Arquivo da tag: Naomi Osaka

Será que agora vai, Serena?
Por José Nilton Dalcim
6 de setembro de 2019 às 00:38

Serena Williams não desiste. Ainda bem.

Pela quarta vez nos últimos 15 meses, ela se deu a oportunidade de tentar o 24º troféu de Grand Slam para enfim se igualar a Margaret Court, o que já escapou duas vezes em Wimbledon e outra lá mesmo no US Open naquela terrível final do ano passado. Tão pertinho dos 38 anos, que completará em três semanas, ela lutou contra a forma física, o descrédito, seu destempero, e chegou lá de novo. Será que agora finalmente vai conseguir?

Ao atropelar uma irreconhecível Elina Svitolina na noite desta quinta-feira, Serena repete a final do US Open de exatos 20 anos atrás, e acrescenta outra façanha à incrível carreira, agora a tenista que marcou a maior distância entre a primeira e a mais recente final de Grand Slam da Era Aberta.

Aliás, também se transforma na profissional mais velha a ser finalista de um Slam, aos 37 anos e 347 dias. Ela, que detém o recorde de campeã de maior idade na Austrália, Roland Garros e Wimbledon, pode retomar o posto também no US Open, superada que foi por Flavia Pennetta em 2015.

Há muita coisa esperando por Serena às 17 horas de sábado. Terá a chance também de superar duas marcas incríveis de Chris Evert, com quem divide seis títulos em Nova York e agora 101 vitórias. Gostem ou não de Serena, é preciso reconhecer seu notável espírito competitivo. Em uma temporada confusa em que soma apenas 30 partidas, alcança a 33ª final em 73 Slam disputados. Um dado curioso levantado pela WTA lembra que ela só perdeu três finais em Flushing Meadows, as de 2001, 2011 e 2018. Nas duas primeiras, levou o título na edição seguinte.

A pergunta que fica é como reagirá Serena ao encarar pelo segundo ano seguido uma novata na decisão. Ela também tinha a experiência e a torcida a favor quando viu a fã Naomi Osaka pela frente há 12 meses e fez aquele papelão. Embora um desafio desse porte seja novidade para a adolescente Bianca Andreescu, que sequer havia nascido quando Serena ganhou seu primeiro US Open, em 1999, a canadense tem personalidade distinta da tímida Osaka. É impulsiva, expansiva e já ganhou um título em cima de Serena poucos dias atrás, em Toronto, se bem que a norte-americana abandonou após meros quatro games.

Tarefa completamente distinta à de Williams, Andreescu sobreviveu a uma tensa semifinal nesta noite diante da suíça Belinda Bencic. Só o primeiro set durou quase 70 minutos, e as oportunidades foram divididas. Escapou de várias situações delicadas com a frieza e coragem que assombraram o circuito desde sua arrancada, em março. E foi buscar um segundo set que parecido perdido. É exatamente isso o que se espera dela. Garra, golpes pesados, saque audacioso, boa mão para deixadas e voleios… Andreescu faz um pouco de tudo e faz tudo muito bem. Talvez só o dolorido joelho esquerdo seja um fator de preocupação.

Em sua primeira chave principal do US Open – jogou e perdeu no quali do ano passado -, Bibi é a terceira tenista de seu país, e a segunda mulher, a atingir a final de um Slam, repetindo Eugénie Bouchard e Milos Raonic. Também não deixa de ser curioso que supere Denis Shapovalov e Felix Aliassime, esperanças bem mais badaladas do jovem tênis canadense.

Fato notável, este é apenas seu quarto Slam da curtíssima carreira e, se vencer, irá igualar a façanha de outra prodígio, Monica Seles, que também disputou apenas quatro antes de faturar Roland Garros em 1990, com a diferença que a então iugoslava tinha meros 16 anos.

Para a história
– Três dos últimos quatro títulos femininos do US Open foram vencidos por tenistas que marcaram seu primeiro troféu de Slam: Flavia Pennetta (2015), Sloane Stephens (2017) e Naomi Osaka (2018).
– Qualquer que seja a campeã deste sábado, o circuito feminino novamente terá quatro diferentes vencedoras de Slam em 2019, já que Osaka levou Melbourne, Ash Barty ganhou Paris e Simona Halep, Wimbledon. Essa diversidade repete 2017 e 2018. Nunca isso havia acontecido entre as mulheres por três temporadas seguidas.

Magic Rafa
Por José Nilton Dalcim
3 de setembro de 2019 às 01:02

A nona classificação consecutiva para as quartas de final de Grand Slam não poderia vir de forma mais espetacular para Rafael Nadal. No penúltimo ponto, diante do risco de ceder um break-point e quem sabe reanimar o adversário, o canhoto espanhol deixou o estádio Arthur Ashe atônito e maravilhado, ao conseguir buscar um voleio curto e angulado de Maric Cilic. No último segundo, com a qualidade insuperável de escolher sempre os golpes mais apropriados, fez uma passada por fora do poste da rede. Precisou esperar os demorados aplausos para em seguida concluir a vitória.

Depois de Cilic fazer um belo segundo set, com muita potência no saque e na base, empatando o placar, havia o risco de o jogo ficar enroscado. Mas Nadal tratou logo de tomar conta da situação. Aproveitou cada mínima oportunidade que o croata ofereceu para colocar pressão, deixá-lo em movimento e buscar contragolpes fulminantes. Ficou fácil. Mesmo sem um índice ideal de primeiro saque – 57% contra 66% de Cilic -, foi o espanhol quem cravou mais aces (11 a 10) e ganhou mais pontos com o primeiro serviço (83% a 59%).

Nadal vai para as quartas de final com amplo favoritismo. Além de estar voando em quadra, ainda cruzará com o ‘freguês’ Diego Schwartzman, com quem costuma treinar. Portanto, um jogo sem novidades para ambos. O baixinho argentino obteve sua segunda vitória sobre um top 6 e esticou a temporada fraca de Alexander Zverev, um resultado justo porque Peque mostrou muito mais atitude em quadra. Aos 27 anos, ele repete as quartas de 2017 em Flushing Meadows e voltará pelo menos ao top 20, com chance de ficar entre os 15.

A outra sensação masculina da segunda-feira foi sem dúvida Matteo Berrettini, que aos 23 anos e três meses se torna o mais jovem dos quadrifinalistas, pouco à frente de Daniil Medvedev. Usou seus variados recursos para demolir a fortaleza Andrey Rublev, mas quase se enrolou no final do terceiro set, em mais uma de suas famosos oscilações emocionais. Primeiro italiano nas quartas do US Open em 42 anos – e vamos lembrar que Corrado Barazzutti foi semi sobre har-tru em 1977 -, Matteo é também uma das grandes surpresas da temporada. Jogava challengers até março, quando chegou ao top 100, e daí arrancou, com três finais em pisos distintos e dois títulos de ATP, um deles na grama, feito excepcional para quem é nascido sobre o saibro. Com a campanha em Nova York, irá se fixar entre os 20 do ranking e está até com chance de ir ao Finals de Londres;

Claro que agora complica, porque vem aí o acrobático e experiente Gael Monfils, que não deixou de fazer seu show neste US Open mas parece muito focado. Repetir quartas em Slam – é sua nona presença, das quais quatro em Flushing Meadows – dá um alívio a uma temporada tão complicada. O problemático tornozelo esquerdo já o tirou de oito torneios neste ano, três deles com abandono no meio da semana, e por isso sempre se fica na dúvida sobre o tamanho de sua resistência. A eventual vitória na quarta-feira no duelo inédito contra Berrettini o deixará como o sétimo tenista mais bem pontuado em 2019, abrindo portas para seu merecido retorno ao top 10.

Outra vez Bencic
Com seu tênis muito mais inteligente do que pesado, Belinda Bencic derrotou outra vez Naomi Osaka – a terceira deste ano, em condições tão diferentes como Indian Wells e Madri -, retornando enfim às quartas de um Slam. Há cinco anos, quando era prodígio, a suíça chegou lá, mas viveu um longo período de lesões, chegou a sair do top 300 e agora está perto de recuperar seu posto no top 10.

Osaka, que lesionou o joelho esquerdo em Cincinnati, reclamou que não conseguiu se mexer bem para fazer as defesas necessárias, mas elogiou Bencic e tentará dar a volta por cima na fase asiática. Ela não só perde a liderança do ranking para Ash Barty como também cairá para o terceiro lugar, atrás de Karolina Pliskova. A adversária de Bencic será a croata Donna Vekic, que evitou match-point e fez incrível virada em cima de Julia Goerges. O duelo vale primeira semi de Slam para os dois lados. Vekic venceu Belinda no saibro de Roland Garros, em junho.

À noite um duelo interessante entre Bianca Andreescu e Taylor Townsend, mas achei o clima um pouco tenso demais. A canadense joga muito tênis e entrou preparada para as tentativas de saq8e-voleio da norte-americana. Devolveu sempre baixo, muitas vezes buscou paralelas, e isso obrigou Townsend a se conter e ficar mais no fundo de quadra. Apesar da derrota, Townsend fez um belo torneio e talvez consiga dar a volta por cima numa carreira que nunca decolou. Andreescu tem um jogo difícil agora diante de Elise Mertens, que gosta dos contragolpes.

E mais
– Nadal soma agora 40 presenças em quartas de final de Slam, sendo 10 no US Open.
– Caso confirmem o favoritismo e decidem o torneio no domingo, Nadal e Federer também lutarão pela vice-liderança do ranking.
– Sete jogadoras disputam lugar no top 10 do ranking e ainda estão vivas no US Open: Bencic, Konta, Andreescu, Serena e Wang, com menor chance para Vekic e Mertens.
– Com a vitória de Bencic, são três suíços nas quartas do US Open, ao lado de Federer e Wawrinka.
– Ao contrário do masculino, que só tem dois jogadores classificados com menos de 25 anos, a chave feminina colocou cinco nas quartas.
– Serena Williams é agora a única tenista ainda de pé no US Open com títulos de Grand Slam na carteira. Todas as outras sete jamais fizeram final desse porte.

Para a história
Com as quedas de Osaka e de Novak Djokovic ainda nas oitavas de final, esta será a quarta vez na Era Profissional que nenhum dos cabeças 1 de simples chegam ao menos nas quartas do US Open. No masculino, também segue a sina de não se conseguir dois títulos consecutivos desde que Roger Federer foi penta, entre-2004-2008.

Força e jeito
Por José Nilton Dalcim
1 de setembro de 2019 às 00:58

Gael Monfils e Andrey Rublev fizeram valer o ingresso da rodada noturna do US Open. O experiente francês, que já fez semi em Nova York, realizou certamente o melhor jogo do torneio até aqui – e um dos mais empolgantes da temporada -, utilizando seu vasto arsenal de golpes e absurdo atleticismo, enquanto o russo marcou a exibição mais animadora entre os representantes da nova geração ao barrar Nick Kyrgios com artilharia pesada.

Aconteceu de tudo entre Monfils e Shapovalov, especialmente porque o canhoto canadense conseguiu dosar a contento a força de seus golpes, o que o tornou muito competitivo. Poderia ter feito 2 sets a 0 quando sacou com 5/4 e esse talvez tenha sido seu erro fatal. Monfils é um tenista espetacular, tanto pela habilidade como pelo empenho, e isso mexe com o público. Parecia ter liquidado a fatura quando abriu 4/1 com duas quebras no quarto set, mas que nada. Shapovalov lutou heroicamente, levou ao tiebreak, salvou match-point e brindou a todos com mais uma série. O francês por fim prevaleceu com quase todos os games disputados no limite. Espetáculo.

Rublev, que já havia deixado pelo caminho Stefanos Tsitsipas em estreia inspirada, foi impecável na determinação de esmurrar a bola o tempo todo, sem dar a menor atenção para o falatório do australiano. Mesmo batendo tão pesado, cometeu apenas 14 erros não forçados. Destaque ainda aos 80% de pontos feitos com o serviço e a frieza com que jogou os dois tiebreaks, especialmente o segundo em que viu Kyrgios abrir 4-0 e saque. O russo desta noite lembrou muito aquele que não deixou Roger Federer respirar em Cincinnati.

O mais interessante é que Monfils e Rublev têm grande chance de se cruzar nas quartas de final. O francês leva favoritismo natural contra Pablo Andujar, que alcança seu melhor resultado de Grand Slam aos 33 anos, ajudado por uma chave muito propícia. Rublev encara o italiano Matteo Berrettini, que tem um tênis variado e ofensivo, mas deixa o emocional interferir muitas vezes.

O sábado teve ainda a confortável vitória de Rafael Nadal sobre o sul-coreano Hyeon Chung, numa partida em que o espanhol foi muito sólido no saque e nas trocas de bola, aproveitando os espaços abertos para contragolpes magistrais. Reencontrará o croata Marin Cilic, estilo completamente oposto ao de Chung. Sacador que prefere a base, mas perdeu 6 dos 8 duelos contra o espanhol. Cilic não chegou bem ao US Open e teve certa dose de sorte ao ver John Isner jogar fora um tiebreak que parecia na mão e lhe daria 2 sets a 1.

O show de Osaka
Embora tenha feito algumas jogadas espetaculares, estava evidente o clima de tensão em cima de Naomi Osaka no duelo diante da menina Coco Gauff, maciçamente apoiada pela torcida. O jogo teve um festival de break-points e quebras, mas deu a lógica e a número 1 perdeu apenas três games.

Osaka imediatamente se sensibilizou ao perceber que Coco caía em lágrimas e teve atitudes magníficas. Trocou palavras carinhosas e pediu para que a adversária participasse da entrevista em quadra, reforçando elogios e o discurso de incentivo. A japonesa quase não segurou a própria emoção ao se referir sobre o papel importante da família de Gauff.

Não vamos esquecer que Naomi é por si também uma tenista muito jovem, de 21 anos, e que sempre se revelou tímida. Aliás, fará outro duelo entre jogadoras de tenra idade, desta vez diante da suíça Belinda Bencic, que já foi prodígio e figurou no top 10. De estilo distinto, Bencic não presa pela potência mas pela aplicação tática e golpes muito bem escolhidos. Promete.

E mais
– Surpresa no US Open: Alexander Zverev não precisou de cinco sets para tirar Aljaz Bedene, mas três dos quatro sets foram ao tiebreak. Até gostei do empenho do alemão, que se jogou na quadra e não baixou a cabeça. A firmeza da base e a raça de Diego Schwartzman são o próximo grande desafio.
– Kiki Bertens foi a quarta top 10 a cair no lado de cima da chave. A culpa foi da experiente Julia Goerges, 30 anos e que já fez semi em Wimbledon. Sua adversária será a croata Donna Vekic.
– Nova geração feminina duela por quartas: Taylor Townsend, depois de tirar Simona Halep, embalou e terá pela frente a canadense Bianca Andreescu. Outra vez Townsend optou pelo jogo de rede: 47 pontos em 75 subidas. Andreescu também nunca havia chegado nas oitavas de um Slam, tirou Caroline Wozniacki e não para de subir de prestígio e de ranking.
– História curiosa marca a americana Kristie Ahn. Por convite, ela voltou a disputar o US Open 11 anos depois da estreia e fez jus: tirou Sveta Kuznetsova e Jelena Ostapenko. Aos 27 anos e 141ª classificada, contou ter ido para universidade e quase esquecido o tênis. Enfrentará Elise Mertens, 25ª do mundo.
– E Carla Suárez levou mesmo multa pesada pelos meros oito games de estreia: US$ 40 mil, cerca de 80% da premiação a que teve direito. Ela já avisou que vai recorrer.

Para a história
Este é o 13º Grand Slam consecutivo em que Nadal atinge pelo menos as oitavas de final. Na rodada anterior, ele não precisou entrar em quadra para enfrentar Thanasi Kokkinakis. Foi a primeira vez em toda sua carreira que se favoreceu de um w.o. em Slam.