Arquivo da tag: Justine Henin

Doloroso adeus da mágica Barty
Por José Nilton Dalcim
23 de março de 2022 às 11:34

De repente, fui remetido ao dia 23 de janeiro de 1983, quando chegava para cobrir rodada do torneio do Guarujá logo pela manhã e acabei surpreendido com a notícia de que Bjorn Borg, então com 26 anos. havia decidido se aposentar.

O sentimento de incredulidade diante do anúncio de Ashleigh Barty no finalzinho de noite desta terça-feira foi muito semelhante. Parecia brincadeira, um 1º de abril antecipado.

Até que veio o vídeo da própria australiana explicando sua decisão e aí não houve mais dúvidas: no auge absoluto de sua carreira, dona dos atuais títulos de Wimbledon e do Australian Open, número 1 do mundo por 113 semanas consecutivas, Barty não tem mais motivação para seguir no circuito. Chocante, mas compreensível.

Não foi a primeira vez que Barty sentiu o peso do circuito e se afastou. Depois de um promissor início de carreira, em que se tornou profissional ainda aos 15 anos, ela saiu das quadras logo depois do US Open de 2014 justamente porque se achava imatura demais para encarar tantas viagens e queria viver como uma adolescente comum. Ficou em casa e passou a jogar críquete com sucesso.

O amor pelo tênis no entanto ainda estava lá. Voltou em fevereiro de 2016 e se dispôs a jogar duplas em pequenos torneios de US$ 25 mil. Seu gigantesco talento rapidamente deu frutos e na temporada seguinte já ganhou seu primeiro WTA e virou top 20. Continuava a ser uma grande duplista, porém seu estilo único sempre chamava a atenção, aquela capacidade incrível de variar efeitos e velocidades, de alternar táticas, de ter coragem de ousar nos pontos decisivos.

Esse conjunto levou Barty ao primeiro sonho: vencer um Grand Slam em 2019. Porém, de forma totalmente inesperada, o fez no saibro de Roland Garros, relembrando os feitos de Margaret Court de quase 50 anos antes. Pouco depois, virou também número 1, igualando-se a outro fenômeno australiano, Evonne Goolagong.

Nessa altura, era impossível não se comparar a destreza de Barty sobre as quadras com a habilidade de Justine Henin. Curiosamente, a espetacular belga também anunciou aposentadoria – a primeira delas – dias antes de completar 26 anos e como líder do ranking, dona de sete troféus de Slam. Voltou em 2010 sem o mesmo embalo, porém ainda conseguiu um vice em Melbourne.

Ao menos por enquanto, Barty não abre brechas para um retorno. Ela diz que ganhar Wimbledon no ano passado foi mais do que a realização do maior desejo como tenista e que isso mudou sua perspectiva como pessoa e como atleta. Porém, ainda faltava ganhar em casa e se impôs esse desafio, plenamente concretizado há dois meses.

Então, em suas palavras, se fechou o ciclo e acabou a motivação para treinar e especialmente viajar. Como disse antes, é compreensível. A Austrália é muito longe de qualquer coisa e demanda grande esforço de deslocamento ou muitos meses fora de casa.

Me parece que são justamente os dois fatores que mais pesam. Em primeiro lugar, a pandemia pode ter mostrado a Barty – como há muitos outros – as delícias de uma vida normal. Vale lembrar que ela demorou a encarar de novo o circuito, o que só fez já em 2021 após 11 meses de parada total.

Ao mesmo tempo, Ash sempre se mostrou diferenciada, com muita atenção a sua vida fora das quadras, às amigas e à família. E certamente há um peso grande no fato de estar agora noiva do golfista Garry Kissick, a quem conheceu em 2017 e anunciou pretensão de casamento em novembro.

No seu bate papo de despedida com Casey Dellacqua, que publicou no Instagram, Barty afirma que não tem mais a gana física e emocional para o desafio que é se manter no altíssimo nível. ‘Estou desgastada’, foi sua definição.

Uma pena em todos os sentidos, porque Barty colocou o tênis feminino num outro patamar, onde a força física deu muito mais espaço para o refino técnico e tático. Deixará enorme saudade do toque genial, da deixadinha, do voleio, do slice, mas principalmente de sua simplicidade e do bom humor. Um conjunto um tanto raro e que fazia bem demais ao circuito.

E mais

  • Na mesma terça-feira, outra notícia ruim: Rafael Nadal está com fratura por estresse em uma das costelas e isso o obrigará a ficar entre 4 e 6 semanas fora da quadra. Ou seja, de imediato ficará de fora de Monte Carlo e de Barcelona, com possível volta em Madri.
  • Há quem aposte que ele só jogue em Roma, o que seria a única preparação para Roland Garros. Ou seja, a sempre esperada fase do saibro europeu ficará drasticamente reduzida para o canhoto espanhol, que perderá 680 pontos no ranking.
  • Excepcional atuação de Bia Haddad Maia em sua estreia de Miami, voltando a jogar um tênis agressivo e consistente diante de Nuria Parrizas, 49ª do ranking, para quem havia perdido os dois duelos anteriores. Agora, vem um desafio enorme: Maria Sakkari.
  • Medvedev precisa de semi em Miami para recuperar o número 1. O caminho pode ter Murray na estreia, Bautista nas oitavas e Hurkacz nas quartas. Não está o fim dos tempos.
  • Alcaraz ficou nesse lado superior e pode ter duelos difíceis diante de Cilic e Tsitsipas. Ficaram também nesse quadrante Fritz e Aliassime.
  • Excelente entrevista de Bellucci para Felipe Priante. Recomendo a leitura.
A incansável luta do tênis profissional feminino
Por José Nilton Dalcim
26 de julho de 2020 às 23:27

Embora Suzanne Lenglen tenha sido a precursora do próprio tênis profissional, as mulheres sempre tiveram maior dificuldade em ganhar dinheiro com a raquete na mão. Basta ver que depois das exibições da Divina, entre 1926 e 27, somente em 1941 houve uma nova tentativa de duelos femininos contratados, na ocasião entre Alice Marble e Mary Hardwick.

O pós-Guerra viu uma curta série entre Pauline Betz e Sarah Palfrey Cooke, duas campeãs de Forest Hills, em 1947, e outra um pouco mais extensa, entre 1950 e 51 com Betz e Gussie Moran. A fenomenal Althea Gibson se tornou profissional em 1958, imediatamente após ganhar Wimbledon, e duelou com Karol Fageros em aberturas para os Harlem Globetrotters. Um longo hiato de quase 10 anos se sucedeu até o promotor George McCall contratar Billie Jean King, Ann Jones, Françoise Dürr e Rosie Casals em 1967, em que atuavam junto a oito homens.

Mas desde sempre o tênis feminino ficou à sombra do masculino e tal realidade não mudou quando a Era Aberta chegou, em 1968. Wimbledon daquele ano pagou duas vezes e meia a mais para a chave masculina.

Embora contratadas pela NTL, Billie Jean e as três parceiras também realizavam torneios por sua conta e isso não agradou a Federação Internacional, que as penalizou. A Associação Norte-americana chegou a excluir King e Casals do ranking anual da entidade, em 1968 e 69.

O descontentamento aumentava. Em 1970, Margaret Court embolsou apenas US$ 15 mil mesmo vencendo os quatro Grand Slam, já que a proporção de premiação entre os dois sexos, que beirava 5 para 1 em 1969, chegou a absurdos 12 para 1 em 1970. “Todo mundo está ganhando dinheiro com o tênis, menos as mulheres”, esbravejou Billie Jean.

Pouco antes do US Open de 1970, as tenistas se revoltaram contra o Pacific Championship de Jack Kramer, que dava bolsa de US$ 50 mil para o masculino e apenas US$ 7.500 ao feminino. Um grupo de nove tenistas decidiu boicotar o evento e disputar um torneio em Houston. Foi o embrião do Virginia Slims, que contava com apoio promocional de Gladys Heldman, editora da revista World Tennis. Disputado pela primeira vez em setembro, acabou tendo 19 etapas e premiação total de US$ 310 mil. Do Virginia Slims, surgiu a Liga Feminina e em seguida a WTA.

O grande ano de 1973
Muita coisa mudou para o tênis feminino num único ano: 1973. Pouco antes de Wimbledon, em junho, surgiu oficialmente a Women’s Tennis Associaton. Mais importante ainda, uma vitória na Justiça americana enfim obrigou o US Open a pagar premiação idêntica a homens e mulheres, que se estenderia mais tarde para todo e qualquer evento disputado no país que abrigasse ao mesmo tempo os dois sexos.

Dias depois do US Open, Billie Jean aceitou o desafio do já veterano Bobby Riggs, um campeão de Wimbledon, no que ficou conhecido como “Batalha dos Sexos” e virou até filme. King venceu por 3 sets a 0 no Astrodome de Houston, diante da maior plateia até então para uma partida de tênis, com 30.492 assistentes e enorme repercussão internacional.

Animadas, as mulheres trariam outras evoluções fundamentais: um sistema de ranking semelhante ao da ATP e contrato de televisão com a CBS, em 1975. O circuito feminino, aliás, criou alguns itens revolucionários, adotados muito depois pelos homens, como a pontuação para o qualificatório e o “ranking protegido”. Outras ideias, como a final do Masters em melhor de cinco sets, não vingaram.

Ao longo de sua história, a grande batalha da WTA foi manter um circuito ativo, com uma série mínima de 60 torneios anuais. Muitas vezes, esbarrou no problema dos patrocinadores, que geralmente compravam o calendário inteiro e tinham sua marca exibida no mundo todo. Depois do Virginia Slims, vieram Avon, JP Morgan, Sanex e Sony.

Já a longa briga pela igualdade de premiação nos Grand Slam levou décadas  e só era respaldada no US Open por uma lei federal. Até que o Aberto da Austrália aderiu, em 2005, seguido por Roland Garros, em 2006. O sisudo torneio de Wimbledon resistiu até onde pôde, mas enfim anunciou a equiparação em 2008.

Foram recompensas fundamentais e deram às tenistas privilégios incríveis, como o feito de Justine Henin, que em 2007 se tornou a primeira atleta a ganhar US$ 5 milhões numa temporada, ou o de Serena Williams, que é a esportista mais bem paga do mundo.

Olimpíadas. E o tênis é de novo amador.
Ao atingir a metade da década de 1980, o tênis já era o esporte mais internacionalizado de todos, disputado simultaneamente e semanalmente em dezenas de países, onde competiam por sua vez centenas de diferentes nacionalidades, não apenas entre jogadores, mas até mesmo de árbitros. Ao mesmo tempo, havia criado padrões para o profissionalismo que acabaram por ser copiados ou adaptados por várias grandes modalidades, como o sistema de ranking, a disputa em forma de circuito, o masters, a premiação por rodada, as chaves eliminatórias.

Por ironia, o tênis que tanto demorou para enterrar o amadorismo acabaria por se tornar a primeira modalidade a oficialmente colocar atletas profissionais nas Olimpíadas, a partir de Seul em 1988, e abriria as portas para que outros esportes, como o basquete da NBA, também fossem admitidos com suas principais estrelas. A exigência sine qua non era que os tenistas não fossem pagos, ficassem hospedados na Vila e não ostentassem patrocinadores individuais.

Banido após os Jogos de 1924, a primeira tentativa de o Comitê Olímpico Internacional recolocar o tênis no quadro foi ainda no México, em 1968, onde aconteceu um torneio de exibição. Los Angeles de 1984 veria a tentativa real de reinclusão, após dezenas de negociações com a Federação Internacional, entre elas a de promover com assiduidade o controle antidoping – que se tornou rigoroso em 1986. Sem valer medalhas e disputado por tenistas até 21 anos, Los Angeles viu Steffi Graf e Stefan Edberg saírem campeões.

Embora tenha encontrado resistência de alguns jogadores importantes, o retorno em 1988 fez história ao consagrar o único Golden Slam em favor de Graf. Em Barcelona, o tênis foi sucesso de público e subiu outro degrau em Atlanta quatro anos depois, quando viu o ídolo local Andre Agassi chegar à medalha de ouro. Realizada em outro país de forte tradição tenística, a disputa em Sydney de 2000 também agradou. Nessas edições, caíram as barreiras da Vila e dos patrocinadores individuais.

Disposta a todos os esforços para romper a resistência dos líderes, ATP e WTA concordaram que o torneio olímpico passasse até a contar pontos para o ranking em Atenas-2004, e o torneio olímpico chegou ao ápice durante os Jogos de Pequim de 2008, ao colocar em suas chaves todos os melhores do mundo, em simples e duplas.

O que todos julgavam improvável aconteceu: o espírito amador voltou ao multimilionário tênis internacional e Pierre de Coubertin enfim descansou em paz.

Os melhores golpes do tênis profissional (parte 2)
Por José Nilton Dalcim
9 de junho de 2020 às 15:11

Não foi nada fácil incluir mais estes quatro tópicos na minha lista dos melhores golpes do tênis profissional e contei com a ajuda imprescindível de Felipe Priante e Mário Sérgio Cruz. Como da outra vez, comentarei principalmente os primeiros colocados ou as dúvidas de cada item.

BACKHAND DE DUAS MÃOS
Não houve dúvida quanto aos primeiros colocados, mas foi um tanto doloroso tirar Borg e Connors, porque eles tiveram sucesso em quadras muito velozes. Como o feminino praticamente todo joga assim, ficou mais difícil e confesso quase não ver diferença entre elas todas.

Masculino
1. Novak Djokovic
2. Andre Agassi
3. David Nalbandian
4. Marat Safin
5. Andy Murray
Menções honrosas: Bjorn Borg e Jimmy Connors

Feminino
1. Serena Williams
2. Kim Clijsters
3. Monica Seles
4. Na Li
5. Victoria Azarenka
Menções honrosas: Garbiñe Muguruza e Maria Sharapova

SEGUNDO SERVIÇO
É preciso avaliar eficiência, variação, coragem nesse item. Provavelmente Nick Kyrgios teria lugar aqui. O feminino privilegiou as mais agressivas.

Masculino
1. Pete Sampras
2. Roger Federer
3. Novak Djokovic
4. John Isner
5. Andy Roddick
Menções honrosas:  Mark Philippoussis e Rafael Nadal

Feminino
1. Serena Williams
2. Venus Williams
3. Pam Shriver
4. Hana Mandlikova
5. Lindsay Davenport
Menções honrosas: Petra Kvitova e Sabine Lisicki

TOQUE
Certamente o tópico mais controverso, e acabei deixando de fora Dustin Brown e Fabrice Santoro. Provavelmente irão contestar a presença de Nadal, mas acho muito justo. O feminino foi um pouco mais fácil, mas quase esqueci da Billie Jean.

Masculino
1. Roger Federer
2. Nick Kyrgios
3. Rafael Nadal
4. Benoit Paire
5. Marcelo Ríos
Menções honrosas: Fabio Fognini e Gael Monfils

Feminino
1. Justine Henin
2. Martina Navratilova
3. Martina Hingis
4. Agnieszka Radwanska
5. Amélie Mauresmo
Menções honrosas: Bethanie Mattek-Sands e Billie Jean King

PASSADA
Todos muito próximos, mas o espanhol ainda me parece o melhor. Muita gente da velha guarda, já que se jogava muito mais na rede então. Idem para o feminino, onde os dois primeiros postos me parecem indicutíveis.

Masculino
1. Rafael Nadal
2. Novak Djokovic
3. Bjorn Borg
4. Jimmy Connors
5. Andre Agassi
Menções honrosas: Ivan Lendl e Andy Murray

Feminino
1. Steffi Graf
2. Chris Evert
3. Arantxa Sanchez
4. Conchita Martinez
5. Simona Halep
Menções honrosas: Angelique Kerber e Serena Williams

DEVOLUÇÃO
Outro item que me pareceu óbvio e talvez a ordem aqui ou ali possa ser mexida. Ou quem sabe acrescentar Tracy Austin nas meninas.

Masculino
1. Novak Djokovic
2. Andre Agassi
3. Jimmy Connors
4. Andy Murray
5. David Nalbandian
Menções honrosas: Bjorn Borg e Lleyton Hewitt

Feminino
1. Serena Williams
2. Monica Seles
3. Steffi Graf
4. Victoria Azarenka
5. Kim Clijsters
Menções honrosas: Chris Evert e Martina Navratilova

Na última série, vamos falar dos outros elementos que não são golpes: movimentação, resistência e mental.