Arquivo da tag: Johanna Konta

Djoko enfim se rende, Stan sonha
Por José Nilton Dalcim
2 de setembro de 2019 às 00:34

Enquanto não encontrou um adversário que exigisse muita força dos seus braços, Novak Djokovic segurou o tranco. Stan Wawrinka no entanto está num outro patamar. O saque e os golpes de base são muito pesados, machucam no impacto e isso me parece foi minando as energias do número 1 até que, no começo do terceiro set, já não era mais possível ser competitivo e ele acertadamente se retirou para não causar ainda mais danos ao ombro esquerdo problemático.

Wawrinka não lhe deu alternativas. Forçou muito o jogo o tempo inteiro e esteve soberbamente eficiente. Cruzou seu espetacular backhand à exaustão e, apesar de Djokovic ter feito ótimas paralelas e suportado trocas de grande intensidade, deve ter feito estragos. O sérvio não sacava o máximo que podia, apesar de ter escapado diversas vezes de apertos com grandes serviços, e chegou a abrir 4/1 no segundo set, dando a impressão que ainda poderia reagir.

Quando Stan recuperou a quebra, a situação ficou delicada. Nole ainda fez 5/4, mas daí em diante se percebia pressa cada vez maior em concluir os pontos. E com ela vieram os erros, a perda do segundo set e o pedido de atendimento médico. Três games depois, com golpes totalmente descalibrados, o sérvio se rendeu ao que parecia inevitável desde a segunda rodada. Ele fez de tudo para se recuperar e esconder a extensão da lesão. O primeiro jogo realmente exigente deixou clara a debilidade física.

Não se pode dizer que Wawrinka venceu apenas porque Nole baixou o rendimento. O suíço jogou em nível muito alto e foi justamente isso o que causou os buracos na defesa sérvia. Na maior parte do tempo, o suíço teve paciência para construir pontos e defendeu-se com maestria em diversas oportunidades. E merece esse sucesso após encarar cirurgia no joelho e lenta recuperação. Enfrentará agora o também fragilizado Daniil Medvedev e tem todo o direito de sonhar em ir mais longe. O bi parece menos improvável.

Os velhinhos seguem à frente
Multicampeões atrás de retomar seus troféus, Roger Federer e Serena Williams não tiveram dificuldade para avançar e marcar novos feitos. Enquanto o suíço somou a 56ª presença em quartas de Grand Slam, ampliando seu recorde absoluto, a norte-americana chegou a 52 e ameaça Chris Evert, apenas dois à frente.

Federer só teve dois ou três games instáveis no começo da partida, sofrendo quebra. Mas David Goffin jamais tomou atitude, manteve-se incrivelmente passivo o tempo todo e só tirou outro saque de adversário, já no 3/1 do segundo set, porque o suíço cochilou. O mérito de Federer foi optar por sufocar o belga o tempo inteiro e obviamente a vantagem no placar lhe deu enorme confiança para jogar muito solto. Agora, reencontra o amigo e ‘freguês’ Grigor Dimitrov, contra quem tem 7 a 0.

Para Serena, no entanto, nem tudo foram sorrisos. Ela torceu o pé direito na metade do segundo set. Em janeiro, aconteceu algo parecido quando ela tinha 5/1 sobre Karolina Pliskova, o que lhe custou a derrota. Desta vez, completou a vitória sobre Petra Martic com 37 a 11 nos winners.

A vitória foi um bom presente de aniversário para a filha Alexis Ilympia, que completa dois anos. Vale lembrar que Serena ainda não conquistou um único título no circuito desde que se tornou mãe.

E mais
– Dimitrov fez 3 sets a 0 sobre Alex di Minaur, mas o jogo foi parelho o tempo todo e decidido no oportunismo do búlgaro na hora das quebras. É a primeira vez que Dimitrov está nas quartas dos EUA. Ele tem semi na Austrália-17 e em Wimbledon-14.
– Novamente sob vaias, Medvedev oscilou muito diante do corajoso quali alemão Dominik Koepfer. Russo admitiu estar muito cansado e que tomou analgésico para dor no ombro direito. Aliás, também apresentou proteção na coxa esquerda. Nunca havia ido tão longe num Slam e soma agora 18 vitórias em 20 jogos ao longo de quatro torneios na quadra dura do verão norte-americano.
– Apesar da frustrante derrota, Barty ainda pode recuperar a liderança do ranking. Basta torcer para que Naomi Osaka não seja bicampeã. A australiana cometeu 39 erros não forçados contra 14 da chinesa.
– Aos 27 anos, Qiang Wang jamais havia passado da 3ª rodada de qualquer Slam. Mostrou muita frieza, salvando todos os nove break-points que encarou diante de Barty.
– Adeus a mais um sonho de Karolina Pliskova conquistar seu Slam, mas a esperança de Jo Konta continua. A britânica aliás fez semi em Paris e quartas em Wimbledon deste ano também. Encara agora um pequeno tabu, já que perdeu todos os quatro jogos contra Elina Svitolina
– Muito consistente, ucraniana lucrou em cima dos 40 erros de uma desfocada Madison Keys e chega pela primeira vez nas quartas do torneio. Svitolina vem de semi em Wimbledon.

Para a história
Federer chega a 13 quartas no US Open, igualando-se a Andre Agassi. Dado curioso levantado pela ATP, nenhum tenista ganhou em Flushing Meadows até hoje depois de perder o primeiro set nas duas primeiras rodadas. Suíço fez até agora os dois jogos mais rápidos do Open nesta edição: 1h20 contra Evans e 1h19 frente Goffin.

À espera de adrenalina
Por José Nilton Dalcim
9 de julho de 2019 às 19:18

É bem verdade que cada um dos Big 3 já teve seu jogo mais apertado neste Wimbledon, deixando um set no caminho, mas aquela emoção mesmo ainda não veio. Ao encarar nas quartas de final adversários experientes e ambiciosos, quem sabe a adrenalina suba de vez.

Fato curioso, tanto David Goffin, como Kei Nishikori e Sam Querrey ganharam o duelo mais recente que fizeram diante de seus oponentes desta quarta-feira, o que coloca um molho adicional. Possuem também estilos bem diferentes, para agradar todos os gostos.

Vamos a um rápido resumo das quartas masculinas,que começam às 9h:

Djokovic x Goffin – Belga surpreende na grama desde Halle. Apesar da falta de potência nos golpes, se mexe muito bem. Tem usado slices e voleios com frequência. Tenta pela quarta vez fazer sua primeira semi de Slam, enquanto sérvio busca a 36ª. Djoko tem 5-1 nos confrontos, com única derrota no lento saibro de Monte Carlo.

Federer x Nishikori – Japonês é muito forte nos contragolpes, joga perto da linha e pega tudo na subida, acelerando bem o jogo. Para surpreender o suíço no Finals do ano passado, também foi bem agressivo pelas paralelas.  Federer lidera por 7-3 e 1-0 na grama e busca a histórica 100ª vitória em Wimbledon.

Nadal x Querrey – Norte-americano tem um estilo moderno, com aposta no saque mas solidez nos golpes de base. Usa bem o slice e se vira na rede. Já fez semi em Wimbledon há dois anos, quando bateu Murray. Espanhol ganhou 4 dos 5 duelos, com única derrota em Acapulco-2017, e tenta 32ª quartas em Slam e sétima em Wimbledon.

Bautista x Pella – Os dois tiraram cabeças de chave na caminhada e buscam inédita semi de Slam. Com golpes retos, espanhol ainda não perdeu sets. Canhoto argentino tirou Anderson e Raonic com competência nas devoluções e passadas. Bautista venceu os 2 duelos entre eles e já ganhou um ATP na grama.

E mais
– O mais jovem quadrifinalista da chave masculina é Goffin, de 28 anos. Cinco são ‘trintões’: o Big 3 mais Bautista e Querrey.
– A única vez que o Big 3 chegou na semi de Wimbledon foi em 2007. No geral, isso aconteceu 12 vezes em Slam e pode ser a segunda seguida.
– Esta é a quinta presença em quartas de Slam consecutiva de Nishikori. Em 3 de 4, ele perdeu do campeão.
– Bautista e Pella fazem primeiro duelo de quartas no torneio em que não há um top 20 desde 2013. O espanhol ficou 6h em quadra neste Wimbledon, a metade do argentino.

Viradas marcam quartas femininas
O que não faltaram foram emoções nas quartas de final femininas de Wimbledon desta terça-feira e todas as vencedoras tiveram de lutar com placar adverso e manter a cabeça fria.

Simona Halep e Elina Svitolina tiveram momentos difíceis. A romena chegou a estar a um passo do 1/5 no primeiro set, mas aí iniciou reação em cima de Shuai Zheng. A ucraniana, que havia perdido as quatro tentativas anteriores de ir a uma semi de Slam, viu Karolina Muchova abrir 5/2 com um tênis exuberante para então perder o ritmo. O jogo foi recheado de belos lances junto à rede.

Serena correu menores riscos, mas depois de vencer o primeiro set Alison Riske cresceu e abriu a série decisiva com quebra. Tudo parecia tenso e indefinido até o 3/3. Incrível mesmo foi o desmoronamento emocional de Johanna Konta. A britânica fez 4/1, permitiu empate e depois liderou o tiebreak. A partir daí, Barbora Strycova atropelou. Konta saiu de quadra com 34 erros diante de 9.

Halep e Svitolina já admitem um duelo sem favoritas na quinta-feira, ainda que a ucraniana tenha 4-3 no histórico. Também em semi inédita na carreira aos 33 anos, Strycova perdeu os três jogos diante de Serena sem ganhar set, mas pode dar trabalho se jogar como franco-atiradora.

Brilho argentino em dia de Big 3
Por José Nilton Dalcim
8 de julho de 2019 às 19:29

Como era esperado, o Big 3 avançou às quartas de final de Wimbledon. O que estava um tanto fora das previsões foi a facilidade com que Novak Djokovic, Rafael Nadal e Roger Federer derrubaram seus adversários. Não fossem alguns momentos de extraordinária capacidade técnica, teria beirada à monotonia.

O garoto Ugo Humbert não sacou nada, ficou preso ao fundo de quadra e aí é praticamente impossível ganhar de Nole, que deu uma aula de como mudar a direção da bola sendo ofensivo ao mesmo tempo. João Sousa tentou de tudo, mas quem sacou, voleou e deu deixada com perfeição foi Rafa, extremamente ágil. Matteo Berrettini decepcionou, e talvez só possamos desculpá-lo pela maratona de 4h30 de sábado. No mais, mostrou backhand pífio e saque fora de tom, sendo engolido pela velocidade e elegância daquele senhor de quase 38 anos.

Então quem brilhou mesmo na chave masculina nesta segunda-feira foi o saibrista Guido Pella. Venceu seu terceiro jogo no quinto set em uma semana e derrubou outro experiente sacador e também vice de Wimbledon, Milos Raonic. A façanha se mostrou ainda maior do que a vitória sobre Kevin Anderson, porque o canadense ganhou os dois primeiros sets e o quarto chegou ao tiebreak.

Canhoto de 29 anos, Pella chegou a Wimbledon com meras quatro vitórias na carreira sobre a grama, tendo perdido na estreia dos preparativos de Halle e Eastbourne. As armas mostradas foram a capacidade de ler muito bem o saque, se mexer com fluidez pela quadra e ter paciência para achar a passada ideal. Pella talvez seja a prova definitiva de que as condições gerais em Wimbledon estão mais lentas, o que não tira um milímetro do seu mérito.

O Big 3 continua favorito para ir à semi, embora há de se respeitar os adversários. Djokovic pega David Goffin, outro que se achou na grama e faz das pernas seu forte. Quem vencer, cruzará com Pella ou Roberto Bautista, que fazem o duelo imprevisto das quartas. O espanhol nunca foi tão longe no piso, está num momento muito confiante da carreira. Nunca é demais lembrar que venceu Djoko duas vezes em 2019.

Nadal por sua vez encara a experiência de Sam Querrey, sacador com bom jogo de base e semi de Wimbledon dois anos atrás. É perigoso, sem dúvida. Federer reencontra Kei Nishikori, que tem devolução e contragolpe suficientemente eficientes para exigir máxima atenção e parece com físico em dia. O ‘Fedal’ está próximo, mas longe de estar garantido.

Emoção continua no feminino
Nada menos que três grandes candidatas ao título deram adeus a Wimbledon nesta segunda-feira de oitavas de final, e todas em jogos eletrizantes e cheios de alternância.

Magnífica reação de Alison Riske sobre a líder do ranking Ash Barty praticamente na base das paralelas precisas, que podem também ser o caminho para barrar Serena Williams. Claro que a heptacampeã bate mais forte na bola e está jogando cada vez mais solta.

Virada também de Barbora Strycova sobre Elise Mertens e de Johanna Konta sobre Petra Kvitova, mas não se pode falar muito em surpresas, porque são todas tenistas com ótima adaptação aos pisos mais velozes.

Simona Halep brecou a sensação Cori Gauff mas não pode sossegar diante de Shuai Zheng, que ganhou dois dos três duelos entre elas. Quem vencer, pega Elina Svitolina ou Karolina Muchova, autora da grande surpresa do dia ao tirar Karolina Pliskova com 13/11 de muita qualidade e ousadia no terceiro set.

As quartas de final fenininas já acontecem nesta terça-feira e acho que, ao se olhar a diferença de currículo entre as que ainda estão de pé, a chance para Serena chegar ao 24º Slam cresceu muito.