Arquivo da tag: Rod Laver

Barty resgata anos dourados do tênis australiano
Por José Nilton Dalcim
29 de janeiro de 2022 às 13:15

A Austrália foi uma das maiores potências do tênis até que a Era Profissional embalou. A fase amadora viu gigantescas estrelas dominarem o circuito, recheando o currículo de troféus de Grand Slam. Além é claro da habilidade com a raquete, os australianos introduziram o preparo físico apurado e isso fez notável diferença.

Margaret Court, Rod Laver e Ken Rosewall ainda conseguiram brilhar no começo da fase profissional, embora não tenham tido a sorte de o ranking ter surgido em tempo hábil para classificar corretamente seus desempenhos espetaculares. John Newcombe e Evonne Goolagong apareceram como herdeiros, venceram Grand Slam na metade da década de 1970 e conseguiram liderar brevemente o ranking.

Apesar de alguns grandes nomes terem surgido no masculino e resgatado o passado de ouro, como Lleyton Hewitt, Patrick Rafter e Pat Cash, o feminino nunca mais conseguiu ter uma australiana à altura de sua história. Até que surgiu Ashleigh Barty. Como todo mundo sabe, por pouco ela não se aposentou precocemente. Para sorte do tênis, voltou em 2017 e levou apenas duas temporadas para atingir sucesso com um estilo tão admirável.

Ao conquistar neste sábado seu terceiro troféu de Slam, tendo agora um em cada piso possível, e número 1 do mundo por mais de 100 semanas, Barty se firma como maior nome do tênis australiano ao menos dos últimos 40 anos. É também uma resposta convincente para aqueles que a criticaram quando não aceitou voltar ao circuito pós-covid em 2020 e a acusaram de se valer do congelamento do ranking.

Barty reintroduziu no tênis feminino a supremacia da habilidade sobre a força. Não que possua um saque ruim ou golpes pouco contundentes, mas a base primordial está na criação tática das jogadas, na variação de velocidades e efeitos. E para completar, irradia alegria, simplicidade, bom humor e prazer. Daí é fácil entender por que ganhou o status de ídolo esportivo local.

É bem verdade que a final deste sábado contra Danielle Collins não foi seu melhor momento no torneio. As duas pareciam nervosas demais no primeiro set. A norte-americana enfim se soltou, bateu na bola e deu seus gritos, embalou 5/1 e parecia às portas de um terceiro set imprevisível. Mas Barty reagiu e subiu de nível, voltando a dificultar os ataques de Collins. O saque fez muita diferença: 10 a 1 em aces, 82 a 63% de pontos com o primeiro serviço.

Aos 25 anos, idade bem próxima a de suas principais rivais, Barty só precisa manter a motivação e evitar contusões para escrever um capítulo todo seu na história do tênis feminino.

E mais

  • Além do 21º troféu, Nadal pode repetir Djokovic e também ter ao menos dois títulos em cada Slam. Seria a primeira vez que o espanhol somaria mais Slam do que Federer.
  • Nadal e Djokovic ganharam 12 dos últimos 14 Slam. As exceções foram Thiem e Medvedev. Russo perdeu as primeiras finais de Slam que fez contra Nadal e Djokovic, mas depois bateu o sérvio.
  • Medvedev pode ser o quinto profissional a vencer o torneio após salvar match-point. Newcombe, Kriek, Edberg e Safin também o fizeram.
  • Medvedev ganhou 4 de seus últimos 6 jogos diante de top 5. Em quadra dura, ele tem 9-15 na carreira. Já Nadal perdeu suas últimas quatro partidas e sua marca geral é de 27-43 no piso.
  • Os dois chegam à final com esforço muito parecido: Nadal passou 17h04 em quadra e Medvedev, 17h29. Russo ganhou 5 de 7 tiebreaks, espanhol só jogou um e venceu.
  • Nadal pode chegar ao sétimo Slam após os 30 anos e ficar um atrás de Djokovic. Com 4, aparecem Federer, Laver e Rosewall.
  • Jogo começa às 5h30 (de Brasília) e não há previsão de chuva. Será apenas o segundo jogo noturno de Rafa na campanha deste ano, já que ele pediu para jogar sempre de dia.
  • Pouco antes, à 1h, Bia Haddad Maia busca o título de duplas ao lado de Danilina numa missão muito dura diante de Krejcikova/Siniakova, as líderes do ranking e campeãs olímpicas. O título valerá US$ 435 mil para a parceria, as vices ficam com a metade.
  • Mais festa australiana: Kyrgios e Kokkinakis foram claramente apoiados pelo público e se tornaram a primeira dupla local a ganhar o torneio desde os Woodies em 1997. Os dois tiraram Mektic/Pavic logo na estreia e agora aparecerão no top 50 do ranking, além de ter grande chance de disputar o Finals de Turim.
  • Nascido em São Paulo mas radicado nos EUA desde criança, Bruno Kuzuhara ganhou o juvenil após incrível esforço de 3h43 em que o vice Jakub Mensik passou tão mal que sequer foi à cerimônia de premiação. Bruno, de 17 anos, falou em português e japonês. Ele era o cabeça 1 e pode aparecer no top 3 do ranking. O título feminino ficou com a croata Petra Marcinko, também favorita.
Os outros notáveis da história do ranking
Por José Nilton Dalcim
26 de outubro de 2021 às 23:48

Como era previsível, Novak Djokovic nem precisou entrar mais em quadra para garantir o número 1 até o final de 2021, justiça construída por um desempenho quase impecável nos Grand Slam e agora inabalável qualquer que sejam os resultados de Viena, Paris e Finals de Turim.

Isso me motivou a lembrar outros tenistas notáveis que fizeram história desde que o ranking foi criado, em agosto de 1973. Claro que ser o primeiro supera qualquer feito, porque a maioria as fórmulas estipuladas pela ATP visou premiar a regularidade ao longo de 12 meses. Mas muitos nomes de currículo e jogo notáveis ficaram ali perto, e merecem respeito por isso.

O século 21 do tênis masculino tem sido especial por motivos óbvios. Desde maio de 2002, quando Tommy Haas atingiu seu ápice e chegou ao segundo lugar da lista, apenas seis jogadores atingiram a liderança em algum momento: Lleyton Hewitt (então pela segunda vez, já que havia chegado ao topo em 2001), Juan Carlos Ferrero (2003), Andy Roddick (2003), Roger Federer (2004), Rafael Nadal (2008), Novak Djokovic (2011) e Andy Murray (2016).

Antes disso, o tênis profissional já havia tido Ilie Nastase (1973), John Newcombe (1974), Jimmy Connors (1974), Bjorn Borg (1977). John McEnroe (1980), Ivan Lendl (1983), Mats Wilander (1988), Stefan Edberg (1990), Boris Becker (1991), Jim Courier (1992), Pete Sampras (1993), Andre Agassi (1995), Thomas Muster (1996), Marcelo Ríos (1998), Carlos Moyá (1999), Yevgeny Kafelnikov (1999), Patrick Rafter (1999), Marat Safin (2000), Gustavo Kuerten (2000) e Lleyton Hewitt (2001) como ponteiros. O ano em parênteses se refere ao primeiro momento em que o tenista atingiu o topo.

Ou seja, no espaço 29 temporadas desde o início do ranking, apareceram 20 novos líderes. Já nos 20 calendários seguintes, somente sete.

Listas nobres

A relação dos que tiveram como ápice o número 2 é bem pequena, já que Daniil Medvedev tornou-se o 12º. Vamos a ela e perceba que é um bloco de elite, quase todos campeões de Grand Slam. Está assinalado o primeiro momento em que ocorreu:
Manuel Orantes – Agosto de 1973
Ken Rosewall – Abril de 1975
Guillermo Vilas – Abril de 1975
Arthur Ashe – Maio de 1976
Michael Stich – Novembro de 1993
Goran Ivanisevic – Julho de 1994
Michael Chang – Setembro de 1996
Petr Korda – Fevereiro de 1998
Alex Corretja – Fevereiro de 1999
Magnus Norman – Junho de 2000
Tommy Haas – Maio de 2002
Daniil Medvedev – Março de 2021

Já Stefanos Tsitsipas entrou no grupo dos 20 que tiveram o terceiro lugar como o mais alto posto da carreira, e novamente se destacam vários campeões de Slam. Vejamos:
Stan Smith – Agosto de 1973
Tom Okker – Março de 1974
Rod Laver – Agosto de 1974
Brian Gottfried – Junho de 1977
Vitas Gerulaitis – Fevereiro de 1978
Yannick Noah – Julho de 1986
Sergi Bruguera – Agosto de 1994
Guillermo Coria – Maio de 2004
David Nalbandian – Maio de 2006
Ivan Ljubicic – Maio de 2006
Nikolay Davydenko – Novembro de 2006
David Ferrer – Julho de 2013
Stan Wawrinka – Janeiro de 2014
Milos Raonic – Novembro de 2016
Alexander Zverev – Novembro de 2017
Grigor Dimitrov – Novembro de 2017
Marin Cilic – Janeiro de 2018
Juan Martin del Potro – Agosto de 2018
Dominic Thiem – Março de 2020
Stefanos Tsitsipas – Agosto de 2021

Com esses dados, verifica-se outro fato sintomático: desde o momento em que Federer chega ao número 1, em fevereiro de 2004, apenas 14 jogadores que não pertencem ao chamado ‘Big 4’ apareceram em algum momento no top 3 do ranking.

Por fim, deixo um debate: dos que não chegaram ao número 1, quem merecia mais? Minha lista teria Vilas, Ashe, Laver, Wawrinka e Del Potro.

Medvedev encanta e entristece
Por José Nilton Dalcim
12 de setembro de 2021 às 23:01

Há dois sentimentos antagônicos nesta final de placar inesperado num dos melhores Grand Slam da útlima década. De um lado, é impossível não sentir tristeza pela chance perdida por Novak Djokovic e se comover com suas lágrimas. De outro, há uma satisfação em ver Daniil Medvedev mostrar um tênis tão eficiente e uma cabeça tão boa para erguer um troféu que parecia inevitável, mais cedo ou mais tarde.

Claro que as duas coisas se fundem quando se avalia o que aconteceu neste domingo na Arthur Ashe. O russo entrou com uma tática muito bem definida  e executada, aliás um tanto surpreendente, ao forçar o segundo saque o tempo todo e optar por não dar peso nas trocas de bola. Mas isso funcionou também porque Djokovic sentiu demais o peso da história sobre seus ombros e não conseguiu administrar a parte emocional, o que sempre foi seu forte. Absolutamente justificável, diga-se. O tamanho da dupla façanha – fechar o Slam e chegar ao recorde do 21º troféu – somava toneladas. E isso ficou evidente na expressão sofrida antes mesmo do fim da partida.

Ainda nessa mistura obrigatória de situações, Medvedev teve uma campanha límpida ao longo das duas semanas, auxiliado por adversários pouco categorizados. Dos cabeças, enfrentou apenas Daniel Evans e Felix Aliassime e o único set perdido foi numa distração diante do quali holandês Botic van de Zandschulp. No caminho, nomes como Richard Gasquet e Pablo Andujar. Não é demérito, porque o russo fez o seu papel de forma louvável e repetiu Ivan Lendl e Rafael Nadal como únicos a vencer o US Open com um set perdido em 34 anos.

Djoko, por seu lado, raramente jogou seu melhor. Entrou sempre tenso em quadra, a ponto de perder o set inicial quatro vezes seguidas. O saque afiado, algumas devoluções preciosas e preparo físico impecável foram lhe dando as vitórias. Sua atuação mais vistosa foi na semifinal contra Alexander Zverev, ainda assim levado ao quinto set. A insistência em não comentar sobre a oportunidade histórica de repetir Rod Laver talvez não tenha sido a melhor escolha e me parece que isso se refletiu na hora ‘h’.

Para piorar, Medvedev entrou em quadra muito sóbrio e teve uma atuação brilhante, mesclando ataque e defesa, ousadia e paciência, controle emocional nos poucos momentos de aperto. Enfim se assustou no momento de concluir o título, o que também é plenamente aceitável. Afinal, chegou a sacar sob vaias. Com sua conquista, se tornou o nono diferente campeão do US Open nos últimos 14 anos e o quinto a ganhar em Nova York seu primeiro Slam, como fizeram Del Potro, Murray, Cilic e Thiem. Também relevante é o fato de que se mantém como o único dos 82 adversários de Nole como número 1 do ranking a ter um histórico positivo, agora de 4 a 2.

É o terceiro russo a ser campeão de um Slam. Yevgeny Kafelnikov e Marat Safin têm dois troféus, mas apenas Safin tem uma final a mais que Medvedev. A Rússia não via um campeão de Slam entre os homens desde o mesmo Safin, em 2005.

Não há dúvida que Djokovic jogou a mais importante de suas 1.176 partidas e que sofreu talvez a mais dura das 198 derrotas. O 21º troféu no entanto pode ter sido apenas adiado e tem grande chance de vir talvez já em Melbourne, daqui a quatro meses, já que sempre será um favorito natural por lá. Mas a oportunidade de ‘fechar’ o Grand Slam será muito difícil de acontecer de novo para ele ou para qualquer outro jogador do circuito atual.

De qualquer forma, não há nada que o diminua. Ganhar os três primeiros Slam de uma temporada tem sido algo reservado para muito poucos. Além dele e de Laver, em 62 e 69, apenas Lew Hoad (1958), Don Budhe (1938) e Jack Crawford (1933) fizeram isso. E só Laver e Budge completaram a façanha nos EUA. o sérvio ainda tem o importante diferencial de ter feito isso em três pisos distintos, o que não existia antes de 1978.

Djokovic deixou escapar a maior façanha do tênis profissional, porém nos lembrou que afinal um Goat ainda é um ser humano que duvida, falha e chora.