Arquivo da tag: Karolina Pliskova

Djokovic tenta fechar década de ouro
Por José Nilton Dalcim
29 de agosto de 2021 às 15:40

Os números não mentem: Novak Djokovic foi o jogador mais dominante em nível Grand Slam desde 2011. O US Open que começa nesta segunda-feira será o 43º torneio desse quilate do período, dos quais o chamado Big 3 venceu nada menos do que 34.

Os dados oficiais da ATP comparam Djokovic, Rafael Nadal e Roger Federer e são indiscutíveis. Desde janeiro de 2011, o sérvio venceu 19 Slam contra 11 do espanhol e 4 de Federer, tendo obtido 230 vitórias contra 171 de Nadal e 161 de Federer.

Também passou todas suas atuais 337 semanas na liderança, muito acima das 133 do canhoto espanhol e das 25 de Roger. A supremacia se reflete nos títulos e vitórias conquistados no geral. Nole ganhou 67 troféus (com 658 vitórias), Nadal foi campeão 45 vezes (556 triunfos) e Federer, 37 (508).

Sem a concorrência dos parceiros recordistas de títulos de Slam, Djokovic será a estrela absoluta em Flushing Meadows, o que pode ser bom ou ruim. Tenta desempatar a disputa e repetir o feito de 2016, quando se tornou dono de todos os troféus de Slam ao mesmo tempo. Mas agora pode fazê-lo num único ano, façanha que passou perto de Federer por duas vezes, em 2006 e 2007, e que Nadal nunca saboreou.

A pergunta que todo mundo se faz em Nova York é como Nole irá reagir à tamanha pressão, externa e principalmente interna. A motivação não poderia ser maior, é o grande favorito, porém o excesso de confiança tem seus perigos. O sérvio já mostrou inúmeras vezes capacidade de aguentar cobranças e concretizar expectativas. Mas esta é única e Nole terá de estar pronto para jogar uma autêntica final a cada vez que entrar em quadra.

Torneio feminino promete outra vez
A chave feminina mais uma vez está bem aberta, ainda que o favoritismo de Ashleigh Barty seja incontestável. A número 1, que vem do título em Cincinnati, tem no entanto alguns desafios até mesmo nas rodadas iniciais, quando poderá encarar Veronika Kudermetova e depois nas oitavas Jennifer Brady.

É provável que Iga Swiatek seja sua adversária de quartas, mas o setor tem Belinda Bencic e nomes de bom currículo como Jessica Pegula e Anett Kontaveit, sem falar em Jil Teichmann, que não saiu de cabeça e pode ser a terceira adversária da polonesa.

A outra vaga para a semi no lado superior é indefinida. Karolina Pliskova e Anastasia Pavlyuchenkova são possíveis oitavas, assim como Bianca Andreescu e Petra Kvitova. Mas essas duas estão pouco confiáveis e não seria surpresa de Maria Sakkari ou Jelena Ostapenko aproveitassem a oportunidade.

O lado debaixo é muito atraente, apontando para uma semi entre Aryna Sabalenka e a bicampeã Naomi Osaka. Se jogar seu normal, a cabeça 2 bielorrussa deve passar por Danielle Collins e Ons Jabeur até encontrar o grupo onde ficaram Barbora Krejcikova, Garbiñe Muguruza e Vika Azarenka. Sou mais Sabalenka.

Ainda sem mostrar seu melhor tênis desde o título no Australian Open, Osaka tem de ser respeitada em Flushing Meadows. Seria interessante um duelo de oitavas contra Coco Gauff, mas que pode ser impedido por Angie Kerber. Campeã neste sábado, Elina Svitolina me parece a candidata natural às quartas, já que Simona Halep está longe da boa forma.

Eu particularmente acharia fantástica uma final entre Barty e Osaka. E se apostasse numa nova campeã de Slam, seria em Sabalenka.

E mais
– O US Open masculino tem sido bem mais versátil do que os demais Slam. Nos últimos 13 anos, o torneio teve oito novos campeões enquanto Melbourne, Paris e Wimbledon viram apenas quatro cada um.
– Com as desistência de Nadal, Federer e Thiem, sete dos oito principais cabeças do torneio têm no máximo 25 anos e quatro vão até 23. Os únicos que nunca fizeram semi em Slam são Rublev e Ruud.
– Djokovic tem 35-1 em jogos de cinco set contra tenistas nascidos após 1993, o que inclui 3-0 sobre Medvedev e 2-0 sobre Tsitsipas e Zverev. A única derrota foi para Chung, em Melbourne-2018.
– Único campeão olímpico a vencer o US Open no mesmo ano foi Murray, em 2012.
– EUA não ganham o título masculino do US Open desde 2003, mas no ranking desta semana o país tem 14 nomes no top 100, superiando a Itália.
– O único campeão do US Open que não era cabeça foi Andre Agassi, em 1994.
– Cornet chega a 59 Slam consecutivos e fica a três de igualar recorde de Sugiyama. Feliciano atinge 78 seguidos.
– Todas as 16 principais cabeças do feminino fizeram ao menos uma semi de Slam.
– Barty é única com múltiplos títulos em quadra dura neste ano (3). Apenas Pliskova e Andreescu entre as 10 cabeças não ganharam torneios no sintético, mas foram vices em 2021.
– Serena segue como mais velha campeã em três dos quatro Slam. Exceção é o US Open, em que Pennetta tirou seu recorde por diferença de 3 meses.

Ficha corrida de Nadal assusta
Por José Nilton Dalcim
21 de agosto de 2021 às 00:16

O terceiro grande nome do tênis masculino anunciou nesta sexta-feira o que já se esperava: tal qual Roger Federer e Dominic Thiem, Rafael Nadal antecipou o fim da temporada. O motivo foi a persistente contusão no pé esquerdo, que o afetou pela primeira vez em 2004, antes mesmo que conquistasse seu primeiro troféu de ATP em Sopot. Em suas palavras, Rafa tentará um “tratamento diferente”, o que pode indicar um procedimento cirúrgico. Ele jamais admitiu ter feito uma operação, ainda que haja poucas dúvidas de que precisou disso na longa parada de 2012 para 2013.

Com a ajuda da mídia espanhola e de alguns bons currículos, tracei abaixo uma ‘ficha corrida’ de seus extensos problemas físicos ao longo da carreira. Vejamos um resumo:

2003: Não pôde jogar em Roland Garros devido a fissura no cotovelo direito após cair num treino. Voltou em Wimbledon.
2004: Ficou afastado de toda a temporada de saibro ao sofrer fratura por estresse no pé esquerdo, apontada em Estoril. Ficou fora também de Wimbledon.
2005: Tendinite em Madri e inflamação outra vez no pé esquerdo o tirou de Paris e do Finals. No total, foram quatro meses afastado, perdendo o Australian Open.
2006: Único problema foi dor no ombro durante a fase de grama, mas sem comprometer participação em Wimbledon.
2007: Abandonou Cincinnati com dor no braço esquerdo, porém competiu no US Open.
2008: Em Paris, tendinite no joelho direito o fez desistir de novo do Finals.
2009: Após a primeira derrota em Roland Garros, não foi a Queen´s e a Wimbledon novamente com tendinite nos joelhos, ficando afastado dois meses.
2010: O joelho direito também interrompeu sua campanha no Australian Open, desistindo nas quartas.
2011: Inflamação nos tendões fibulares foi um problema, mas não chegou a comprometer seu calendário.
2012: Sofre então a lesão mais grave durante Wimbledon: ruptura do tendão patelar no joelho esquerdo. Por isso, perde as Olimpíadas de Londres e todos os demais torneios da temporada, incluindo o Australian Open de 2013. Foram sete meses fora.
2014: Nadal se afasta logo depois da derrota em Wimbledon com problema no punho direito e fica três meses em tratamento. Retorna na Ásia, mas não consegue jogar Bercy e o Finals devido a apendicite.
2016: Nadal surpreendente e desiste de jogar a terceira rodada de Roland Garros devido novamente a lesão no punho. Consegue volta a tempo de disputar Jogos do Rio, mas a contusão volta em outubro.
2017: Faz sua melhor temporada em dois anos, mas sente o joelho direito e abandona Paris e o Finals no meio.
2018: Desiste nas quartas do Australian Open devido ao ilíaco e se afasta por dois meses. Na semi do US Open, a tendinite do joelho direito reaparece. Também ficou de fora de Bercy e do Finals, mas agora devido a ruptura no abdômen.
2019: Desistiu no meio de Indian Wells com dor no joelho direito. Depois do título no US Open, voltou a sentir o punho esquerdo, mas conseguiu  se recuperar para ganhar a Davis e terminar como número 1. Antes disso, sentiu o abdômen em Paris.
2021: Saiu de Melbourne com problema nas costas, o que o fez saltar o calendário até o saibro. Após queda em Roland Garros, afastou-se com o velho problema no pé esquerdo. Voltou em Washington, porém só fez dois jogos.

Rafa deixará de defender 2.760 pontos e seu total deverá cair para 5.055, o que é mais do suficiente para mantê-lo na faixa dos 10 primeiros do ranking até janeiro.

Favoritos firmes em Cincinnati
Todos os quatro principais cabeças de chave estão nas semifinais masculinas de Cincinnati, algo que não acontecia no mais importante preparatório do US Open desde 2009. A melhor atuação da sexta-feira foi de longe de Daniil Medvedev, que atropelou Pablo Carreño e reencontrará o amigo e ‘freguês’ Andrey Rublev, sobre quem tem 5 a 0 em jogos oficiais e nenhum set perdido. Rublev teve trabalho com Benoit Paire, num jogo divertido.

Alexander Zverev também teve placar fácil contra Casper Ruud, mas chegou a estar em desvantagem de 1/3 no segundo set, embalando depois cinco games seguidos. O alemão está muito confiante e isso facilita segurar a cabeça na hora do aperto. Fará o nono duelo contra Stefanos Tsitsipas e o grego tem histórico de 6 a 2, embora Sascha tenha interrompido série de cinco derrotas em Acapulco antes de voltar a perder em Roland Garros em cinco bons sets.

Tsitsipas fez o jogo mais interessante do dia. Dominou o primeiro set contra Felix Aliassime com enorme autoridade, mas o canadense sacou melhor depois, o que aliás o salvou de dois match-points no 10º game. Aí inesperadamente.o cabeça 2 sentiu, fez dois games instáveis e foi precisou do terceiro set. Recuperou a soberania mesmo com apenas 55% de primeiro saque em quadra.

Luísa e Gabi jogam muito
O momento de Luísa Stefani é espetacular. Com entrosamento cada vez melhor ao lado de Gabriela Dabrowski, aliado a jogo de rede apuradíssimo e saque eficiente, atinge a terceira final seguida nos preparatórios para o US Open, sobe mais dois degraus no ranking e tenta faturar o segundo WTA 1000 em 14 dias. A nova vitória foi gigante, em cima de Krejcikova/Siniakova, campeãs de Roland Garros e dos Jogos de Tóquio. Vale lembrar que na véspera bateram as números 2 da temporada, Aoyama/Shibahara.

As adversárias são Samantha Stosur e Shuai Zhang, que atuam pouco juntas, mas o currículo da australiana é notável: ex-número 1 da especialidade, ganhou três dos quatro Slam e no outro fez três finais, somando 26 títulos de duplas. Muito respeitável.

Já em simples, os quatro jogos foram um tanto sem graça. Totalmente recuperada na parte física, Ashleigh Barty sobrou em quadra e atropelou Krejcikova. Volta a enfrentar Angelique Kerber, repetindo a semi de Wimbledon, depois que a alemã viu Petra Kvitova abandonar. Outra surpresa notável aprontou a também canhota Jil Teichman. Responsável pela saída de Naomi Osaka, fez o que quis em cima da compatriota e campeã olímpica Belinda Bencic.

Jil tem um estilo interessante, em que consegue enrolar bem o topspin ou então disparar bolas definitivas. Sempre divertido ver jogadoras com armas diferentes. Ela encara Karolina Pliskova, que também não completou sua partida, já que Paula Badosa sentiu desconforto na mão.

Djokovic acima de todos
Por José Nilton Dalcim
11 de julho de 2021 às 20:32

Foram seis meses mágicos. Vindo de um final de 2020 um tanto frustrante, com a desclassificação no US Open, a dura derrota em Roland Garros e a semi no Finals, Novak Djokovic soube dar a volta por cima. E que volta. Manteve o título em Melbourne apesar das dificuldades físicas em fevereiro, cravou o recorde de semanas como número 1 pouco depois, desbancou o todo-poderoso Rafael Nadal no saibro de Paris e foi muito superior a todos para atingir um incrível sexto título em Wimbledon no espaço de uma década.

Assim, ao se equiparar a Nadal e Roger Federer na tabela de títulos de Slam, todos com incríveis 20 conquistas, Nole ganhou o direito inconteste de ser chamado o ‘maior de todos’. A discussão, pelo menos até o próximo US Open, se torna inócua. Nole tem agora as duas marcas mais importantes do tênis profissional – ranking e Slam -, além de uma coleção de feitos históricos de peso, como o único a somar dois troféus em cada Slam e a façanha inigualável de vencer os três primeiros Slam em superfícies diferentes. Em diversos campos que se pretenda comparar, seus números são mais relevantes: Masters, número 1 ao final do ano, duelo direto.

Claro que a disputa permanece aberta porque nenhum dos Big 3 encerrou ainda carreira e são todos fora de série. Porém, não é preciso grande esforço para perceber que Djokovic é aquele com melhores condições de continuar brilhando em todos os cantos e por mais tempo. Não apenas tem idade inferior a seus concorrentes, como seu jogo se adapta facilmente a qualquer situação. Sua supremacia no topo do ranking dificilmente será ameaçada até o fim desta temporada e a partir de agora ele volta ao seu piso predileto. É o favorito absoluto ao ouro olímpico e ao US Open, e talvez só a própria ansiedade seja barreira para que consiga repetir a temporada inesquecível de Steffi Graf, em 1988.

Por falar em idade, vale ressaltar que ele agora é o segundo mais velho a vencer Wimbledon, aos 34 anos e 50 dias, e passar a somar oito Slam como ‘trintão’, ao menos um em cada um dos quatro torneios, deixando Nadal duas para trás. Também é o que mais fez finais depois dos 30, com nove, tendo venceu sete de suas oito últimas decisões de Slam. Nesta segunda-feira, totalizará 329 semanas como líder e aparecerá como único profissional com US$ 150 milhões embolsados em premiações oficiais.

Sobre a final deste domingo, ele poderia ter simplificado a tarefa caso mantivesse o saque com 5/3 no primeiro set. O começo da partida foi bem nervoso dos dois lados e Nole de novo não teve uma largada mais solta, como aconteceu em quase todo o campeonato. Matteo Berrettini cresceu a partir daí, foi agressivo no tie-break e mereceu a vitória parcial.

Djokovic então fez um pequeno ajuste, recuou um passo na devolução e começou a fazer o adversário jogar mais e mais. As quebras vieram prematuras nos dois sets seguintes. O sérvio de novo falhou na hora de fechar no segundo set, mas desta vez tinha margem e não vacilou. O terceiro viu um momento delicado no 4/2, em que Berrettini teve a passada em dois break-points e não conseguiu a reação. Naquele altura, o sérvio já o fazia se mexer demais para os dois lados. Por fim, veio a quebra essencial no sétimo game do quarto set e o jogo virtualmente terminou.  Djokovic totalizou 21 erros, sendo 11 deles na soma dos três sets vencidos, algo extraordinário.

Berrettini poderia ter feito um pouquinho mais, especialmente quando precisou do saque nos momentos delicados, mas é justamente essa confiança que diferencia os grandes. O italiano deve sair feliz com o vice. É um tenista que sabe jogar em diferentes condições e, se continuar trabalhando o backahnd, poderá sonhar com coisas grandes.

Barty também faz história
Apesar de não ter sido sua melhor atuação, Ashleigh Barty cumpriu o que todo mundo esperava de seu estilo tão vistoso e conquistou no sábado Wimbledon, uma década exata depois de ser campeã juvenil aos 15 anos. Sua capacidade de misturar muito bem força e sutileza é perfeita para a grama, mas por ironia do destino ganhou seu primeiro Grand Slam no saibro, em 2019,ou seja em condições até então impensáveis para a escola australiana.

A final em si teve muito nervosismo, alguns lindos lances mas também erros terríveis dos dois lados. Pliskova começou muito mal e parecia que Barty iria vencer com rapidez, quando quebrou logo de cara no segundo set. A tcheca então se soltou, recuperou e virou o placar, mas perdeu de novo o saque com algumas falhas incríveis. Na hora de sacar para o título, a líder do ranking sentiu o momento, permitiu reação e o terceiro set. Aí por fim justificou a esperada superioridade sobre a tcheca. mas não sem emoções. Precisou ainda salvar um break-point antes de concluir na primeira chance que apareceu.

Mais tarde, na entrevista oficial, Barty revelou que a própria equipe escondeu dela a gravidade da contusão no quadril que a tirou precocemente de Paris neste ano, mas garante que conseguiu jogar Wimbledon sem dores e até considerou isso um pequeno milagre. Adianta que poderá se ausentar algumas semanas do circuito para tentar uma recuperação agora sim mais completa e bem feita. Isso muito provavelmente significa abdicar dos Jogos Olímpicos.

Assim como no masculino, Barty também fez história, dando o primeiro título feminino à Austrália em Wimbledon desde Evonne Goolagong, bicampeã em 1980 então já mãe. Ao igualar os dois Slam de Lleytton Hewitt e superar suas 80 semanas como número 1, Barty já pode ser considerada a maior tenista de seu país dos últimos 40 anos. E soberana no ranking,  tem enorme chance de se tornar ainda neste ano a sétima líder com ao menos 100 semanas na ponta.