Arquivo da tag: Novak Djokovic

Lógica suada
Por José Nilton Dalcim
11 de janeiro de 2020 às 11:55

Espanha e Sérvia, e principalmente Rafael Nadal e Novak Djokovic, vão decidir a ATP Cup, como era de se esperar. Mas esteve longe de ser fácil. Os melhores tenistas do mundo foram colocados à prova com jogos fisica e emocionalmente muito exigentes e desgastantes, viveram alguns momentos críticos mas deixam claro por que são os favoritos para o Australian Open. E a final deste domingo, que forçará o brasileiro a acordar cedo, promete ser um avant-premiére imperdível.

Djokovic permanece invicto. Foi obrigado a jogar perto do máximo já na estreia contra Kevin Anderson. Sobreviveu a duelos exaustivos contra Denis Shapovalov e Daniil Medvedev, onde sua solidez na base não se mostrou o suficiente, obrigando o sérvio a explorar voleios notáveis e deixadinhas milimétricas para achar soluções alternativas. Nem mesmo sua poderosa devolução facilitou a tarefa, embora em ambos os casos seja preciso dar muitos créditos aos adversários. O russo deixa cada vez mais claro que é o nome da nova geração com o tripé técnica-resistência-cabeça para encarar os superfavoritos.

Nadal oscilou um pouco mais, e sofreu uma derrota um tanto esquisita para David Goffin, que o obrigou a emendar uma dupla não menos sufocante, em que os belgas estiveram muito perto da surpresa. Desde a fase inicial, Rafa mostrou certas dificuldades. Quase se enrolou com Nikoloz Basilashvili e suou contra Yoshihito Nishioka, dois jogadores um tanto limitados. E só mesmo sua excepcional capacidade de jogar sob pressão permitiu a virada categórica em cima do inspirado garotão Alex de Minaur, a melhor ‘surpresa’ desta ATP Cup.

Me preocupou o aparente esgotamento de Djokovic, que perdeu a paciência algumas vezes e voltou a arrebentar raquete, discutir com a torcida e apressar os pegadores. Mas a rigor o sérvio me parece em ritmo bem mais apurado do que Nadal, muito sólido no fundo de quadra, fazendo trocas de direção com rara eficiência. O espanhol tem demorado para se soltar e adotar postura ofensiva. Vale lembrar que Nole já reclamou de dor no braço e Rafa, do joelho.

Em que pese toda a importância do 55º capítulo do mais repetido duelo do tênis profissional – curiosamente, houve apenas cinco confrontos nas últimas três temporadas -, há de se destacar a importância que os números 2 de cada país tiveram nesta ATP Cup.

É bem verdade que Roberto Bautista pegou vários oponentes fracos, mas a forma com que dominou Nick Kyrgios neste sábado reforça como ele sabe usar os recursos da bola na subida e golpes mais retos sobre a quadra dura. Dusan Lajovic sofreu apenas uma derrota (três sets para Benoit Paire), mas depois compensou com um tênis rico em variedade em cima de Nicolas Jarry, Felix Aliassime e Karen Khachanov.

Absolutos coadjuvantes na final deste domingo, eles no entanto terão papel crucial na luta pelo título. Bautista venceu os três duelos contra Lajovic, todos no sintético. O eventual vencedor certamente irá tirar um pouco da pressão sobre Nadal ou Djokovic, embora eu acredite que, às vésperas do Australian Open e com o tremendo ‘espírito de Davis’ que possuem, os dois irão ao limite para sair com a vitória em Sydney e ganhar moral. E isso pode incluir uma curiosíssima batalha também nas duplas.

Quem vence? Eu apostaria na Sérvia. E você?

As apostas para 2020
Por José Nilton Dalcim
23 de dezembro de 2019 às 15:29

Como acontece tradicionalmente, TenisBrasil perguntou aos internautas e a um grupo de 35 convidados, entre treinadores, jornalistas e pessoas intimamente ligadas ao esporte, quais as tendências para a próxima temporada. Algumas previsões foram bem curiosas. Eis um resumo.

O grupo de especialistas deixou claro duas têndências: Novak Djokovic irá recuperar o número 1 e Stefanos Tsitsipas entrará no Big 3 ainda no primeiro semestre. E aí existe clara divergência quanto ao voto popular, que acredita mais em Rafael Nadal para se manter na ponta e não vê Tsitsipas com toda essa chance (7% apenas votou no grego).

Para Nadal, os dois paineis indicam que será ultrapassar os 20 Slam de Roger Federer. Para os especialistas, restará ao suíço quebrar as marcas de títulos (109) e vitórias (1.274) de Connors, mas o júri de internautas acredita maciçamente no 21º troféu de Federer (45%). Será que não é mais torcida do que análise?

Felix Aliassime será o primeiro dos novatos a atingir o top 10 para os especialistas, porém o público preferiu Denis Shapovalov por pequena margem. Ambos cravaram que Stan Wawrinka é quem tem mais chance de recuperar o posto entre os velhos heróis. E há por fim uma aposta consistente em cima de Dominic Thiem como ganhador do primeiro Slam entre os que ainda sonham com isso.

No feminino, Ashleigh Barty e Naomi Osaka são as principais candidatas ao número 1 para os especialistas, enquanto o público aposta muto mais em Osaka (37% contra 23%). Angelique Kerber e Garbiñe Muguruza são as que têm maior chance de recuperar seu melhor tênis.

No geral, pode-se notar otimismo quanto ao tênis brasileiro em 2020. Acredita-se que João Menezes e/ou Thiago Wild chegarão ao top 100 e mais de 30% dos especialistas vêm chance de Luísa Stefani aparecer entre as 20 primeiras de duplas. Questionados sobre as prioridades, não surgiram dúvidas: colocar o Centro Nacional para funcionar e recuperar o calendário de challengers e futures. Infelizmente, acho as duas coisas pouco viáveis.

Como foi no ano passado?
E será que as previsões feitas em 2018 se concretizaram? Vamos dar olhada:
– Internautas apostaram que Djokovic terminaria na ponta, que Nadal só brilharia no saibro europeu e que Zverev teria enfim chance de ganhar seu Slam. Só acertaram mesmo o 100º troféu de Federer e se saíram muito bem ao indicar Karen Khachanov como potencial top 10. Curioso: nesse item, Medvedev só recebeu 2% de votos!
– Os especialistas acharam que Zverev ameaçaria o Big 3 – nada menos que 79% apostaram que ele venceria enfim um Slam – e seguiram a ideia de que Djoko terminaria como líder e Nadal não iria bem fora do saibro. Ou seja, erraram feio…
– No feminino, público e convidados acreditaram que Simona Halep terminaria como líder, em ambos os casos ameaçada por Serena Williams.
– Decepção mesmo foi Thomaz Bellucci. Os dois paineis votaram que ele ao menos reagiria e lutaria por lugar no top 100. Ficou muito longe disso.

Vale conferir
Wimbledon também entrou na linha do ‘melhor da década’ e copilou uma série de vídeos muito interessantes. Deixo aqui o link geral, já que Wimbledon não publica material em outras mídias, nem permite compartilhamento. Basta clicar nos vídeos e assistí-los (há opção de tela cheia, o que deixa ainda melhor). Recomendo: https://www.wimbledon.com/en_GB/about_wimbledon/the_2010s_at_wimbledon.html.

‘Melhores’ dão o que pensar
Por José Nilton Dalcim
16 de dezembro de 2019 às 10:27

Enquete criada por TenisBrasil há 19 anos, os resultados dos Melhores do Ano – que na verdade inclui também questões sobre a expectativa para a temporada seguinte – sempre me provocam curiosidade e reflexão. Afinal, optei desde o início por oferecer dois paineis distintos: um para o voto ‘popular’ e outro para os chamados ‘especialistas’, que são treinadores, jornalistas e alguns convidados especiais sempre muito próximos ao dia a dia do tênis. Por vezes, surgem dissonâncias valiosas e em 2019 não foi diferente.

Na pesquisa encerrada na sexta-feira, algo notável: os dois grupos deram votação expressiva para o ‘fato do ano’ não a uma conquista, como é bem natural, mas a uma das mais dolorosas derrotas do tênis moderno. Os dois match-points perdidos por Roger Federer em Wimbledon e consequentemente o 21º troféu de Slam que escapou ganharam com margem de 46% entre os especialistas e 45% para os internautas. Mais incrível ainda: os paineis quase desconsideraram o título do próprio Novak Djokovic no torneio. Ao menos, 61% dos especialistas e 67% do juri popular cravaram que esse foi o jogo do ano.

Bianca Andreescu e Cori Gauff lideraram como surpresas da temporada para os convidados, mas os internautas ficaram com as façanhas de Daniil Medvedev. A jovem canadense ganhou de longe como a que teve maior evolução técnica (56% e 59%) e ainda apareceu no jogo feminino do ano (69% e 48% para sua vitória em cima de Serena Williams no US Open). Por tudo isso, minhas indicações pessoais foram para Andreescu e sua arrancada incrível ao estrelato com um tênis bem agressivo.

Felix Aliassime foi considerado a revelação masculina pelos especialistas (54%) porém o público preferiu Matteo Berrettini (38%). Fico com o garoto canadense, apesar de seu segundo semestre fraco. Houve concordância nos dois paineis quanto a Medvedev ter tido a melhor evolução técnica (51% e 65%), superando Stefanos Tsitsipas (33% e 27%). Também votei no russo e para mim o essencial esteve em sua versatilidade nos pisos, do saibro lento ao sintético veloz.

Alexander Zverev, é claro, recebeu maciça votação como a grande decepção do ano, e destaco aí o segundo lugar de Nick Kyrgios nos dois paineis, acentuando a frustração que o australiano causa: mão genial e cabeça geniosa. Já a vitória de Phillip Kolhschereiber sobre Djokovic em Indian Wells venceu apertado entre os especialistas (28%) mas com folga entre os internautas (40%) como a grande ‘zebra’ do masculino, o que concordo plenamente.

Por fim confesso ter me surpreendido que tanto especialistas como o público tenham votado mais no ouro de João Menezes (25% e 34%) e no fim do Brasil Open (25% e 21%) do que no caso de doping de Bia Haddad (20% e 22%) como o ‘fato do ano’ do tênis brasileiro. Acho que o afastamento da tão promissora Bia foi uma das notícias mais inesperadas e desalentadoras que recebi nos últimos anos. O julgamento aliás ainda segue misterioso.

Vou deixar para o próximo post as indicações para 2020 e vamos ver também o quanto o pessoal acertou em relação ao que apostou para 2019.