Arquivo da tag: Kei Nishikori

Tênis à segunda potência
Por José Nilton Dalcim
17 de maio de 2019 às 21:32

Novak Djokovic venceu nesta sexta-feira um daqueles jogos grandes, que fazem tanta diferença para a carreira e a confiança. O argentino Juan Martin del Potro se saiu muito acima do esperado, porque mostrou um backhand sólido, batido e agressivo, assim como aguentou um batalha fisicamente exigente de 3h, marcada por intensas e qualificadas trocas de bola e emoções constantes. Forçou saque, disparou forehands incríveis, chegou a ter dois match-points no tiebreak.

Nole poderia, é claro, ter perdido, mas no global exibiu um tênis notavelmente consistente, onde se destacaram incríveis devoluções, defesas impossíveis, variações táticas inteligentes e acima de tudo uma enorme vontade de vencer. Faltou talvez buscar mais vezes as paralelas de backhand para desequilibrar Delpo, receita aliás que o argentino adotou com sucesso. Um espetáculo de tirar o fôlego do começo ao fim. O tênis elevado à segunda potência.

A certeza no entanto é que Djokovic saiu de quadra mais fortalecido do que a reação diante de Dominic Thiem e até mesmo do que o título em Madri de uma semana atrás.

– Ao longo de todo o primeiro set, Rafael Nadal encontrou enorme dificuldade para segurar o jogo ousado de Fernando Verdasco. Estava então excessivamente defensivo. Ficou atrás até 1/3 e precisou salvar 0-40 quando estava 4/4. Mas daí em diante tudo mudou. Verdasco perdeu a confiança e Nadal o engoliu, jogando um grande segundo set. Marcou o terceiro 6/0, chega na semi – a quarta seguida na fase de saibro – com seis games perdidos.

– Roger Federer causou a decepção dia, ao desistir com alegada dor na perna direita. Não chega a ser surpreendente. Sem jogar há tanto tempo no saibro, encarou três jogos fisicamente exigentes entre Madri e Roma. A boa notícia é que não perderá o terceiro lugar do ranking e tem grande chance de permanecer no posto ao final de Roland Garros.

– Stefanos Tsitsipas, que tem reclamado de cansaço, ganhou então um valioso dia de descanso após a rodada dupla de quinta. Faz segunda semi seguida no saibro europeu. Se for à decisão, vira top 5 e irá superar Nadal no segundo posto do ranking da temporada. Em caso de título, tira Dominic Thiem do quarto posto e, com 3.400, estará com um pé e meio no Finals de Londres.

– Enfim Diego Schwartzman conseguiu vencer Kei Nishikori, uma vitória que o leva a inédita semi de Masters. O primeiro set do jogo foi maluco: o japonês saiu de 1/5 e sacou para empatar. Daí em diante o argentino foi muito sólido. E garantiu que a rodada de dupla de quinta-feira acabou por ser fundamental: “Precisava de uma injeção de confiança e ela veio num dia inspirado”.

– Nadal e Tsitsipas revivem o duelo de uma semana atrás em Madri, vencido inesperadamente pelo grego. O piso do Foro Itálico no entanto é mais lento e deve favorecer o espanhol. Mas Rafa precisa antes de tudo controlar os nervos e a ansiedade de enfim fazer uma final no saibro europeu, evitando uma angustiante quarta semi perdida no seu ‘habitat’.

– Djoko e Dieguito se enfrentam pela terceira vez e relembram o jogo de Roland Garros-2017, em que o argentino chegou a liderar por 2 sets 1, mas então lhe faltaram forças. Talvez seja o elemento que decida outra vez em favor do sérvio, ainda que ele tenha saído da quadra depois da 1h da manhã, irá dormir bem tarde e assim terá pouco tempo de recuperação para o jogo previsto para as 20h locais (15h de Brasília).

– E a festa grega em Roma também está dobrada. Maria Sakkari marcou incrível virada sobre Kiki Mladenovic, dando sequência a uma semana de surpresas, em que tirou Petra Kvitova e Anett Kontaveit. Enfrentará Karolina Pliskova, a quem venceu justamente em Roma do ano passado. A tcheca virou em cima de Vika Azarenka.

– Não tivemos o duelo entre Naomi Osaka e Kiki Bertens. A japonesa sentiu o braço e nem foi à quadra. Campeã em Madri, a holandesa tem favoritismo sobre Johanna Konta e, se vencer, assumirá o segundo lugar do ranking, rebaixando Simona Halep.

O Big 3 dá espetáculo
Por José Nilton Dalcim
16 de maio de 2019 às 19:12

A chuva permitiu ao Fóro Itálico um momento inédito: assistir aos três maiores tenistas da história jogar duas vezes no mesmo dia, numa rodada que durou mais de 13 horas. E como foi espetacular. Novak Djokovic manteve o embalo de Madri e engoliu os adversários, Rafael Nadal não quis saber de brincadeira e cedeu dois games em quatro sets, Roger Federer brindou sua volta a Roma com máximo empenho numa partida disputada palmo a palmo com o valente Borna Coric, com direito a match-point para os dois lados.

Aliás, outros dois ‘trintões’ brilharam. Aos 35, o canhoto Fernando Verdasco sobreviveu a seis sets, eliminou primeiramente Dominic Thiem, que vinha sendo o destaque da temporada de saibro, e depois virou o jogo contra Karen Khachanov, num total de quase 5 horas de esforço. Quanta vontade de vencer. E Juan Martin del Potro, que se dizia em dúvida sobre sua capacidade de jogar bem outra vez sobre o saibro, passou por David Goffin e Casper Ruud com grande autoridade e uma torcida muito animada.

Djokovic reencontra Delpo no encerramento da rodada de sexta e é favorito, não apenas pelos 15-4 geral e 3-0 no saibro, mas pelo momento incerto do argentino. Pela manhã, Nadal tem vantagem ainda maior sobre Verdasco, de 16-3, mas pode ser um jogo divertido.

Fica a expectativa para ver como Federer irá se recuperar fisicamente – ficou 3h51 em quadra hoje – para encarar Tsitsipas e quanto cada um vai aguentar o duelo lá do fundo de quadra. É o terceiro jogo entre eles, todos em 2019. Por fim, abrindo o dia, Kei Nishikori busca repetir a semi de três anos atrás contra Diego Schwartzman, que enfim mostra sua capacidade sobre a terra. O japonês nunca perdeu, mesmo fazendo dois confrontos no saibro.

A rodada feminina foi um tanto inesperada, com queda de Simona Halep e abandonos de Petra Kvitova e Garbine Muguruza. Assim, as atrações das quartas de final ficam para  a revanche entre Karolina Pliskova e Vika Azarenka (a tcheca venceu apertado em Stuttgart semanas atrás) e a briga direta entre Naomi Osaka e Kiki Bertens, campeã de Madri e já terceira do ranking. A japonesa chega nas quartas pelo terceiro torneio seguido no saibro (fez semi em Stuttgart), o que prova evolução diante das 5 vitórias de 2018.

O triste caso Kyrgios
Mais uma vez, a ATP tem a oportunidade de invocar seu próprio regulamento para dar uma punição exemplar a Nick Kyrgios. Está escrito lá: o tenista está passível de penalidade caso ateste contra a integridade do esporte. Oras, e o que o australiano fez hoje em Roma? No dia em que o Big 3 deu um show de competência, seriedade e qualidade técnica, foi seu comportamento nefasto que virou manchete pelo mundo. Existe algo mais triste para macular a imagem do tênis?

Claro que a ATP tem que mexer também no bolso do rapaz, sempre uma penalidade que atormenta qualquer tenista, que detesta gastar centavos: foram retirados dele os 33 mil euros de premiação, que se soma à multa de outros 20 mil e à perda da gratuidade de hospedagem, o que deve gerar um prejuízo de 55 mil euros. Isso é justo, mas não o bastante.

Li um abalizado comentário que reforça ainda mais a “integridade do esporte” afetada. Kyrgios é adorado pela maioria das crianças e não se pode admitir que tal comportamento em quadra as influencie. Para o bem das futuras gerações, é preciso mostrar a todos que existe um claro limite. Kyrgios já ultrapassou todos.

Como já disse antes aqui, a ATP no fundo é a maior culpada pela situação. Teve inúmeras chances de brecar o australiano, e não o fez. Criticar gratuitamente parceiros de profissão, entre eles o número 1 do mundo, e dizer que venceu um torneio indo para baladas até 4h30 da manhã definitivamente não combinam com a honradez secular do tênis.

Seu estilo genial não recompensa o esporte na mesma proporção que suas atitudes e palavras trazem noticiário tão negativo.

Nadal sai na frente em Madri
Por José Nilton Dalcim
4 de maio de 2019 às 11:50

* Atualizado às 18h45

Rafael Nadal decididamente tirou a sorte grande na formação da chave para o Masters 1000 de Madri, onde a partir de segunda-feira irá buscar seu primeiro título desde agosto do ano passado. Cinco vezes campeão na capital espanhola, quatro delas sobre o saibro da Caixa Mágica, ele viu Novak Djokovic, Roger Federer, Dominic Thiem e Fabio Fognini ficarem juntos do outro lado.

É para comemorar, mas não relaxar. A curiosa estreia será diante de um garoto canadense, Denis Shapovalov ou Felix Aliassime. Não são grandes jogadores sobre o saibro, mas a velocidade de Madri sempre preocupa diante de adversários que espancam a bola e não têm muito a perder.

O adversário natural seguinte seria Nikoloz Basillashvili, um jogador de resultados fracos no piso, e o primeiro teste real viria contra Kei Nishikori ou Daniil Medvedev, que poderão jogar ao melhor estilo quadra dura, ou seja com bolas bem retas, como o japonês já fez com sucesso outras vezes, como naquela final de 2014 em dominava Rafa até se contundir. Stan Wawrinka está no grupo dos dois, porém o suíço raramente se deu bem em Madri, à exceção do vice de seis anos atrás.

Rumo a uma final que ainda não fez no saibro europeu deste ano, restaria a Rafa passar por Stefanos Tsitsipas, que é o favorito de um setor que tem Alexander Zverev e Karen Khachanov, ambos em péssimo momento. O alemão, com apenas três vitórias em seis jogos no saibro até agora, tem a pressão de defender o título. Borna Coric e Roberto Bautista nunca podem ser descartados, mas eis que ali está também David Ferrer na despedida definitiva de sua torcida.

O outro lado da chave é efervescente, ainda que Djokovic na teoria tenha se saído bem melhor. Deve começar por Grigor Dimitrov, talvez depois Jeremy Chardy ou Marco Cecchinato e aí um adversário enigmático, que poderia ser Juan Martin del Potro ou Marin Cilic, mas até mesmo Nick Kyrgios ou Jan-Lennard Struff. Seja quem for, o sérvio terá amplo favoritismo se voltar a jogar um tênis de primeira linha, o que não faz desde o Australian Open.

De volta ao saibro e ao torneio após quatro anos, Federer é total incógnita, apesar de as condições de velocidade de Madri sempre casarem bem com seu estilo. A estreia pode ser diante do surpreendente espanhol Alejandro Davidodich, em grande semana no Estoril, onde acaba de vencer seus primeiros jogos de nível ATP, mas que sequer possui títulos em nível challenger. Se confirmar, o suíço desafiaria os experientes David Goffin ou Gael Monfils antes de reencontrar Thiem.

Seria legítimo dizer que o austríaco seja o favorito para ir à semi contra Djokovic. Finalista nos dois últimos anos – deixou no caminho até mesmo Nadal na última campanha -, terá no entanto de tirar Fognini nas eventuais oitavas de final, caso é claro o italiano tenha se recuperado fisicamente e esteja com vontade de jogar. Ou seja, para ganhar Madri o austríaco terá de fazer um torneio bem perto do impecável.

Como de hábito nos Masters 1000, há duelos incríveis logo na primeira rodada: Cecchinato x Schwartzman, Kyrgios x Struff, Goffin x Fucsovics, Coric x Pouille, Ferrer x Bautista, Medvedev x Pella e Aliassime x Shapovalov. Os jogos dos garotos canadenses e de Kyrgios já acontecem neste domingo.

Para matar saudades, deixo o vídeo da vitória de Federer sobre Nadal na decisão de exatos 10 anos atrás.

Chave feminina interessante
Um dos torneios mais gostosos do calendário, Madri também faz chave bem forte no feminino, com 16 das 17 melhores do ranking inscritas. Apenas Serena Williams continua evitando o saibro europeu.

Atual campeã, líder da temporada e vinda do título em Stuttgart, a canhota Petra Kvitova é a maior candidata ao título e já teve ótimo início em cima de Sofia Kenin. Pode reencontrar Kiki Bertens nas quartas e acho que daí deve sair a finalista da parte inferior.

A número Naomi Osaka não tem currículo no torneio, já que sequer passou da estreia no ano passado. Mas não existem motivos para não ir bem agora, mais experiente. O caminho é árduo, com Dominika Cibulkova, Annet Kontaveit e Karolina Pliskova pela frente e a japonesa deixa dúvidas sobre seu estado físico, o que automaticamente mexe com a confiança.

É possível então que outras fortes concorrentes tentem ocupar sua vaga na final, como Simona Halep, Elina Svitolina ou Ashleigh Barty. A australiana saca melhor do que as duas, uma vantagem considerável em Madri, mas tem uma chave bem exigente. Tirou Daria Gavrilova e deve encarar Danielle Colins antes de Svitolina. E o setor de Halep não é nada fácil, com Johanna Konta, Alison Riske, Maria Sakkari, Viktoria Kuzmova e principalmente Julia Goerges.

Curioso observar que o feminino paga um total de 7 milhões de euros, 500 mil a mais que o masculino, embora os campeões recebam igualmente 1,2 milhão. Isso se explica porque a chave feminina não tem lugares vazios, enquanto os oito cabeças do masculino saem adiantados.

Vai ser um Premier bem interessante.