Arquivo da tag: ranking

Os outros notáveis da história do ranking
Por José Nilton Dalcim
26 de outubro de 2021 às 23:48

Como era previsível, Novak Djokovic nem precisou entrar mais em quadra para garantir o número 1 até o final de 2021, justiça construída por um desempenho quase impecável nos Grand Slam e agora inabalável qualquer que sejam os resultados de Viena, Paris e Finals de Turim.

Isso me motivou a lembrar outros tenistas notáveis que fizeram história desde que o ranking foi criado, em agosto de 1973. Claro que ser o primeiro supera qualquer feito, porque a maioria as fórmulas estipuladas pela ATP visou premiar a regularidade ao longo de 12 meses. Mas muitos nomes de currículo e jogo notáveis ficaram ali perto, e merecem respeito por isso.

O século 21 do tênis masculino tem sido especial por motivos óbvios. Desde maio de 2002, quando Tommy Haas atingiu seu ápice e chegou ao segundo lugar da lista, apenas seis jogadores atingiram a liderança em algum momento: Lleyton Hewitt (então pela segunda vez, já que havia chegado ao topo em 2001), Juan Carlos Ferrero (2003), Andy Roddick (2003), Roger Federer (2004), Rafael Nadal (2008), Novak Djokovic (2011) e Andy Murray (2016).

Antes disso, o tênis profissional já havia tido Ilie Nastase (1973), John Newcombe (1974), Jimmy Connors (1974), Bjorn Borg (1977). John McEnroe (1980), Ivan Lendl (1983), Mats Wilander (1988), Stefan Edberg (1990), Boris Becker (1991), Jim Courier (1992), Pete Sampras (1993), Andre Agassi (1995), Thomas Muster (1996), Marcelo Ríos (1998), Carlos Moyá (1999), Yevgeny Kafelnikov (1999), Patrick Rafter (1999), Marat Safin (2000), Gustavo Kuerten (2000) e Lleyton Hewitt (2001) como ponteiros. O ano em parênteses se refere ao primeiro momento em que o tenista atingiu o topo.

Ou seja, no espaço 29 temporadas desde o início do ranking, apareceram 20 novos líderes. Já nos 20 calendários seguintes, somente sete.

Listas nobres

A relação dos que tiveram como ápice o número 2 é bem pequena, já que Daniil Medvedev tornou-se o 12º. Vamos a ela e perceba que é um bloco de elite, quase todos campeões de Grand Slam. Está assinalado o primeiro momento em que ocorreu:
Manuel Orantes – Agosto de 1973
Ken Rosewall – Abril de 1975
Guillermo Vilas – Abril de 1975
Arthur Ashe – Maio de 1976
Michael Stich – Novembro de 1993
Goran Ivanisevic – Julho de 1994
Michael Chang – Setembro de 1996
Petr Korda – Fevereiro de 1998
Alex Corretja – Fevereiro de 1999
Magnus Norman – Junho de 2000
Tommy Haas – Maio de 2002
Daniil Medvedev – Março de 2021

Já Stefanos Tsitsipas entrou no grupo dos 20 que tiveram o terceiro lugar como o mais alto posto da carreira, e novamente se destacam vários campeões de Slam. Vejamos:
Stan Smith – Agosto de 1973
Tom Okker – Março de 1974
Rod Laver – Agosto de 1974
Brian Gottfried – Junho de 1977
Vitas Gerulaitis – Fevereiro de 1978
Yannick Noah – Julho de 1986
Sergi Bruguera – Agosto de 1994
Guillermo Coria – Maio de 2004
David Nalbandian – Maio de 2006
Ivan Ljubicic – Maio de 2006
Nikolay Davydenko – Novembro de 2006
David Ferrer – Julho de 2013
Stan Wawrinka – Janeiro de 2014
Milos Raonic – Novembro de 2016
Alexander Zverev – Novembro de 2017
Grigor Dimitrov – Novembro de 2017
Marin Cilic – Janeiro de 2018
Juan Martin del Potro – Agosto de 2018
Dominic Thiem – Março de 2020
Stefanos Tsitsipas – Agosto de 2021

Com esses dados, verifica-se outro fato sintomático: desde o momento em que Federer chega ao número 1, em fevereiro de 2004, apenas 14 jogadores que não pertencem ao chamado ‘Big 4’ apareceram em algum momento no top 3 do ranking.

Por fim, deixo um debate: dos que não chegaram ao número 1, quem merecia mais? Minha lista teria Vilas, Ashe, Laver, Wawrinka e Del Potro.

Paris e Wimbledon podem ver luta pelo nº 1
Por José Nilton Dalcim
29 de abril de 2021 às 21:26

Pouco provável em Roland Garros, muito mais palpável em Wimbledon, o tênis masculino poderá ver novamente luta pela liderança do ranking. Em Paris, três jogadores têm chance teórica de tirar o sono de Novak Djokovic. Ainda que não consigam nesta reta final do saibro europeu, campanhas consistentes criarão espaço para buscar o salto na grama.

As contas se baseiam no desempenho dos cinco primeiros colocados nos próximos três grandes torneios sobre o saibro e fundamentalmente no regulamento diferenciado imposto pela ATP desde a pandemia, que ainda garante 50% dos pontos para quem jogou Madri em 2019 e se arriscou em Roma e Paris em 2020.

Existe possibilidade matemática de Rafael Nadal, Daniil Medvedev e Dominic Thiem ameaçarem o número 1 em Roland Garros, mas o bom senso diz que é pequena, porque depende de campanhas medianas de Nole em Roma e em Paris e por um desastre no novo ATP de Belgrado, que ele decidiu jogar e que muito provavelmente terá poucos nomes de peso. Mas não somente isso. Obrigará Nadal e Thiem a campanhas perfeitas ou Medvedev a fazer grandes resultados, algo difícil de se imaginar para quem volta da covid e nunca teve muita simpatia pela terra batida. Stefanos Tsitsipas conseguirá no máximo se aproximar.

Wimbledon no entanto pode ver uma disputa até mesmo acirrada, já que Djokovic defende o título de 2019 e qualquer resultado que não seja uma nova final o fará perder 1.000 pontos. É o torneio em que Nadal foi semi, Medvedev só ganhou duas rodadas e onde Thiem e Tsitsipas sequer passaram da estreia. Ainda assim, esses pretendentes precisam ir bem na reta final do saibro.

Vamos ver um resumo do que cada um desses tenistas tem a defender ou a somar nas semanas que virão:

Novak Djokovic – 11.963 pontos
– Perderá 500 por não ir a Madri e cairá para 11.463.
– Defende título em Roma e assim tem garantidos 500, perdendo 500 se não for à final.
– Jogará o segundo ATP de Belgrado e somará tudo que fizer. Título vale 250 pontos.
– Vice em Roland Garros, perderá 600 pontos se cair até as quartas ou 480 se parar na semi.
O pior que pode acontecer a Djoko é sair do saibro com 10.373 pontos, mas ainda assim fica sob mínimo risco de ser ultrapassado por Nadal (veja abaixo). Essa chance do espanhol terminará se Nole ganhar dois jogos em Belgrado e fizer 90 pontos, o que lhe daria mínimo de 10.453.

Rafael Nadal – 9.810 pontos
– Foi semi em Madri-2019 e portanto pode somar 640
– Campeão em Roma-2019, só pode manter os 1.000 pontos
– Vencedor de Paris em 2020, tenta repetir os 2.000 pontos
Se for 100% nos três torneios, espanhol chegará a 10.450 pontos e terá de torcer contra Djokovic (veja acima) e também para que Medvedev não se saia bem nos três torneios (veja abaixo).

Daniil Medvedev – 9.700
– Perdeu na primeira rodada de Madri, Roma e Paris. Portanto só defende 30 pontos.
– Se fizer semi nos dois Masters e quartas em Roland Garros, saltará para 10.750 pontos e já passa a preocupar, embora de forma pouco expressiva.
– Caso atinja as três semis, somará 1.440 e totalizará 11.110 pontos, e isso obrigaria Djokovic a ganhar Belgrado e repetir o título em Roma ou a final em Paris.

Dominic Thiem – 8.365
Fez semi em Madri (360), caiu na estreia de Roma (10) e foi à final de Paris, tudo em 2019, o que ainda está valendo no ranking.
O máximo que pode totalizar, caso vença os três torneios, são 10.795 pontos. Isso lhe dá esperança, mas vinculada ao desempenho de Djokovic e de Medvedev.

Stefanos Tsitsipas – 7.910
Foi finalista em Madri de 2019 (600), quartas de Roma (360) e semi de Paris (720) no ano passado.
Os três títulos podem levá-lo ao máximo de 10.230 pontos e portanto seu maior sonho seria o número 2, quem sabe aí bem próximo de Djokovic.

Wimbledon
Djokovic não pode somar, com risco de perder 800 pontos caso seja finalista ou 1.000 com qualquer outra campanha. Nadal foi semi e portanto pode acrescentar 480 com final e 1.280 com o título. Uma final em que ele vencesse Djokovic faria com o que espanhol descontasse 2.080 pontos de uma só vez.

Medvedev por seu lado tem a defender 180 de Queen’s e 90 de Wimbledon, o que permite também somar a partir das quartas em Wimbledon (360 menos 270). Thiem e Tsitsipas são os que têm maior vislumbre de lucrar na temporada de grama, já que fizeram apenas 10 pontos em 2019.

Façanhas do ranking independem da pandemia
Por José Nilton Dalcim
16 de março de 2021 às 18:23

Em apenas duas semanas, a história do ranking masculino foi chacoalhada por dois grandes momentos. No dia 8 de março, ratificando-se seu título no Australian Open, Novak Djokovic quebrou um recorde que se pensava inalcançável e superou as 310 semanas que Roger Federer havia passado como número 1. Sete dias depois, Daniil Medvedev ganhou Marselha para coroar a quebra de uma longa hegemonia do Big 4. Desde julho de 2005, nenhum outro que não se chamasse Federer, Nadal, Djokovic ou Murray figurou no top 2 da lista.

Muitos apressadinhos correram para dizer que o congelamento do ranking feito pela ATP em março, em função da pandemia e a paralisação do calendário até agosto, teria sido essencial para que essas incríveis marcas caíssem. Como se sabe, a ATP também mudou a fórmula de contagem a partir da volta dos jogos e passou a considerar um ranking de 24 meses, ou seja entre março de 2019 e de 2021. E apenas há poucos dias fez pequena alteração, forçando descontos de 50% dos pontos de 2019 e mantendo até agosto a possibilidade de cada tenista somar seu melhor resultado, sem descontos de campanhas.

Uma rápida análise matemática do ranking entre 15 de março de 2020 e de 2021, no entanto, mostra que não há qualquer sombra de dúvida do mérito de Djokovic e Medvedev nas posições alcançadas. Se utilizarmos o critério tradicional do ranking de somar apenas os pontos dos torneios efetivamente jogados entre Acapulco/Dubai do ano passado até o último domingo, Djokovic ainda lideraria com certa folga (5.830 pontos) e Medvedev estaria realmente à frente dos demais (5.585).

Nessa hipótese, o verdadeiro prejudicado é o também russo Andrey Rublev. Com 3.915 pontos somados nesta sua arrancada técnica, ele seria o terceiro colocado, deixando Rafael Nadal para trás (3.800). Outra troca de posição aconteceria entre Alexander Zverev e Stefanos Tsitsipas. Vejamos como está essa pontuação, considerando-se os oito tenistas que disputaram o ATP Finals de Londres:

1. Novak Djokovic – 5.830
2. Daniil Medvedev – 5.585
3. Andrey Rublev – 3.915
4. Rafael Nadal – 3.800
5. Dominic Thiem – 3.535
6. Alexander Zverev – 3.410
7. Stefanos Tsitsipas – 3.095
8. Diego Schwartzman – 2.210

Então, caros amigos, não me parece haver qualquer razão para se contestar o recorde histórico de Djokovic, que na verdade poderia ter alcançado a marca de 310 muito antes, em outubro, não fosse a pandemia. E hoje já estaria com pelo menos mais 20 semanas. De qualquer forma, a ATP já calculou que não há qualquer risco de o sérvio perder o posto antes de 26 de abril.

Medvedev agora se tornou a maior ameaça a ele, principalmente porque o russo só fez 90 pontos em Miami em 2019 e assim poderia acrescentar 910 num eventual título. Ainda não se sabe se Nole irá para Miami, mas de qualquer forma ele só teria a perder 45 pontos (metade dos 90 de 2019) caso prefira continuar sua recuperação na Europa, à espera do saibro. Chegaria a Monte Carlo com 1.113 pontos de vantagem sobre o russo e todos sabemos que a terra batida está longe de ser a praia do Urso.

Nadal avisou nesta terça-feira que não irá para os EUA, como era de se imaginar. Bem preparado, ele poderá recomeçar a somar pontos em Monte Carlo, Barcelona e Madri, onde terá a descontar 900 de 2019 e poderia fazer 2.500. Ranking no entanto me parece ser a última das preocupações do canhoto espanhol neste momento. Antes de tudo, vem a melhor forma física para o esforço sobre o duro calendário que sempre faz no saibro europeu. E em seguida ganhar toda a confiança para atingir a meta primordial de defender Roland Garros e chegar ao 21º Grand Slam. Por tudo isso, é mais do que correta sua decisão.

Aliás, mesmo antes de outra decepcionante atuação, em Dubai, Dominic Thiem se juntou a ele e a Roger Federer e também não irá a Miami. O Masters norte-americano pode assim ter Medvedev, Tsitsipas, Zverev e Rublev como os quatro primeiros cabeças de chave. Isso sim que é renovação.