Arquivo da tag: Lesia Tsurenko

Só boas notícias para Djokovic
Por José Nilton Dalcim
6 de setembro de 2018 às 01:27

Novak Djokovic confirmou seu amplo favoritismo para atingir outras marcas expressivas na sua carreira, a 11º presença nas semifinais do US Open – só perde para as 14 de Jimmy Connors – e a 33ª de um Grand Slam, a segunda maior de toda a história atrás das 43 de Roger Federer. Mas se o placar sobre a ‘zebra’ John Millman mostra 3 a 0, a dificuldade foi suportar a umidade de 79% que outra vez exauriu sua energia a um grau bem perigoso.

Há no entanto duas grandes notícias para Djokovic. A primeira é que a temperatura enfim vai despencar em Nova York, com previsão de 18 graus na noite de sexta-feira e de no máximo 20 na tarde de domingo, quando poderá estar em quadra em busca do tri. A outra é que seu próximo adversário, Kei Nishikori, amarga 13 derrotas consecutivas desde que o surpreendeu na mesma semi de US Open de quatro anos atrás.

A cena alarmante de um Djokovic capengando em quadra se repetiu na Arthur Ashe e o australiano se aproveitava disso para alongar pontos e mostrar um vigor notável, correndo atrás de deixadas e lobs. Um providencial parada após o quarto game do segundo set, solicitada por Millman que queria trocar a roupa encharcada, permitiu que o sérvio se acalmasse e fizesse a hidratação mais ampla. Daí em diante, renovado, ele voltou ao domínio dos pontos lá do primeiro set.

Sem limitações físicas, Djokovic é amplo favorito diante de Nishikori na sexta à noite. O japonês é claro tem muito mais tênis e experiência que qualquer de seus outros adversários deste US Open, mas sofre do problema de jogar num estilo bem parecido ao do sérvio com menor potência. Mas observem que sua caminhada até aqui se fez com uma postura bem mais ofensiva do que o normal. A média de winners de Nishikori é superior a 32 por partida, com recorde de 49 diante de Diego Schwartzman.

Contra Marin Cilic nesta quarta-feira, foram ‘só’ 29 em cinco sets, mas Nishikori soube dosar muito mais a pancadaria de fundo de quadra, que induziu o croata a 70 erros não forçados. E olha que Cilic chegou a ter um set e 4/2 à frente até que o adversário ajustou sua posição de devolução e passou a entrar mais nos pontos. Esse ataque a partir da devolução é um expediente a ser utilizado também diante de Djokovic. Destaque-se que Nishikori é o profissional com maior aproveitamento em set decisivos, ou seja, terceiro ou quinto sets (121-39, ou seja 76% de eficiência).

Semi quase americana
Se os homens estão vivendo maratonas sucessivas, as semifinais femininas foram de pouca emoção. Naomi Osaka cravou sua primeira semifinal de Grand Slam com uma vitória muito fácil em cima de Lesia Tsurenko, que acordou com virose, se viu obrigada a arriscar demais e cometeu incríveis 31 erros em apenas 14 games. Muito consistente, a japonesa de 20 anos falhou só 11 vezes e ainda fez mais winners (12 a 10).

Naomi mora com a família na Flórida desde os 3 anos e tem dupla nacionalidade, mas o pai haitiano – daí sua pele tão morena – optou por registrá-la na Federação Japonesa. Portanto, ela cresceu totalmente adaptada ao estilo americano de jogar tênis, o que lembra muito a história de Nishikori, que está radicado na Flórida desde os 14 anos.

Aliás, os dois viraram bons amigos em Nova York e entram para a história: jamais houve dois nipônicos ao mesmo tempo numa semi de Grand Slam. Naomi, campeã de Indian Wells em março, é a primeira de seu país a ir tão longe desde Kimiko Date, em Wimbledon de 1996.

Mais tarde, Madison Keys manteve seu histórico perfeito contra Carla Suárez, tomando sempre a iniciativa dos pontos e agredindo o máximo que pôde o serviço da espanhola. Fez 22 winners e 32 erros, mas não fugiu ao plano tático, o que é um de seus fortes.

Aos 23 anos, Keys chega em sua quarta semi, sendo duas no US Open, uma na Austrália e outra em Roland Garros. Ganhou todos os três jogos diante de Osaka e só cedeu um set. Tem de levar o favoritismo, o que gera expectativa de segunda final americana consecutiva, já que Serena Williams jogará nesta quinta-feira contra Anastasija Sevastova.

Atualizando o ranking
– Djokovic já assume o quarto posto, deixando para trás Zverev e Cilic, e pode ser terceiro se for campeão.
– Nishikori dá salto de sete posições e se garante no 12º. Só voltará ao top 10 em caso de título.
– Austrália passa a ter três top 40, com Kyrgios, Millman e De Minaur.
– Coric (18º), Khachanov (25º), Basilashvili (31º), Medvedev (35º), Millman (37º) e De Minaur (38º) terão seus melhores rankings.
– Não há qualquer top 10 nas semifinais femininas e há uma briga particular entre as quatro por posições. Osaka é provisoriamente 15ª, duas acima de Keys, que é seguida imediatamente por Sevastova e Serena.
– Todas as semifinalistas podem ser top 10 se ganhar o torneio exceto Serena, que atingirá no máximo o 11º.