quadra, com excelente escolha de golpes e enorme confiança.

A terceira semi de Slam do búlgaro de 28 anos – só não fez ainda em Paris – é uma surpresa pelo longo calvário que viveu desde a conquista do Finals de 2017, que o levou ao terceiro lugar do ranking. Raramente exibiu um tênis competitivo desde então, a ponto de chegar ao US Open com uma vitória nos últimos nove jogos e no 78º lugar do ranking, seu pior desde 2012. Só neste ano, abandonou quatro torneios por contusão no ombro. Aliás, esta será sua primeira semi de toda a temporada.

A quebra do tabu contra o amigo na oitava tentativa chega assim como uma redenção. E ironicamente acontece quando seus dois treinadores, Andre Agassi e Radek Stepanek, decidiram não acompanhá-lo em Nova York. Coisas da vida, Dimitrov foi campeão juvenil do US Open em 2008, mesmo momento em que Federer levantou seu quinto e último US Open.

Stan não segura Medvedev
Grande sensação dos torneios preparatórios para o US Open, talvez nem o russo Daniil Medvedev poderia acreditar que seu físico resistiria tanto em Flushing Meadows. Queixando-se de dores de todos os tipos, ele mostrou incrível tenacidade e espetacular visão tática para derrubar Stan Wawrinka, o homem que 48 horas antes havia tirado o número 1 Novak Djokovic com atuação magnífica.

Tudo parecia caminhar a favor do suíço quando Medvedev pediu atendimento logo de cara, agora para um problema no quadríceps. Talvez tenha faltado aí atitude para o suíço, que de certa forma pareceu preocupado com colocar a bola em quadra e acreditar que o russo se renderia. Medvedev no entanto foi buscar recursos pouco usuais, usou curtas e voleios, e pegou o adversário de surpresa.

Stan teve ainda um set-point bobamente perdido no tiebreak do primeiro set e não me resta dúvida que foi seu erro capital. O russo, que entrou em quadra novamente vaiado por parte do público, teria provavelmente capitulado. Ao contrário, ganhou forças e confessou ao final do jogo que não sentia mais nada no quarto set.

Para compensar a confusão que causou nas duas exibições anteriores, Medvedev desta vez foi honesto ao dizer que sua contusão mexeu com a cabeça de Wawrinka – algo comum no circuito – e pediu desculpas desta vez públicas por seus atos. Na entrevista de dois dias atrás, já havia dito aos jornalistas que tinha sido “idiota” ao fazer gesto obsceno e ironizar os espectadores.

Mais jovem semifinalista do torneio desde Djokovic, em 2010, Medvedev ainda pôde comemorar a vaga para o Finals de Londres e o inédito quarto lugar do ranking. E terá agora dois dias para tentar se recuperar fisicamente, já que as duas semis masculinas acontecerão na sexta-feira.

Serena massacra e revê Svitolina
A vitória de número 100 de Serena Williams no US Open não deixou dúvidas sobre sua determinação e boa forma: cedeu apenas um games à impotente chinesa Qiang Wang, em jogo de estonteantes 44 minutos e estatística assustadora: 50 pontos contra 15, 25 winners a 0, 73% de pontos como devolvedora.

Na quinta-feira, buscará novamente uma final de Slam e do US Open, na perseguição incansável do 24º troféu de Slam que escapou nos dois últimos Wimbledon e em Nova York de 12 meses atrás. A adversária será Elina Svitolina, uma jogadora que sabe se defender, luta muito e é cheia de recursos.

A ucraniana tem retrospecto ruim diante de Serena, com apenas uma vitória em seis duelos, mas ela se diz cada vez mais amadurecida. Depois de falhar quatro vezes na tentativa de disputar uma semi de Slam, ela agora conseguiu duas consecutivas e está sem perder set neste US Open.

“Minha carreira sempre foi um passo a passo, acho que estou lidando cada vez melhor com a pressão”. afirma a namorada de Monfils, que também foi quartas no Australian Open porém está sem troféus na temporada. Para fazer 5 a 0 sobre Johanna Konta, foi infinitamente mais consistente: 16 winners e 13 erros enquanto a britânica fez 24 winners mas falhou 35 vezes.

Para a história
Marat Safin foi o único russo a chegar à final e ganhar título no US Open, no ano 2000. Ele também foi o último tenista de seu país a vencer um Grand Slam, no Australian Open de 2005, repetindo as conquistas de Yevgeny Kafelnikov de 1996 em Paris e 1999 em Melbourne. Aliás, Kafelnikov foi o último homem a ganhar simples e duplas num mesmo Slam, naquele Roland Garros.