Arquivo da tag: Lucas Pouille

Nadal se dá mais uma chance
Por José Nilton Dalcim
24 de janeiro de 2019 às 10:15

Jamais duvide de Rafael Nadal. Dois anos, contusões e muitas dúvidas depois, ai está ele novamente atrás do bicampeonato do Australian Open, algo que já escapou três vezes de maneira um tanto cruel. Mais admirável ainda, o espanhol aperfeiçoou de novo seu tênis, dando-lhe agressividade raramente vista.

Nadal se preparou para este piso veloz e bola diferente, que parece dificultar o uso acentuado do spin. Mudou o saque para ganhar velocidade depois do quique, mas principalmente tem usado com maestria a variação de direção e efeito. Lá da base, é uma máquina de bater na bola, e desta vez busca golpes na subida para ataques fulminantes dos dois lados. Se houver chance, estará na rede para um voleio definitivo e desconcertante.

Não por acaso, Stefanos Tsitsipas foi atropelado nas semifinais desta quinta-feira. Nadal não pareceu ter qualquer dúvida de como se impor ao grego, mas mostrou qualidade técnica, visão tática e precisão num nível assustador. Cuidou sempre do saque, o que permitiu tomar conta do ponto logo na segunda bola, e arriscou no serviço do grego, que só se segurou na base do saque muito arriscado e de alguns voleios espetaculares.

Sem perder set até aqui, terá no domingo sua quarta chance de se tornar o primeiro profissional a somar ao menos dois troféus em cada Grand Slam e, mais ainda, chegar ao 18º título desse quilate e assim vislumbrar a chance real de igualar o recordista Roger Federer ainda em 2019.

Fica é claro a expectativa sobre quem será seu adversário. Se der a lógica e Novak Djokovic superar Lucas Pouille nesta sexta-feira, o desafio de Nadal ganhará também ingrediente emocional. O espanhol não derrota Nole fora do saibro desde a final do US Open de 2013, curiosamente outro momento de sua notável carreira em que incorporou armas diferenciadas para a quadra dura.

Djokovic jamais enfrentou Pouille. A distância de currículos é astronômica. Só em Slam, sérvio venceu quase três vezes mais em Melbourne (66) do que o francês na soma dos quatro (26). Na quadra dura então são 547 vitórias no circuito diante de 71. Para complicar, Pouille se desgastou 5 horas a mais na campanha. Nole aliás venceu todas suas nove semifinais de Slam desde o US Open de 2014.

Osaka e Kvitova, por título e nº 1
Não pode haver final mais interessante para um Grand Slam do que aquela que vale também o número 1. E, melhor ainda, um posto que será inédito tanto para Naomi Osaka, de 21 anos, como para a ‘veterana’ Petra Kvitova, de 28. Para completar o quadro de imprevisibilidade, será o primeiro duelo entre elas.

Sem jamais abrir mão de seu estilo ofensivo, Osaka teve altos e baixos em Melbourne, mas confirma a expectativa de que tem jogo de sobra para dominar o tênis, um feito que a nova geração do masculino nem sonha ainda. Seu estilo casa muito bem com a quadra dura e daí não é surpresa que tenha chance de ser a primeira desde Jennifer Capriati, em 2001, a vencer seus dois primeiros Slam na sequência (US Open e Austrália).

Fato curioso e notável, Osaka não perde uma partida depois de vencer o primeiro set desde outubro de 2016, numa sequência de 58 jogos. No duelo contra Karolina Pliskova, ficou acuada no começo do terceiro set, salvou break-points mas jamais deixou de agredir. Terminou com 56 a 20 nos winners, sendo 15 aces.

Será portanto muito interessante ver como lidará diante da experiência da canhota Kvitova, que continua sem perder set na campanha em Melbourne e busca seu terceiro Grand Slam e o primeiro fora de Wimbledon. Num dia de calor absurdo em Melbourne, que superou os 40 graus, metade do duelo contra Danielle Collins aconteceu sob teto. Estranhamente, foi quando o percentual de primeiro saque da norte-americana despencou para 38%.

Não tenho favorita, nem preferência. Me basta saber que são duas tenistas que desenvolvem um tênis moderno, de risco, com diferentes recursos. Só falta mesmo uma final de tirar o fôlego para o Australian Open se tornar o torneio feminino de mais alto padrão dos últimos 20 anos.

A Austrália das duplas
Sem sucesso nas simples, o tênis australiano colocou ao menos um nome em cada final de duplas, o que merece comemoração. John Peers tentará o título ao lado do excepcional finlandês Henri Kontinen, Samantha Stosur volta a uma decisão em casa depois de 13 anos tendo a chinesa Shuai Zhang a seu lado. E (infelizmente) o dueto de Astra Sharma e John Patrick Smith, que entrou como convidado,  mostrou muita qualidade ao superar Bruno Soares e Nicole Melichar.

Djokovic cumpre primeira meta
Por José Nilton Dalcim
19 de janeiro de 2019 às 12:49

A liderança do ranking está garantida e Novak Djokovic fica provavelmente mais leve e solto para buscar seu 15º troféu de Grand Slam. Melhor ainda, o garoto Denis Shapovalov nem de longe assustou, mergulhado numa sucessão de erros bobos e escolhas mal feitas. A reação que conseguiu foi muito mais por total desconcentração do adversário.

Era para ter sido uma surra, quando Djokovic abriu 4/1 no terceiro set. Mas aí ele se incomodou com luzes no fundo de quadra e perdeu cinco games seguidos. Foi fundamental ganhar os dois games apertados na abertura do quarto set, e aí Nole retomou o domínio. O jogo decepcionou por culpa de Shapovalov, que cometeu 57 erros e fez só 21 winners. O próprio Djokovic desacelerou, com 33 falhas e 16 winners.

O próximo desafio é Daniil Medvedev, contra quem tem 2 a 0. O russo de 22 anos não pode ser desprezado e deve exigir muito mais de Nole no fundo de quadra. No entanto, a presença do cabeça 1 na semifinal parece mais do que óbvia, já que o adversário seguinte sairá de Kei Nishikori e Pablo Carreño.

Horas mais tarde, Alexander Zverev economizou pernas e passou facilmente pelo local Alex Bolt, resultado que lhe garantiu a maior campanha em Melbourne e o retorno ao número 3 do ranking. Mas é preciso muito cuidado com Milos Raonic na segunda-feira, um adversário experiente, com semi no torneio e que gosta de um piso rápido. Não à toa, bateu Zverev em Wimbledon (perdeu pouco antes no saibro de Roma).

O grande jogo do dia acabou ficando para o longo duelo de cinco sets entre Lucas Pouille e o pouco conhecido Alexei Popyrin, 19 anos e muitos recursos. O francês parece em sua melhor forma física em anos, talvez fruto do trabalho com Amélie Mauresmo. Mão ele tem de sobra. Por isso, pode pintar um jogaço contra Borna Coric, que caminha sem holofotes mas mostra um primeiro serviço eficiente e subidas oportunas à rede.

Serena desafia Halep
O torneio feminino, que tem mostrado ótimas partidas e várias surpresas, tem outro grande momento marcado ainda nas oitavas de final: Serena Williams volta a enfrentar uma líder do ranking depois de seis anos, desta vez Simona Halep. As duas jogaram muito bem neste sábado. Serena ganhou 8 dos 9 duelos diretos, e isso pode ser motivação para a romena. Quem passar, será certamente favorita diante de Karolina Pliskova ou Garbiñe Muguruza.

No outro quadrante, Naomi Osaka e Elina Svitolina escaparam por pouco de ampliar a lista de ‘zebras’. A campeã do US Open chegou a estar um set e 1/4 atrás antes de arrasar na série decisiva. A ucraniana começou bem, começou a sentir dor no pescoço e viu Shuai Zhang abrir 3/0 e saque no terceiro set. Na torcida, o namorado Gael Monfils sofreu. As duas terão oitavas de final muito exigentes: Osaka pega Anastasija Sevastova e Svitolina cruza com Madison Keys.

Brasil e as duplas
O tênis brasileiro segue sua tradição de desempenhos notáveis nas chaves de duplas e já colocou Bruno Soares e Marcelo Demoliner nas oitavas de final deste Australian Open.

É bem verdade que o mineiro não esteve num bom dia e a parceria correu riscos frente a um dueto britânico sem muita expressão. O gaúcho, que parece ter encontrado entrosamento com Frederik Nielsen, um campeão de Wimbledon, tenta pela primeira vez as quartas de um Slam.

As oitavas de final
– Nadal e Berdych fazem 24º duelo, mas o primeiro em quatro anos. Placar geral é de 19-4 para espanhol., mas curiosamente a última vitória do tcheco foi justamente em Melbourne-2015.  Se Nadal vencer, terá 20 vitórias ou mais sobre quatro adversários (Ferrer, Djokovic e Federer, os outros).
– Federer reencontra Tsitsipas, 17 anos mais jovem, e tenta ser mais velho quadrifinalista do torneio desde 1977, quando Rosewall tinha 43. Suíço ganhou em dois tiebreaks há três semanas na Hopman. Grego busca quartas inéditas em Slam. É o sexto NextGen que Federer encara em sete jogos na temporada.
– Cilic salvou dois match-points na rodada anterior de intensos altos e baixos, Batista mostrou físico em dia ao tirar Khachanov depois de 10 sets disputados nas primeiras rodadas. Croata tem duas vantagens: 4-1 nos duelos e a pressão sobre espanhol, que jamais passou das oitavas de um Slam em nove tentativas, três delas na Austrália.
– Duelo de estilos entre Dimitrov e Tiafoe, aniversariante do dia. Piso veloz deve ajudar búlgaro, que tenta quartas de Melbourne pelo terceiro ano seguido.  Americano derrotou de virada Anderson e Seppi, dois ótimos tenistas de piso duro, depois de ter perdido todos seus quatro jogos de início de 2019.
– Grande expectativa para Sharapova x Barty e Kvitova x Anisimova. Se russa aposta na força, última esperança australiana tem muito jeito, usando slices e boa variação. Com oito vitórias seguidas na temporada, Kvitova não perdeu sets mas sabe do poder de fogo da adversária de 17 anos, para quem perdeu em Indian Wells-2018. Emoções à vista.
– Do outro lado, Kerber e Stephens são favoritas diante de Collins e Pavlyuchenkova. Cabeça 2 só cedeu 10 games e encara 35ª do ranking. Stephens tem 2-0 sobre russa, que deu trabalho no duelo mais recente.

Sharapova sonha com o fim do pesadelo
Por José Nilton Dalcim
2 de junho de 2018 às 18:43

Serena Williams e Maria Sharapova cumpriram a tarefa com louvor e vão mesmo se reencontrar nas oitavas de final de Roland Garros, algo raro entre elas. Nos 21 duelos já feitos, apenas três aconteceram de forma tão precoce, o mais recente deles em Wimbledon de 2010. É a reedição da final de Paris de 2013, quando Serena levantou o segundo de seus três troféus e impediu o bi da russa, que o alcançaria no ano seguinte.

Não poderia haver momento mais apropriado para Sharapova enfim encerrar a cruel série de 18 derrotas consecutivas, que vem desde janeiro de 2005. Em todo esse longo período, tirou apenas três sets, tendo engolido placares elásticos e atuações deprimentes. Não que seu estilo se adapte mais ao saibro do que o de Serena, mas puramente pelo fato de que a algoz ainda está longe de seu auge físico e técnico. A nova mamãe sequer havia pisado na terra nos últimos 24 meses.

Mas todo cuidado é pouco. Jogo após jogo, Serena está se soltando. Começou pesada e pouco móvel, mas à medida que achou o saque demolidor e calibrou sua espetacular devolução a confiança só aumenta. Sharapova fez uma estreia também irregular, não brilhou na segunda partida porém neste sábado demoliu Karolina Pliskova. Ela, mais do que ninguém, sabe que terá de evitar o segundo serviço, diminuir ao máximo os erros não forçados e quem sabe apostar nas curtinhas, uma arma que agregou com sucesso, para acabar com o pesadelo.

Embora ainda estejam longe de ser candidatas ao título, talvez façam na segunda-feira o grande momento deste Roland Garros.

Segue a fila
A expectativa em cima de Rafa Nadal fica para ver quais os candidatos com real chance de testá-lo dignamente. Richard Gasquet, como já se imaginava, foi um fiasco. Vem aí o pouco conhecido alemão Maximilian Marterer, mero 70º do ranking. Possui um tênis consistente e parece à vontade no saibro, mas tal qual Gasquet ou Guido Pella deverá entrar em quadra preocupado em ganhar game.

Diego Schwartzman é o próximo da lista, desde que passe por Kevin Anderson, um duelo com 35 centímetros de diferença. O argentino fez o que eu esperava e, com exceção de uma postura um tanto cômoda no final do terceiro set, dominou Borna Coric com muito empenho na base. Não era um compromisso fácil, porque havia perdido os dois jogos para o croata. Anderson, que está nas quartas de Paris pela quarta vez, perdeu um set para Mischa Zverev porém jamais o serviço.

O quadrante debaixo está bem imprevisível. Fabio Fognini oscilou contra Kyle Edmund e chegou a estar atrás por 2 sets a 1, porém adotou uma postura agressiva, não economizou nos winners (41) e erros (60) e convenhamos que essa é a única postura admissível para quem sonha em competir com Nadal. A próxima tarefa é barrar Marin Cilic e repetir as quartas de 2011. O poderoso saque do croata exige cuidado, mas o italiano tem mais recursos. Os dois não se cruzam há quase sete anos.

Quem passar, deve encarar Juan Martin del Potro. O argentino já se confessou incapaz de ganhar de Rafa no saibro de hoje, mas não é novidade ele tirar o peso dos ombros para tentar jogar solto. De qualquer forma, fisicamente falando parece difícil mesmo de acreditar, a menos que economize muita energia. Isso não será problema diante de John Isner ou Pierre Herbert, que aceleram o jogo. Porém, bem mais difícil se cruzar depois com Fognini. O duelo deste sábado contra o canhoto Albert Ramos mostrou bem essa dificuldade, porque todo o poder ofensivo do argentino fica um tanto minimizado sobre a terra. E aí exige-se trabalho e pernas. Ah, e Isner não está tão limitado ao saque. Anda se mexendo bem para usar o forehand.

E mais
– Foi constrangedor ver a torcida vibrar com o primeiro ponto de Gasquet na altura do quarto game. Com 5/0 e incríveis 14 minutos, estava 22 a 2 em lances. Nadal só falhou em um serviço e permitiu um ou outro game mais equilibrado. No geral, fez o quis. O francês escapou de um placar vexaminoso.

– Com as derrotas de Lucas Pouille e Gael Monfils no complemento das partidas suspensas de sexta-feira e de Pierre Herbert, o tênis masculino francês deu mais um adeus a Roland Garros. Monfils perdeu chance de avançar mais uma rodada e marcar uma grande vitória em cima de David Goffin. Jogou com grande empenho, enlouqueceu a torcida e desperdiçou quatro match-points. Já Pouille decepcionou, ainda que Karen Khachanov seja consistente. Herbert lutou diante de um Isner superior.

– Acabou a série invicta de Petra Kvitova. Perdeu os dois tiebreaks diante da também agressiva Anett Kontaveit dando à estoniana 57% dos pontos marcados através de erros. Muita coisa. Sua adversária será Sloane Stephens, que escapou por pouco.

– Garbiñe Muguruza e Caroline Garcia passearam, em contraste com o primeiro set bem duro de Simona Halep e os dois tiebreaks que Angelique Kerber precisou jogar. Campeonato continua totalmente aberto.

O domingo
– Zverev e Khachanov buscam primeira presença nas quartas de um Slam com diferença de idade inferior a um ano. Alemão ganhou único duelo, em 2016.
– Thiem perdeu os dois jogos que já fez contra Nishikori e sem vencer set. Promessa de jogo longo e emocionante, já que os dois batem firme na bola.
– Depois de dois jogos duros em cinco sets, Goffin volta à quadra contra a surpresa Cecchinato, 72º do ranking. Belga venceu de virada em Roma, semanas atrás.
– Djokovic pode atingir o recorde de 12 quartas em Paris – e igualar as 9 seguidas de Federer – se passar por Verdasco. O histórico é de 10-4 para o sérvio, que não perde para o canhoto desde Roma-2010.
– Kasatkina tem 2-1 sobre Wozniacki e no saibro deste ano já venceu Muguruza. Quem ganhar, enfrentará Stephens ou Kontaveit, que fazem duelo inédito.
– Keys encara a canhota Buzarnescu, embalada pela vitória sobre Svitolina, enquanto Strycova tenta terceiro triunfo sobre Putintseva.