Arquivo da tag: Nick Kyrgios

Para que serve o talento
Por José Nilton Dalcim
30 de março de 2022 às 20:47

Carlos Alcaraz e Nick Kyrgios são dois tenistas de excepcional talento, disso ninguém provavelmente duvida. O resultado final de cada um na primeira parte das quartas de final do Masters 1000 de Miami, no entanto, evidencia a gigantesca diferença.

Enquanto um não soube administrar frustrações, perdeu-se em comportamento inadequado e saiu derrotado da quadra, o outro virou uma partida em que estava por baixo, empenhou-se ferozmente atrás de bolas impossíveis e achou soluções. O eliminado tem 26 anos e 10 temporadas de estrada, o vencedor é um adolescente de 18 anos que disputa apenas seu 21º torneio de primeiro nível. Não por acaso, Kyrgios luta para voltar ao top 100 e Alcaraz já pode comemorar o 15º posto do ranking.

Pena que Nick ainda tenha recebido apoio ruidoso da torcida e olhos tapados da ATP, porque esse é exatamente o caminho que o leva a nunca se corrigir. Claro que ele é uma atração, eu próprio tento ver todos seus jogos. Possui tênis vistoso e criativo, que sai do lugar comum do circuito, e a descontração tem um lado muito positivo desde que não caia para o abuso, algo que Gael Monfils e Alexander Bublik, por exemplo, o fazem muito bem.

Kyrgios não tem essa capacidade emocional. Cai rapidamente na vulgaridade dos atos descontrolados e se torna piegas na busca de piedade, como se fosse sempre a vítima de tudo e de todos. Já que andou dando conselhos à amiga Naomi Osaka, poderia muito bem acompanhá-la nas sessões de psicanálise. O tênis agradeceria.

O quadro fica ainda mais triste quando comparado a Alcaraz. O antagonismo de comportamento e desempenho são chocantes. O espanhol deu um show de maturidade, determinação e acima de tudo de competência técnica e tática. Não jogava mal, mas estava sendo pressionado por um Stefano Tsitsipas muito firme e agressivo.

Deu é verdade um tanto de sorte, ao acertar lobs milimétricos em situações de grande aperto, porém lá na frente essa correria defensiva desenfreada rendeu. O grego, me parece, passou a mirar cada vez mais a linha já incomodado com a necessidade de bater sempre uma bola a mais para vencer os pontos. Ao mesmo tempo, perdeu confiança e alguns milésimos de segundo de preparação no backhand, que ficou inseguro e impreciso. Diferente do US Open de meses atrás, quando ganhou no quinto set, desta vez Alcaraz foi claramente superior em todos os campos, incluindo o físico e acima de tudo o emocional. Monstro.

Não posso esperar outra coisa do que vê-lo na semifinal diante de Daniil Medvedev. Se o russo passar pelo atual campeão Hubert Hurkacz, o que não é pouca coisa, será de novo número 1 e imagino o gosto especial que isso vai gerar para o espanhol. No entanto, o próprio Alcaraz precisa conter a euforia porque enfrentará nesta quinta-feira um compacto Miomir Kecmanovic, outro que não se entrega em quadra e possui diferentes recursos.

No tênis, jogar como favorito sempre se torna um pouco mais difícil e será uma interessante oportunidade para avaliarmos a reação do espanhol em diferente tipo de pressão.

Iga confirma, masculino com semi inesperada
A quarta-feira começou estranha e um tanto desestimulante, com abandonos logo no quinto tanto tanto de Jannik Sinner como de Paula Badosa. O italiano, que vinha de notável exibição diante de Kyrgios, onde mostrou aquela frieza e eficiência que o havia feito salvar oito match-points nas rodadas anteriores, não superou uma bolha no pé e deu vaga na semi para o argentino Francisco Cerundolo. Ele deu sorte, é fato, mas vinha de duas atuações memoráveis diante de Gael Monfils e Frances Tiafoe.

O atual 103º baseia seu jogo na regularidade e assim fará uma semi inesperada porém curiosa diante do norueguês Casper Ruud, outro tenista sem golpes espetaculares mas muito sólido. Foi assim que ele tirou o futuro número 3 Alexander Zverev. O alemão jogou abaixo do seu potencial quase o tempo todo, mas não é realmente surpreendente que sinta dificuldade no piso noturno tão lento de Miami.

Badosa por sua vez voltou a se sentir mal, como havia acontecido na véspera, e não ficou muito em quadra diante de Jessica Pegula. A dura missão da norte-americana agora é segurar a embaladíssima Iga Swiatek, que voltou a ter atuação segura tanto no saque como na base e não deu chance à canhota Petra Kvitova. A polonesa tenta assim a quarta final seguida em nível 1000, justificando plenamente sua ascensão ao número 1.

Imprevisível desta vez é o masculino
Por José Nilton Dalcim
29 de março de 2022 às 00:06

Miami já garantiu duas mudanças nos números 1 do ranking – Iga Swiatek e Joe Salisbury – e parece favorável para que Daniil Medvedev complete o quadro de renovações na próxima segunda-feira.

Depois de duas atuações muito seguras, ainda que diante de jogadores defensivos como Andy Murray e Pedro Martinez, ele precisa agora vencer Jenson Brooksby e depois quem passar entre o atual campeão Hubert Hurkacz e Lloyd Harris. Claro que não jogos fáceis. O norte-americano é um tanto preso no fundo de quadra, embora goste de ser agressivo lá de trás, e talvez o grande perigo esteja em Hurkacz, que é um tenista bem completo e que se mexe bem.

Há dois jogos imperdíveis nesta terça-feira. O duelo entre jogadores muito versáteis entre Stefanos Tsitsipas e Carlos Alcaraz tem tudo para ser um dos jogos da temporada, ainda mais que os dois se mostram confiantes. O espanhol continua naquele padrão quase perfeito na sua postura ofensiva, com a vantagem de ter sacado com qualidade até aqui. O grego é mentalmente mais instável e pode sentir o favoritismo natural por conta do ranking e do currículo.

Jannik Sinner e Nick Kyrgios farão enfim o confronto que não aconteceu em Indian Wells por conta da desistência do italiano. A sorte até aqui jogou a favor de Sinner, que evitou três match-points na estreia e mais cinco diante de Pablo Carreño, que ainda por cima sacou para a vitória. É notável como o italiano joga solto e de forma corajosa sob pressão. Kyrgios até aqui está jogando super bem, controlado e econômico na fanfarrice. Quando o australiano joga para valer, é extremamente perigoso.

Também me impressionou como Taylor Fritz se adaptou bem entre as condições um tanto radicais entre Indian Wells e Miami, sem falar no desgaste físico e emocional. Teve uma estreia de altos e baixos e foi firme contra o amigo Tommy Paul, em ambos os jogos se mostrando concentrado no fato de que Miami exige paciência e mobilidade. Esses fatores aliás serão de grande valia diante de Miomir Kecmanovic, um tenista que preza pela regularidade. É outra partida que vale a pena conferir.

Distante dos holofotes, Alexander Zverev vislumbra ótima perspectiva de chegar ao menos na semi. Encara hoje Thanasi Kokkinakis, que vem de dois jogos cansativos, e deve enfrentar depois Casper Ruud ou Cameron Norrie, jogadores com predicados e que podem dar trabalho se o alemão continuar jogando na lentidão das rodadas noturnas. Ou seja, a chave masculina está completamente aberta.

Vale por fim registrar a façanha do argentino Francisco Cerundolo, que está fora do top 100 e é um saibrista típico. Se deu bem contra um contundido Reilly Opelka e massacrou Gael Monfils. A tarefa contra Frances Tiafoe, que eliminou seu irmão mais novo Juan Manuel, é mais difícil, mas nunca impossível.

De olho em Osaka
Depois de tantas surpresas, a chave feminina de Miami enfim tomou ares de normalidade. As quartas de final, definidas nesta segunda-feira, terão seis das cabeças ainda restantes e também Naomi Osaka, que dispensa elogios quando se trata de quadra sintética. A única real ‘zebra’ é Daria Saville, uma jovem australiana de predicados e que viu dar tudo certo. Não pegou uma única favorita em quatro jogos e a adversária de maior gabarito, Katerina Siniakova, nem completou a partida.

Torço particularmente por Osaka. Seria um momento perfeito para ela voltar aos títulos, ficar positiva e recuperar ranking, já que começou Miami sob ameaça de deixar até o top 100. Naomi revelou ter iniciado trabalho com um psicólogo devido à insistência da irmã e gostou da experiência. Chegar à final não parece coisa de outro mundo. Enfrenta já nesta terça-feira Danielle Collins, a quem bateu duas vezes, e aí enfrentaria Saville ou mais provavelmente Belinda Bencic.

Do outro lado, Iga Swiatek está demais e seria loucura tirar dela o favoritismo em qualquer rodada daqui em diante. Absorveu magnificamente a pressão para virar líder do ranking, só perdeu oito games em três rodadas e massacrou a jovem porém ‘engessada’ Cori Gauff. O jogo de quarta-feira contra a experiente e canhota Petra Kvitova promete, ainda que a tcheca esteja um tanto longe de seus melhores dias.

A outra vaga na semi será disputada entre Paula Badosa e Jessica Pegula, mais duas que gostam de bater na bola. A espanhola suou muito diante da sensação tcheca Linda Fruhvirtova, que em seus tenros 16 anos mostra tênis de gente grande e parece fadada a galgar rapidamente o ranking, ainda que precise ganhar um saque mais contundente. Pegula ganhou Doha em fevereiro e virou top 15, porém de forma geral falta a ela presença constante nas rodadas importantes dos torneios de peso.

A queda de Bia
Por falar em Pegula, cabe menção à chance perdida por Bia Haddad Maia nas oitavas de final de domingo, principalmente porque sua adversária, a ucraniana Anhelina Kalinina, desistiu do jogo contra a norte-americana hoje após levar ‘pneu’, certamente contundida. Há duas situações a se mencionar na virada que a brasileira levou.

A primeira é como Bia se desencontrou na partida depois de ganhar com placar elástico o primeiro set e abrir o segundo com quebra, até então mandando no ritmo do jogo e sendo agressiva de forma correta. O outro destaque foi justamente a reação de Kalinina, que mudou complemente sua postura, passou a buscar pontos mais curtos e encurralou a brasileira. Como ela pediu atendimento logo no começo do segundo set, talvez tenha feito ajustes táticos por conta já de algum incômodo físico. E isso é louvável.

Vale registrar que é muito provável que Bia atinja seu recorde pessoal e apareça no 57º lugar do ranking na segunda-feira. E o mais importante: estará apenas 88 pontos atrás da 50º colocada. A batalha continua. O saibro de Bogotá, onde será cabeça 2, é o próximo desafio.

O top 50 está logo ali
Por José Nilton Dalcim
25 de março de 2022 às 23:26

Beatriz Haddad Maia está muito perto de apresentar a melhor versão de si mesma. Nesta sexta-feira, marcou virada espetacular em cima da número 3 do mundo, a mesma Maria Sakkari que acabou de ser vice em Indian Wells. Dominou amplamente os dois sets finais e, segundo suas próprias palavras, nem jogou o máximo que pode. Sinal claro que ainda há mais por vir, o que só nos deixa animados.

Esta foi a terceira vitória consecutiva de Bia em cima de uma adversária top 5 do ranking, somada à então quarta colocada Sloane Stephens (Acapulco-2019) e a que fez em cima da terceira do mundo Karolina Pliskova (Indian Wells-2021), depois de ter sofrido seis derrotas nas tentativas anteriores, duas delas para uma vice-líder (Halep e Kerber) e outra para uma 5 (Ostapenko). Ou seja, nos altos e baixos de sua carreira, a canhota de 25 anos está 3-3 diante de top 5, o que é bem expressivo.

Depois de longo período sem poder disputar torneios de primeira linha por conta de ficar quase zerada no ranking, Bia ganhou 10 de seus 16 jogos desse quilate em 2022, o que eleva seu currículo para 87 vitórias e 64 derrotas em eventos WTA ou Grand Slam, com saldo positivo também sobre a quadra dura, onde tem 49 triunfos e 38 quedas. Na categoria de torneios chamados agora de ‘1000’, como é o caso de Miami, sua eficiência é de 50% (19 em 38).

Provisoriamente, Bia sai do 62º posto e atinge o 57º, o que seria novo recorde pessoal, mas isso depende ainda de outras três concorrentes diretas. Se vencer no domingo Anhelina Kalinina, que tirou Madison Keys, concorrerá ao 52º. Se considerarmos apenas o ranking da temporada, ou seja, campanhas desde janeiro, Bia está em 41º, com 336 pontos.

Apesar de ela própria não ter considerado seu desempenho tão espetacular, há duas coisas importantes a se destacar na conduta de Bia diante da forte e já experiente Sakkari. A primeira foi a postura tática, aquela insistência de manter a bola profunda e no centro da quadra, evitando dar ângulos de contragolpe à grega. E ao mesmo tempo vem a outra qualidade, a emocional, porque conseguiu manter essa meta diante do vento e por 1h58. Raramente se apressou, jamais perdeu a paciência.

‘Fui forte mentalmente’, ressaltou ainda em quadra. Ah, mas não foi só hoje, menina. Você tem sido muito resiliente a cada um dos tantos recomeços que precisou fazer, e talvez a blindagem venha exatamente por isso. Mais do que nunca, o tão sonhado e merecido top 50 está logo ali.

E Iga chegou lá
Aconteceu certamente mais cedo do que o esperado, em função da aposentadoria surpreendente de Ashleigh Barty, porém me parece que era destino certo que Iga Swiatek chegaria à liderança do ranking em algum momento. Ainda aos 20 anos, na segunda-feira ela se tornará a primeira tenista de seu país, homem ou mulher, a pontuar a lista de simples, façanha que apenas Lukasz Kubot obteve para a Polônia em duplas.

Swiatek será a 28º diferente jogadora a pontuar a lista e a mais jovem desde a dinamarquesa Caroline Wozniacki, que era 216 dias mais jovem em 2010. Sua lista de triunfos ainda é pequena, porém nobre, já que reúne Roland Garros e três nível 1000 em pisos distintos, em Roma, Doha e Indian Wells, estes dois conquistados seguidamente e que lhe dá agora 12 jogos de invencibilidade.

É difícil avaliar o quão extenso será esse reinado. No entanto, é claro e evidente que Swiatek está empenhada em continuar evoluindo em todos os campos. Já ultrapassou a barreira das quadras duras e agora terá de encarar a nada fácil tarefa de superar a si mesma. O desafio apenas começou.

E mais

  • Kyrgios teve atuações de gala contra Mannarino e Rublev e agora oferece revanche a Fognini, já que os dois se cruzaram só uma vez e foi exatamente na terceira rodada de Miami de 2018. Talento de sobra em quadra. Quem vencer, pega Carreño ou Sinner. Instável, o italiano salvou 3 match-points contra Ruusuvuori.
  • Zverev é o único cabeça do seu setor que está na terceira rodada, com decepção maior para a má atuação de Dimitrov.
  • Surpreendente vitória em dois sets e um tiebreak do ‘baixinho’ Gaston, 1,73m, diante do gigante Isner. Melhor para Norrie, que pega o canhoto francês e tem Ruud e Bublik no quadrante.
  • Os irmãos Cerundolo ganharam dois jogos cada um. Francisco encara Monfils agora, Juan pode enfrentar em seguida.
  • A chave feminina abre sua terceira rodada sem 19 das 32 cabeças de chave (3 foram por desistência), o que só aumenta a imprevisibilidade. Swiatek, Badosa e Jabeur são as únicas das oito principais favoritas ainda de pé.
  • Entre as derrotadas, Sabalenka, Kontaveit, Svitolina, Raducanu e Fernandez, além de Sakkari. A britânica teve jogo nas mãos e de novo se rendeu ao nervosismo.
  • Quem pode aproveitar essa debacle é Osaka, que fez dois jogos firmes e num deles tirou Kerber. Ela defende pontos e no momento é uma mera 92º. Um eventual título a recolocaria no top 30.