Arquivo da tag: Kim Clijsters

Coração e pernas
Por José Nilton Dalcim
2 de setembro de 2020 às 01:02

Muitos acham uma autêntica crueldade submeter os tenistas de hoje a melhor de cinco sets, ainda mais no clima de Nova York, mas todos sabemos que isso leva o tênis masculino a um outro universo. O que aconteceu nestes dois dias de primeira rodada, no entanto, está para lá de peculiar.

Já foram sete viradas de dois sets atrás, quatro delas nesta terça-feira, com protagonistas do nível de Andy Murray, Marin Cilic e Karen Khachanov. Gigantesco esforço tão cedo num Slam geralmente é sinal de vida curta. Estes no entanto são tempos estranhos.

Por tudo que o envolve nesta nova tentativa de retorno, a luta do escocês foi um pouco mais especial, sem falar que ele ainda estava uma quebra atrás no começo do terceiro set diante do canhoto Yoshihito Nishioka, cheio de más intenções. Ele teve até um match-point, evitado com toda a coragem pelo ex-número 1, ainda no quarto set.

Vamos a um resumo de acordo com a chave:

Thiem não empolga – Principal nome na parte inferior da chave, o austríaco jogou um primeiro set em que forçou tudo, subiu muito à rede mas teve também vários erros não forçados. Ao menos, foram apenas dois sets até Jaume Munar desistir. Pega o indiano Sumit Nagal e pode cruzar Marin Cilic, um dos que virou de 0-2 hoje. Isso pode recuperar sua confiança

No quadrante superior, estão três nomes de peso: Felix Aliassime, que tem favoritismo contra o cansaço de Murray, e o habilidoso Daniel Evans. Nada me surpreenderia, ainda que coloque Evans como maior candidato.

Monteiro e Wild – Apesar da derrota, os brasileiros chamaram a atenção. Monteiro fez um jogo extremamente equilibrado contra Aliassime – cada um marcou exatos 147 pontos – e poderia ter vencido tanto o terceiro como o quarto sets ou até mesmo o jogo. Elogiáveis sua consistência num piso tão veloz, a postura agressiva e a garra, como já havia mostrado na Austrália.

Wild por sua vez demorou demais para se soltar e o estilo tão variado e pouco previsível de Evans não ajuda nada. Mas o paranaense, estreante em Slam, se soltou no terceiro set e fez grandes lances. Destaque para a velocidade das pernas e a clara evolução do jogo de rede.

Bautista x Raonic – Dois grandes destaques do Masters da semana passada, os dois tendem a se cruzar já na terceira rodada e isso pode valer um lugar nas quartas de final mais adiante. Os adversários mais perigosos são Karen Khachanov e Alex de Minaur, além de Richard Gasquet. Porém não me parece que algum deles tenha condições de barrar no momento Raonic ou Bautista em condições normais.

Medvedev inspirado – De volta ao palco em que brilhou tanto em 2019, o russo tem um caminho privilegiado se mantiver o nível desta estreia contra Federico Delbonis. É bem verdade que Grigor Dimitrov deu um belo espetáculo contra Tommy Paul, porém é difícil confiar na sua estabilidade emocional. Seria no entanto um belo nome para desafiar o poder defensivo de Daniil.

Nova geração – Praticamente só há jovens, alguns bem promissores, neste setor da chave. A começar por Andrey Rublev, que vai encarar Gregoire Berrere. Já Casper Ruud protagonizou grande virada e faz interessante duelo nórdico com Emil Ruusuvuori. Quem passar, terá Matteo Berrettini ou Ugo Umbert. E o melhor de tudo: difícil fazer prognósticos, ainda que o italiano tenha a valiosa experiência de uma semi no torneio em 2019.

Velhas heroínas
A rodada feminina viu pouco trabalho para as principais favoritas, com atenção natural sobre Serena Williams, que fez um primeiro set pouco convincente mas não precisou alongar demais sua partida. Embora esteja um tanto distante daquele domínio costumeiro, é de se esperar que ela avance sem sustos até reencontrar Maria Sakkari ou a adolescente Amanda Anisimova.

Tricampeã do torneio e tentando outro retorno ao circuito, Kim Clijsters esteve perto de tirar a cabeça 21 Ekaterina Alexandrova, mas vacilou e depois não suportou o ritmo. Ainda tem jogo, mas faltam pernas. Outra vencedora, Venus Williams fez uma despedida sem brilho, ainda que Karolina Muchova tenha qualidades.

Duas vezes finalista, Victoria Azarenka vem do título no sábado e é a mais embalada das velhas heroínas. Economizou energia para encarar Aryna Sabalenka, o que pode ser o melhor jogo de quinta-feira. Mas vale ficar de olho no promissor encontro das jovens Sofia Kenin e Leylah Fernandez.

A era das incertezas
Por José Nilton Dalcim
18 de setembro de 2019 às 12:49

É claro que muito boato de bastidores tende a ganhar ares de notícia, assim como especulações totalmente subjetivas costumam virar fatos. Mas ainda assim valem algumas observações sobre os últimos dias de farta movimentação do tênis. Fora das quadras.

A contusão de Djokovic
Se existe um tema controverso hoje no circuito, ele certamente é a gravidade da contusão de Novak Djokovic. Há pouca informação e muita elucubração. Surgiram declarações do sérvio de que a lesão era mais grave do que se esperava, mas na verdade eram frases lá do seu abandono do US Open, ou seja, referindo-se àqueles dias e não ao pós-torneio.

A única certeza é que ele realmente optou por uma clínica na Suíça para o tratamento intensivo. E que ninguém ainda explicou claramente qual é o problema com o ombro esquerdo, a ponto de ele próprio pedir desculpas nas mídias sociais pela ‘obscuridade’ do momento. Enquanto fala-se em cirurgia e abandono da temporada, Nole declara que espera voltar em uma ou duas semanas e competir assim em Tóquio, como estava originalmente previsto.

Minha impressão é que Djoko batalha arduamente para se recuperar, e sabe que o número 1 está em jogo. Então é mais lógico que planeje mesmo ir a Tóquio, com eventual adiamento da volta para Xangai ou, num caso mais extremo, para os ATP 500 antes de Paris. Pode vir aí uma série de abandonos de último hora.

O calendário de Federer
A divulgação de um calendário apenas parcial para 2020, que se interrompe justamente em Wimbledon, foi o bastante para que muitos considerem o sinal claro de que Roger Federer prepara o anúncio da aposentadoria para seu Grand Slam predileto. A isso se somam sua dúvida em competir nas Olimpíadas de Tóquio – em que pese seu contrato com a japonesa Uniqlo – e a longa excursão pela América Latina em novembro, em clima de despedida.

Aliás, a viagem para Chile, Argentina, Colômbia e México irá prejudicar seu tradicional descanso de final de ano e preparação para 2021. Ele no entanto afirma que discutiu o assunto com o preparador Pierre Paganini e, ao invés de iniciar a pré-temporada no dia 4 de dezembro, irá fazê-lo no dia 11, o que não afetaria quase nada. Ele garante que a ATP Cup será muito importante para entrar em ritmo ideal para o Australian Open.

As prioridades de Nadal
Apenas 12 dias depois da exigente final do US Open, Rafael Nadal estará de volta à quadra para a disputa da Laver Cup, neste final de semana. A validade desse esforço é questionável, já que todo mundo sabe o desgaste que a quadra dura gera ao canhoto espanhol. Não terá sido apenas uma gentileza ao amigo Federer, que foi ao lançamento de sua academia?

Rafa no entanto preparou um calendário bem enxuto para esta reta final da temporada. Só deve retornar ao circuito oficial em Xangai, a partir do dia 6 de outubro, onde espera-se a luta direta pelo número 1 contra Djokovic. Também reagendou o casamento em Pollensa para o dia 19, portanto no sábado posterior a Xangai, o que lhe dá então alguns dias para a lua de mel antes de tentar os sonhados títulos em Paris, no dia 28, e principalmente no Finals de Londres, a partir de 12 de novembro.

O futuro da Davis
O anúncio de que todos os grandes nomes do tênis masculino se comprometeram a disputar a ATP Cup de janeiro, incluindo o Big 4, complicou ainda mais a situação da Copa Davis. A reformulada competição por equipes da Federação Internacional terá um teste de fogo. Sua fase final, agora disputada em local único numa semana, tenta de tudo e oferece premiação milionária, uma  para as equipes e outra separada só para os jogadores.

Até aqui apenas Djokovic se comprometeu a ir a Madri logo após Londres, talvez motivado muito mais a fazer parte do adeus ao amigo Janko Tipsarevic. Porém, com as dúvidas sobre seu estado físico, a presença de Nole é totalmente incerta. Há esperança que Nadal integre o time espanhol em casa, ainda que jogue pouco, e que Andy Murray se anime a competir. A salvação podem ser o forte time russo, os jovens grupos canadense e italiano e quem sabe a controvertida Austrália.

A ATP Cup, que valerá pontos para o ranking, pode ser a pá de cal em cima da Davis.

O retorno de Clijsters
Aos 36 anos, a belga Kim Clijsters anunciou uma segunda tentativa de retornar ao circuito profissional, ainda mais ousada do que a primeira. Kim se aposentou em 2007, então com um troféu e duas finais de Slam no currículo, para ser mãe. Retornou dois anos depois, com um sucesso inesperado, que incluiu o título do US Open, que venceria novamente em 2010. Somou mais um Slam em Melbourne da temporada seguinte e recuperou a liderança do ranking 10 meses depois, pouco antes do novo adeus, desta vez motivado também por problemas físicos.

A tentativa de 2020 é portanto quase uma loucura, já que está sem competir há oito temporadas. Ninguém ficou tanto tempo sem jogar e retornou com sucesso no alto nível, ainda mais depois dos 35. O caso mais notório foi o de Martina Navratilova, que voltou após seis anos parada, porém para competir em duplas. Além disso, o que não faltam no momento são jovens com muito físico, tênis versátil e competitivo para todos os pisos, como vimos com as conquistas de Naomi Osaka, Ash Barty e Bianca Andreescu nos Slam recentes.