Arquivo da tag: Petra Kvitova

Tsitsipas e Kyrgios: quem continua o sonho?
Por José Nilton Dalcim
30 de junho de 2022 às 18:53

A desistência inesperada de Matteo Berrettini e a ausência de qualquer outro adversário de maior gabarito farão com que Stefanos Tsitsipas e Nick Kyrgios disputem uma partida extremamente importante para suas carreiras neste sábado. Quem avançar para as oitavas terá porta aberta, e provavelmente toda a confiança do mundo, para buscar a semifinal de Wimbledon. Tanto para o grego como para o australiano, é uma chance de ouro.

Stef jogou melhor contra Jordan Thompson hoje do que na estreia diante do quali Alexander Ritschard, mas é óbvio que não são grandes vitórias para o currículo. O grego enfim ganhou um título de ATP sobre a grama no último sábado e tentar repetir o único resultado decente que teve em Wimbledon, as oitavas de 2018. Nas outras três participações, sequer passou da estreia.

Kyrgios fez mais um papelão na duríssima estreia e talvez por isso tenha jogado com seriedade diante de Filip Krajinovic. E, quando faz isso na grama, é muito duro competir com ele. Esmagou o sérvio e certamente vai se achar favorito contra Tsitsipas, já que sua única derrota em quatro duelos foi a exibição da Laver Cup. Dias atrás, marcou virada numa bela partida em Halle.

Quem vencer, vai pegar Brandon Nakashima ou Daniel Galan. O primeiro se aproveitou do péssimo momento de Denis Shapovalov e o outro, da covid de Roberto Bautista. Se der a lógica, enfrentará nas quartas o sobrevivente de Brooksby-Garin e De Minaur-Broady. Não há oportunidade maior, e os dois sabem disso.

Jogo a jogo
Nadal faz o básico
– Apesar de ser muito mais tenista, o bicampeão Rafa Nadal de novo encontrou dificuldades diante de um adversário de pouco predicado no saque e na grama. Ainda está um tanto preso e aceita o jogo de trocas da base porque tem consciência que, em determinada hora, vai vencer. Está chegando o momento de elevar o nível. Lorenzo Sonego não é um perigo, mas saca muito melhor. Depois, deve vir Botic van de Zandschulp, mais completo quando se fala em piso veloz. Isso é claro se o velho Richard Gasquet não aprontar de novo.

Fritz vê uma brecha – Dono de dois ATPs em Eastbourne, Taylor Fritz deveria já ter feito mais em Wimbledon, mas nunca passou da 3ª rodada. Desta vez, a chave parece propícia, sem qualquer cabeça a sua frente nas próximas duas rodadas, apesar de seu forehand cheio de topspin não me agradar. Vale clicar aqui e ver o incrível ponto que encerrou o segundo set. Pega Alex Molcan, um jogador de base, e quem sabe o bom e velho Jack Sock, que até hoje só venceu cinco vezes em simples ( o jogo de hoje foi adiado no terceiro set) mas ergueu dois troféus de duplas no Club.

Iga leva susto – Era de se esperar que a grama causasse mais dores de cabeça para Iga Swiatek e, logo na segunda rodada, a polonesa sofreu contra a 138ª do ranking, que abriu 4/2 antes de levar virada no set inicial e levou a segunda série. A polonesa mostrou-se um tanto apressada, talvez ansiosa. Porém continua sem perder, agora por 37 partidas. Precisará de maior cuidado contra a experiente Alizé Cornet, que adora um desafio e luta ao estilo Nadal.

Grupo da morte – Paula Badosa, Petra Kvitova e Simona Halep avançaram no setor que definirá uma delas como quadrifinalista. E eu nem descartaria Magdalena Frech. A bicampeã tcheca deu uma desligada incrível quando tinha 6/1 e 5/1 e precisou salvar set-points. No seu adeus ao circuito, Kirsten Flipkens liderou os dois sets contra Halep. Portanto, tudo muito aberto.

Vice se despede – A temporada de Karolina Pliskova continua tenebrosa. Começou atrasada por contusão na mão, só venceu dois jogos seguidos na mesma semana em dois torneios e agora, rumo à defesa do vice em Wimbledon, perdeu duas vezes seguidas da britânica Katie Boulter, que poucas vezes habitou o top 100. A cena de Pliskova errando a entrada da Central antecipou o desastre. A namorada de Alex de Minaur enfrenta Harmony Tan, no entanto o favoritismo total nesse setor é de quem passar entre Coco Gauff e Amanda Anisimova.

Melo confirma o 100% – Os duplistas brasileiros passaram incólumes pela primeira rodada de Wimbledon. Marcelo Melo completou o quadro vitorioso com batalha de 3h41 em cima dos cabeças 5, um ótimo resultado ao lado do bom Raven Klaasen. Nunca esqueçamos que Melo é campeão de Wimbledon.

Nadal pode comemorar
Por José Nilton Dalcim
28 de junho de 2022 às 20:28

A estreia não foi lá aquela maravilha, com alguns golpes muito curtos, ataque por vezes descalibrado e saque ainda abaixo do que parece necessário, mas Rafael Nadal tem motivos para se sentir mais leve neste Wimbledon. Os três adversários que poderiam lhe causar maior dor de cabeça e desgaste não irão mais cruzar seu caminho.

Marin Cilic e Matteo Berrettini pegaram covid e desistiram antes de estrear. O croata, finalista de 2018 e experiente em Grand Slam, poderia cruzar com Rafa nas oitavas. Felix Auger-Aliassime viria em seguida, mas o canadense não achou devoluções e passadas suficientes para segurar o saque-voleio de Maxime Cressy. E o embalado italiano, campeão de Stuttgart e Queen’s e atual vice de Wimbledon, anunciou logo cedo que o coronavírus havia tirado sua energia para jogar.

Aliás, até mesmo Sam Querrey saiu do caminho. O norte-americano já deu sufoco em Novak Djokovic na mesma grama e tem título de Queen’s, mas parou no tênis básico de Ricardas Berankis, que aqui entre nós não é muito mais do que Francisco Cerundolo. Então não sobrou adversário de peso para Rafa? Nem tanto. Talvez um Lorenzo Sonego ou um Botic van de Zandschulp inspiradíssimos possam ser competitivos, já que a lógica diz que o espanhol irá crescer pouco a pouco no torneio.

É ainda essencial falar da entrevista de Alizé Cornet ao L’Équipe, em que revela uma verdadeira epidemia de coronavírus em Roland Garros, que foi estrategicamente abafada pelos próprios jogadores, receosos de serem retirados do Slam, de se submeter a testes constantes ou de entrarem outra vez numa ‘bolha’ preventiva. A francesa contou que alguns nomes de peso pegaram covid e se calaram. citando apenas Barbora Krejcikova. Sintomas clássicos, como tosse e dor de cabeça, foram genéricos nos vestiários e corredores.

Pelo jeito, tudo passou despercebido pelos organizadores e o mesmo se repete agora em Wimbledon, onde o Club não tomou qualquer atitude após os casos autorrevelados de Cilic e Berrettini. Como 98% dos principais tenistas estão vacinados, é bem provável que não surjam complicações.

Jogo a jogo
Stef e Kyrgios não brilham
– Possíveis adversários de terceira rodada, o que seria um reencontro de dias atrás na grama, Stefanos Tsitsipas e Nick Kyrgios venceram na marra. O grego sacou de forma instável e passou por diversos sufocos contra o desconhecido Alexander Ritschard. O australiano teve o atenuante de encarar o local Paul Jubb, bem acostumado à grama, mas falou demais, estava incrivelmente apressado entre os pontos e incomodado com o vento.

Cressy justifica – Era imaginado que Felix Aliassime teria uma estreia dura, mas foi ainda mais desastroso. Maxime Cressy ganhou 94 das 133 vezes em que subiu à rede e só permitiu um break-point. Tipo de jogo que não dá qualquer ritmo ao adversário e o canadense sentiu isso. Cressy enfrenta agora o ex-top 10 Jack Sock, que veio do quali.

Armada americana – Grama é um lugar onde o tênis de saque pesado e bolas retas dos americanos sempre se adapta bem. Taylor Fritz, Jenson Brooksby, Reilly Opelka são cabeças como também John Isner, Frances Tiafoe e Tommy Paul. Se recuperar a confiança, acho que Fritz é o mais perigoso. Mas também passaram da estreia Johnson, Harrison, McDonald, Nakashima e Giron, este com vitória sem surpresa sobre o cabeça mas inexperiente Rune.

Swiatek busca ritmo – Não foi uma exibição à altura da Iga Swiatek dos últimos meses, porém a polonesa só perdeu três games e cravou mais um ‘pneu’. Vai precisar se soltar mais no saque. O índice de acerto foi baixo (59%) e mais ainda o de pontos vencidos com ele (61%). Num ‘apagão’, perdeu dois serviços seguidos e viu Jana Fett abrir 3/1 no segundo set. Porém, tal qual Rafa, a margem para embalar é muito grande.

Cabeças caem – Cinco favoritas, entre elas as suíças Bencic e Teichmann, deram adeus logo de cara, seguindo Giorgi, Putintseva e Rogers. Outras como Gauff e Kvitova tiveram de virar jogo. O destaque positivo desta terça-feira foram Halep e Anisimova. É bom lembrar que Kvitova e Halep podem se cruzar ainda nas oitavas.

Serena fica no quase – Sobrou esforço, faltaram pernas e confiança. O retorno de Serena Williams empolgou o público por mais de 3 horas, apesar de o nível não ter sido grande coisa. A francesa Harmony Tan usou a tática certa de fazer Serena jogar e correr, mas ainda assim a hexacampeã de Wimbledon sacou para a vitória no terceiro set. Fez péssimas escolhas e também não segurou a vantagem inicial no match-tiebreak. De qualquer forma, pertinho dos 41 anos, Serena mostra que ainda dá para ser competitiva lá no US Open, mas sem sonhar demais.

Agora, duplas – Laura Pigossi imitou Thiago Monteiro, tentou achar um padrão tático mas a grama não combina com seus estilos. Valeu como ótima e merecida experiência para a paulistana. O Brasil agora se concentra nas duplas. Bia Haddad está numa chave dura, mas dá para acreditar nas mistas outra vez ao lado de Soares.

Swiatek e Bia Haddad são as expectivas
Por José Nilton Dalcim
26 de junho de 2022 às 10:41

Mesmo sem ter jogado qualquer partida preparatória e apesar de seu parco histórico na grama, Iga Swiatek terá novamente todos os holofotes da chave feminina de Wimbledon. A polonesa tem se mostrado tão superior às adversárias no piso duro e no saibro que restam poucos argumentos às demais concorrentes.

Campeãs como Petra Kvitova e Simona Halep, a versátil Ons Jabeur e a embaladíssima Beatriz Haddad Maia se mostraram as adversárias de maior gabarito. ao menos antes de a primeira bola ser lançada ao ar no All England Club. Gente de ranking alto, como Paula Badosa, Maria Sakkari e Garbiñe Muguruza, estiveram abaixo da crítica. Anett Kontaveit, Danielle Collins e Jessica Pegula optaram por ir direto a Wimbledon.

Swiatek tem mostrado grande trabalho de pernas e força nos golpes, com especial dedicação às devoluções agressivas. Isso já é mais do que suficiente para competir bem na grama, ainda que não assustará se ela encontrar certa dificuldade nas primeiras rodadas. Jabeur tem muito menos força, mas os slices lhe garantem versatilidade necessária no piso. Kvitova possui o jogo perfeito para a grama, ainda que se mexa um pouco pior, e é talvez nesse mesmo padrão que devamos encaixar Bia, que fica um ou dois passos atrás por sua menor experiência. Halep é o tipo de jogadora que consegue fazer de tudo e só tem deficiência a explorar quando precisa jogar muito com o segundo saque.

Em sua segunda participação no torneio, tendo sido oitavas em 2021, a líder disparada do ranking pode ter algum trabalho com Yulia Putintseva antes de oitavas mais quentes diante de Jil Teichmann ou Barbora Krejcikova. A maior candidata a sua adversária nas quartas é Jessica Pegula.

Halep e Kvitova ficaram no forte segundo quadrante, podem duelar já nas oitavas e portanto uma delas tende a cruzar com Iga na penúltima rodada. Nesse setor, ficaram também Serena Williams, a atual vice Karolina Pliskova e as jovens Cori Gauff e Amanda Anisimova. Se já era difícil para Serena voltar depois de um ano, a tarefa fica hercúlea numa chave desse quilate. Mas pode ao menos chegar na terceira rodada e não seria impossível bater Pliskova.

O lado inferior da chave coloca Ons Jabeur e Maria Sakkari com maior favoritismo do que Anett Kontaveit e Danielle Collins entre as tenistas de nível top 10, e ali também ficou a estrela da casa Emma Raducanu, que estreia nesta segunda-feira contra a perigosa Alison van Uytvanck. A tunisiana tem Kaia Kanepi e Angelique Kerber antes de chegar em Collins, Raducanu, Madison Keys ou Alison Riske.

O que nos interessa muito, claro, é o quarto quadrante da chave. Bia tem uma estreia perigosa contra a jovem Kaja Juvan, a quem venceu duas vezes mas a eslovena fez terceira rodada em Wimbledon no ano passado com vitória sobre Belinda Bencic, a mesma habilidosa suíça que poderá ser a terceira adversária da canhota brasileira. Bencic se contundiu na final de Berlim há uma semana e ganhou o único duelo contra Bia em janeiro.

Dá facilmente para acreditar nas chances de Bia chegar nas oitavas, o que seria então o maior resultado nacional em Wimbledon desde André Sá (2002) e das meninas desde Maria Esther (1976). E aí o caminho parece aberto, porque não dá para apostar em Kontaveit e pode aparecer Anhelina Kalinina ou Lesia Tsurenko. Por fim, Maria Sakkari e Jelena Ostapenko devem brigar pela vaga e, evidentemente, a torcida seria por Sakkari reencontrar Bia. A brasileira foi muito elogiada por Kvitova depois da revanche que a tcheca conseguiu em atuação impecável na semi de Eastbourne, onde depois faturou o título.

Laura Pigossi enfim jogará seu primeiro Slam. Começa contra a eslovaca Kristina Kucova, de 32 anos e atual 90 do mundo e, se surpreender, enfrentará Shelby Rogers ou Petra Martic. A paulistana de 27 anos é atual 124 do mundo. O Brasil não tinha duas tenistas na chave principal desde 1988, com Patrícia Medrado e Gisele Miró.

E mais

  • Os campeões da 135ª edição do The Championships, a 54ª da Era Profissional, embolsarão 2 milhões de libras. Quem perde na primeira rodada já leva 50 mil, nada desprezíveis R$ 320 mil.
  • Este será o primeiro Slam desde o Australian Open de 1999 sem os dois líderes do ranking. Isso nunca aconteceu em Wimbledon desde o uso do ranking, a partir de 1974.
  • Se vencer sua estreia nesta segunda-feira, Djokovic se tornará o único tenista, homem ou mulher, com ao menos 80 vitórias em cada Slam. Ele tem 79 em Wimbledon, 85 em Paris, 82 na Austrália e 81 nos EUA.
  • Aos 36 anos e 34 dias, Nadal concorre a ser o mais velho campeão profissional de Wimbledon, marca que pertence a Federer, com 35 anos e 342 dias. E iguala feitos de Laver (1969) e Djokovic (2021) de erguer os três primeiros troféus de Slam de uma temporada.
  • Ao disputar seu 20º Wimbledon, Feli López repete Connors e atinge os mesmos 81 Slam de Federer, que jogou 22 vezes no Club. Aos 40 anos e 293 dias, López também é o mais velho a jogar desde Fraser, em 1975, aos 41.
  • O último tenista a ganhar Wimbledon na primeira participação foi Dick Savitt, em 1951.
  • Apenas quatro campeões juvenis chegaram ao título principal masculino (Borg, Cash, Edberg e Federer) e três no feminino (Hingis, Mauresmo e Barty).
  • Com 365, Serena está apenas a quatro vitórias do recorde absoluto de Slam de Federer. E faltam dois para fazer contagem centenária em Wimbledon.
  • Rafael Matos chegou a seu quarto ATP, o mesmo número de Marcelo Demoliner, e é agora top 40, superando Marcelo Melo. A campanha na grama de Mallorca foi surpreendente. Ele e o espanhol Vega serão cabeças em Wimbledon, mais um marco na carreira do canhoto gaúcho de 26 anos.
  • Enquanto a chave masculina tem 5 campeões de Slam, três doa quais com título em Wimbledon (Djoko, Nadal e Murray), há 11 vencedoras de Slam na chave feminina, cinco delas com triunfo no Club (Halep, Kerber, Muguruza, Serena e Kvitova).
  • Cornet empata com Ai Sugiyama em Slam consecutivos, com 62.
  • Em 122 edições da chave feminina, apenas 11 países chegaram ao título. Entre eles, o Brasil de Maria Esther.