Arquivo da tag: Paula Badosa

Força espanhola
Por José Nilton Dalcim
17 de janeiro de 2022 às 12:54

Rafael Nadal, Carlos Alcaraz, Pablo Carreño e Paula Badosa. Não foram apenas quatro vitórias, mas agradáveis exibições do sempre poderoso exército espanhol na abertura do Australian Open de 2022. A quadra, que parece um pouco mais lenta do que se mostrou no ano passado, pode ser uma aliada fundamental.

É bem verdade que Marcos Giron não mostrou competência para exigir realmente o máximo de Nadal. O campeão de 2009 sacou bem com 84% de pontos vencidos com o primeiro serviço, colocou o adversário para correr e não pensou muito para buscar finalizar os pontos, jogando aliás bem mais perto da linha de base. Totalizou 34 winners e 26 erros, mostra que a ideia parece mesmo forçar. Não deve ter dificuldade diante de Yannick Hanfmann e espera o ‘freguês’ Karen Khachanov.

Quem passou apertado foi o russo Aslan Karatsev, surpreendente semifinalista do ano passado, que não produziu muito com o saque, sentiu a lentidão maior da rodada noturna e foi um verdadeiro kamikaze, com 87 winners – quase 50% de seus pontos na partida – mas também 107 erros, 60% de tudo que Jaume Munar fez nos cinco sets e 4h52 de batalha. É bem possível que um duelo direto com o perigosíssimo Hubert Hurkacz defina quem vai pegar Nadal nas oitavas.

Ainda nesse forte setor da chave, Alexander Zverev jogou para o gasto e nem ele gostou muito da estreia diante do compatriota Daniel Altmaier, que o levou a dois tiebreaks. O aspecto positivo foram as 55 subidas e 39 pontos junto à rede. De qualquer forma, a caminhada é muito favorável: agora vem John Millman, depois Radu Albot ou Aleksandar Vukic e só então Denis Shapovalov ou Reilly Opelka. Dá tempo de sobra para achar seu melhor tênis.

O outro quadrante
Matteo Berrettini diz ter sofrido com dores no estômago e por muito pouco não viu sua tarefa se alongar ainda mais, já que o bom Brandon Nakashima desperdiçou um set-point que lhe daria placar vantajoso de 2 a 1. Outra vez, o destaque do italiano foi o saque, que apareceu nas horas mais importantes: de seus 42 winners, 21 foram aces.

Carlos Alcaraz foi muito bem no primeiro jogo da temporada, não economizou subidas à rede e parece um adversário muito perigoso para o italiano num evento duelo de terceira rodada. E quem sobreviver pode pegar Pablo Carreño, que jogou o básico para avançar em três sets. A surpresa no setor veio com a vitória facílima de Sebastian Korda sobre o canhoto Cameron Norrie, lembrando que o garoto norte-americano passou duas semanas de quarentena por ter contraído covid logo após a chegada a Melbourne.

Quem pode se aproveitar muito bem do buraco aberto pela ausência de Novak Djokovic no topo da chave é o veterano mas sempre prazeroso Gael Monfils. Jogou sério na estreia, tem que tomar cuidado com Alexander Bublik e, se passar, terá Cristian Garin ou Pedro Martinez. É um excelente cenário. No seu quadrante, Lorenzo Sonego aparece como adversário mais gabaritado para duelar com o francês nas oitavas. Monfils não passa da 4ª rodada em Melbourne desde as quartas em 2016, sua única campanha de destaque no Australian Open em 16 participações.

Feminino: Osaka empolga
Ashleigh Barty e Naomi Osaka não encaram oponentes de gabarito, mas deram o recado em seus jogos iniciais do Australian Open: estão muito afiadas. E isso só aumenta a expectativa por eventual duelo direto entre elas ainda nas oitavas de final. Belinda Bencic ainda é o único nome que pode impedir isso, mas a campeã olímpica admitiu que ainda não está plenamente recuperada da infecção por coronavírus.

Osaka me deixou mais empolgado, porque mostrou atitude em quadra e parecia muito alegre após a partida, com direito a brincadeiras na entrevista. Só faltou mesmo calibrar melhor o primeiro saque. Bicampeã do torneio, a japonesa tem vencido um Slam em cada uma das últimas quatro temporadas, todos na quadra dura.

Boa sugestão é ficar de olho em Paula Badosa. Cheia de recursos, soltou-se ao longo da partida e é seríssima candidata a ir até as quartas. Esta foi apenas sua terceira vitória nos Slam sobre quadra dura, mas a evolução é evidente. No seu quadrante, estão nomes de peso, como Barbora Krejcikova, Elina Svitolina e Vika Azarenka.

Pequena decepção com a estreia muito irregular de Maria Sakkari. Não chegou a perder set da veterana e mãe Tatjana Maria, porém pareceu estar com muitas dúvidas táticas. E já caíram duas cabeças: Sofia Kenin corre até o risco de sair do top 100 após perder de Madison Keys e a garota Coco Gauff foi dominada pelas defesas de Qiang Wang.

Djokovic na parede
O líder do ranking desembarcou com recepção calorosa dos fãs em Belgrado. Ele avisou que não vai dar entrevistas, ao menos não tão cedo. Ainda recebeu mais uma notícia pouco animadora: Roland Garros também vai exigir comprovante de vacinação completa, seguindo norma federal baixada nesta segunda-feira. A informação foi dada pela mesma ministra dos esportes Roxana Maracineanu, que há poucos dias alardeou que Djoko estava assegurado no Slam do saibro.

Badosa supera depressão e enriquece circuito
Por José Nilton Dalcim
17 de outubro de 2021 às 22:52

Paula Badosa é um dos tantos casos no circuito de jogadores que fazem grande sucesso como juvenil, criam enorme expectativa e acabam vítimas disso. A espanhola de tênis vigoroso precisou superar a depressão que veio no início da carreira profissional, gerada ironicamente pela conquista do título juvenil de Roland Garros, e três anos depois dá uma bela volta por cima com a colheita de grandes resultados.

Nascida em Nova York, para onde os pais se mudaram para tentar o mundo da moda, a pequena Paula entrou no tênis aos 7 anos quando a família voltou a Barcelona. Passou um tempo em Valência, onde deu um salto de qualidade, e o título em Paris veio no retorno a Barcelona. Apesar de boas vitórias em nível ITF, a cobrança ficou insustentável e, aliada a problemas físicos, levou à crise emocional, que só seria superada já em 2018 quando passou a treinar com Xavier Budó, que ajudou Carla Suárez por muitos anos.

Enfim, ergueu troféus de ITF, chegou nas quartas do primeiro WTA e entrou para a faixa das 150 ao final do ano, mas precisou de uma temporada inteira para atingir o top 100. A pandemia foi uma ducha de água fria, e muito provavelmente atrasou um pouco mais sua ascensão, mas quando o circuito retornou Badosa aproveitou bem. As quartas em Roland Garros a levaram ao 70º posto.

Nada seria tão fácil. A covid forçou 21 dias de isolamento total em Melbourne e ainda veio uma contusão em Lyon. O har-tru de Charleston, já em abril, foi o ponto da virada, onde derrotou Belinda Bencic e Ashleigh Barty. Fez boa campanha em Madri, ganhou seu primeiro WTA em Belgrado e a confiança só cresceu. É bom lembrar que antes desta notável campanha em Indian Wells, ela já tinha vencido também as top 10 Aryna Sabalenka, Barbora Krejicikova e Iga Swiatek, o que mostra claramente seu potencial.

A menina que adora ler e leva muitos livros em todas suas viagens revelou na cerimônia de premiação que se inspirou em Vika Azarenka, mas seu espelho mesmo era Maria Sharapova, já que considera o saque seu golpe mais importante, algo um tanto natural para o 1,80m. É no entanto um campo em que precisa investir mais. Até chegar em Indian Wells, sua média de aces nos 46 jogos já feitos beirava 4, mas o de duplas faltas era de 6. Nesta final de domingo, isso também ficou bem claro: 7 aces contra 11 duplas faltas.

A pupila do técnico Javier Martí deverá aparecer no 11º posto nesta segunda-feira e, mais importante ainda, na 8ª colocação na luta para ir ao Finals de Guadalajara, ou seja, a chance cresceu muito já que só faltam duas semanas de temporada regular. Tomara que desta vez o sucesso seja bem absorvido porque Paula é mais um nome da nova geração feminina que joga um tênis super moderno, que mistura força com regularidade e variações. Ganhou de quatro top 20 nestes 10 dias e se tornou a primeira espanhola a erguer o troféu em Indian Wells, algo que escapou de Arantxa Sánchez, Conchita Martinez e Garbiñe Muguruza.

Azarenka fez um belo torneio e ficou bem perto do tri. Chegou a sacar para a vitória neste domingo, prova de que até os multicampeões sentem o friozinho na barriga na hora de grande tensão.

Norrie também reage e sonha com Finals
Muito longe da qualidade técnica e das emoções da final feminina, como era de se esperar, o canhoto Cameron Norrie também marcou feito inédito em Indian Wells. Ganhou seu primeiro Masters, obteve um troféu de peso que nem Andy Murray e Tim Henman conseguiram e ainda será o 16º no ranking desta segunda-feira.

É muita coisa para um jogador sem golpes espetaculares, que conta com suas pernas e esperteza tática para dar um grande salto na carreira. É interessante lembrar que Norrie havia perdido suas quatro finais até julho deste ano, quando enfim faturou Los Cabos e revelou ter vivido um grande alívio. Dias atrás, decidiu também San Diego e então se torna um nome respeitável nos pisos sintéticos.

Norrie entrou de vez na briga por uma impensável vaga no Finals. Com cinco classificados – Djokovic, Medvedev, Tsitsipas, Zverev e Rublev -, Matteo Berrettini está muito perto e a briga decisiva parece ficar entre Casper Ruud, Hubert Hurkacz, Norrie e Jannik Sinner. A distância entre eles é de apenas 420 pontos.

Desafio – O internauta Hemerson, que não publicou sobrenome, ganhou o Desafio proposto para o campeão de Indian Wells. Ele foi o único que postou vitória de Norrie em três sets e assim receberá a biografia revisada de Roger Federer da Sportbook.

Nova geração decide seu finalista
Por José Nilton Dalcim
6 de junho de 2021 às 18:07

Quatro jogadores, entre os 22 e 25 anos, irão decidir quem irá pela primeira vez à final de Roland Garros na parte inferior da chave masculina. Daniil Medvedev, Stefanos Tsitsipas e Alexander Zverev são top 10 e o mais jovem, Alejandro Davidovich Fokina, acaba de chegar ao top 50 e é a boa surpresa. O russo e o grego farão duelo direto que pode ser o primeiro grande momento deste Aberto francês, enquanto o alemão sai com necessário favoritismo diante do sempre elétrico espanhol.

O histórico é amplamente favorável a Medvedev, o que cria um clima ainda mais interessante para o confronto. O russo venceu cinco vezes seguidas entre 2018 e 2019, uma delas no saibro de Monte Carlo em três sets, até que finalmente o grego quebrou o tabu nas rodadas classificatórias do Finals de 2019, que aliás o embalou para a grande conquista. Neste ano, eles voltaram a se cruzar e Medvedev dominou por 6/3, 6/2 e 7/5 na semi do Australian Open.

No entanto, o favoritismo tende a mudar de lado se pensarmos em Roland Garros. Enquanto o russo enfim faz uma campanha digna após sofrer quatro derrotas consecutivas em estreia, Tsitsipas brilhou no ano passado e atingiu a penúltima rodada, barrado somente por Novak Djokovic e lá no quinto set.

Os dois foram muito bem neste domingo, ganhando com sobras e com placares parecidos até mesmo na dificuldade maior do terceiro set. E Medvedev surpreendeu novamente, ao dominar Cristian Garin com uma variação tática inteligente, em que mesclou paralelas fulminantes com deixadinhas inesperadas, muito solto em quadra. Tsitsipas disparou golpes notáveis da base dos dois lados e sufocou Pablo Carreño nos dois primeiro sets. O espanhol reagiu e abriu vantagem depois, mas o grego soube cortar seu ânimo na hora certa.

É lógico acreditar que Zverev fique à espera dessa batalha para conhecer seu adversário da semi e muito provavelmente ele irá torcer pelo russo, contra quem tem 5 a 4 no geral, mas nunca fora do piso duro. Diante do grego, Sascha sofreu cinco derrotas seguidas, incluindo Madri, até enfim ganhar na decisão de Acapulco meses atrás.

Depois do susto da estreia, em que pareceu sonolento por dois sets, Zverev cresceu dia a dia neste Roland Garros. Após pequeno vacilo ao permitir que Kei Nishikori recuperasse quebra nos games iniciais, passou por cima tendo o saque como grande aliado e sábia postura de jogar o máximo possível pertinho da linha.

Alejandro Davidovich merece respeito, obviamente, porém ainda me parece emocionalmente imaturo para os grandes momentos. Tem feito um belo torneio, com golpes de base muito pesados e excelente preparo físico. Até ameaçou Zverev na quadra dura coberta de Colônia no ano passado depois de levar uma surra no US Open pouco antes, onde ganhou meros cinco games. Tenista de 1,83m, Alejandro treina desde os 11 anos com o mesmo técnico e diz que se inspirou em Roger Federer, mas que tenta imitar Novak Djokovic. De forma inesperada, diz que seu piso favorito é a grama, talvez porque tenha vencido o juvenil de Wimbledon em 2017.

O adeus de Federer
Conforme havia aventado na véspera, ainda na entrevista de quadra, Roger Federer considerou que o esforço de 3h38 para vencer o canhoto alemão Dominik Koepfer foi além da sua atual capacidade física e preferiu abandonar Roland Garros nas oitavas de final. Assim, o italiano Matteo Berrettini terá mais dois dias de folga e fica à espera de Novak Djokovic confirmar o favoritismo e o enfrentar na quarta-feira.

No comunicado divulgado, o suíço diz que duas cirurgias no joelho e um ano de reabilitação o forçam a ter precaução, principalmente no saibro, um piso em que o ato de escorregar sempre causou instabilidade na sua rótula e o fez saltar o torneio por três edições seguidas. Antes de chegar a Paris, ele admitiu a dúvida de ir a Roland Garros, mas acabou optando por jogar na busca de ritmo de competição e teste para suas condições técnicas e musculares.

Dessa forma, é muito provável que o jogo deste sábado, encerrado na madrugada e sem público no estádio, tenha sido o último de Federer em Roland Garros, já que cada vez mais o saibro parece um obstáculo insuperável para seu corpo e seu estilo. Ele deve seguir diretamente para a grama alemã, onde será a atração de Halle dentro de oito dias, na busca pela preparação adequada para Wimbledon, o maior objetivo da temporada em suas próprias palavras.

Esta foi a quinta vez em sua longa carreira que Federer desiste no meio de um torneio e a primeira num Slam.

Nova finalista em Paris
As quedas de Serena Williams e Victoria Azarenka já garantem que haverá uma nova finalista de Grand Slam e mantém a sina recente da chave feminina de Roland Garros de apresentar novidades. A única cabeça que restou na parte inferior da chave é a jovem Elena Rybakina, de 21 anos, que se aproveitou de uma caminhada pouco exigente até fazer uma grande exibição sobre Serena Williams neste domingo, em que competiu em força e ousadia com a veteraníssima tricampeã.

Rybakina nunca havia chegado sequer na quarta rodada de um Grand Slam, enquanto a poderosa adversária jogava a de número 64. Faz algum tempo que Serena não intimida mais as adversárias como antigamente, seja porque há muitas meninas batendo pesado na bola hoje em dia ou porque Serena sente dificuldade clara em se deslocar e se defender. Por isso, a cazaque usou de forma inteligente as paralelas e teve um saque bem efetivo para simplificar vários pontos.

Com grande chance de voltar ao top 20, ela enfrentará agora a renascida Anastasia Pavlyuchenkova. Perto dos 30 anos, a russa volta às quartas de Paris exatos dez anos depois do primeiro e único sucesso no saibro parisiense. E com nova atuação empolgante. Após tirar Aryna Sabalenka com ‘pneu’ no terceiro set, virou em cima de Vika Azarenka esbanjando confiança e inteligência tática. Como é interessante ver uma tenista aplicar deixadinhas e ousar na rede mesmo sobre o saibro.

A outra partida de quartas terá a especialista espanhola Paula Badosa contra a eslovena Tamara Zidansek, esta sim uma grande surpresa. As duas têm 23 anos e fazem maior campanha em Slam, mas nunca se cruzaram. Badosa acabou de ganhar Belgrado e foi semi de Madri. Tirou neste domingo a vice de 2019 Marketa Vondrousova com muito mais disposição de arriscar, anotando 30 winners e 30 erros. A eslovena nunca figurou sequer no top 50, tem apenas dois vices de pequenos WTAs no saibro e lutou 3h21 na estreia deste ano em Paris para tirar Bianca Andreescu.

Os últimos quadrifinalistas
– Nadal e Djokovic tentam chegar pela 15ª vez às quartas de Paris, Sinner e Musetti jamais venceram um top 5.
– Djoko busca 49ª presença em quartas de Slam e Nadal, a 44º. Federer é o recordista, com 57.
– Musetti ganhou todos os oito tiebreaks que jogou em torneios de primeira linha, seis deles em 2021. Na rodada anterior, fez seu primeiro jogo de 5 sets. Djoko é recordista de vitórias em 5 sets, com 30, ao lado de Federer.
– Nadal ganhou os cinco sets no saibro contra Sinner, mas quatro deles foram placares apertados.
– Espanhol soma 32 sets seguidos no torneio e mira de novo o recorde de Borg, que foi de 41 entre 1979-81. Nadal chegou a somar 38.
– Sinner disputa 33ª partida de saibro em nível ATP contra 505 de Nadal, que só perdeu 42 até hoje.
– Struff ganhou 11 jogos no saibro este ano, um a mais que Schwartzman, que tenta chegar pela quarta vez nas quartas de Paris e só ficar atrás de Vilas (com 9) entre os argentinos.
– Alemão conseguiu primeira vitória sobre top 10 num Slam na estreia deste ano contra Rublev
– Em duelo muito jovem, Swiatek tem na teoria um jogo fácil para ir às quartas contra Kostyuk, 81ª do ranking que tirou Muguruza na estreia. Nenhuma delas perdeu set ainda..
– Kenin e Sakkari pode ser o grande jogo feminino do dia. Americana ganhou duas vezes, em 2018, e perdeu jogo estranho em janeiro, tudo sempre em 3 sets. O vice do ano passado dá ligeiro favoritismo a Kenin.
– Krejcikova já está nas quartas de duplas e de mistas e agora tenta outra façanha contra Stephens, depois de tirar Alexandrova e Svitolina em notáveis atuações. Jogo é inédito.
– Duelo de estilos entre Gauff e Jabeur, que estão separadas por um posto no ranking (25 a 26). Tunisiana venceu americana de 17 anos pela primeira vez neste ano em Charleston após duas derrotas e tenta repetir quartas da Austrália-2020.