Arquivo da tag: Joao Menezes

As apostas para 2020
Por José Nilton Dalcim
23 de dezembro de 2019 às 15:29

Como acontece tradicionalmente, TenisBrasil perguntou aos internautas e a um grupo de 35 convidados, entre treinadores, jornalistas e pessoas intimamente ligadas ao esporte, quais as tendências para a próxima temporada. Algumas previsões foram bem curiosas. Eis um resumo.

O grupo de especialistas deixou claro duas têndências: Novak Djokovic irá recuperar o número 1 e Stefanos Tsitsipas entrará no Big 3 ainda no primeiro semestre. E aí existe clara divergência quanto ao voto popular, que acredita mais em Rafael Nadal para se manter na ponta e não vê Tsitsipas com toda essa chance (7% apenas votou no grego).

Para Nadal, os dois paineis indicam que será ultrapassar os 20 Slam de Roger Federer. Para os especialistas, restará ao suíço quebrar as marcas de títulos (109) e vitórias (1.274) de Connors, mas o júri de internautas acredita maciçamente no 21º troféu de Federer (45%). Será que não é mais torcida do que análise?

Felix Aliassime será o primeiro dos novatos a atingir o top 10 para os especialistas, porém o público preferiu Denis Shapovalov por pequena margem. Ambos cravaram que Stan Wawrinka é quem tem mais chance de recuperar o posto entre os velhos heróis. E há por fim uma aposta consistente em cima de Dominic Thiem como ganhador do primeiro Slam entre os que ainda sonham com isso.

No feminino, Ashleigh Barty e Naomi Osaka são as principais candidatas ao número 1 para os especialistas, enquanto o público aposta muto mais em Osaka (37% contra 23%). Angelique Kerber e Garbiñe Muguruza são as que têm maior chance de recuperar seu melhor tênis.

No geral, pode-se notar otimismo quanto ao tênis brasileiro em 2020. Acredita-se que João Menezes e/ou Thiago Wild chegarão ao top 100 e mais de 30% dos especialistas vêm chance de Luísa Stefani aparecer entre as 20 primeiras de duplas. Questionados sobre as prioridades, não surgiram dúvidas: colocar o Centro Nacional para funcionar e recuperar o calendário de challengers e futures. Infelizmente, acho as duas coisas pouco viáveis.

Como foi no ano passado?
E será que as previsões feitas em 2018 se concretizaram? Vamos dar olhada:
– Internautas apostaram que Djokovic terminaria na ponta, que Nadal só brilharia no saibro europeu e que Zverev teria enfim chance de ganhar seu Slam. Só acertaram mesmo o 100º troféu de Federer e se saíram muito bem ao indicar Karen Khachanov como potencial top 10. Curioso: nesse item, Medvedev só recebeu 2% de votos!
– Os especialistas acharam que Zverev ameaçaria o Big 3 – nada menos que 79% apostaram que ele venceria enfim um Slam – e seguiram a ideia de que Djoko terminaria como líder e Nadal não iria bem fora do saibro. Ou seja, erraram feio…
– No feminino, público e convidados acreditaram que Simona Halep terminaria como líder, em ambos os casos ameaçada por Serena Williams.
– Decepção mesmo foi Thomaz Bellucci. Os dois paineis votaram que ele ao menos reagiria e lutaria por lugar no top 100. Ficou muito longe disso.

Vale conferir
Wimbledon também entrou na linha do ‘melhor da década’ e copilou uma série de vídeos muito interessantes. Deixo aqui o link geral, já que Wimbledon não publica material em outras mídias, nem permite compartilhamento. Basta clicar nos vídeos e assistí-los (há opção de tela cheia, o que deixa ainda melhor). Recomendo: https://www.wimbledon.com/en_GB/about_wimbledon/the_2010s_at_wimbledon.html.

Domingo dos números 1. E de esperança.
Por José Nilton Dalcim
3 de novembro de 2019 às 23:53

Era um domingo para se ficar atento aos dois líderes do ranking, que tinham tarefas e favoritismos muito distintos, além de missões importantíssimas. E também de torcer pelo garoto Thiago Wild em seu primeiro momento importante da carreira. Nenhum deles decepcionou.

Djokovic dá aula
Todo mundo sabe que Djokovic deu algumas escorregadas diante dos membros da nova geração nas últimas temporadas, mas nesta semana em Paris ele mostrou aos garotos quem manda. Depois de atropelar Stefanos Tsitsipas, deu mínimas oportunidades ao canhoto Denis Shapovalov e conquistou o penta em Bercy e o 34º troféu de nível Masters em perder um único set na semana.

Ele próprio reconheceu mais tarde que sacou com incrível qualidade na final deste domingo – 71% de acerto do primeiro saque e 81% desses pontos vencidos – e lá do fundo de quadra colocou pressão o tempo todo. Shapovalov começou muito nervoso e só teve um break-point, quando já estava uma quebra atrás no segundo set, que mal teve chance de jogar.

Resta ainda a tarefa no Finals de Londres, onde inegavelmente entrará outra vez como favorito, mas já é fácil atestar a temporada de enorme gabarito de Nole. De seus cinco títulos, dois foram em Grand Slam e dois em Masters. Aliás, se tivesse vencido apenas Melbourne e Madri, os 3 mil pontos já o teriam classificado ao Finals em maio! E se ele contasse somente os 6 mil pontos dos quatro grandes troféus, seria o terceiro do mundo. Para completar, fecha com um título em cada superfície: dura, saibro, grama e sintético coberto. Já é também o quinto maior vencedor do tênis profissional, igualando-se aos 77 de John McEnroe, sete atrás de Rafael Nadal.

E por falar no espanhol, Djokovic vai atrás agora de recuperar a liderança do ranking, perdida temporariamente nesta segunda-feira. Caso Rafa não jogue em Londres – e a chance disso acontecer é grande -, ele vai precisar de pelo menos três vitórias: duas na fase de grupo (400 pontos) e outra na semi (mais 400) para recuperar a desvantagem de 640 do momento. Se o espanhol entrar, Djoko precisará ser campeão com no máximo uma derrota desde que Nadal pare até a semi.

Barty acaba com tabu
O número 1 já estava garantido desde que venceu a primeira partida em Shenzhen, mas Ashleigh Barty levou um susto na segunda rodada, manteve a cabeça no lugar e também chegou ao título neste domingo com certa folga em cima de Elina Svitolina. Diferentemente de Djoko, no entanto, a australiana entrou em quadra com uma pulga e tanto atrás da orelha, pois havia perdido todos os cinco duelos anteriores.

Ela revelou ter feito pequenos ajustes táticos, principalmente o uso maior do forehand, e conseguiu enfim superar a ucraniana. Precisou de sangue frio, tanto para salvar o fundamental break-point no 4/4 do primeiro set, como para reverter vantagem de Svitolina no começo de um segundo set de sucessivas alternâncias. Desfecho magnífico para uma temporada em que explodiu em Miami, surpreendeu com a conquista no saibro de Roland Garros, chegou e brigou pela liderança desde junho e atingiu seu primeiro Finals. De quebra, embolsou o maior prêmio do tênis (US$ 4,42 milhões).

Sua tarefa no entanto ainda não está completa. Barty aceitou a convocação para a final da Fed Cup no próximo final de semana em Perth, contra a França de Caroline Garcia e Kiki Mladenovic, e tentará ajudar a Austrália a erguer seu primeiro troféu na competição desde o longínquo ano de 1974.

Wild amadurece
Enfim, as coisas se encaixaram com maior clareza e Thiago Wild pôde mostrar todo seu potencial no saibro de Guayaquil. Venceu seis partidas com apenas um set perdido, o que incluiu superar os top 100 Thiago Monteiro e Hugo Dellien e o ex-80 Jozef Kovalik. Mais do que isso, jogou sempre de forma agressiva, impondo-se em quadra. Vale registrar que o triunfo sobre Monteiro, campeão em Lima poucos dias antes, foram em dois tiebreaks, um sinal importante de seu maior controle emocional.

Wild conquista seu primeiro challenger na 25ª tentativa da curta carreira e no 20º torneio desse nível da temporada. Aos 19 anos e sete meses, é o segundo mais jovem brasileiro a ganhar um challenger, superado por Jaime Oncins, vencedor em Lins aos 19 anos e dois meses e com apenas 16 torneios até então disputados. Nomes como Guga Kuerten, Flávio Saretta e Thomaz Bellucci foram campeões de challenger pela primeira vez depois dos 20 anos.

Aliás, o paranaense também havia eliminado em Lima o então 73º do ranking, o italiano Marco Cecchinato, semifinalista de Roland Garros no ano passado. É um conjunto de resultados que só pode fazer com que a confiança no seu tênis apenas cresça. Nesta segunda-feira, ele saltará do 311º posto para o 235º, ficará apenas atrás de Monteiro e João Menezes.

Com esse quadro, o tênis brasileiro já garante Monteiro diretamente na chave do Australian Open e as presenças do campeão pan-americano e de Wild no quali. E com otimismo, uma vez que esses dois nomes da nossa nova geração gostam muito de jogar no piso sintético.

Quem segura o Big 3?
Por José Nilton Dalcim
22 de agosto de 2019 às 19:35

Numa disputa todo pessoal pelo recorde de troféus de Grand Slam, Novak Djokovic, Rafael Nadal e Roger Federer conheceram nesta quinta-feira a chave do US Open e não podem reclamar muito. Principalmente o espanhol. Ele viu Federer ficar no mesmo lado de Nole, o que era certamente a maior interrogação do sorteio desta quinta-feira.

Não se pode dizer que a trajetória de Djokovic seja das mais simples, com possível duelo contra Sam Querrey na segunda rodada, Kevin Anderson ou Stan Wawrinka nas oitavas e reencontro com Daniil Medvedev nas quartas. Mas isso está longe de tirar dele o favoritismo ao título. Ao contrário, jogos progressivamente exigentes são um caminho ideal para quem quer entrar fisicamente em alta e muito focado na reta final de um Grand Slam.

Medvedev seria talvez sua maior barreira, já que Anderson não fez qualquer preparativo devido a contusões e Wawrinka não tem se mostrado competitivo. São os dois nomes mais experientes do quadrante, um com título, outro com final no torneio. Vindo de campanha excepcional, o russo precisa tomar cuidado com Taylor Fritz na terceira fase. Fabio Fognini e Nikoloz Basilashvili são candidatos a enfrentá-lo em eventuais oitavas, ainda que o italiano veja estreia muito perigosa diante do gigante Reilly Opelka.

A menos que esteja novamente mal treinado, Federer vislumbra uma chave excepcionalmente boa para confirmar sua vaga na semi, onde Lucas Pouille surge como possível oponente de terceira rodada; David Goffin, de oitavas; e Kei Nishikori, de quartas. O japonês anda com cotovelo comprometido e também deu sorte, já que Cristian Garin, Borna Coric e Milos Raonic não assustam.

A escalada de Nadal promete ser curiosa, com adversários muito distintos entre si. John Millman, aquele que tirou Federer em 2018 fica no fundo; Thanasi Kokkinakis é grande sacador, o canhoto Fernando Verdasco adora um quinto set. Daí podem vir John Isner ou Marin Cilic, que não estão em bom momento. Karen Khachanov se candidata a adversário de quartas e aí sim me parece um homem capaz de dar problemas ao espanhol. No ano passado, foram quatro duríssimos sets.

O único quadrante sem Big 3 também se tornou o mais atraente de todos, até porque não dá para cravar Stefanos Tsitsipas, Dominic Thiem, Roberto Bautista ou Nick Kyrgios como favoritos. O grego aliás pegou uma sequência daquelas: estreia contra Andrey Rublev, pode ter Gilles Simon, depois Kyrgios para então cruzar com Bautista. Mas o espanhol também tem primeiro jogo chato diante de MIkhail Kukushkin. De qualquer forma, me parece que o sobrevivente deste grupo todo estará nas quartas, já que Thiem, Gael Monfils e Felix Aliassime estão num nível inferior no momento.

Equilíbrio no feminino
Na tentativa de defender seu título e o número 1, Naomi Osaka até que não se saiu mal no sorteio: Carla Suárez, Belinda Bencic, Kiki Bertens são as cabeças mais lógicas na sua trajetória. Quem pegou uma chave complexa foi Simona Halep, que provavelmente tenha de passar por Barbora Strycova, Bianca Andreescu, Sloane Stephens ou Petra Kvitova rumo à semi.

Embaixo, há também boa expectativa de equilíbrio. Ash Barty ficou no quadrante de Angelique Kerber e Serena Williams, enquanto Karolina Pliskova foi colocada no setor de Madison Keys e Elina Svitolina, que podem duelar entre si nas oitavas. Mas também está por ali Venus Williams, jamais descartável.

Serena x Sharapova
O destino brincou na chave feminina, ao colocar o duelo de campeãs entre Serena Williams e Maria Sharapova logo de cara. Será o 22º confronto entre elas, com placar de 19-2 para Serena, que não perde desde 2004. Jamais haviam se cruzado em Flushing Meadows.

Grandes jogos
A primeira rodada masculina tem alguns jogos que poderiam ser finais de ATP 250, como Tsitsipas-Rublev, Aliassime-Shapovalov, Berrettini-Gasquet, Kyrgios-Johnson, Struff-Ruud, Klizan-Cilic, Fognini-Opelka, Fucsovics-Basilashvili, Fritz-López, Kohlschreiber-Pouille, Pella-Carreño ou Jarry-Raonic. Estou prevendo muito quinto set.

No feminino, me parecem especialmente interessantes Azarenka-Sabalenka, Potapova-Gauff, Riske-Muguruza, Konta-Kasatkina e Kerber-Mladenovic.

Monteiro e Menezes: esperança
Embora o piso sintético não seja seu habitat natural, o canhoto cearense Thiago Monteiro escapou dos cabeças na primeira rodada e tem chance real diante do atleta da casa Bradley Klahn, de 28 anos e atual 108 do mundo, a quem o brasileiro venceu no ano passado. Se avançar, Monteiro deve reencontrar Nishikori, para quem caiu em Wimbledon.

A excelente notícia foram as duas vitórias de virada de João Menezes em seu primeiro quali de Grand Slam, o que prova mesmo seu momento de ascensão técnica e emocional. A vaga será decidida contra o indiano Sumit Nagal, de 22 anos e 190º do mundo, a quem mineiro já derrotou duas vezes em três sets, mas no saibro. O campeão pan-americano já embolsou US$ 32 mil e somou 16 pontos (serão US$ 58 mil e 35 pontos se entrar na chave). Ele só tem 8 pontos a repetir até o fim do ano.