Arquivo da tag: Masters de Roma

Compasso de espera
Por José Nilton Dalcim
10 de agosto de 2020 às 19:45

Restam apenas 10 dias para começar o qualificatório de Cincinnati e uma nuvem de dúvida permanece. Os top 20 do ranking que pretendem jogar os torneios combinados de Flushing Meadows colocam como exigência maior a desobrigação de cumprir isolamento social quando entrarem ou retornarem à Europa.

Isso se aplica principalmente ao Masters de Roma, não apenas porque teria largada apenas oito dias após a decisão masculina do US Open, mas devido ao fato de que o governo italiano tem exigido quarentena de 14 dias para cidadãos que chegam ao país oriundos de lugares onde a pandemia esteja em situação preocupante.

Jornalistas italianos divulgaram nesta segunda-feira em mídias sociais uma interpretação de nova norma baixada pelo governo que justamente livraria os atletas de alto rendimento desse isolamento obrigatório. Mas tal salvadora notícia não recebeu qualquer comentário até agora, nem da USTA, da ATP ou dos promotores de Roma, todos diretos interessados.

Talvez haja um exagero em tudo isso. Será que não vale a pena se ausentar do Masters italiano para quem atingir quartas ou semifinais do US Open? Além disso, esses jogadores poderiam voar direto para Paris e se preparar calmamente para Roland Garros, sem qualquer restrição de entrada, desde é claro que estejam em plenas condições de saúde.

Se pensarmos bem, apenas jogadores um tanto mais ambiciosos com o calendário, como Dominic Thiem e Daniil Medvedev, fariam tanta questão de disputar uma eventual final do US Open e também tentar a sorte em Roma uma semana depois, considerando ainda que o Slam é feito em melhor de cinco sets e num clima geralmente desgastante. Thiem aliás fala até em disputar Kitzbuhel antes de ir ao Fóro Itálico, sedento por competir em tudo que der e vier.

Kitzbuhel pleiteia no momento pegar a data de Madri e assim abrir oportunidade de contar com algum nome de peso, como Rafael Nadal, além é claro de Thiem. A ATP baixou determinação que impede Nadal e Gael Monfils de competirem em Kitzbuhel se o torneio austríaco acontecer na segunda semana do US Open, como está previsto no momento.

O tempo está ficando apertado para tantas decisões. É hora de todo mundo se posicionar.

Bom exemplo
Palermo realizou o primeiro evento pós-pandemia e deu mostras que é possível realizar um evento profissional bem organizado e seguro. Os promotores foram extremamente cautelosos. A única tenista que deu positivo foi barrada ainda na chegada ao hotel, as poucas que ‘furaram’ a bolha foram severamente advertidas e o WTA italiano terminou sem sustos.

Tenistas e acompanhantes também foram testados a cada quatro dias, tiveram de manusear as próprias toalhas, houve redução para apenas três boleiros por quadra, as máscaras foram obrigatórias o tempo todo e até as entrevistas aconteceram de forma remota. Os banhos no vestiário, antes proibidos, acabaram autorizados, porém apenas dois tenistas foram permitidos no vestiário simultaneamente. Luvas até para entregar os troféus.

Sara Errani definiu bem: “Não é necessária vigilância 24 horas por dia, apenas que cada tenista seja responsável”.

Mais polêmica
Um documento que isenta a USTA e a ATP de qualquer ação judicial sobre a eventual contaminação – e até mesmo morte – de um jogador ou membro de sua equipe durante os eventos de Nova York é mais um ponto polêmico. Todo mundo precisa assinar para jogar os torneios.

A lista dos nomes importantes que já avisaram que não irão a Nova York: Rafael Nadal, Ash Barty, Elina Svitolina, Kiki Bertens, Gael Monfins, Fabio Fognini, Stan Wawrinka, Nick Kyrgios e Jo-Wilfried Tsonga.

China de volta
Os chineses voltaram a competir, mas em torneios regionais, sem torcida e ainda assim com tenistas isolados num só local. Os tenistas não apenas têm de usar máscaras, mas até mesmo lavar suas próprias roupas, já que o resort não está oferecendo esse serviço.

Nadal coloca ordem na casa
Por José Nilton Dalcim
19 de maio de 2019 às 21:46

Ninguém em sã consciência poderia retirar Rafael Nadal da lista de máximos favoritos ao título de Roland Garros, a menos que ele estivesse sem condição física, como aconteceu raras vezes nos últimos 14 anos. Mas a conquista deste domingo no Foro Itálico, além do evidente alívio para o espanhol, serviu para recolocar ordem na casa. O ‘rei do saibro’ voltará a Paris, dentro de uma semana, revigorado e cheio de confiança. Cuidado com ele.

É legítimo dizer que ainda falta um pouco mais para Nadal atingir aquela áurea de imbatível que tinha antes sobre a quadra de terra. Sofreu três derrotas nas últimas semanas porque, antes de tudo, não tomou iniciativa. E foi essa mudança de postura que lhe rendeu duas atuações muito mais animadoras em Roma, tanto na semi contra Stefanos Tsitsipas como na final diante de Novak Djokovic.

Desde o primeiro game, Rafa se plantou a no máximo dois passos da linha de base – chegou várias vezes a jogar dentro da quadra -, o que mudou completamente o ritmo com que suas bolas chegaram aos adversários. Também usou a paralela de forehand tanto no contragolpe como nas mudanças de direção. Chegou a ganhar um ponto de Nole com três paralelas sucessivas, o que é algo bem difícil.

Atuação perfeita? Muito boa, mas não perfeita. Quando Djokovic se estabilizou, o espanhol recuou lá no juiz de linha para devolver saque e talvez por isso tenha deixado escapar o 0-40 do sexto game do segundo set, que teria abreviado a partida. Pior ainda, deixou os nervos outra vez aflorarem quando sacou com 4/5 e tinha de defender o placar do segundo set.

Depois, teve o mérito de manter o padrão ofensivo. Voltou a deslocar o sérvio para os lados e não abriu novas frestas. Dentro desse estilo, fechou a 26ª vitória no histórico de 54 confrontos com o total de 31 winners (Djokovic anotou 33, mas com sete aces) e errou até bem pouco (17 a 39). Das 31 trocas mais longas, só perdeu oito.

É preciso ainda colocar na balança que Nole jogou abaixo do seu padrão da semana, com erros bisonhos de smashes, curtinhas, voleios e acima de tudo nos golpes de base, sem falar no cena nada agradável de destruir raquete. Com certeza, o desgaste dos duelos contra os argentinos afetou, principalmente no passivo primeiro set. Ainda assim, ele admite ter visto um Nadal muito forte e reconhece que o espanhol chegará a Roland Garros como o homem a ser batido. O que, afinal das contas, me parece bem conveniente para o sérvio.

Pliskova também sonha
A final feminina foi bem fora do padrão do saibro lento europeu. Duas tenistas que usam bem menos top spin, jogam muito perto da linha de base, forçam saque e querem sempre atacar primeiro. Nesse conjunto, Karolina Pliskova mostrou mais confiança e fez uma exibição muito firme do começo ao fim diante de Johanna Konta, que voltou a exibir um tênis competitivo.

A tcheca revelou que nem ela própria acreditava que iria tão longe em Roma, depois de semanas fracas no saibro europeu. E agora número 2 do mundo, o que lhe garante a extremidade inferior da chave de Roland Garros, ela se permite sonhar com outra grande performance no Grand Slam francês, onde foi semifinalista dois anos atrás.

Ao contrário da chave masculina, o título das meninas parece muito mais aberto. Simona Halep, Petra Kvitova, Kiki Bertens, Sloane Stephens, Elina Svitolina. E também Naomi Osaka e até Serena Williams, se conseguirem recuperar o físico.