Arquivo da tag: Jogos Olímpicos

Big 3 em crise
Por José Nilton Dalcim
5 de agosto de 2021 às 23:13

Novak Djokovic teve uma passagem amarga pelos Jogos Olímpicos de Tóquio, tanto no resultado como no comportamento. Rafael Nadal não mostrou grandes qualidades nos dois jogos que fez em Washington ao retornar à quadra após dois meses de inatividade. Roger Federer não vai a Toronto nem a Cincinnati, sinal indicativo de que também ficará fora do US Open. O poderoso Big 3 está em crise.

Nas cinco horas que ficou em quadra na festiva passagem inédita pela capital norte-americana, Rafa deixou mais perguntas do que respostas. Atuações irregulares eram naturalmente esperadas, mas ele não mostrou nada empolgante exceto seu excepcional espírito de luta.

O saque continua a ser o ponto baixo e, num piso um tanto veloz, isso compromete muito. Foram poucos os momentos em que conseguiu ser agressivo. Seu primeiro set contra Jack Sock talvez tenha sido onde o forehand mais funcionou. Depois,vieram tremendas oscilações, algo um tanto inconcebível diante de um jogador tão limitado como o ex-top 10.

O espanhol acusou ainda dores no pé, mas isso não parece ter sido o problema contra Lloyd Harris. O sul-africano jogou bem, foi ousado e sacou muito em momentos importantes do terceiro set, em que tudo parecia a favor de Nadal. O game final no entanto reviveu o fantasma do saque falho e pouco contundente, que permitiu ao valente adversário entrar nos pontos com bolas profundas.

Deslocado pela primeira vez para fora do top 3 desde maio de 2017 – perde 500 pontos de Toronto em calendário antecipado em uma semana -, Nadal será o cabeça 2 no Masters canadense. que costuma ter um piso sintético menos rápido. Ele com certeza sabe que precisa melhorar em todos os aspectos, porque o US Open está ali bem pertinho.

Duro presente de 40 anos
A três dias de completar seu 40º aniversário, Roger Federer deu uma notícia muito ruim para o tênis e a seus fãs. Não disputará qualquer dos Masters 1000 sobre quadra dura, em Toronto ou Cincinnati, o que compromete decisivamente sua presença no US Open.

O motivo é também preocupante: o incômodo no joelho, que teria sentido ao longo da curtíssima temporada de grama, não lhe dá condições de jogar. Não se sabe exatamente sobre qual dos joelhos Federer se refere, mas ele já operou os dois por duas vezes, embora a recente complicação no direito, ocorrida em 2020, seja sem dúvida um indicativo temeroso.

Depois de 14 meses de inatividade, Roger disputou apenas cinco torneios desde março e venceu muito pouco. Perdeu jogos bobos em Doha e Genebra, chegou na terceira rodada de Roland Garros porém fez um esforço tão grande que o levou ao abandono, fez uma exibição horrível na derrota em Halle e apenas se salvou com as quartas de Wimbledon, ainda que a imagem final tenha sido uma queda física e técnica acentuada que o levou a um impensável ‘pneu’ na grama sagrada.

É difícil ser otimista. Contusões no joelho são por si só um grave problema para qualquer tenista, mas pior ainda para alguém com tantos anos de circuito e numa faixa etária elevada. Sem falar que daqui até abril o circuito basicamente acontece no piso sintético, que costuma penalizar esse tipo de lesão.

Título olímpico ratifica qualidade de Zverev
Por José Nilton Dalcim
1 de agosto de 2021 às 14:30

É bem verdade que ainda lhe falte um troféu de Grand Slam, mas o alemão Alexander Zverev ratifica com sua medalha de ouro deste domingo em Tóquio a condição de maior nome da nova geração do tênis.

Aos 24 anos, sua coleção de 16 títulos e nove finais no circuito tem qualidade. Estão ali também o ATP Finals, uma conquista maiúscula em cima de Roger Federer e Novak Djokovic, quatro Masters 1000 em diferentes pisos e 500 de respeito em Acapulco e Washington. A lista de finais não é menos imponente: US Open e mais quatro Masters.

Também já atingiu o terceiro lugar do ranking, um feito notável na Era do Big 4. No entanto sempre estamos cobrando dele algo a mais. Zverev ainda oscila emocionalmente, poderia ter um forehand mais contundente e o jogo de rede só agora começa a se destacar. Com 1,98m. parece menos preguiçoso em se mexer para a frente e isso o colocou pelo menos nas oitavas de final de seus 7 últimos Slam, período em que fez também três semis.

A campanha olímpica não foi espetacular, mas bater de virada o todo-poderoso número 1 liquida discussões. Manteve o alto padrão numa final sem graça contra Karen Khachanov, que fez muito pouco como devolvedor – 5 de 31 pontos – e levou uma surra nos winners (7 a 27). Nem Boris Becker ou Michael Stich conseguiram ouro em simples para a Alemanha – venceram nas duplas – e assim Sascha repete Steffi Graf.

O ouro ficou em mãos corretas e Zverev pode muito bem se candidatar ao bi dentro de três anos em Paris. Porém, muito antes disso, espera-se que Tóquio seja um empurrão importante para a quadra veloz de Cincinnati e do US Open que vêm pela frente. Quem sabe, enfim, não tenha chegado a sua hora.

Nas duplas feminina, Barbora Krejicikova e Katerina Siniakova mantiveram o favoritismo e vingaram Marketa Vondrousova, ao tirar o segundo ouro de Belinda Bencic, que fez parceria com Vikorija Golubic. A República Tcheca nunca havia chegado ao título olímpico desde que passou a competir como país independente, tendo na conta apenas o ouro de 1988 de Miloslav Mecir, que na verdade é eslovaco.

Por fim, as mistas ficaram com Anastasia Pavlyuchenkova e Andrey Rublev, uma certa surpresa já que o russo não é habitual participante em chaves de dupla no circuito, ainda que tenha conquistado seu primeiro ATP em março com Aslan Karatsetv. Eles derrotaram justamente Karatsev e a parceira Elena Vesnina, com uma interessante curiosidade: é a terceira decisão seguida que Vesnina perde match-points, repetindo Wimbledon e a disputa do bronze do sábado.

Meninas de ouro
Por José Nilton Dalcim
31 de julho de 2021 às 13:32

Numa das campanhas mais surpreendentes do tênis brasileiro das últimas duas décadas, Laura Pigossi e Luísa Stefani superaram até mesmo o estigma de ‘cabeça fraca’ que os jogadores nacionais são acusados de possuir e, com quatro vitórias em cinco possíveis, chegaram a uma histórica medalha de bronze em Tóquio, superior a qualquer outro desempenho da modalidade na competição esportiva mais relevante do planeta.

Informadas seis dias antes de embarcar para Tóquio sobre a vaga inesperada, nossas melhores duplistas no ranking tiveram de fazer adaptações de urgência. Viagem longa, fuso horário avassalador, pouquíssimo entrosamento anterior entre elas, estilos um tanto conflitantes. Estava tudo contra elas, incluindo uma estreia difícil contra fortes canadenses.

Das quatro vitórias em Tóquio, três foram de virada e portanto no match-tiebreak, desafios que exigem muita frieza. Também evitaram oito match-points, quatro nas quartas e mais quatro na final deste sábado, e vamos ainda lembrar que o primeiro set da única derrota, na semi para as suíças, tiveram um set-point depois de liderar por 4/0.

A disputa do bronze contra as fortes russas nesta madrugada – acabaram de ser vices em Wimbledon – exigiu o máximo de Pigossi e Stefani, tanto no aspecto técnico como no controle emocional. Foram sets duros contra duas jogadoras que pegam muito pesado da base, mas as brasileiras conseguiram segurar muitas trocas importantes e foram extremamente oportunas junto à rede, como aliás aconteceu no ponto que deu a elas o match-point, em que Luísa mostrou incrível reflexo.

Salvar-se de 5-9, com dois saques do adversário a partir do 7-9, é um feito assombroso em qualquer circunstância, mas num jogo que valia tanto para o dueto brasileiro foi a mostra de maturidade e confiança. Simplesmente não erraram, mesmo com postura ofensiva, sem jamais segurar o braço.

Então a alegria de chegar a este bronze tão improvável não é apenas uma questão de nacionalismo, porém acima de tudo de mérito e competência. Além é claro de recolocar um grande foco sobre nosso tênis feminino, que reagiu nos últimos anos a partir do empenho hercúleo de Teliana Pereira, do crescimento técnico de Bia Haddad, da ascensão meteórica de Stefani e de tantas garotas extremamente sérias e dedicadas, como Pigossi, Gabriela Cé, Carol Meligeni, Paula Gonçalves ou Rebeca Pereira.

Jamais devemos esquecer que muito disso passa pela série de pequenos torneios profissionais promovidos no país desde 2011, eventos pouco mediáticos mas que são a base primordial para que possamos ganhar cada vez mais meninas de ouro.

Bencic é campeã, Svitolina faz história
Houve muito ponto bonito, mas a final olímpica feminina foi claramente tensa. Belinda Bencic e Marketa Vondrousova viveram muitos altos e baixos, tiveram dificuldades com o serviço e para sustentar vantagens, mas a suíça mostrou outra vez excepcional preparo físico e levou a terceira medalha de ouro do tênis para seu país, repetindo Marc Rosset, em simples de Barcelona-92, e os ainda ativos Roger Federer e Stan Wawrinka.

E a missão da ex-top 10 ainda não terminou. Voltará à quadra neste domingo para tentar outro ouro, agora em duplas, o que pode torná-la a quarta profissional a obter tamanha façanha. Bencic já pode ser apontada como o maior nome do tênis olímpico suíço, acima de Federer, que também possui uma prata de simples, em Londres-2012.

O bronze foi um duelo emocionante em que Elina Svitolina obteve notável virada em cima da cazaque Elena Rybakina, depois de levar uma surra no primeiro set. Esta é a primeira medalha do tênis ucraniano nos Jogos.

Sem medalhas e com vexame
E Novak Djokovic deixa Tóquio sem qualquer medalha no pescoço. Fez uma exibição de altos e baixos contra o espanhol Pablo Carreño, que se mostrou bem sólido o tempo todo e foi claramente superior no terceiro set. Emocionadíssimo, jogou-se ao chão para comemorar ao mesmo tempo a primeira efetiva vitória em cima do número 1 do mundo.

Nole alegou dor no ombro e sequer entrou em quadra para tentar o bronze nas mistas. Talvez, a frustração tenha sido o problema maior e isso ele deixou claro com duas explosões raivosas no terceiro set, a primeira arremessando a raquete na arquibancada e a outra, destruindo a raquete no poste da rede. Em ambas as situações, colocou-se outra vez no risco iminente de desclassificação. Será que a dura lição do US Open, justamente contra Carreño, não foi ainda o bastante?

De qualquer forma, Nole terá tempo suficiente para esfriar a cabeça e se preparar adequadamente para Cincinnati e US Open. Se o sonhado Golden Slam se esvaiu, fechar o Slam é apenas um degrau a menos na tabela das mais extraordinárias realizações que um tenista pode pretender na carreira. E a oportunidade continua muito aberta.