Arquivo da tag: Maria Sakkari

Força espanhola
Por José Nilton Dalcim
17 de janeiro de 2022 às 12:54

Rafael Nadal, Carlos Alcaraz, Pablo Carreño e Paula Badosa. Não foram apenas quatro vitórias, mas agradáveis exibições do sempre poderoso exército espanhol na abertura do Australian Open de 2022. A quadra, que parece um pouco mais lenta do que se mostrou no ano passado, pode ser uma aliada fundamental.

É bem verdade que Marcos Giron não mostrou competência para exigir realmente o máximo de Nadal. O campeão de 2009 sacou bem com 84% de pontos vencidos com o primeiro serviço, colocou o adversário para correr e não pensou muito para buscar finalizar os pontos, jogando aliás bem mais perto da linha de base. Totalizou 34 winners e 26 erros, mostra que a ideia parece mesmo forçar. Não deve ter dificuldade diante de Yannick Hanfmann e espera o ‘freguês’ Karen Khachanov.

Quem passou apertado foi o russo Aslan Karatsev, surpreendente semifinalista do ano passado, que não produziu muito com o saque, sentiu a lentidão maior da rodada noturna e foi um verdadeiro kamikaze, com 87 winners – quase 50% de seus pontos na partida – mas também 107 erros, 60% de tudo que Jaume Munar fez nos cinco sets e 4h52 de batalha. É bem possível que um duelo direto com o perigosíssimo Hubert Hurkacz defina quem vai pegar Nadal nas oitavas.

Ainda nesse forte setor da chave, Alexander Zverev jogou para o gasto e nem ele gostou muito da estreia diante do compatriota Daniel Altmaier, que o levou a dois tiebreaks. O aspecto positivo foram as 55 subidas e 39 pontos junto à rede. De qualquer forma, a caminhada é muito favorável: agora vem John Millman, depois Radu Albot ou Aleksandar Vukic e só então Denis Shapovalov ou Reilly Opelka. Dá tempo de sobra para achar seu melhor tênis.

O outro quadrante
Matteo Berrettini diz ter sofrido com dores no estômago e por muito pouco não viu sua tarefa se alongar ainda mais, já que o bom Brandon Nakashima desperdiçou um set-point que lhe daria placar vantajoso de 2 a 1. Outra vez, o destaque do italiano foi o saque, que apareceu nas horas mais importantes: de seus 42 winners, 21 foram aces.

Carlos Alcaraz foi muito bem no primeiro jogo da temporada, não economizou subidas à rede e parece um adversário muito perigoso para o italiano num evento duelo de terceira rodada. E quem sobreviver pode pegar Pablo Carreño, que jogou o básico para avançar em três sets. A surpresa no setor veio com a vitória facílima de Sebastian Korda sobre o canhoto Cameron Norrie, lembrando que o garoto norte-americano passou duas semanas de quarentena por ter contraído covid logo após a chegada a Melbourne.

Quem pode se aproveitar muito bem do buraco aberto pela ausência de Novak Djokovic no topo da chave é o veterano mas sempre prazeroso Gael Monfils. Jogou sério na estreia, tem que tomar cuidado com Alexander Bublik e, se passar, terá Cristian Garin ou Pedro Martinez. É um excelente cenário. No seu quadrante, Lorenzo Sonego aparece como adversário mais gabaritado para duelar com o francês nas oitavas. Monfils não passa da 4ª rodada em Melbourne desde as quartas em 2016, sua única campanha de destaque no Australian Open em 16 participações.

Feminino: Osaka empolga
Ashleigh Barty e Naomi Osaka não encaram oponentes de gabarito, mas deram o recado em seus jogos iniciais do Australian Open: estão muito afiadas. E isso só aumenta a expectativa por eventual duelo direto entre elas ainda nas oitavas de final. Belinda Bencic ainda é o único nome que pode impedir isso, mas a campeã olímpica admitiu que ainda não está plenamente recuperada da infecção por coronavírus.

Osaka me deixou mais empolgado, porque mostrou atitude em quadra e parecia muito alegre após a partida, com direito a brincadeiras na entrevista. Só faltou mesmo calibrar melhor o primeiro saque. Bicampeã do torneio, a japonesa tem vencido um Slam em cada uma das últimas quatro temporadas, todos na quadra dura.

Boa sugestão é ficar de olho em Paula Badosa. Cheia de recursos, soltou-se ao longo da partida e é seríssima candidata a ir até as quartas. Esta foi apenas sua terceira vitória nos Slam sobre quadra dura, mas a evolução é evidente. No seu quadrante, estão nomes de peso, como Barbora Krejcikova, Elina Svitolina e Vika Azarenka.

Pequena decepção com a estreia muito irregular de Maria Sakkari. Não chegou a perder set da veterana e mãe Tatjana Maria, porém pareceu estar com muitas dúvidas táticas. E já caíram duas cabeças: Sofia Kenin corre até o risco de sair do top 100 após perder de Madison Keys e a garota Coco Gauff foi dominada pelas defesas de Qiang Wang.

Djokovic na parede
O líder do ranking desembarcou com recepção calorosa dos fãs em Belgrado. Ele avisou que não vai dar entrevistas, ao menos não tão cedo. Ainda recebeu mais uma notícia pouco animadora: Roland Garros também vai exigir comprovante de vacinação completa, seguindo norma federal baixada nesta segunda-feira. A informação foi dada pela mesma ministra dos esportes Roxana Maracineanu, que há poucos dias alardeou que Djoko estava assegurado no Slam do saibro.

Calvário de Tsitsipas continua
Por José Nilton Dalcim
15 de novembro de 2021 às 21:13

Apesar de ter somado 55 vitórias, erguido dois títulos e atingido o terceiro lugar do ranking desde janeiro, o grego Stefanos Tsitsipas tem vivido dificuldades evidentes desde a amarga derrota na final de Roland Garros.

Neste segundo semestre, ganhou apenas 15 de seus 25 jogos, perdeu sete vezes para adversários fora do top 30 e o máximo que conseguiu foram duas semis. Isso sem falar nas polêmicas geradas por atitudes dentro e fora das quadras.

O calvário prosseguiu na estreia do ATP Finals, com atuação muito abaixo de seu potencial. Graças ao piso veloz, ainda conseguiu equilibrar os dois sets contra Andrey Rublev, mas vimos um grego muito falho nos golpes da base e em várias escolhas táticas.

Ao que tudo indica, vai terminar 2021 de forma pouco animadora. Terá chance de reagir na quarta-feira contra Casper Ruud, que até fez um primeiro set decente antes de ser atropelado por Novak Djokovic diante de uma superfície muito desconfortável para o norueguês. O número 1 é favoritíssimo diante de Rublev e só mesmo um dia muito inspirado para permitir que Tsitsipas lhe dê algum trabalho.

O outro grupo começou agitado, com virada exigente de Daniil Medvedev sobre Hubert Hurkacz, aliás uma constante em todos os duelos entre os dois. O polonês se saiu muito bem no piso bem mais rápido do que se esperava e não pode ser descartado.

Alexander Zverev vinha tendo dor de cabeça com Matteo Berrettini até o triste abandono do italiano, que outra vez sofreu com o abdômen, como aconteceu em 2020. Há dúvidas se ele irá continuar ou cederá vaga para Jannik Sinner. Semelhante a Tsitsipas, Berrettini também não se recuperou depois do vice em Wimbledon, embora aí os motivos sejam físicos, já que ele vinha baleado desde a semi.

Caso Sinner ocupe o lugar, será interessante rever a batalha contra Hurkacz como a final de Miami de março e quem sabe ele possa incomodar Medvedev. Seria uma experiência bem válida para um jogador que cresceu muito este ano e quase sempre no piso duro. Medvedev e Zverev se cruzam nesta terça-feira com placar de 5-5 no histórico, mas quatro vitórias seguidas do russo desde que Sascha ganhou no Finals de 2019.

Festa espanhola no México
Sem a número 1 do mundo Ashleigh Barty, o WTA Finals de Guadalajara tem tido alguns placares inesperados. No grupo principal, Paula Badosa ratifica o ótimo momento e já se garantiu como primeira da chave, depois de superar Aryna Sabalenka e Maria Sakkari, que fazem duelo direto esta noite pela segunda vaga. Iga Swiatek até teve chance, mas sofreu dura virada de Sabalenka e não deu para se recuperar.

Já o outro grupo classificou as duas piores na lista do ranking. Se não chega a ser surpresa a adaptação difícil de Barbora Krejcikova ao piso sintético, a ponto de sair sem vitórias do Finals, Karolina Pliskova levou dois ‘pneus’ e isso influiu diretamente na sua eliminação no critério de set-average.

Anett Kontaveit está demais na reta final de temporada, ainda que tenha perdido nesta fase classificatória para Garbiñe Muguruza em sets diretos. Seu estilo agressivo foi até aqui o ponto alto do torneio. Muguruza, que disputou oito sets em três jogos, fará duelo todo espanhol e inédito contra Badosa na semi e a vencedora irá repetir Arantxa Sanchez, vice em 1993.

Para quem não se recorda, entre 1984 e 1998, a partida decisiva do WTA Finals era disputada em melhor de cinco sets. Por três vezes, chegou ao set decisivo, a primeira com vitória de Monica Seles sobre Gabriela Sabatini (1990) e as outras com títulos de Steffi Graf (1995 contra Anke Huber e 1996 frente a Martina Hingis).

O US Open é das meninas
Por José Nilton Dalcim
10 de setembro de 2021 às 00:51

Era de se esperar novidade na chave feminina do US Open, mas a final deste sábado superou de longe qualquer expectativa. De um lado, Leylah Fernandes de 19 anos recém completados, que eliminou sucessivamente Naomi Osaka, Angelique Kerber, Elina Svitolina e Aryna Sabalenka, todas no terceiro set. Do outro, Emma Raducanu, de 18 anos e 10 meses, que se torna a primeira tenista oriunda do qualificatório, entre mulheres ou homens, a atingir uma final de Grand Slam. Não dava para ser mais sensacional.

As vitórias em si já seriam extraordinárias, mas a forma com que Leylah se comporta em quadra fala ainda mais. Joga com alegria e leveza, interage com o público, concentrada. Sem gritaria ou exageros. De 1,68m, faz alavancas perfeitas para arrancar saques eficientes e winners desconcertantes. De repente, solta uma deixadinha ou decide o ponto bem construído no voleio. Dá gosto vê-la jogar.

No duelo diante da número 2 do ranking desta quinta-feira, Fernandez saiu de 1/4 para o empate, evitou set-point e foi firme no tiebreak. Após destruir a raquete, Sabalenka repetiu a dose na outra série, desta vez mais feliz na conclusão forçada dos pontos, e na série decisiva ainda salvou-se após a canadense abrir 4/2. No game final, no entanto, cometeu duas duplas faltas seguidas e mandou longe um forehand, jogando por terra sua segunda chance seguida de decidir o primeiro Slam.

Na tentativa de repetir a compatriota Bianca Andreescu, inesperada campeã de dois anos atrás também aos 19 anos, irá enfrentar no sábado a não menos surpreendente Raducanu, que saiu do quali e já fez nove jogos neste US Open… vencendo todos os sets! Sua trajetória foi um pouco menos vistosa, mas ainda assim incluiu Shelby Rogers, uma rodada depois de a americana ter eliminado Ashleigh Barty, e em seguida Belinda Bencic e Maria Sakkari. O set mais duro dos 18 que disputou chegou a 6/4.

Há muitas qualidades também no jogo desta canadense de nascimento, que se mudou para Londres aos dois anos. As principais são o segundo saque forçado e as devoluções agressivas quase sempre pelo centro da quadra, ao melhor estilo masculino. É muito eficiente no uso das paralelas, tem um forehand veloz e seus voleios são quase tão impecáveis quanto aos de Virginia Wade, a última britânica a ganhar o US Open em 1968, e Tim Henman, que lhe deu conselhos. Os dois estavam na plateia para assisti-la.

Um tanto diferente de Fernandez, Emma não esconde emoções. Quem olha o placar de sua vitória sobre Sakkari desta noite pode achar que a grega tremeu, mas o fato é que Sakkari tentou de tudo e raramente conseguiu ser melhor do que a jovem adversária, que tomou a iniciativa e jamais vacilou, nem mesmo na hora de fechar seu primeiro jogo no Arthur Ashe.

Sábado à noite vem mais história…

Soares vai atrás do sétimo Slam
Competência nunca faltou a Bruno Soares, mas esta final do US Open, a sexta que faz na soma de sua carreira em Flushing Meadows, é ainda mais especial. O mineiro de 39 anos chegou sem treinamento apurado devido à cirurgia inesperada de apêndice e assim sem qualquer ritmo de competição desde Wimbledon.

Está agora muito perto de defender o título do ano passado com parceiro diferente, o croata Mate Pavic, e busca o segundo troféu ao lado de Jamie Murray. Bruno tem outras duas conquistas no US Open em duplas mistas e por pouco não levou também o título de 2013 ao lado de Alexander Peya. É muito fácil amar Nova York dessa maneira, mas Soares também já foi campeão no Australian Open, ao lado do mesmo Murray, e tem final em Roland Garros com Pavic e de mistas em Wimbledon. Um cardápio completo.

Há duas dificuldades a ser superadas na final desta sexta-feira, ás 13 horas: o dono da casa Rajeev Ram, que faz entrosada parceria com o britânico Joe Salisbury, com quem venceu o Australian Open do ano passado e foi à final de 2021, justamente após superar Soares e Murray numa semi de dois sets.

Bruno já garantiu o prêmio de US$ 165 mil dos US$ 330 mil dedicados aos vices, o retorno ao top 10 como nono colocado e a oitava posição na Corrida para o Finals.

E logo depois, mas no estádio Louis Armstrong, Luísa Stefani busca a quarta final consecutiva ao lado de Gabriela Dabrowski, e obviamente a mais importante delas. As campeãs de Montréal e vices de Cincinnati encaram as jovens Coco Gauff e Caty McNally.

Sonhos na semi masculina
Felix Auger-Aliassime é o intruso nas semifinais masculinas do US Open. Aos 21 anos e com apenas uma presença em quartas na carreira, o canadense ocupa o espaço que deveria ser de Stefanos Tsitsipas. Não derrotou qualquer dos atuais top 20, mas ainda assim fez uma campanha consistente, tendo superado Roberto Bautista, Frances Tiafoe e Carlos Alcaraz.

Por isso mesmo, o favoritismo de Daniil Medvedev é absoluto. O russo já decidiu o US Open de 2019, levando Rafael Nadal ao quinto set numa reação notável, e também foi à final do Australian Open de fevereiro, barrado por Novak Djokovic. O número 2 do mundo tem 12 títulos na carreira – três deles neste ano -, sendo um Finals e quatro Masters, todos no piso duro. Aliassime perdeu as oito decisões que já fez em nível ATP em três pisos diferentes e foi batido no único duelo direto com Medvedev, mas num jogo em 2018 e que terminou no tiebreak do terceiro set.

Ainda assim, dá para acreditar. Aliassime mostrou um saque muito eficiente neste US Open, ficou mais corajoso para tentar pontos junto à rede e tem usado slices, elementos táticos que podem funcionar muito bem contra Medvedev. O russo joga muito atrás da linha e deixa os ângulos mais vulneráveis, porém é uma máquina de bater na bola e muito aplicado taticamente. Muito provável que ataque o segundo saque para tirar a confiança do adversário.

Djokovic e Alexander Zverev, ao contrário, seguem o roteiro imaginado desde o sorteio da chave. O sérvio perdeu set em quatro de seus cinco jogos, tendo saído atrás nos três últimos, mas sempre mostrou a conhecida capacidade de elevar o nível ao longo das partidas. Zverev economizou mais energia, ainda que tenha levado sustos de Jack Sock e Lloyd Harris. Além do saque poderoso, continua a mostrar cabeça bem mais focada.

É de se esperar uma batalha direta entre o saque alemão e a devolução sérvia, ainda que Sascha também tenha evoluído como devolvedor como mostrou na vitória olímpica. São dois dos melhores backhands do circuito atual e será interessante observar quem vai arriscar paralelas primeiro.

O histórico de 7 a 4 é favorável ao sérvio, que também ganhou as duas em Slam, incluindo o recente Australian Open. E se somarmos isso ao fato de Zverev jamais ter vencido um top 10 nas dez vezes que os encarou num Slam, então a aposta mais lógica fica com Djokovic.