Arquivo da tag: Martina Hingis

Os 20 maiores feitos do tênis profissional
Por José Nilton Dalcim
19 de outubro de 2018 às 20:29

Há coisas que dificilmente irão se repetir no tênis profissional. Daí o Blog do Tênis tenta destacar hoje as maiores façanhas acontecidas na Era Aberta nesta série especial que comemora os 20 anos do site TenisBrasil.

Como julguei injusto dar uma classificação, desta vez optei por blocos de cinco em cinco. Ainda assim, foi uma missão bastante difícil. Aguardo como de hábito suas participações!

As 5+
– Grand Slam de Rod Laver: único a vencer os quatro numa única temporada (1969)
– Grand Slam de Novak Djokovic: primeiro a ter todos os troféus ao mesmo tempo desde Laver (2016)
– 20 troféus de Grand Slam de Roger Federer
– 377 semanas de Steffi Graf na liderança feminina, sendo 186 consecutivas
– 310 semanas de Roger Federer como número 1, sendo 237 semanas seguidas

As outras 10+
– Golden Slam da Steffi Graf obtido em 1988
– 11 conquistas de Rafael Nadal em Roland Garros
– 23 títulos de Grand Slam de Serena Williams
– 109 títulos na carreira de Jimmy Connors
– 2.486 vitórias de Martina Navratilova na carreira (1.442 em simples e 1.044 em duplas, também recordes)

As outras 15+
– Dobradinha Roland Garros-Wimbledon de Bjorn Borg obtida três anos seguidos (1978-79-80)
– 131 vitórias em 146 jogos de simples disputados numa única temporada por Guillermo Vilas (1972)
– Número 1 de Martina Hingis obtido aos 16 anos e 6 meses (1997)
– 21 títulos conquistados numa só temporada por Margaret Smith Court (1970)
– John McEnroe faz talvez a maior temporada da história: perdeu apenas 3 de 85 jogos de simples e ainda foi o único tenista a liderar simultaneamente os rankings de simples e duplas (1984)

As outras 20+
– 125 vitórias seguidas no saibro de Chris Evert (entre agosto de 1973 e maio de 1979)
– 18 finais de simples consecutivas disputadas por Ivan Lendl (1981-1982)
– 13 finais seguidas de Slam disputadas por Steffi Graf (1987-90)
– 26 títulos combinados de simples e duplas obtidos por John McEnroe um só ano (1979)
– 13 títulos consecutivos obtidos por Martina Navratilova (1984)

Menções mais que honrosas
– 8 temporadas encerradas como número 1 por Steffi Graf (1987-90 e 93-96)
– Djokovic se torna único a ter títulos em todos os Masters do calendário incluindo o Finals
– 9 títulos em 12 finais disputadas em Wimbledon por Martina Navratilova
– 11h05 de partida entre John Isner e Nicolas Mahut (Wimbledon-2010)
– Michael Chang, mais jovem campeão de Grand Slam aos 17 anos e 3 meses (Roland Garros-1989)
– 16 títulos de simples conquistados por Guillermo Vilas num só ano (1977)
– Único ‘golden set’ da ATP: Bill Scanlon sobre Marcos Hocevar (Delray-1983)

Especial 20 anos: As maiores de todos os tempos
Por José Nilton Dalcim
15 de outubro de 2018 às 20:51

Esta semana é especial para TenisBrasil: no dia 20, completaremos 20 anos de existência. E para marcar esse momento, o Blog do Tênis publicará ao longo desta semana sua lista ’20+’: as maiores tenistas, os jogos mais espetaculares, os brasileiros, os melhores homens…

Começamos pelas 20 maiores tenistas da história. Justificarei sempre o voto nos cinco primeiros. Aguardo suas participações!

1. Martina Navratilova
Não tem tantos Grand Slam de simples como Margaret Court ou Serena Williams, nem ocupou o número 1 de simples como Steffi Graf, mas detém recordes talvez insuperáveis de títulos e vitórias em simples e em duplas, além de ter liderado os dois rankings. São 18 Slam de simples, 31 de duplas e 10 de mistas, tendo figurado na ponta do ranking por 332 em simples e 237 em duplas, sendo 200 semanas como número 1 nas duas listas. Encerrou carreira com 167 troféus de simples e 177 de duplas, sendo 84 deles no mesmo torneio. Assim, lidera também no número de vitórias de simples (1.442) e de duplas (747) na carreira. Venceu o Finals oito vezes em simples e 11 em duplas. Não bastassem tantos números, revolucionou o tênis ao montar equipe multidisciplinar e batalhou avidamente pelos direitos femininos no circuito.

2. Serena Williams
Mais velha tenista a deter todos os títulos de Slam simultaneamente, tem feitos extraordinários principalmente após os 30 anos. Em duplas também fechou o Slam não consecutivo em 2001, tendo ainda o ouro olímpico. Serena disputou final de todos os Slam em todas as modalidades, tendo vencido simples e duplas em todos e mistas em Wimbledon e US Open. É recordista de vitórias em Slam (314) e única com ao menos seis troféus em três Slam diferentes. Apesar de duas longas paradas por contusão e outra por gravidez, ficou 319 semanas como número 1.

3. Steffi Graf
Maior número de semanas na liderança do ranking (377), terceira maior coleção de títulos de Slam (23) e de troféus na Era Profissional (107). Fechou o Golden Slam ao vencer todos os Slam e o título olímpico em 1988.

4. Margaret Court
Tenista que mais ganhou troféus de Slam em simples (24) e  no total (64, sendo 19 de duplas e 21 de mistas), tem a carreira dividida entre as fases amadora e profissional. Na etapa após 1968, seus números caem para 11 Slam de simples, 10 de duplas e 7 de mistas, mas ainda são notáveis.

5. Chris Evert
Com 18 troféus de Grand Slam e outras 16 finais, tem o quarto maior reinado como número 1 e a segunda maior coleção de títulos de simples (157). Foi tetracampeã do Finals. Sua rivalidade com Navratilova é a mais significativa da história do tênis feminino.

As outras top 10
6. Helen Wills
7. Billie Jean King
8. Suzanne Lenglen
9. Monica Seles
10. Martina Hingis

As demais top 20:
11. Maureen Connolly
12. Maria Esther Bueno
13. Justine Henin
14. Venus Williams
15. Doris Hart
16. Althea Gibson
17. Maria Sharapova
18. Kim Clijsters
19. Lindsay Davenport
20. Arantxa Sanchez

Adeus, saibro
Por José Nilton Dalcim
20 de dezembro de 2015 às 10:42

Causou surpresa generalizada a divulgação do calendário pretendido por Roger Federer para 2016. Basicamente, o suíço excluiu o saibro de suas intenções, aumentou sua participação na grama e no piso sintético. No geral, no entanto, estará bem menos presente no circuito.

É importante antes de tudo observar que ele sinalizou apenas 16 torneios na sua lista, dos quais 15 somam pontos para o ranking, já que as Olimpíadas estão fora. Ou seja, Federer sequer irá atingir os 18 torneios permitidos para a pontuação, nem mesmo com a possível classificação ao Finals de Londres. A Copa Davis não entrou na lista de prioridades.

Será de longe a temporada menos participativa do suíço, que disputou 18 campeonatos nesta temporada, um a menos do que em 2013 e 2014. Então, parece impossível sonhar com a retomada da liderança do ranking, posição que ocupou pela última vez em 4 de novembro de 2012.

O econômico calendário certamente sugere que Federer concentrará energia nos três Grand Slam fora do saibro. Deu-se ainda ao luxo de escolher alguns torneios que gosta muito, como Roterdã, Dubai e Indian Wells. Estabeleceu um enorme hiato entre março e maio. Sejamos claros: desde o título em Paris de 2009, Federer só ganhou outros dois troféus no saibro, um deles em Madri e outro no pequeno Istambul.

Me parece claro que seu time decidiu fazer uma pré-temporada diferente, daí explica-se a presença na IPTL. Ao saltar novamente Miami e todo o saibro europeu até Roland Garros, deve se dedicar a uma preparação específica para a grama. Incluiu Stuttgart antes de Halle e jogará todas as fichas em mais um troféu em Wimbledon, o que escapou por um jogo nos dois últimos anos. Sempre foi sua maior chance de chegar ao 18º Slam.

Também indica que Roger leva a sério sua campanha nos Jogos do Rio. Aliás, ele já garantiu presença nas mistas com Martina Hingis, mas não sacramentou a dupla com Stan Wawrinka. Mesmo com esse possível esforço, manteve Cincinnati como preparativo ao US Open, outra meta óbvia da temporada 2016.

Em suma, Federer mudou tudo. Ainda que sonhe remotamente com o Australian Open, sabe que suas chances estão entre julho e setembro. Então deu adeus aos Masters de saibro e dedicará o período a uma forte preparação para Wimbledon, Rio e US Open. O que vier antes ou depois disso, será lucro.

Outro que pode ter um calendário todo despedaçado é Andy Murray. Com a expectativa do nascimento do filho para o começo de fevereiro, ele já colocou até mesmo a participação no Australian Open sob risco caso o trabalho de parto de Kim se antecipe. De qualquer forma, já avisou que fevereiro será mês de férias só para curtir a chegada do súdito.